Um rascunho de videogame de Sagan

Speace Invaders V.1 by Lexis-Barant

Um dos telejogos mais antigos que existem é o Space Invaders. Lançado em 1978 nos arcades japoneses e dois anos depois no Atari 2600, seus gráficos de 8-bit mostram apenas uma nuvem de icônicos alienígenas quadriculados que devem ser abatidos com pixels de laser. Jogo de saudosa memória para muita gente e inspirado em Guerra dos Mundos e Star Wars, Space Invaders não parece ter agradado ao autor de Cosmos.

Ao contrário de muita gente na época, que demonizava os jogos eletrônicos, Carl Sagan reconheceu o potencial dos games para educar enquanto entretém. No entanto, Sagan não tinha muito idéia de como começar a projetar um jogo. Suas exigências de um jogo “astronomicamente correto” estavam além das possibilidades técnicas da época.

No rascunho datilografado em duas páginas que traduzimos a seguir — arquivado como “confidencial” entre as “viagens de ideia” do astrônomo-comunicador —, Sagan imagina o que seria um jogo ideal para ensinar astronomia “num contexto tão excitante quanto o de videogames mais violentos” e no qual o objetivo seria revirar a galáxia em busca de um contato: (mais…)

Os paradoxos das sinfonias silenciosas

Um ouvinte mais desatento poderia dizer que perdeu quatro minutos e meio após ouvir 4’33”, de John Cage. Composta em 1952, essa pequena peça para piano é, sem dúvida, a composição mais silenciosa possível. Mas 4’33” não é a única “sinfonia de silêncio”, por mais paradoxal que o termo possa parecer.

Silêncios — em forma de pausas relativamente breves — são importantes em qualquer composição musical. Mas quando temos uma peça inteira em silêncio, ela ainda é música? O que é música, afinal? Ao apresentar seus quatro minutos e meio de silêncio, John Cage (1912-1992) buscava levantar exatamente essas perguntas.

Pioneiro da chamada música aleatória, Cage queria fazer a audiência ouvir como música os sons ambientes da sala de concerto, apresentando ruídos como arte. Silêncio, por favor: (mais…)

Os trilhões de graus da Guerra Fria

Os três grandes desastres nucleares do século XX — Hiroshima, Nagasaki e Chernobyl — são constantemente lembrados. Mas estas, infelizmente, foram apenas uma fração minúscula de todas as detonações atômicas que ocorreram desde julho de 1945, em Alamogordo, no Novo México. Para ser mais preciso, 0,146%. Para dar uma noção mais precisa do impacto do uso deliberado de armas nucleares — sempre com o fim de desenvolvê-las e demonstrar força —, o artista japonês Isao Hashimoto criou o vídeo-mapa a seguir. (mais…)

>4 anos em 4-D

> Eu realmente não queria deixar passar em branco uma data tão quadrática. Quatro anos em 4-D não se repetem. No entanto, eu não tenho muito a dizer (não precisam fugir, eu não sou como o Fidel Castro quando uso essa frase).  Sinto-me muito feliz por enfim poder saber não Leia mais…