Memória Fotográfica: Bruno Braquehais

Pioneiro das nudes na França, ele entrou para a História por suas fotografias da Comuna de Paris Daguerreotipista francês notável por seus retratos, reconstituições e pelas imagens artesanalmente coloridas em colaboração com Laurie Gouins, com quem ele acabaria se casando em 1855. No ano anterior, Braquehais havia causado sensação ao Leia mais…

Memória Fotográfica: Horace W. Nicholls

Fotógrafo britânico e pioneiro do fotojornalismo freelance, Horace Walter Nicholls (1867-1941) teve uma carreira que foi das colunas sociais às coberturas de duas guerras. Nascido em Cambridge em 1867, era filho de Arthur Nicholls, fotógrafo profissional, que o treinou. Já adulto, estabeleceu-se em Joanesburgo e cobriu a Guerra dos Bôeres [1899-1902] para Leia mais…

As canções perdidas do Holocausto

Vista, através do arame farpado, dos barracões de prisioneiros no campo de concentração de Flossenbürg. Flossenbürg, Alemanha, 1942. [Imagem: Bildarchiv Preussischer Kulturbesitz]

Vista, através do arame farpado, dos barracões de prisioneiros no campo de concentração de Flossenbürg. Flossenbürg, Alemanha, 1942. [Imagem: Bildarchiv Preussischer Kulturbesitz]

Nos campos de concentração, arames farpados eram as barreiras que prendiam os prisioneiros judeus. Curiosamente, foram rolos de arame que gravaram suas primeiras memórias após a libertação.

Enquanto avançavam pelos territórios ocupados pela Alemanha Nazista nos estágios finais da II Guerra Mundial, as Forças Aliadas puderam ver, ao vivo, os horrores de campos de concentração, muitos dos quais abandonados às pressas. Cientes da importância do achado, os militares aliados registraram a chocante descoberta em filmes — alguns dos quais foram usados mais tarde como prova no Julgamento de Nuremberg. No entanto, nenhum desses registros cinematográficos dava voz aos sobreviventes do Holocausto. (mais…)

Um rascunho de videogame de Sagan

Speace Invaders V.1 by Lexis-Barant

Um dos telejogos mais antigos que existem é o Space Invaders. Lançado em 1978 nos arcades japoneses e dois anos depois no Atari 2600, seus gráficos de 8-bit mostram apenas uma nuvem de icônicos alienígenas quadriculados que devem ser abatidos com pixels de laser. Jogo de saudosa memória para muita gente e inspirado em Guerra dos Mundos e Star Wars, Space Invaders não parece ter agradado ao autor de Cosmos.

Ao contrário de muita gente na época, que demonizava os jogos eletrônicos, Carl Sagan reconheceu o potencial dos games para educar enquanto entretém. No entanto, Sagan não tinha muito idéia de como começar a projetar um jogo. Suas exigências de um jogo “astronomicamente correto” estavam além das possibilidades técnicas da época.

No rascunho datilografado em duas páginas que traduzimos a seguir — arquivado como “confidencial” entre as “viagens de ideia” do astrônomo-comunicador —, Sagan imagina o que seria um jogo ideal para ensinar astronomia “num contexto tão excitante quanto o de videogames mais violentos” e no qual o objetivo seria revirar a galáxia em busca de um contato: (mais…)