>

Afinal, os ateus participam do natal? Comemoram? O que é o natal para um ateu?

OBS: Antes de responder, porém, quero deixar claro aos não-ateus que as respostas apresentadas aqui são pessoais, pois, para quem não sabe, não há uma doutrina ateísta, com respostas padronizadas para tudo.  Tampouco há uma autoridade ateísta, cujas palavras viram lei. Aliás, essas são coisas que os ateus detestam.

O mês de dezembro chega, as lojas se enfeitam, cantigas — algumas nem tão antigas, tipo Simone — são repetidas à exaustão, todo mundo vai às compras, troca presentes com amigos (ou até inimigos) secretos e, eventualmente, participa de uma ceia. Sem falar nas comemorações religiosas, nos filmes cristãos que as TVs insistem em reprisar (como se a velha mitologia cristã não fosse conhecida) ou em especiais de fim-de-ano que se esforçam para mostrar um espírito natalino.
E se você não acredita em deus, em nenhum deles, muito menos num suposto filho de uma virgem, o que é o natal pra você? Evidentemente, não dá pra negar que é uma boa desculpa para tirar uma folga, nem que seja por alguns dias, no fim do ano. Hoje, talvez, não haja mais um grande conflito entre a cultura ateísta (se é que há uma) e o natal. Afinal, para desespero dos líderes religiosos, notadamante os mais ortodoxos, o natal tornou-se exatamente o que sempre foi pros ateus: apenas um feriadão familiar com fortes influência comercial.
Mas, então, o que os ateus comememoram? Há muitas coisas que um ateu pode, ainda que silenciosamente, comemorar nesta época. Talavez a mais comum seja comemorar a Humanidade, afinal, os ateus — ou pelo menos a maioria deles — são humanistas inveterados. Não importa a crença ou a ausência dela, uma coisa que se torna comum nessa época é a generosidade, a solidariedade e o voluntariado, mesmo que seja só por uma semana.
Não me surpreenderia nem um pouco se um ateu, mesmo achando que essa história de papai-noel é ridícula, vá até uma agência dos Correios e adote uma ou mais cartas. [Eu só não fiz isso por que entrei de férias hoje, e já é um pouco tarde…]. Enfim, o que um ateu faz nessa época é quase tudo o que todo mundo faz: compra presentes em lojas ou shoppings lotados, participa de amigos secretos na firma ou na escola, visita os amigos, reúne a família, faz uma ceia (ainda que sem orações) e talvez até assista ao especial do Roberto Carlos.

“São muitas emoções…”

Eu acho que fazer tudo isso é justificável para um ateu. Talvez a desculpa mais bem-humorada seja a de que nós comemoramos o “Newtal”, o nascimento de Isaac Newton (aquele que descobriu a gravidade debaixo de uma macieira). Pode haver, ainda, uma justificativa mais, digamos, precisa.
[clique para ampliar]

Nós comemoramos o nascimento, não de um menino-deus (que, apesar de sua condição divina acabaria morto, ainda que ele fosse um pouco teimoso com relação à morte). Comemoramos, isso sim, o nascimento da Humanidade, o surgimento da família humana, humana e imperfeita como é. De acordo com o calendário cósmico — um resumo de toda a história do universo num ano de 365 dias —, a espécie humana surgiu apenas há poucos minutos, nos últimos minutos da noite de 31 de dezembro. Diante disso, parece bastante razoável adiantar um pouquinho as festas e já começar a comemorar no dia 25, como todo mundo faz (ainda que seja por outros motivos).

E quanto ao ano-novo, não há problema algum, visto que é uma tradição literalmente secular. E nós também comemoramos, muitos cheios de esperança e otimismo, mesmo sabendo que nada vai mudar de uma hora pra outra  e que um ano nada mais é do que apenas uma volta da Terra em torno do Sol a partir de uma data arbitrária (afinal, antigamente o ano novo começava em abril, mas isso já é outra história).


3 comentários

Walisson · 26 de dezembro de 2009 às 0:49

>Hahahahaahahaha…Adorei o texto. :DEu tenho um amigo ateu… ele fez compras no shopping… trocou presentes e se reuniu pra ceia.

    Maria Petronilho · 24 de dezembro de 2021 às 21:40

    Pemso que não faz sentido
    Obviamente.

    Nao tenho memória de natais na infância nem na adolescência.
    Quando minha filha era pequena ainda tentei rebuscar algumas festas, com pouco sucesso.
    Não sou crente, além da filha distante, não tenho familia,não tenho prendas a dar nem a receber.
    Portanto, para mim, o Natal não é festa nem me sonto só – é um dia igual aos outros: aníversario, dia da mãe, etc
    Se não tive festas é normal continuar sem semtir pena por isso.

Carlos Rubens de Almeida · 27 de novembro de 2021 às 22:14

Sim, é um texto interessante, mas como ateu eu comemoro o NEWTAL o nascimento deste célebre cientista, apesar das divergências de sua física determinista em relação a mecânica quântica, mesmo assim ele tem o nome na galeria da intelectualidade, principalmente na comunidade científica.

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content