Memória Fotográfica: Bruno Braquehais

Pioneiro das nudes na França, ele entrou para a História por suas fotografias da Comuna de Paris Daguerreotipista francês notável por seus retratos, reconstituições e pelas imagens artesanalmente coloridas em colaboração com Laurie Gouins, com quem ele acabaria se casando em 1855. No ano anterior, Braquehais havia causado sensação ao Leia mais…

Memória Fotográfica: Horace W. Nicholls

Fotógrafo britânico e pioneiro do fotojornalismo freelance, Horace Walter Nicholls (1867-1941) teve uma carreira que foi das colunas sociais às coberturas de duas guerras. Nascido em Cambridge em 1867, era filho de Arthur Nicholls, fotógrafo profissional, que o treinou. Já adulto, estabeleceu-se em Joanesburgo e cobriu a Guerra dos Bôeres [1899-1902] para Leia mais…

Memória Fotográfica: Jacob Riis

hester st.

Hester Street, c. 1890 (Jacob Riis)

Nova York, fim do século XIX. Aqui é a porta de entrada dos EUA, com suas mansões, avenidas, cartolas, vestidos, telégrafos, eletricidade, ferrovias, máquinas fotográficas… Uma das inúmeras máquinas fotográficas nova-iorquinas era de um imigrante dinamarquês. Jacob Riis viveu na miséria nos dois lados do Atlântico. Em vez de se deslumbrar com as riquezas da “América”, ele focou suas lentes para os recantos esquecidos da Belle Èpoque: os cortiços e barracos, as vielas sujas e escuras, as delegacias de polícia e os albergues, os ladrões e os membros de gangues, os velhos abandonados e os imigrantes que descobrem que o Novo Mundo não é bem uma terra de oportunidades… (mais…)

Memória Fotográfica: Cuthbert Bede

Photographic Pleasures 1

A primeira coisa que aparece após uma nova tecnologia são os early adopters, os entusiastas, gente que muitas vezes não sabe muito bem o que fazer mas faz — por vezes com uma ingenuidade cômica. A segunda coisa que aparece depois de uma inovação é gente que tira sarro dos entusiastas. O reverendo Edward Bradley (1827-1889) foi as duas coisas em termos de fotografia: um pioneiro tanto na prática da nova arte quanto em sua crítica humorística. Além de clérigo, Bradley era romancista e caricaturista, assinando seus trabalhos com o irreverente pseudônimo Cuthbert Bede (referência aos dois mais veneráveis doutores da Igreja inglesa, S. Cuthbert e S. Beda). (mais…)