Bactérias afrodisíacas

Situado entre os reinos da bactérias e dos protistas, um micro-organismo assexual fica sexualmente ativo na presença de uma substância emanada por certas bactérias. Das ostras consumidas pelos europeus aos chifres de rinocerontes desejados pelos asiáticos, passando pela catuaba, o guaraná, os ovos de codorna, o amendoim e o chocolate Leia mais…

Chuteira bacteriana

Como uma bactéria consegue se prender no gelo dos lagos da Antártica? Resposta: com uma proteína 40 vezes maior que o normal, parecida com as travas de uma chuteira. Gelo e neve não faltam no continente antártico, com seus milhões de quilômetros quadrados. Macia ou escorregadia demais, é difícil se Leia mais…

Na cola do Ebola

Ebola_Virus_HQ

A chave-de-fenda-sônica do Doutor não funciona em madeira, o Super-Homem enfraquece diante da kriptonita, o Homem de Ferro tem problemas cardíacos, o Batman é uma criança traumatizada e as teias do Homem-Aranha não são lá muito úteis longe dos arranha-céus nova-iorquinos. No mundo dos vírus, o super-herói é o Ebola (EBOV), que também tem um ponto fraco. (mais…)

As cores, os truques e o (complexo) genoma da “serragem marinha”

Trichodesmium_microscope_400px

Quando começaram a sequenciar genomas no século passado, os cientistas descobriram que nem todas as letrinhas do DNA viram proteína. De fato, em muitos organismos superiores, a maior parte do material genético aparentemente não servia pra nada e acabou sendo chamada de “DNA lixo”. Só recentemente começamos a entender que essa lixeira genética guarda muitas funções importantes — como as instruções para organização embrionária dos animais. Bactérias não têm embriões, mas um gênero de cianobactérias peludinhas que dá cor a diversos mares tem uma boa dose de material não-codificante. (mais…)