>

Até agora, em 14 rodadas do Campeonato Brasileiro de Futebol, 11 técnicos — um time inteiro de treinadores — foram demitidos; quase 1 a cada rodada. Os motivos são quase sempre os mesmos: uma série de derrotas, a “pressão” dos torcedores, além de diversas razões de ordem “política”: incompatibilidade de egos, exigências de salários elevados e caros reforços por parte dos treinadores; divergências  entre cartolas e técnicos sobre a escalação do time e o tratamento diferenciado  — protecionismo mesmo — recebido por certos jogadores, principalmente os grandes astros ou as revelações do clube. Daí para um quadro de desunião do time e tensões entre os futebolistas, o técnico e a diretoria é um pulo.

Tudo isso independe do clube; é parte de uma “cultura” existente na gestão do velho esporte bretão. O técnico é sempre o único culpado de tudo e sua cabeça é pedida pelos torcedores mais fanáticos e impacientes que se esquecem logo dos bons trabalhos e resultados alcançados pelo time sob o comando do técnico — mesmo que o treinador esteja entre os melhores do país ou até do mundo.

O que mais surpreende, porém, é ver muita gente se engajando e pressionando os seus clubes quando estes apresentam maus resultados. Muitas vezes, é verdade, as ações de protesto beiram a violência. Mas é essa agressividade toda — e não necessariamente o número de torcedores protestantes — que leva os cartolas dos clubes a degolar o cabeça da equipe de futebol. Toda essa mobilização rápida e (quase) espontânea dos torcedores contrasta fortemente com a apatia e a indiferença do cidadão comum em relação aos sucessivos (e aparentemente infindáveis) escândalos políticos em todas as esferas da administração pública.

vasco2(1)Ao menor sinal de crise num clube, os torcedores protestam, chamam a atenção da imprensa e conseguem o que querem: um novo técnico ou mais reforços. Por que não fazemos o mesmo em relação ao governo, que pode nos prejudicar muito mais do que um time de futebol perdedor?

É patente a falta de indignação da sociedade brasileira diante de suas mazelas e dos desmandos de seus líderes. Em caso de escândalo, os políticos parecem seguir uma cartilha básica diante do público: (1) declaram apenas que não sabem de nada ou que não se deve fazer acusações precipitadas, mesmo diante de provas contundentes e amplamente divulgadas pela imprensa. Eles — que foram eleitos pelo povo para trabalhar para o povo — chegam  (2)até ao disparate de declarar que estão se lixando para a opinião pública. Depois, buscam (3) pôr a culpa pelos próprios crimes na imprensa — que apenas cumpre seu papel indispensável ao sistema democrático —, e, por fim, (4) criam fantasiosos cenários de perseguição política, como se não pudesse haver debate político ou ações de oposição ao governo. É a clássica técnica de dizer que “é tudo intriga da oposição”, uma frase tão batida que já saiu do jargão político e virou até bordão popular.

A inércia política do brasileiro também é creditada à nossa formação cultural e política. Sempre houve pouca ou nenhuma participação popular nos momentos decisivos da nossa História. A Independência foi proclamada por um Príncipe-regente que tratou logo de clamar para si o trono de um Império inventado por ele mesmo. Em seguida, a República foi proclamada pelos um general monarquista que recebeu apoio dos grandes latifundiários insatisfeitos com a Abolição. O movimento abolicionista, aliás, foi um dos poucos exemplos de mobilização política da população brasileira. Outras exceções notáveis são as várias correntes de oposição ao Regime Militar instalado em 1964. Fomos das pequenas guerrilhas infrutíferas no meio da Floresta Amazônica para um movimento mais unificado, urbano e pacífico, intenso e nem um pouco desprezível: as greves industriais do fim dos anos ’70 e as Diretas Já! do começo da década seguinte mobilizaram milhões de brasileiros por todo o país. Pouco depois, parecia que nós tínhamos aprendido a lição quando pintamos a cara para pedir a saída do presidente Collor – exatamente como se ele fosse o técnico de um país que vivia perdendo para os times da inflação e da corrupção.

08078149

 

Onde foi parar a geração Cara-Pintada? Porque nos calamos depois de duras lutas para conquistar a liberdade de expressão?

 

 

Parecia, porque, dois anos depois do Movimento Cara-Pintada, não houve qualquer reação popular ao escândalo dos “Anões do Orçamento” (alguém se lembra disso?). A mesma falta de ação popular caracterizou todos os escândalos que se seguiram: a nebulosa aprovação da reeleição, a violação do painel do Senado, as diversas CPIs, entre as quais até mesmo uma que apurou a corrupção no futebol (mas, como a maioria das outras Comissões, não resolveu nada e não puniu ninguém).

Houve muita esperança quando da eleição de Luís Inácio Lula da Silva, mas nada além disso. Os escândalos não acabaram com a chegada ao poder de um partido que sempre fez forte defesa da ética na política quando era líder de uma oposição mais atuante, embora mais radical. Quem antes estava no poder e passou a ser oposição ou calou-se ou vendeu-se.

E aí veio o mais grave escândalo político desde do governo Collor: o mensalão. Mobilização popular? Nenhuma! Punição aos envolvidos? Nenhuma também. Apesar de tudo isso, um presidente que se opunha à reeleição foi alegremente reeleito. E os escândalos continuam, com as velhas raposas de sempre, por que renovação política também não existe. Nem dentro dos partidos nem entre os eleitores, que acabam sempre com as mesmas escolhas e com a mesma justificativa: “os políticos são todos iguais e nós não podemos mudar nada.”

Uma observação interessante que podemos fazer é que, nos períodos em que o nosso futebol está em alta, a mobilização popular desaparece completamente. Os indignados protestantes políticos convertem-se, como que por mágica, em torcedores ufanistas (“Eu sou brasileirooo, com muito orgulhoooo, com muito amooor!…”). Foi assim em 1970, para a alegria dos militares, que fizeram de tudo para exaltar a Seleção tricampeã e ressaltar a ideia de que a vitória era de todos os brasileiros (“90 milhões em ação….”).

Pouco tempo depois, as greves no ABC paulista e o movimento das Diretas Já! ocorreram num período bastante difícil e conturbado para o futebol nacional. Os torcedores de outrora – infelizes, porém mais atentos à realidade nacional – voltaram a ser cidadãos e tomaram as ruas para fazer protestos e não para festejar vitórias que, no mínimo, eram ilusórias e passageiras. Nossos jovens pintaram a cara contra Collor um ano após o fiasco da Copa de 1990.

Mais tarde, Fernando Henrique Cardoso foi reeleito sem muito questionamento popular – mesmo depois da trágica Copa da França. O choque parece t
er sido tão grande que não fomos capazes de reagir em pouco tempo. Em 2002, ganhamos mais uma Copa do Mundo às vésperas da eleição de Lula — eis mais um motivo para a onda de otimismo e esperança que varreu o país. A onda passou, e a maré baixa foi atenuada com uma felicidade vendida (a.k.a. Bolsa-Família) pelo então novo governo, sob o pretexto de redistribuir renda. Agora, quem fica insatisfeito com um governo que, mesmo com impostos maiores e com os buracos-negros da corrupção ainda dá dinheiro pro “povão”? O resultado: um ano após comprar até parlamentares, o governo Lula foi reeleito mesmo após uma derrota retumbante na Copa do Mundo de 2006.

Os protestos de hoje, quando acontecem, são muito esporádicos e fracos, para se dizer o mínimo. No fim do ano passado, por exemplo, foi organizado um protesto no Rio de Janeiro no dia nacional de combate à corrupção. Segundo o blog do roqueiro Tico Santa Cruz, que participou do ato, dos

quinze mil usuários de Orkut presentes na comunidade do Movimento Pró-Democracia, apenas cinqüenta apareceram para o protesto no dia nacional de combate a corrupção.”

protestocinelandia3

É lamentável ver que nem mesmo a internet consegue mobilizar nossa população, ou pelo menos, nossa juventude. Quando muito, faz-se um confortável protesto dentro de casa, através do Twitter, com a tag #forasarney. A iniciativa seria louvável se, além de discutir a corrupção e criticar os políticos, incentivasse as mobilizações nas ruas, que teriam muito mais visibilidade e seriam mais efetivas. Foi isso o que os iranianos, mesmo sob uma ditadura fechada — que tem até controle sobre a internet do país —, foram capazes de fazer. E ainda usaram a internet para mostrar os protestos ao mundo quando os jornalistas estrangeiros foram expulsos do país. Até os argentinos protestam quando se sentem ofendidos pelo governo — e fazem muito barulho.

iran_protest Enquanto poucos brasileiros protestam mesmo vivendo num sistema livre e democrático, os iranianos, que vivem sob uma ditadura teocrática, usam a internet para coordenar um grande movimento e exibir ao mundo a indignação de milhares de pessoas com uma eleição fraudulenta.

Mas há um ditado no Brasil que diz que “política, futebol e religião não se discutem”. Essa opinião popular é muito útil a quem está no poder, seja ele político, esportivo ou religioso. Se somos capazes de nos indignar e questionar futebol de nossos clubes e seus dirigentes, de não seguir e não apoiar o retrógrado posicionamento da Igreja (como nos casos de divórcio, uso de camisinha ou até mesmo aborto), então por que ainda não reagimos diante dos desvios de verbas que matam crianças de fome no Nordeste e dificultam a preservação da Amazônia? Por que ficamos de braços cruzados diante de nomeações de parentes e apadrinhados políticos para cargos que deveriam recompensar os melhores brasileiros num concurso público? Por que ainda torcemos para um governo que nos enganou, que prometeu um futuro brilhante mas só nos trouxe decepções? Por que não pedimos a cabeça de um técnico que sempre usa metáforas ligadas ao futebol, mas que admite que “não sabe de nada” quando o time joga mal e em momentos de crise corre para socorrer ex-adversários e desafetos políticos, como Sarney e Collor?

Precisamos de cidadãos que tenham a mesma atitude crítica e a postura ativa dos torcedores. Se todos os cidadãos de todas as nossas torcidas se unissem e se organizassem em torno da melhoria política e social do nosso país (será assim tão utópico?), poderíamos — de forma pacífica, é claro — mostrar aos nossos líderes quem é que manda no sistema democrático. Temos que nos unir porque, independentemente do clube para o qual torcemos, todos nós temos sido desprezados por nossos líderes e oprimidos por impostos injustos e pelo desemprego. Não há por que temer o governo, assim como não temos medo dos poderosos cartolas. Se somos capazes de mudar o técnico de nosso clube sem ter representação na diretoria, imaginem o que poderíamos fazer em relação ao governo, com o apoio dos parlamentares que realmente nos representam – sim, existem políticos honestos por aí!. Se tomássemos mais atitudes políticas quando necessário, aí sim nós poderíamos cantar para dizer ao mundo que somos verdadei-ramente “brasileiros, com muito orgulho e com muito amor”.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *