Prova de Sangue

Pegar um assassino com as mãos sujas de sangue é fácil. Difícil é descobrir a identidade de um suspeito de assassinato a partir de um cadáver ensanguentado. Houve uma época em que também se usava o sangue da própria vítima para isso: Entre as provas de culpa naquela época supersticiosa Leia mais…

Um bilhete dos ladrões

Em 1798, conta-nos Sampson em sua History of Advertising, uma casa foi arrombada e roubada em Stanhope Street, Londres. Buscando reaver os itens surrupiados, o proprietário publicou o seguinte e singular anúncio numa edição do Daily Advertiser: Mr. R—— de Stanhope Street apresenta seus mais respeitosos Cumprimentos aos Gentlemen que Leia mais…

O que andei vendo no Netflix em maio

No mês do Dia da Toalha estive azarado feito um Arthur Dent. Ainda que a Terra não tenha sido destruída (por enquanto), meu carro me deixou na mão durante uma viagem e, como não tenho dinheiro para consertá-lo, me vi andando tanto que ganhei uma lesão no calcanhar direito. Também tive problemas com um grupo de trabalho na faculdade. Apesar de tudo, pude ver boas produções sobre o impacto de um massacre escolar numa comunidade americana, as lutas contra os preços abusivos de medicamentos contra a AIDS, os esforços para recuperar os veteranos traumatizados pela II Guerra, e observei as experiências de ficar cego, resgatar refugiados da Alemanha Nazista, ter filhos e conhecer o Japão. (mais…)

O que andei vendo no Netflix em março

Março foi um mês agitado para mim: comecei a frequentar as disciplinas do Mestrado em Mídia e Tecnologia da UNESP-Bauru e meu local de trabalho foi assaltado há alguns dias. Apesar de tudo, considero que tive uma quantidade satisfatória de documentários. Entre as recomendações deste mês, temos filmes sobre feminismo, boxe feminino, refugiados, detetives, desastres naturais e humanos e arquitetura e construção. (mais…)

As terríveis revelações de Maria Monk

nickell-maria-monk-fb

[Traduzido de Awful Disclosures, publicado pelo Dr. Romeo Vitelli em Providentia]

Foi em 1836 que se publicou em Nova York um livro que parecia uma bomba de efeito moral. Em The Awful Disclosures of Maria Monk or The Hidden Secrets of a Nun’s Life in a Convent Exposed [As terríveis revelações de Maria Monk ou Os segredos ocultos da vida de um convento de freiras expostos] uma suposta ex-monja apresentava descrições lúgubres de sua vida num convento de Montreal e da exploração sexual à qual foi submetida naquele lugar. (mais…)

A salvação de Ezra Pound

Ezra_Pound

[tradução de Saving Ezra Pound, publicado pelo Dr. Romeo Vitelli em Providentia]

Em 1945, o fim da II Guerra Mundial foi um tempo não só de celebração mas também de penitências. Enquanto os julgamentos de Nuremberg para os criminosos de guerra nazistas estavam sendo planejados, os processos contra os colaboracionistas avançavam rapidamente. Na Grã-Bretanha, o julgamento de William Joyce (a.k.a. Lord Haw-haw), acusado de traição por fazer propaganda nazista pelo rádio, terminou com sua execução em 1946. Mas ainda havia Ezra Pound(mais…)

O Mistério do Homem de Somerton [Parte 3: Química, Fotografias e outras evidências]

SomertonMan2.jpg

Mr. Somerton

Há quase 70 anos, um homem apareceu morto na praia de Somerton, em Adelaide, Austrália. Na primeira parte sobre a história e a investigação deste caso que ainda não foi esclarecido, vimos as circunstâncias da cena ocorrida na manhã de 1º. de Dezembro de 1948. Na segunda parte, estudamos dois códigos: o encontrado num livro e o DNA. As letras rabiscadas no livro ainda não foram decifradas. As evidências genéticas apontam para uma possível origem americana. Neste último capítulo, vamos ver as evidências químicas — que excluem a possibilidade de envenenamento e revelam que Mr. Somerton chegara a Austrália poucos dias antes de falecer. Novos exames de evidências colhidas na época, como fotografias post-mortem e registros dentários também jogam novas luzes sobre o caso. (mais…)

O Mistério do Homem de Somerton [Parte 2: Dois códigos]

somertonmana

Mr. Somerton

Em Dezembro de 1948, apareceu um homem morto na Praia de Somerton, em Adelaide, Austrália. Como vimos na primeira parte, as investigações iniciais não conseguiram identificá-lo nem determinar sua causa mortis. Pra piorar, a polícia australiana descobriu que sua morte pode estar ligada a um código aparentemente insolúvel. Até agora as tentativas de quebrar tal código não deram em nada. Mas e quanto ao corpo do Homem de Somerton? Seu código genético poderia trazer respostas? (mais…)