Por que Fazemos Sexo?

ResearchBlogging.org

Viver com uma outra pessoa é complicado. Ter uma relação afetiva madura é difícil. Ter uma vida sexual harmoniosa é mais complicado ainda. Vários casais sofrem com questões relacioandas à vida sexual. As vezes um quer, mas o outro não quer. Hoje ela está com dor de cabeça. Ontem ele estava cansado e dormiu. Como diz a psicóloga Silvana Martani, após um dia corrido de preocupações e trabalhos, homens e mulheres não conseguem encarar a atividade sexual como algo prazeroso — o que algumas pessoas chamam de preguiça sexual. Um outro problema comum é a falta de apetite sexual que alguns casais enfretam com o passar dos anos de casados. Quanto mais tempo junto, menos se quer a outra pessoa. É por esse motivo que a Internet está cheia de dicas de como “apimentar” a vida sexual de casais casados e/ou juntos a muito tempo. A idéia básica é: a rotina é a principal inimiga de uma vida sexual ativa.

Muita gente acredita que esses problemas na vida sexual ocorrem por que homens e mulheres vêem sexo de maneira diferente. Para os homens sexo é a busca do prazer físico. Não precisa ter amor. Se a mulher é bonita e a oportunidade surge, essa é a hora de fazer sexo. Já as mulheres são mais ligadas às facetas emotivas e afetivas da relação sexual. Desde que o homem lhe transmita confiança e seja uma pessoa com quem ela sente um afeto e carinho muito grande, essa á a hora de fazer amor. No final das contas, a pergunta real que devemos nos fazer é: por que fazemos sexo? Quais são os motivos que realmente nos levam a fazer sexo?

Durante muito tempo, psicólogos achavam que os motivos eram poucos e psicologicamente simples. Não tem nada de muito complicado não: as pessoas fazem sexo para (1) fins reprodutivos, (2) sentir prazer e (3) aliviar a tensão sexual. No entanto, o ser humano é uma máquina altamente complexa. Somos complicados. Parece muito contra-intuitivo dizer que as razões que motivam o ser humano a se engajar em atividades sexuais sejam simples e poucas. Por esse motivo, alguns psicólogos começaram a sugerir que essas motivações eram mais variadas e psicologiacamente mais complexas.

Os pesquisadores Cindy Meston e David Buss, ambos do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas em Austin, investigaram, em um estudo super interessante, as razões que motivam o ser humano a fazer sexo. Foram dois estudos simples, mas com implicações importantes para a discussão sobre a qualidade da vida sexual de casais em geral.

No primeiro estudo, os pesquisadores simplesmente pediram aos participantes (em torno de 440 pessoas) para listar todos os motivos que o levaram a fazer sexo com alguém. Eles podiam listar quantos motivos desejassem. Um total de 715 motivos foram coletados. Após uma triagem para exclusão de motivos parecidos e/ou idênticos, um total de 237 motivos distintos foram encontrados. Mesmo sem nenhum tratamento estatístico, o estudo incial já mostrou resultados interessantes. Os motivos foram os mais variados possíveis. Desde de motivos simples como “faço sexo por que é bom”, ou “faço sexo quando me sinto atraído(a) pela outra pessoa”, até motivos mais estranhos como “faço sexo pra me sentir perto de Deus” ou “faço sexo para transmitir DST para outras pessoas”.

No segundo estudo, os pesquisadores estavam interessados em investigar as diferenças entre homens e mulheres no que diz respeito aos motivos que os levam a fazer sexo. Basicamente eles mostraram os 237 motivos listados no primeiro estudo para um grupo de 1500 pessoas e essas pessoas tinham que responder, em uma escala de 1 a 5, o nível de concordância com cada um dos motivos. O interessante foi que os pesquisadores mostraram que, dos 10 motivos mais frequentes, 8 foram compartilhados por homens e mulheres. Em outras palavras, homens e mulheres elegeram os mesmos motivos de uma maneira geral. E mais interessante ainda: a grande maioria desses motivos eram de base física (“fiz por que estava excitado(a)”, “queria ter prazer físico” ou “me senti atraído pela outra pessoa”). Mesmo mulheres — consideradas pelo senso comum menos carnais e mais emotivas — listaram objetivos como esses, como sendo os grandes motivadores da atividade sexual.

Após essas primeiras constatações, os pesquisadores realizaram uma série de análises estatísticas (Factor Analysis e PCA) e agruparam os 237 motivos em sub-grupos e categorias. Essas outras análises — que não vou entrar em detalhes aqui — revelaram uma complexidade psicológica nas razões que motivam a atividade sexual. Por exemplo, o estudo mostrou que um motivo que pode ser visto pela população geral como sendo raro (“ficar próximo de Deus” ou “queria machucar a outra pessoa”) são psicologicamente importantes para as pessoas que os escolheram.

Quando as diferenças entre homens e mulheres foram analisadas de maneira mais sistemática, Cindy e David encontraram o que alguns pesquisadores já haviam antecipado: as motivações femininas são mais ligadas à emoção (“fiz para mostrar que amo meu parceiro”) e elas preferem atividades sexuais com parceiros fixos (namorados ou marido). Já os homens escolheram motivações mais carnais e não mostraram preferência por relações duradouras.

Vale ressaltar que  o prazer físico foi motivo válido tanto para os homens quanto para as mulheres. No entanto, para as mulheres o prazer físico deve ser necessariamente acompanhado de afeto e relacionamento duradouro, ao passo que para o homem, o fator afeto e relacionamento duradouro não faz tanta diferença.

Mais uma vez, a mensagem que fica é: devemos buscar conhecer as motivações — cognitivas ou não —  que impulsionam nossas ações (e as ações de nossos parceiros). A vida a dois já não é fácil. A não compreensão do que motiva as ações do seu(sua) parceiro(a) pode complicar ainda mais a relação.

A outra dica que fica é: dor de cabeça não convence mais! 🙂

Referência:

Meston, C., & Buss, D. (2007). Why Humans Have Sex Archives of Sexual Behavior, 36 (4), 477-507 DOI: 10.1007/s10508-007-9175-2

Esta entrada foi publicada em Psicologia Cognitiva. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para Por que Fazemos Sexo?

  1. Pingback: um tzaum! de blog ||| » Descrença com o “amor”: uma explicação.

  2. luma rosa disse:

    Nem dor de cabeça, como também cansaço! O que faz as pessoas desistirem do sexo, não é a falta de vontade, mas falta de estímulo. O homem ou a mulher que não estimulam seus parceiros, estão fadados a fazerem sexo sozinhos.

  3. Pingback: Descrença com o “amor”: uma explicação. | um tzaum! de blog ///

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *