Tag Archives: filme

O document√°rio do momento e a√ß√Ķes individuais

Eu n√£o vi Seaspiracy, nem Cowspiracy e provavelmente n√£o verei. E por algum motivo depois de ver esses filmes tem gente que se acha no direito de sair fiscalizando a carteirinha de ambientalista das pessoas.

Vi gente perguntando como um ambientalista poderia comer carne, vi outra pessoa dizendo que questionar o tal document√°rio era passar pano, vi uma pessoa manifestando seu desprezo pela √Āsia por causa do document√°rio… e tudo mais que as redes sociais permitem.

Como j√° disse ali, n√£o vi o document√°rio e n√£o preciso dele para saber que a ind√ļstria da pesca est√° acabando com os estoques pesqueiros do mundo e que segundo proje√ß√Ķes, em 2050 teremos mais pl√°sticos nos mares do que peixes. Tamb√©m sei que por culpa da mesma ind√ļstria pesqueira as baleias azuis, provavelmente o maior bicho que esse planeta j√° viu, est√£o em extin√ß√£o. Quem me conhece sabe que eu tenho um amor por mega fauna e acho um absurdo viver num planeta com um n√ļmero cada vez menor desses indiv√≠duos. Enfim, √© triste? √Č duro? √Č dif√≠cil? Me sinto impotente? O tempo todo.

Mas a quest√£o ambiental n√£o se resume a consumir ou n√£o carne e a√ß√Ķes individuais s√£o p√≠fias perto do que as ind√ļstrias poderiam estar fazendo. A maioria das pessoas no mundo sequer sabem que podem ter op√ß√£o de comida, mesmo quando elas sabem e mesmo assim optam por comer carne √© impratic√°vel pensar que num futuro pr√≥ximo, digo nos pr√≥ximos 10 anos, conseguir que a cultura da carne se acabe aqui no Brasil, por exemplo. Ah, ent√£o n√£o vamos fazer nada? Olha, eu sei de uma coisa que a gente pode fazer que tamb√©m √© uma a√ß√£o individual e pode fazer uma diferen√ßa absurda: votar melhor.

Veja a diferença

Do que adianta voc√™ separar seu lixo em casa, n√£o comer carne e recusar canudinho de pl√°stico quando temos um Ministro contra o meio ambiente? Quando temos um presidente que j√° tomou multa ambiental, se recusou a pag√°-la e ainda puniu o servidor que aplicou a multa? Enquanto tem gente que fica ai conferindo se quem fala que √© ambientalista come ou n√£o carne a Comiss√£o de Meio Ambiente da C√Ęmara Federal est√° sendo presidida por uma pessoa que mente sobre desmatamento e defende garimpo em terras ind√≠genas. Lamento informar mas todo seu esfor√ßo de fazer a sua parte pode n√£o estar surtindo assim tanto efeito, s√≥ para voc√™ ter uma ideia o Biden com uma canetada l√° nos EUA quer acabar com subs√≠dios para combust√≠veis f√≥sseis, sabe o que isso pode representar? Que se esse dinheiro for bem investido, ele pode fazer muito mais pelo planeta do que a sua exist√™ncia inteira sendo vegano. Lamento mas √© a realidade. Pra voc√™ ter uma ideia, s√≥ no primeiro pacote de incentivo fiscal do governo dos EUA na pandemia, foram dados nada mais nada menos que US$8,2 bilh√Ķes de isen√ß√£o fiscal pra 77 empresas de combust√≠vel f√≥ssil. Imagina esse valor sendo revertido em investimentos em formas de energia limpa e conserva√ß√£o da vida selvagem. Algu√©m a√≠ faz a conta e me fala quantas pessoas mais precisamos que sejam vegetarianas para chegarmos nesse impacto?

Ah, ent√£o desiste de fazer qualquer coisa?

A minha quest√£o aqui n√£o √© dizer: ser vegetariano/vegano √© in√ļtil, reciclar √© bobagem ou queimem mesmo todos os combust√≠veis f√≥sseis do mundo. A quest√£o √© entender a complexidade dos problemas ambientais, o tamanho deles e como as a√ß√Ķes individuais representam pouco perto de uma decis√£o do alto escal√£o de uma grande empresa ou de um governo. Sim, temos que pressionar, sim mudar de h√°bitos √© importante como forma de press√£o, mas n√£o sejamos inocentes de achar de que √© s√≥ isso que vai nos tirar dessa situa√ß√£o. Demonizar as pessoas que n√£o querem ou n√£o podem fazer a parte delas n√£o ajuda na solu√ß√£o do problema.

Eu devo ser provavelmente a √ļnica pessoa que j√° leu todos os posts desse blog, no passar desses 14 anos de blogueirinha de meio ambiente eu fiz uma listinha dos meus pecados ambientais e acreditei que a√ß√Ķes individuais pudessem fazer toda a diferen√ßa, mas revi esse ponto de vista e creio que devemos cobrar de quem de fato impacta o planeta e tem o poder fazer as coisas mudarem numa outra escala. Consci√™ncia √© importante, a√ß√£o ajuda muito, mas focar energia na a√ß√£o que vai trazer mais resultados √© o que de fato far√° o rumo das coisas mudarem.

Uma história real

Isso tudo me faz pensar numa amiga que trabalha numa empresa de petróleo, será que algum ambientalista já perguntou para ela como ela consegue trabalhar numa empresa que é a principal responsável pelo aquecimento do planeta? Mas calma gente, ela é vegetariana, sério, desde criancinha porque ela cresceu num sítio e não suportava a ideia de comer as galinhas que ela alimentava todos os dias. E ai fiscal de carteirinha de ambientalista, você vai dar o título de ambientalista para minha amiga ou não?

P.S.1: Tem umas coisinhas nessa minha resenha de um outro document√°rio que podem ser √ļteis para esse debate, confira Planet of Humans.

P.S.2: Gosto muito desse texto quando ou√ßo pessoas focando apenas na import√Ęncia das a√ß√Ķes individuais, em ingl√™s.

Planet of the Humans

Eis que despretensiosamente fui assistir o √ļltimo document√°rio produzido pelo Michael Moore. Pra quem j√° viu algum dos filmes dele esse Planet of the Humans segue o mesmo estilo, por√©m o narrador n√£o √© ele. Mas o estilo √© MUITO igual.

Fui ver o filme meio as cegas sem saber do que se tratava e fiquei contente em saber que era sobre meio ambiente, energia verde, sustentabilidade e afins.

Como todo document√°rio, ele conta um ponto de vista, uma vis√£o de mundo, entrevista pessoas que interessam para a narrativa e muitas vezes n√£o aprofunda no assunto que pode de alguma forma contradizer a tese. 

O problema do filme √© voc√™ assisti-lo querendo ver o mundo de forma simplista. E √© isso que me incomoda nele, num mundo complexo cheio de problemas cru√©is a serem resolvidos n√£o √© polarizando a quest√£o ambiental e tratando de forma superficial que vamos chegar num lugar melhor do que estamos hoje. (O detalhe √© que essa abordagem hoje em dia parece que tem sido regra para qualquer conflito, seja na pol√≠tica, na economia, na sa√ļde).

Dois pontos que abusam da superficialidade e simplismo

1) carros el√©tricos. Em 2009 escrevi um post sobre o document√°rio Quem matou o carro el√©trico? E qual foi a minha principal quest√£o naquele post? Qual √© a origem da energia produzida para abastecer os carros el√©tricos? 11 anos depois essa pergunta j√° foi respondida e superada. O desempenho e o custo por km rodado do carro el√©trico √© muito melhor que o carro a combust√£o, ou seja, ele faz mais com menos. Ent√£o mesmo emitindo mais CO2 o carro el√©trico faz mais. Acho pregui√ßoso o argumento: ‚Äúah se a energia do carro el√©trico n√£o tiver origem sustent√°vel, ent√£o o carro el√©trico n√£o serve‚ÄĚ. Voc√™ acha inteligente o pensamento de que se toda a produ√ß√£o de comida no Brasil n√£o for org√Ęnica, ent√£o nem quero saber de produ√ß√£o org√Ęnica e ela nem deve ser incentivada?

Lembrando aqui que o carro el√©trico n√£o √© a bala de prata pra problemas de transporte no mundo e tem v√°rias problemas tamb√©m, mas como a vida j√° deve ter te ensinado, n√£o h√° solu√ß√£o √ļnica e perfeita no mundo.

2) combust√≠veis f√≥sseis s√£o a pior op√ß√£o sempre. Longe de mim querer defender os combust√≠veis f√≥sseis, eles s√£o um problema sim mas √© importante ter claro que o uso deles n√£o vai parar na terra da noite para o dia. √Č ingenuidade achar que isso √© poss√≠vel e a menos que voc√™ seja um ind√≠gena isolado na floresta amaz√īnica ou integrante de alguma tribo isolada africana √© imposs√≠vel n√£o depender de combust√≠vel f√≥ssil de alguma forma. E o fato de aceitar que ele √© parte da vida n√£o significa que voc√™ n√£o pode defender que outras formas de energia e mat√©ria-prima sejam usadas e desenvolvidas.

A falsa dicotomia

Ter conhecimento dos problemas da energia dita verde renovável, do consumo de carne, da produção da soja, das viagens de avião, dos bilionários no mundo, do plástico de origem vegetal, da reciclagem como solução para o problema de resíduos no mundo não me fazem uma pessoa que incentiva e apoia tudo isso. Nem me fizeram defensora da energia fóssil, vegana, deixei de separar meu lixo, vão me impedir de viajar de avião ou deixar de acreditar que uma outra solução além da reciclagem é possível. Felizmente o mundo não é feito só de sim ou não, certo e errado, preto ou branco.

Talvez o filme ajude os desavisados a simplesmente passarem a odiar as solu√ß√Ķes alternativas de energia, provavelmente ambientalistas e defensores da energia verde se sintam ofendidos e/ou tra√≠dos e talvez o filme seja usado pela ind√ļstria do petr√≥leo como endosso aos seus produtos. Tudo isso √© poss√≠vel e nem posso dizer que est√° errado. Talvez se o filme tentasse ao menos seguir no meio do caminho, n√£o s√≥ criticando as energias alternativas, mas mostrando que ela tem vantagens e outros aspectos da origem dos problemas ambientais, seria uma maneira de ampliarmos nossas conversas e ajudaria a diminuir a polariza√ß√£o.

√Č meio estranho o que vou dizer aqui, mas o ponto alto de Planet of the Humans para mim foi a frase da Rachel Carson nos cr√©ditos finais

Mais opini√Ķes sobre The Planet of Humans

Achei que esse texto reforça a ideia de dicotomia do filme (em inglês), provavelmente faz parte do grupo ambientalista que se sentiu traído/ofendido com a abordagem.

J√° esse outro texto (em portugu√™s) sugere que o filme deveria ter focado mais na base do problema: consumo, ideia de crescimento infinito poss√≠vel e modelos econ√īmicos alternativos. V√°lido, mas ai acho que seria um outro filme.

EXTRA: No site do filme planetofthehumans.com tem um guia de discussão para professores (em inglês). Gente, queria tanto que no meu tempo de escola tivesse tido esse tipo de discussão sobre os filmes que assisti… Um dos exercícios que mais me empolgaram foi: se esse filme fosse o primeiro de uma mini-série o que você gostaria que fossem os próximos episódios?

Xingu

Lembro de quando estava no ginásio na aula de história a professora passou um filme sobre o Xingu (na verdade me parecia muito mais preguiça da professora de dar aula do que qualquer outra coisa), não me lembro quase nada do filme, lembro das imagens clássicas dos índios, das aldeias e forçando muito a memória talvez fosse um documentário para retratar o estilo de vida dos índios naquele local, nada mais que isso…

Cartaz_Xingu_O_Filme

Semana passada, a convite da Brazucah, fui assistir a pr√©-estreia do  Xingu, o filme e fiquei super contente de conhecer a hist√≥ria da cria√ß√£o do Parque Nacional do Xingu. Ali√°s, o filme s√≥ me fez perceber a minha total ignor√Ęncia em rela√ß√£o a esse parque e como o Brasil trata e tem tratado seus verdadeiros primeiros habitantes.

Voc√™ sabe quem foram os irm√£os Vilas Boas? Eu n√£o tinha ideia (vergonha total). Voc√™ sabe como e por que o Parque Nacional do Xingu foi criado? Pra mim era s√≥ mais uma reserva que tinha √≠ndios, como tantas outras devem ter por ai, mas n√£o √© s√≥ isso. Voc√™ sabe quando esse parque foi criado e toda a sua import√Ęncia? Provavelmente o Google poder√° responder essas perguntas, mas o filme as explica de uma forma muito mais interessante e viva. Ele conta uma parte de quase sucesso da nossa pol√≠tica indigenista. Eu digo quase porque n√£o foi perfeita, cometeram-se muito erros, muitas coisas deram erradas e n√£o aconteceram como deveriam, mas de modo geral a cria√ß√£o do Parque do Xingu foi um grande sucesso dessa pol√≠tica. E esse filme √© mais do que merecido para que mais brasileiros saibam e tenham orgulho dessa hist√≥ria e dos ilustres irm√£os Vilas Boas que tanto lutaram pela preserva√ß√£o da cultura ind√≠gena no Brasil.

O filme estreia nessa sexta dia 06/04/2012 e é altamente recomendado se você não sabe (como eu não sabia) muito sobre o Parque Nacional do Xingu. Mas até se você sabe sobre a história do Parque eu recomendo o filme, é uma boa dose de nacionalismo quando a maioria dos filmes brasileiros de sucesso sempre tratam de violência, corrupção e pobreza.