A Relatividade dos Produtos “Baby Einstein”

ResearchBlogging.orgTodo pai e toda mãe sonha em ter filhos inteligentes. Muitos pais começam a investir nessa história desde muito cedo. Antes que as crianças completem um ano de vida, os pais compram todo e qualquer produto que promete estimular a criatividade, a linguagem e até mesmo habilidades mais específicas como conhecimento matemático da criança. Existem dois aspectos relacionados à essa questão: o primeiro (que não pretendo discutir aqui) é sobre a necessidade de se incentivar tais habilidades tão cedo. O segundo aspecto é, para mim, mais importante: será que funciona?

Existe uma linha de produtos “educacionais” conhecidos como Baby Einstein. Eles consistem de DVD’s que contêm músicas, arte, linguagem e ciência para crianças. Nos Estados Unidos, por exemplo, mais de 40% dos pais investem nesses produtos com a crença de que seus filhos serão mais inteligentes, aprenderão mais rápido e com melhor qualidade. No Brasil, os produtos da linha Baby Einstein são caros. A coleção completa com 12 DVD’s não é vendida por menos de R$ 220,00. Vale lembrar que o público-alvo dos DVD’s são crianças entre 0 e 3 anos de idade.

A propaganda desses produtos sempre mostra relatos de pais dizendo, por exemplo, que seus filhos passaram a falar mais palavras depois que começaram a assistir aos vídeos da linha. Como todos esses produtos não tem respaldo nenhum em pesquisas empíricas sobre desenvolvimento cognitivo de crianças, sempre penso na validade deles.

Um estudo recente publicado por Judy DeLoache e uma equipe de pesquisadores invetsigou exatemente esta questão. Foi um dos primeiros estudos que vi em que a validade destes produtos foi avaliada de maneira experimental e direta. No estudo dela, 72 crianças de 12 a 18 meses de idade foram dividas em quatro grupos experimentais. No grupo 1, as crianças foram expostas (por um período grande) aos vídeos da linha — vídeos que supostamente ensinavam palavras novas às crianças. Nesse grupo, as crianças assistiam ao vídeo com um dos pais. No grupo 2, as crianças assistiam ao vídeo sozinhas (sem interação com os pais). No grupo 3, as crianças não assistiam aos vídeos, mas interagiam com os pais para aprender as mesmas palavras que o vídeo teria que ensinar. O último grupo foi apenas um grupo controle, onde nenhuma manipulação foi feita.

Após o período de exposição e/ou interação, os pesquisadores testaram as crianças para verificar se elas aprenderam mesmo as palavras “ensinadas”. Sem muita sofisticação nas análises, os resultados foram bem diretos: estes produtos não funcionam. As crianças que interagiram com os pais apenas (sem assistir aos vídeos) foram as que mais aprenderam. As crianças que só assitiram ao vídeo (sem a interação com os pais) aprenderam menos do que as crianças do grupo controle (sem interação alguma). Em outras palavras, se você não faz nada, as crianças aprendem mais do que se assistirem aos vídeos.

Um ponto importante que o estudo ressalta (e que VÁRIOS outros estudos corroboram) é o fato de que a interação com os pais é sem dúvida o fator mais importante no desenvolvimento cognitivo e social da criança. Volto a dizer: conhecer mais sobre desenvolvimento infantil e processamento cognitivo humano só contribui positivamente tanto para o seu crescimento pessoal quanto para o desenvolvimento do seu filho(a).

E lembre-se: ao invés de assinar um cheque de R$ 220,00 para comprar vídeos que simplesmente não fazem o que prometem fazer, sente, brinque e converse com seu filho. Se a compulsão para gastar o dinheiro for mesmo forte, você tem duas opções:

(1) compre um livro ou revista sobre psicologia e desenvolvimento humano (a revista Mente e Cérebro é um bom exemplo).

(2) Envie um e-mail para mim que eu te passo a minha conta bancária para receber os R$ 220,00.

Referência:
DeLoache JS, Chiong C, Sherman K, Islam N, Vanderborght M, Troseth GL, Strouse GA, & O’Doherty K (2010). Do babies learn from baby media? Psychological science : a journal of the American Psychological Society / APS, 21 (11), 1570-4 PMID: 20855901

Esta entrada foi publicada em Psicologia Cognitiva. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para A Relatividade dos Produtos “Baby Einstein”

  1. none disse:

    >Vou criar uma série de DVDs para os *pais*… rere[]s,Roberto Takata

  2. marcela disse:

    >Gostei, a propósito o depósito sei feito em duas vezes de R$110,00? Valeu, ótima matéria!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.