Uma jornada inesperada

O silêncio caiu por estas bandas na última semana. Mas não há motivos para pânico. Este que vos escreve vai bem, obrigado. Bem atarefado também, mas finalmente posso revelar o que me deixou longe da blogosfera nos últimos dias. É algo que vem me ocupando desde meados de junho. É algo que tem a ver com minha formação. É algo que tem a ver com o hypercubic. É algo que mede 20x15cm, tem umas 150 páginas e é um tanto patético em seu conteúdo.

Os leitores mais sagazes já sacaram: é um TCC. Também, mas mais do que isso — é meu primeiro livro! E hoje posso, enfim, contar a breve história de como ele nasceu.

Se livros são como filhos, o meu primeiro definitivamente não foi planejado. Confesso que já havia pensado em tê-lo, mas era mais um sonho distante do que algo realizável. (mais…)

Patentes Patéticas (nº. 126)

https://www.google.com/patents/US3698121

Sair pra pescar pode ser um bom programa de fim-de-semana pra muita gente, mas a pescaria em si não é lá muito divertida. Quem quer realmente pescar precisa esperar a época do ano certa, manter todos os seus apetrechos em ordem, comprar a linha certa pra cada peixe, caçar iscas, procurar um bom local piscoso (de preferência sem outros pescadores por perto), pôr a isca no anzol, lançá-lo no lugar certo e esperar, esperar e esperar até que algum peixe caia na pequena armadilha subaquática. Depois disso é preciso lutar arduamente — talvez até homericamente — para conseguir derrotar o peixe. Isso, claro, quando se fisga um peixe.

Gerald C. Nordeen acha que é justamente esse papo de lutar com uma vara e um molinete de linha que não tem a menor graça. Talvez entediado numa pesca no rio Potomac no início dos anos 1970, Nordeen criou um Fishing apparatus [Aparato de pesca] que pode ser resumido em apenas três frases: (mais…)

Histórias de Mundos Sem Fundos

symzonia diagram

Diagrama de “Symzonia” (1820)

Se está no Google, dizem os defensores da Terra Oca, é porque existe. Se depender apenas de fontes respeitáveis, a ideia também esteve presente nas páginas da Philosophical Transactions e de vários livros do século XVIII e XIX. O que ninguém diz é que a Terra Oca daquela publicação respeitável era apenas uma pequena hipótese que nunca foi levada a sério pelos cientistas. E a maioria dos livros que se seguiram eram apenas obras pioneiras de ficção científica. (mais…)

>Prova de Amor

> Ah, o amor — um sentimento do qual quase todo sogro duvida.  Recém-formado em Cambridge em 1898, Ewart Scott Grogan apaixonou-se por Gertrude Watt, uma menina rica. Como o sogro não aceitava a relação, o moço de 23 anos resolveu provar que seu amor era verdadeiro e se propôs Leia mais…

>Rema, rema, remador…

> Em 1896, os pescadores Frank Samuelsen e George Harbo se cansaram daquela vida litorânea em Nova Jersey (não existia Jersey Shore naquela época) e decidiram fazer algo para ficar na História. Eles resolveram cruzar o Oceano Atlântico remando em um bote.  No dia 6 de junho eles zarparam de Leia mais…

>Técnicas de Caça Geeks

> Em 1938, a American Mathematical Montly publicou um artigo incomum: “Uma contribuição para a Teoria Matemática do Grande Jogo de Caça”. Os autores, Ralph Boas e Frank Smithies apresentaram 16 maneiras de pegar um leão através de técnicas inspiradas em física e matemática modernas. Exemplos (não tente fazer isso Leia mais…

>Alexander “Crusoé” Selkirk

> Robinson Crusoé não foi totalmente ficcional. A história do náufrago solitário criada por Daniel Defoe foi baseada na vida de Alexander Selkirk (1676-1721), um marinheiro escocês que passou quatro anos em uma ilha desabitada. Em 1703, Selkirk estava navegando com o corsário William Dampier quando começou a duvidar da Leia mais…

>Equação Fatal

> Se você acha que já teve que passar por uma prova de matemática potencialmente fatal, não conhece a história de Igor Tamm: Durante a Revolução Russa, o matemático Igor Tamm foi cercado por vigilantes anti-comunistas em uma vila perto de Odessa, onde ele estava em busca de comida. Os Leia mais…

>O Colombo do Sul

> Em fevereiro de 1820, o caçador de focas norte-americano John Davis navegava a cerca de 50 quilômetros ao sul da Ilha Hoseason, nos Mares do Sul, quando encontrou uma península. Segundo o diário de Davis aquele dia: Começa com tempo nublado e ventos leves. Às 10 A.M. apareceu uma Leia mais…

>Duas vidas em uma

> Charles-Geneviève-Louis-Auguste-André-Timothée d’Éon de Beaumont, Cavalheiro d’Eon (1728-1810) viveu a primeira metade de sua vida como homem e a segunda como mulher. Até os 49 anos de idade, d’Eon foi soldado e diplomata da França de Luís XV. Ele foi espião du Roi em Londres e em São Petersburgo e Leia mais…