Em uma palavra [107]

reprochar (re.pro.char) v. t. 1. fig. esfregar algo na cara de alguém. 2. vituperar com o intuito de envergonhar ou intimidar; exprobar, objurgar, humilhar. reproche, s.m. ato de reprochar. reprochador, s.m. aquele que pratica o reproche. reprochado, s.m. aquele que é vítima de reproche. [do francês reprocher, algo como “jogar Leia mais…

Patentes Patéticas (nº. 51)

Modificar o comportamento de alguém é algo complicado, que leva tempo. Comportamento, tempo… Comportamento, tempo… Percebendo essa tênue correlação, Neil W. Decker (de Eagle, Idaho) inventou o que considera a maneira mais efetiva, prática e barata de mudar qualquer comportamento de qualquer pessoa – o “Behavior Modification Wristwatch” ou “Relógio Leia mais…

Em uma palavra [96]

morósofo (mo.ró.so.fo) s.m. 1. um sábio idiota: alguém de educação pobre com eventuais iluminações filosóficas. 2. pejorativamente é um pseudo-filósofo, um filósofo pedante. Morosofia, s.f. espécie de loucura tranquila e lúcida. Morosofada, s.f. neolog. o “insight” filosófico de um morosofo; cf. filosofada. [do grego moros = tolo, néscio, louco + Leia mais…

A outra caixa de Skinner

Deborah Skinner em seu aircrib.

Após o nascimento de sua segunda filha, Deborah, em 1944, o psicólogo behaviorista B.F. Skinner (1904-1990) teve o que para uns foi sua ideia mais brilhante e para outros, a mais infame. Para aliviar a barra de sua esposa, Yvonne, Skinner desenvolveu um inovador dispositivo para cuidadados infantis (isso cheira a patente patética, mas não é).

Originalmente batizada de aircrib ou air-crib (lit. aeroberço), a invenção de Skinner era uma caixa com controles de temperatura e umidade e um painel de vidro na qual o bebê — sem qualquer fralda ou lençol — poderia ser posto por algumas horas para dormir. Em suma, era um chiqueirinho (ou cercadinho) high-tech e com ar-condicionado. O objetivo era permitir grande liberdade de movimento para o bebê e encorajar-lhe a independência literalmente desde o berço. O colchão havia sido especialmente projetado para ser facilmente removível e lavável. Como era de se esperar, D. Yvonne ficou interessada e acabou atuando como co-inventora. Durante boa parte de seus primeiros anos, Deborah Skinner passaria a maior parte de suas horas de sono no aeroberço. Mas ao contrário de relatos posteriores, ela não foi “criada numa caixa”. (mais…)

>Em uma palavra [81]

> infonésia (in.fo.né.sia)s.f., neolog. a incapacidade que alguém pode ter de se lembrar onde encontrou determinada informação; o popular “branco” ou “apagão”. [formado por fusão entre informação e amnésia] Internésia [internet + amnésia] é uma veriedade mais específica de infonésia: é a incapacidade de se lembrar de determinado site ou Leia mais…

>O Incidente de Kersey

> Kersey em 1957. Aquarela de Jack Merriot. Pensando bem, aquele silêncio era mesmo uma coisa muito estranha: os sinos das igrejas pararam de tocar e até os patos se calaram e ficaram quietos no pequeno riacho no começo da rua principal enquanto o trio de cadetes navais se aproximava Leia mais…

>Em uma palavra [71]

> catoptrofobias.f. Psicol. aversão mórbida aos espelhos. “Sua catoptrofobia era tão grave que o levava a evitar dirigir para não ter que olhar pelo retrovisor”. catoptrofóbico ou catoptrófobo, adj, que ou aquele que sofre dessa fobia. [do grego kátoptron = espelho, vidro refletor + phobós = medo]

>Trollagem Psicológica

> Em uma universidade feminina, um psicólogo pediu aos membros de sua classe para cumprimentar qualquer garota vestida de vermelho. Em uma semana, a cafeteria ardia de tanto vermelho. Embora tenham notado que a atmosfera estava mais amigável, nenhuma das meninas sabia estar sendo influenciada. Diz-se que uma turma na Leia mais…

>Em uma palavra [58]

> clinomania subst. fem. o desejo, às vezes excessivo, de ficar na cama, especialmente durante dias frios e/ou chuvosos. Clinômano, adj. que ou aquele que “sofre” desse “mal”. Eu admito: sou um clinômano incurável. Quem tem clinomania aí levanta a mão o/