Plasma Rico em Problemas

Um título alternativo: “Em Defesa da Ética na Pesquisa Clínica”. Mas estava precisando desabafar e saiu. O Plasma Rico em Plaquetas (PRP) é um produto biológico, definido como uma fração do plasma obtida do sangue da própria pessoa, que através de centrifugação, gera uma concentração de plaquetas acima da contagem basal do indivíduo. As plaquetas são as menores células do sangue. Além de ajudar a estancar sangramentos (hemostasia), descobriu-se que as plaquetas contém grânulos ricos em substâncias envolvidas na regulação da inflamação, na formação de novos vasos sanguíneos (neoangiogênese) e na migração de células-tronco (1). Este produto seria, em tese, uma forma de estimular a cicatrização dos tecidos, utilizando  um derivado do sangue da própria pessoa. Atualmente, diversas especialidades médicas propões pesquisas para uso terapêutico do PRP em diversas patologias. A Ortopedia é uma das áreas com maior número de aplicações, sendo usado para o tratamento de lesões articulares e do tecido músculo-esquelético (1)

  1. O PRP funciona ou não funciona?

Discussões apaixonadas tem surgido em congressos e em publicações científicas, a respeito da eficácia do PRP, com uma polarização extrema entre seus defensores e seus inimigos. Obviamente nenhum destes polos extremos deve ser a posição de um pesquisador sério. Existe uma dúvida, vamos fazer uma pesquisa para esclarecer. Longe de querer opinar sobre esta questão, existem dois fatos que precisam ser conhecidos:

 

  • De acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), em sua Resolução 2128/2015, a aplicação do PRP em pacientes, no Brasil, só deve ser feita dentro de protocolos de pesquisa clínica, devidamente aprovados e fiscalizados por um Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) registrado na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) (2);
  • A Resolução 466/2012, da Agência Nacional de Saúde (ANS), que rege e normatiza a pesquisa clínica no Brasil, proíbe qualquer tipo de cobrança dos participantes de pesquisa (3).

 

Favorável ou contrário ao uso do PRP, não é possível fugir destes dois fatos. Portanto, muitos pesquisadores das áreas básicas e das áreas clínicas tem se dedicado com seriedade a conduzir pesquisas éticas, buscando obter respostas honestas, que tragam benefícios para pessoas que sofrem com dores articulares.

 

2) Existe algum problema em fazer pesquisa clínica em seres humanos usando o PRP?

Não, desde que regras éticas e sanitárias sejam estabelecidas.

Então porque o título?

3) O PROBLEMA:

Por puro desconhecimento das normas éticas e sanitárias, ou por pura ganância mesmo, existe um número crescente de médicos oferecendo abertamente a aplicação de PRP, sem nenhum controle sanitário, em clínicas privadas. Alguns até desconhecem a recomendação do CFM para só usar como pesquisa e cobram pela aplicação como se estivesse tudo bem. Outros, cientes da recomendação do CFM, criam falsos protocolos de pesquisa, com a finalidade de cobrar pela aplicação de maneira disfarçada.

Os exemplos a seguir são situações relatadas por colegas médicos, indignados com o atrevimento destes falsos pesquisadores:

Situação 1) O paciente procura um ortopedista para tratar sua dor. Recebe a informação de que seu caso terá benefício com o uso do PRP, mas que para isso terá de participar de um estudo clínico, por causa da orientação do CFM. A aplicação será gratuita, mas o paciente precisa pagar um valor em torno de R$ 5.000,00 para uma empresa que irá fornecer o equipamento e que irá preparar o produto, ou para um determinado biólogo ou biomédico. A empresa ou o profissional repassam o dinheiro para o médico. Logo, o médico não cobrou.

 

Situação 2) O paciente é orientado pelo empresário dono da centrífuga que prepara o produto, a fazer uma “doação” para um pequeno hospital filantrópico. Assim poderá ser incluído em um protocolo de pesquisa onde não será cobrado. O hospital repassa depois o dinheiro para o médico. Logo, o médico não cobrou.

 

Situação 3) Surge o anúncio de uma pesquisa com PRP na mídia. Ao procurar o centro de pesquisa, o paciente é informado que seu caso não se enquadra nos critérios de inclusão, mas que ele pode procurar o médico no consultório e pagar pela aplicação.

 

Todas estas situações são formas de tentar driblar a fiscalização. São situações de grave infração ética. Infelizmente muitos destes médicos não tem noção do delito que estão cometendo. Viram colegas fazendo e fazem igual, achando que é correto.

 

4) Mas e daí, eu quero usar o PRP, “tenho o direito de tentar!”. Qual o problema?

CADA PACIENTE FERIDO EM UM ESTUDO CLÍNICO, FERE A CIÊNCIA COMO UM TODO.

 

Se você concorda em pagar, saiba que está contribuindo para:

  • a propagação da cultura de desonestidade e corrupção e do “jeitinho brasileiro”. Depois não reclame dos políticos;
  • para denegrir todas as pesquisas clínicas sérias e todos os pesquisadores sérios que querem investigar o PRP e outras terapias, mas que estão se afastando desta área devido ao crescente número de falsos pesquisadores que usam da boa fé do participante para explorá-lo;
  • imposição crescente de barreiras para coibir este tipo de abuso, barreiras que atrasam e encarecem muitas vezes a realização de pesquisas sérias.

Se você foi convidado a participar de uma pesquisa clínica, com PRP ou com qualquer outro tratamento, você não pode ter custos. Se te cobrarem qualquer coisa ou te pedirem doação, recuse. Se possível, descubra em que CEP está registrada esta pesquisa e denuncie. A Ciência de verdade agradece.

Referências:

  1. Alves R, Grimalt R. A Review of Platelet-Rich Plasma: History, Biology, Mechanism of Action and Classification. Skin Appendage Disord 2018;4:18-24.
  2. http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2015/2128_2015.pdf
  3. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Leia também:

Pesquisa Médica com Seres Humanos no Brasil – Parte 1

 

Alessandro Zorzi

Médico ortopedista e pesquisador na UNICAMP e no Hospital Albert Einstein, com mestrado e doutorado em ciências da cirurgia pela UNICAMP e especialização em pesquisa clínica pela Harvard Medical School.

40 thoughts on “Plasma Rico em Problemas

  • 23 de junho de 2018 em 19:35
    Permalink

    temos uma atleta regional, que precisa urgentemente de tratamento dos joelhos por atrose e ligamentos,ficamos esperançosos com a evolução, esta senhora precisa de sua ajuda . espro ser respondido brevemente pois precisamos dessa atleta em plena atividade, por favor nos cosulte.
    grato

    andre

    Resposta
    • 26 de junho de 2018 em 10:46
      Permalink

      Oi André,
      O HC da UNICAMP é um hospital 100% SUS. O agendamento de consultas é via sistema CROSS nas unidades básicas de saúde. É só procurar a UBS e pedir uma consulta com especialista em joelho. Uma carta de encaminhamento de qualquer médico ajuda a agilizar o agendamento. Abraço

      Resposta
      • 7 de julho de 2018 em 02:27
        Permalink

        Alessandro, muito obrigado por essa publicação! Você tem alguma dica de como participar de uma pesquisa clínica?
        Conhece algum canal para inscrição ou poderia indicar por onde nós podemos acompanhar as pesquisas que estão sendo feitas atualmente e as que estão por vir?

        Resposta
        • 15 de julho de 2018 em 08:07
          Permalink

          Olá Renato, em geral os pesquisadores divulgam a chamada para voluntários em mídias como rádio e internet. Esta chamada precisa ser previamente autorizada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Este blog é uma forma de acompanhar algumas chamadas, principalmente as do nosso grupo de pesquisa. Mas infelizmente não existe um canal único para todas as universidades, o que daria uma bela ideia para um novo aplicativo. Muita gente quer ser voluntário mas acaba perdendo a chance por falta de informação.

          Resposta
  • 6 de outubro de 2018 em 17:58
    Permalink

    OLá! Sabe de alguma pesquisa que esteja aberta no monento? Sofro com muitas dores no quadril há um ano já… sei de médicos que fazem particularmente, mas preferiria fazer como voce indicou. Obrigada.

    Resposta
    • 9 de outubro de 2018 em 16:14
      Permalink

      Olá Silene, no momento desconheço estudos com PRP em fase de inclusão de participantes. Se ficar sabendo te aviso. Abraços

      Resposta
  • 15 de outubro de 2018 em 19:06
    Permalink

    Gostaria de receber avisos de pesquisas.

    Resposta
    • 24 de outubro de 2018 em 10:20
      Permalink

      Oi Danielle, no momento estamos incluíndo pacientes com lesão do menisco. O estudo da cartilagem ainda não está em funcionamento. Prometo que assim que for autorizado, divulgo através do Fêmur Distal.

      Resposta
      • 19 de setembro de 2019 em 16:20
        Permalink

        Boa tarde Dr. Alessandro.
        Estou com uma lesão recente de LCA e menisco.
        Preciso muito de ajuda!!

        Resposta
      • 17 de novembro de 2019 em 11:25
        Permalink

        Bom dia! Tenho lesão degenerativa no menisco e faço corrida de rua… li muito sobre resultados positivos do PRP no meu caso… como devo proceder para participar do estudo??? Grata.

        Resposta
  • 1 de novembro de 2018 em 13:07
    Permalink

    Boa tarde , gostario de ser voluntario ! faz 3 meses que operei o Menisco e o Ligamento Cruzado.

    Resposta
    • 13 de novembro de 2018 em 22:51
      Permalink

      Anotado.

      Resposta
  • 1 de fevereiro de 2019 em 21:06
    Permalink

    Gostaria de saber onde fazer PRP no Rio de Janeiro e em Niterói, onde moro. É qual é o preço? Tenho.artrose no joelho .
    Obrigada,
    Elisa

    Resposta
    • 11 de fevereiro de 2019 em 16:11
      Permalink

      Elisa, a aplicação de PRP no Brasil está proibida pela ANVISA e pelo CFM. No momento você não conseguirá fazer essa terapia, a não ser que procure uma universidade que esteja realizando estudos clínicos e pedindo voluntários. Estudos clínicos não podem fazer nenhum tipo de cobrança dos pacientes.

      Resposta
      • 18 de fevereiro de 2019 em 00:29
        Permalink

        Ola alessandro
        Vc saberia informar quais oa centros de estudos que abrem inscrição para essa terapia.
        Muito grata

        Resposta
        • 18 de fevereiro de 2019 em 22:14
          Permalink

          Olá Juliana, são dezenas de centros de estudos. No momento a UNICAMP não está com vagas abertas. Não consigo te dizer sobre outros centros. Uma opção é consultar as plataformas ClinicalTrials.gov (é norte-americana, mas às vezes os pesquisadores brasileiros anunciam por lá) e a ReBEC (rede brasileira de ensaios clínicos).

          Resposta
  • 2 de fevereiro de 2019 em 06:06
    Permalink

    Olá tenho 31 anos a 1 ano descobri artrose no quadril e fui obrigado a para de fazer o que mais amo que e jogar futebol e para piorar trabalho com futebol e vejo que já está me prejudicando no dia dia queria fazer parte na pesquisa.
    Desde já agradeço

    Resposta
    • 23 de junho de 2021 em 15:39
      Permalink

      Boa tarde! Estou fazendo o tratamento de PRP em Belem-PA. Em um ferimento na perna. Em julho estarei no Rio e quero continuar o tratamento. Serão 4 aplicações. Por quanto sairia.

      Resposta
  • 2 de fevereiro de 2019 em 06:11
    Permalink

    Olá tudo bem.
    Tenho 31 anos a 1 ano descobri artrose no quadril e tive que parar de jogar futebol.
    Sou professor de educação física e trabalho com futsal e vejo que artrose está me limitando a muitas funções diárias que fazer parte dá pesquisa.
    Desde já agradeço.

    Resposta
  • 7 de março de 2019 em 23:44
    Permalink

    Zorzi, vc sabe se existem, ou existiram, pesquisa relacionada ao PRP para uso na artrose e recuperação de artroscopia de quadril? Tenho pesquisado e só encontro em Posts, Ensaios sobre a aplicação nos joelhos. Grata.

    Resposta
    • 18 de março de 2019 em 22:24
      Permalink

      olá Simone. Para PRP na artrose do quadril, veja Doria C et al 2017 doi: 10.1055/s-0037-1605584.É open access.
      Para PRP e artroscopia do quadril, veja Redmond JM et al 2015 doi: 10.1016/j.arthro.2014.08.034. Rafols C et al 2015 doi: 10.1016/j.arthro.2015.03.025
      Estes dois últimos saíram na prestigiada revista Arthroscopy.

      Resposta
  • 2 de abril de 2019 em 10:12
    Permalink

    Ola gostaria de saber como posso participar d algin tratamnto cm prp em joelhos e quadril, onde procuro e como?
    Sofro cm mtas dores e mobilidade reduzida.
    Agradeco e aguardo.

    Resposta
  • 19 de abril de 2019 em 15:21
    Permalink

    Tive uma lesão no músculo do gastrocnêmio, síndrome da pedrada, há 1 ano. Fui em um hospital na zona sul do Rio de Janeiro e engessaram minha perna. Isso me deu um grande presente, uma semana após tirar essa porcaria, uma trombose na altura da panturrilha. Fiquei aproximadamente 4 meses tratando somente o TVP, deixando de lado a ruptura no músculo. Após, ou seja, 5 meses depois, pude começar o tratamento do rompimento do Gastrocnêmio com fisioterapia. O que não surtiu efeito e estou com fibrose no local. Segundo a RM realizado agora em abril, “Estiramento do ventre muscular do gastrocnêmio medial com edema de fibras nos terços médio e distal, sem roturas. Associam-se estrias de lipossubstituição na transição miotendínea distal, de aspecto sequelar. Além de, “Fissuras condrais profundas no vértice e na faceta medial da patela com edema subcondral”, algo que eu nao tinha antes, e meu médico falou que pode ser pela forma que venho andando desde o ocorrido. Estou tratando com um ortopedista muito conhecido, que disse que posso fazer anos fisioterapia que não vai ter jeito. Ou realizo uma cirurgia ou faço esse PRP. Me explicou o que era e, me deu o valor desse procedimento. Até ler esse artigo não sabia que isso era proibido, até pq já vi ser usado em muitos atletas. Por isso pergunto a você, no meu caso essa é realmente a única solução pra não precisar fazer uma cirurgia? e outra, como tive a trombose é indicado fazer no meu caso? Não corro risco de ter novamente?
    Muito obrigada pela ajuda.

    Resposta
  • 24 de junho de 2019 em 21:52
    Permalink

    Dr. Alessandro, tenho artrose nos dois joelhos, moro em Pelotas no rs. teria algum local realizando estudos clínicos aqui no rs. Talvez em
    Porto Alegre. Eu gostaria de ser voluntária.
    obrigada.

    Resposta
    • 29 de junho de 2019 em 22:02
      Permalink

      Prezada Elza, desconheço estudos em andamento no RS. Existe um em Curitiba, mas não é para artrose, é para lesões de cartilagem antes de virar artrose. A senhora pode dar uma olhada de vez em quando num site chamado ReBEC (Registro Brasileiro de ensaios Clínicos). Lá costumam ser colocados os estudos que estão em andamento no Brasil.

      Resposta
  • 15 de setembro de 2019 em 19:28
    Permalink

    Dr. Alessandro, existe alguma linha de pesquisa na Unicamp ou outra unidade em Campinas utilizando PRP na face para amenizar cicatrizes de acne?

    Resposta
  • 19 de setembro de 2019 em 16:29
    Permalink

    Dr. Alessandro.
    Gostaria de me voluntariar, estou com uma lesão do LCA e menisco ambos no joelho direito.
    A lesão aconteceu recente 17/9, ha 2 dias.
    Como devo proceder?

    Resposta
  • 28 de novembro de 2019 em 12:55
    Permalink

    Boa Tarde Dr. Alessandro Zorzi

    Fui diagnosticado com Síndrome do Impacto Fêmur acetábular dos tipo Cam e Pincer e um início de Osteartrose coxofemoral no lado esquerdo do Quadril. Fiz a artroscopia , já tem 6 meses mais ainda sinto alguns incômodos na região do glúteo médio. Tenho já início de artrose no lado esquerdo e fiz a aplicação de Ácido Hialurônico, só que meu médico disse que teria que fazer aplicação de PRP e que o valor seria de 5.000 pra ser realizada todo o processo de separação das plaquetas algo assim ? Essa aplicação já foi liberada pelo CFM ????

    Aguardo seu retorno

    Resposta
  • 28 de novembro de 2019 em 12:57
    Permalink

    Boa Tarde Dr. Alessandro Zorzi!

    Fui diagnosticado com Síndrome do Impacto Fêmur acetábular dos tipo Cam e Pincer e um início de Osteartrose coxofemoral no lado esquerdo do Quadril. Fiz a artroscopia , já tem 6 meses mais ainda sinto alguns incômodos na região do glúteo médio. Tenho já início de artrose no lado esquerdo e fiz a aplicação de Ácido Hialurônico, só que meu médico disse que teria que fazer aplicação de PRP e que o valor seria de 5.000 pra ser realizada todo o processo de separação das plaquetas algo assim ? Essa aplicação já foi liberada pelo CFM ????

    Aguardo seu retorno ! Grato

    Resposta
  • 9 de janeiro de 2020 em 19:46
    Permalink

    Boa noite Dr. Alessandro
    Gostaria de me voluntariar para tratamento de antro no quadril em estágio avançado. Cirúrgico.
    Estou com dificuldades em andar. Sinto bastante dor na perna
    Agradeço se puder me indicar
    Muito obrigada
    Maria Ferreira/SP

    Resposta
    • 9 de janeiro de 2020 em 19:54
      Permalink

      Meu problema é artrose quadril direito
      Maria ferreira/SP

      Resposta
  • 17 de abril de 2020 em 14:23
    Permalink

    Olá Dr. Alessandro! Em que pé está o uso do PRP na ortopedia atualmente? Tive rotura completa dos ligamentos talofibular anterior e calcaneo fibular, e parcial do profundo e superficial do complexo deltoide. Achei que seria caso cirúrgico mas o ortopedista de tornozelo que consultei disse que não, estou há 5 semanas usando bota ortopédica, mas sem fisio por enquanto, e retorno nele semana que vem. Nesse período tentei pegar uma segunda opinião mas a consulta foi cancelada durante a quarentena. Um amigo médico enviou meu exame para um traumatologista esportivo amigo dele, o qual recomendou aplicação de PRP guiado por USP iniciando fisio dias depois. Gostaria de saber se já existe comprovação de eficácia e se já está liberado ou se continua ainda um tratamento em fase de pesquisa. Caso a eficácia esteja comprovada e o tratamento liberado teria ideia de valores de aplicação? Muito obrigado

    Resposta
    • 20 de abril de 2020 em 17:43
      Permalink

      Oi Diego, infelizmente o Conselho Federal de Medicina continua considerando o PRP uma terapia experimental. Por isso não é permitido a aplicação e cobrança em clínicas. Só em estudos científicos, de graça. Isso deve ser revisto, mas o coronavírus drenou toda a atenção. Até a pandemia passar, nada vai mudar.

      Resposta
  • 22 de setembro de 2020 em 10:28
    Permalink

    O título desse artigo é completamente tendencioso. O problema não está na técnica utilizada, mas no modo, como alguns profissionais de saúde a estão utilizando… Esse procedimento está sendo usado em vários países do exterior, e tem se mostrado muito eficaz no tratamento de alta complexidade de vários profissionais do esporte com lesões nos membros causados por impactos ou rompimentos, e com um risco relativamente baixo de complicações e menos invasivo, com resultados em termos de tratamento mais rápidos que os de antes. A utilização do sangue ou de outros componentes e derivados,aliás tem sido bem contestada pelos conselhos de saúde e pelos médicos mas ortodoxos, se não há com esses ou por esses tratamentos nenhum benefício além do efeito placebo porque vocês não provam que as pessoas e as curas é que estão erradas?

    Resposta
    • 24 de outubro de 2020 em 17:43
      Permalink

      Oi Paulo, concordo totalmente com você. O título é para chamar a atenção mesmo. O problema não está no PRP, mas nos charlatães que tem usado o produto por amor ao dinheiro. Quando bem indicado e bem processado, sem dúvida apresenta benefícios.

      Resposta
  • 1 de fevereiro de 2021 em 01:18
    Permalink

    Olá.

    Tenho recomendação cirúrgica para o quadril E faz uns anos, e agora chegou o momento de fazer. Foi falado sobre a possibilidade de fazer o PRP e que está em fase experimental, apesar de ser usado com alguns resultados bons em ortopedia. E também foi pedido um valor para o processo.
    A pergunta é se já está liberado aqui no Brasil, ou se só pode ser feito em estudos, como já foi dito.

    Agradeço a atenção.

    Resposta
    • 9 de fevereiro de 2021 em 11:45
      Permalink

      Oi Luciano, a ANVISA já regulamentou o uso, mas o conselho federal de medicina (CFM) escreveu uma portaria em 2014 proibindo o uso no Brasil pelos médicos. Só que até hoje não revogou. Então já tem gente usando, mas formalmente ainda precisamos que o CFM revogue a portaria.

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *