Postagem publicada originalmente em 26 de fevereiro de 2020.

599px-2019-nCoV-CDC-23312_without_background


Em 25 de Fevereiro tivemos o primeiro caso de coronavírus confirmado no Brasil. E 26 de fevereiro foi marcado como o primeiro dia em que a OMS registrou mais novos casos fora da China do que dentro dela, o que indica que a epidemia está se espalhando. Estamos entrando no momento onde a doença se espalha para o mundo.
O que fazer a respeito? Atualizo meu Twitter e meu Instagram constantemente com novas informações. E segue um texto com o material a respeito. Se você prefere vídeos, aqui vão dois episódios e uma live de 1h sobre o tema:
https://www.youtube.com/watch?v=e-JaQOeFxtI
https://www.youtube.com/watch?v=X1IamY2uTbo
https://www.youtube.com/watch?v=xARmN9qurAY
Essa live foi gravada dia 26/02 e é a mais atualizada.
Aqui também tem um vídeo que você pode baixar e compartilhar.

O que é o coronavírus?

O coronavírus ou SARS-CoV-2 (nome oficial) é um vírus respiratório que provavelmente saltou de morcegos para humanos e começou a circular em Wuhan, na China. E causa a infecção respiratória por coronavírus, com o nome oficial de COVID-19. Suspeitamos que ele tenha vido de pangolins, mas pelas adaptações que o vírus que encontramos em pangolins já tem, é um vírus que está muito bem adaptados para humanos e possivelmente veio de outra fonte. Não temos nenhuma evidência de que é uma arma biológica nem escapou de um laboratório.

Quem é afetado pela COVID-19?

Severidade dos casos de acordo com a idade. Dados do Centro de Controle de Doenças da China.
Severidade dos casos de acordo com a idade. Dados do Centro de Controle de Doenças da China.

A mortalidade do vírus é relativamente baixa, entre 2% e possivelmente menos de 1% se o número de pessoas infectadas sem sintomas for grande. Isso é menor do que a SARS de 2003 (que chegou a 10%), mas é uma mortalidade maior do que a gripe anual (menos de 0,1%) que pode se tornar séria se o número de infectados chegar aos milhões como acontece com a gripe. A maioria das pessoas que pega o vírus não tem sintomas ou tem sintomas leves (81% dos casos). Essa estimativa é bem sólida e foi feita com base nos 72 mil casos analisados pelo CDC Chinês.
O tratamento prevê internação e cuidado dos sintomas. Não temos remédio ou vacina contra o vírus ainda, precisamos cuidar da dificuldade respiratória e prevenir pneumonia ou complicações para dar tempo do próprio corpo cuidar do vírus. O mais preocupante são os outros 19%, que precisam ser internados. Essa severidade e a mortalidade também dependem da idade e de condições pré-existentes. São dois grupos mais preocupantes. Idosos, como o gráfico de cima mostra, e pessoas com problemas crônicos como doenças cardíacas, hipertensão, doenças respiratórias como asma e diabetes a mortalidade pode chegar a 10%.
Apesar de quase o mesmo número de homens e mulheres infectados, quase o dobro de homens morreram. Levantam a possibilidade de isso ter a ver com fumo, já que mais da metade dos homens chineses fumam, enquanto só 2% das mulheres têm esse hábito.

Quais os sintomas?

Segundo o estudo com o registro médico de 1100 pacientes chineses, os sintomas mais comuns foram febre (89%), tosse (68%), náusea ou vômito (5%) e diarréia (4%). O período de incubação foi de 2 a 7 dias, com uma mediana de 4. Cerca de 5% deles precisaram de internação na UTI.

O que muda se novos casos aparecerem por aqui?

Fases de Emergência da COVID-19, em 25 de fevereiro entramos no 3º nível.
Fases de Emergência da COVID-19, em 25 de fevereiro entramos no 3º nível.

Como disse o Ministério da Saúde, em 25 de fevereiro, entramos na fase de Emergência de Saúde Pública, onde temos um caso confirmado no país. Caso a transmissão aconteça dentro do Brasil, entre pessoas que não estão voltando de outros países, entraremos na fase seguinte, que é a de contenção.
Segundo o plano de contingência, se passarmos de 100 casos confirmados no país, entra a fase de mitigação. Onde não tentamos mais impedir que o vírus entre, mas sim que ele circule. O ponto dessa fase é tomar medidas que fazem a doença se espalhar o mais lentamente possível, para que todos possam ter atendimento médico.
Sua empresa tem um plano para como deixar as pessoas trabalharem remotamente? Qual a equipe que precisa estar presencial? A creche ou a escola dos seus filhos vai fechar? Quem vai ficar com as crianças se seu trabalho não deixar você em casa? Sua faculdade terá aulas suspensas? Seu maior preparo não é comprar máscara ou estocar comida, ao que tudo indica só em algumas regiões da China chegaram a esse extremo. A preocupação é: vou trabalhar de casa? A faculdade vai fechar? A escola vai parar? Isso tudo acontece muito antes. Nos outros países como Itália e Coréia do Sul, que já estão nessa fase, nas regiões afetadas comércios não essenciais fecham, escolas e creches fecham, o transporte público fica restrito ao essencial. Muitas companhias mandaram os funcionários trabalharem de casa. Se quiser se prevenir, pense em como vai ser se o mesmo acontecer aqui.

Como não se contaminar? E o caso de pessoa reinfectada?

É um vírus transmitido por saliva e muco. Limpar bem as mãos, lavar constantemente e usar álcool gel, proteger o rosto quando for espirrar e evitar aglomerações.
Sobre os possíveis casos de reinfecção pelo vírus e a japonesa que pegou coronavírus mais de uma vez, os próximos passos são descobrir o que tem de extraordinário aí, se a imunidade dela (incompleta) ou o vírus. Se for algo particular dela ou de algum grupo de infectados, menos mal. Se for o vírus, e pelo genoma dele podemos ter uma noção, vamos descobrir conforme mais casos de reinfectados aparecerem (aguardemos). Pode ser que o vírus não desperta uma imunidade protetora o suficiente ou que ele já mudou o suficiente para escapar (daí olhar pro genoma). Só temos um caso registrado e alguns relatos ainda, não dá para se ter uma noção do tamanho do problema. Se reinfecção se tornar algo comum, o potencial de infectados pela doença se mantém enorme e a vacina provavelmente vai encontrar dificuldades. Pesquisadores chineses publicaram um artigo sobre algumas pessoas que continuam testando positivo para o coronavírus depois de dispensadas da quarentena, até 2 semanas depois. Elas não transmitiram o vírus para ninguém, mas parecem continuar produzindo um pouco de vírus no pulmão, o que explicaria a impressão de que foram infectadas de novo.

Tem tratamento?

É bem difícil de ter um remédio contra vírus, porque a maior parte do que eles usam para se reproduzir vem das nossas células. Então, mesmo os compostos que agem contra um vírus como o HIV geralmente agem só contra ele. Algumas vezes damos sorte e o uso é mais geral. Esse é o caso do remdesvir. Um composto desenvolvido contra o Ebola que atrapalha polimerases que copiam RNA. Nós não copiamos RNA, só fazemos ele a partir do nosso DNA, então esse tipo de droga não nos afeta. Como o coronavírus também é um vírus de RNA que copia o próprio genoma, o remdesvir pode atrapalhar ele nessa fase. É um resultado que já corta muito caminho, pois esse composto foi um dos mais eficientes contra o coronavírus e já havia sido testado para uso em humanos. Estão avançando os testes para tratar coronavírus agora. O irônico é que temos pesquisa no Brasil com compostos parecidos com o remdesvir contra zika e dengue, potencialmente melhores até, mas faltou a grana para mais testes por aqui.

Quer mais informação? Participei de vários podcasts discutindo o coronavírus:

Dragões de Garagem
Mamilos
Nerdcast
Xadrez Verbal (com um pouco de coronavírus e muito sobre minha trajetória)

Material de referência

Estudo falando da Origem do SARS-CoV-2 e como não parece ser pangolim:
The Proximal Origin of SARS-CoV-2 – http://virological.org/t/the-proximal-origin-of-sars-cov-2/398
Dúvidas sobre diagnóstico e tratamento: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/coronavirus
Notificação de casos suspeitos e conformados no Brasil: http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/
Acompanhamento dos casos confirmados no mundo: https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6
Boletim do CDC Chinês sobre os 72 mil primeiros casos: http://weekly.chinacdc.cn/en/article/id/e53946e2-c6c4-41e9-9a9b-fea8db1a8f51

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores, produzidos a partir de seus campos de pesquisa científica e atuação profissional e foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Não, necessariamente, representam a visão da Unicamp. Essas opiniões não substituem conselhos médicos.

editorial