>

Tá todo mundo em pânico! E só por causa de uma gripe. Uma gripe nova, claro, mas nada além de uma gripe. A gripe comum já mata cerca de meio milhão de pessoas por ano e niguérm se desespera por isso. Talvez por que já haja vacinas prontas. Ou talvez por que a maior parte dos mortos pela “velha” gripe sejam pessoas idosas que ainda se recusam a se vacinar.

A taxa de letalidade da Gripe H1N1 é apenas um pouco maior que a comum. E ela é capaz de afetar – e matar – pessoas jovens por que ainda se trata de um vírus (quase) desconhecido, contra o qual as gerações mais jovens não têm defesa. O H1N1 é basicamente o mesmo vírus que causou a maior epidemia desde a Peste Negra: a Gripe Espanhola, que matou 50 milhões de pessoas em 1918-1919.

h1n1-1918 Gripe Espanhola: Condições precárias foram a causa de tantas mortes.

RELATO DOS FATOS ANTECEDENTES

Porém, é preciso levar em conta o contexto histórico daquela época, pois essa é a verdadeira explicação para tantos mortos. A Europa estava arrasada pelo Primeira Guerra Mundial – cada vez menos lembrada que a Segunda. Os europeus já tinham que lidar com sérios problemas, como o grande número de mortos, o declínio econômico, a agitação social e a consequente instabilidade política. Dentro desse contexto, embora já fosse possível produzir vacinas, isso era ainda mais complicado. Até porque, obviamente,  se sabia muito menos sobre gripe e outras doencças virais do que sabemos hoje. Os vírus estavam sendo descobertos e começavam a ser estudados mais ou menos nessa época. Como é que, então, iam diferenciar o vírus mais comum da nova variante letal, se nem existiam microscópios eletrônicos ou exames genéticos? O DNA só foi descoberto 44 anos depois.

Portanto, a Gripe Espanhola só foi assim tão mortífera porque aconteceu no momento errado e começou a se manifestar no lugar errado. Outras epidemias de gripe do século passado foram bem mais amenas, como a Gripe de Hong Kong em 1968 e a Gripe Russa de 1976-77. Ao contrário do que aconteceu com a economia, que sempre se esquece de suas crises, os epidemiologistas puderam evitar o pior nas epidemias mais recentes por que já sabiam o que tinha dado errado com a Gripe Espanhola. Há, ainda o fator evolutivo por trás de cada epidemia de gripe.

Embora não sejam propriamente seres vivos, os vírus estão sujeitos aos mecanismos da evolução. Afinal, são apenas fragmentos replicantes de código genético. Assim, podem passar por mutações que favoreçam ou dificultem sua reprodução. No começo desta década, tivemos o surto de Gripe Aviária, causada pelo vírus H5N1. Muitos analistas – ou seriam sensaciolistas – previram uma nova catástrofe comparável à Gripe Espanhola.

Talvez fosse até pior. A Gripe das aves surgira no continente asiático, o mais populoso do mundo. Aves migratórias poderiam levar a doença para a América e a Europa. E os novos meios de transporte poderiam atuar como eficientes vetores da nova doença para o mundo todo.

Só que se esqueceram de algo muito simples: aquela gripe tinha um ciclo de infecção sustentável e alta taxa de letalidade apenas entre as aves. Foram registrados poucos casos de contágio de pessoa para pessoa. Menos casos ainda foram registrados fora da Ásia. Pouco mais de 250 pessoas morreram. O cenário apocalíptico foi uma grande decepção para os crentes na proximidade do fim do mundo.

A Gripe Asiática foi um tremendo fiasco justamente por ser muito letal. Tão letal que o H5N1 não teve tempo de “aprender” a se espalhar de pessoa pra pessoa e acabou morrendo junto com seus infectados. É, até os vírus podem agir de forma idiota – aparentemente idiota,  pois não contam com qualquer tipo de consciência.

swineflu “Olá, eu sou o H1N1!”

APOCALIPSE NOW!

Mas tanto os “cavaleiros do apocalipse” quanto os sensacionalistas – boa parte da mídia incluída – se animam quando uma nova epidemia de uma gripe totalmente nova surge no México. Quando a doença cruza a fronteira com os EUA, parece que o fim do mundo está próximo! Os antiamericanistas se rejubilam – silenciosamente, é claro.

Cerca de 2.000 pessoas morrem, e a chamada gripe suína chega ao Brasil via Argentina. Aqui, são cerca de 1.586 infectados e apenas 192 mortes. [fonte]. Mas os constantes esclarecimentos e os dados divulgados pelo governo não podem ser verdade. Eles devem estar escondendo alguma coisa além dos atos secretos. E começam a surgir e a circular e-mails e videos conspiracionistas que prestam um verdadeiro desserviço ao divulgar infomações falsas com o simples propósito de espalhar pânico e medo. 

Com que resultado? Aulas são suspensas, festas são evitadas, viagens são canceladas. Máscaras cirúrgicas –que deveriam ser utilizadas apenas pelos portadores de casos confirmados – se tornam item obrigatório na coleção outono-inverno. Lavar as mãos se torna uma rotina paranóica. As pessoas correm às farmácias em busca de antivirais. Onde foi parar a nossa racionalidade? Por que é tão difícil parar e pensar um pouco durante uma epidemia, seja ela qual for?

A AIDS tem 25 milhões de contaminados e milhões de mortos em 25 anos e as pessoas, principalmente os homens, ainda se recusam a usar preservativo. Mas quando surge uma gripe desconhecida ninguém recusa uma máscara, né? Ano após ano a dengue , doença incurável e sem vacina, que afeta a vida de milhões de brasileiros e até mata alguns milhares, mas ninguém quer se responsabilizar por previni-la, apesar das insistentes campanhas educativas em todas as mídias e nas escolas. Mas é só aparecer uma doença nova – porém facilmente curável – que todo mundo se recobre com os maiores cuidados.

HIGIENE MA NON TROPPO

Não se pode reclamar da higiene do mundo moderno. Felizmente, até as pessoas mais humildes e menos instruídas sabem que sujeira é fonte de doenças. Mas será assim tão seguro lavar as mãos o tempo todo. Se não tivermos contato com um vírus ou um pedaço de vírus que seja, mesmo morto, como vamos desenvolver resistência a eles? Vamos esperar as vacinas ficar prontas? Vamos correr às farmácias ao menor sinal de gripe? E depois, quando surgirem vírus resistentes, o que faremos?

Nova Gripe, Gripe A(H1N1), Gripe Suína, Gripe Mexicana. Qualquer que seja o nome, ela não é nada mais que uma gripe. E como toda a gripe, não vai causar o fim do mundo, vai simplesmente passar. Mantenha as mãos limpas, mas nem tanto. Porque se sujar faz bem. Mantenha-se hidratado, mas nem tanto. Espirre à vontade (Aaaaatchooôuuumm!!!), mas nem tanto. Por que o que mata mesmo são os excessos. E vivemos num mundo cheio de excessos – a começar pelo excesso de pânico.

LEITURAS RECOMENDADAS


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *