O que são barragens?

O que são barragens?

Letícia Ferreira da Silva (IB/Unicamp) e Lucas Alves Pereira (FE/Unicamp)

Barragens são estruturas construídas pelo ser humano, com o objetivo básico de conter ou armazenar diferentes substâncias, como: água, minério, rejeitos de mineração ou ambos. Geralmente, essas estruturas são feitas de concreto e do próprio material gerado na extração do minério. Elas possuem tamanhos diversos, mas todas guardam uma grande quantidade de substâncias. Por isso, é necessário que elas sejam fortes o suficiente para aguentar o material armazenado. Além disso, é preciso que passem sazonalmente por manutenção e inspeções de segurança. 

A água normalmente é armazenada por barragens em formato de diques, seja para o consumo da população ou, na maior parte das vezes, para gerar energia elétrica. No caso da mineração, a maior parte das estruturas são construídas para acumular o que é considerados rejeito. Esse material é encarado como sem valor econômico pelo fato de as técnicas para reaproveitá-lo serem menos lucrativas do que a extração de minério bruto. 

A empresa responsável constrói um dique para contenção inicial na região que possui os minérios de interesse financeiro e é lá que os dejetos são despejados. Esse depósito inicial é dividido em dois espaços chamados de praia de decantação e lagoa de decantação. Mas como se trata de um material volumoso, apenas um dique não é suficiente, o que faz com que seja feito o alteamento – processo de elevação do dique inicial. Esse procedimento pode ser feito diversas vezes para acumular mais rejeitos. 

Além disso, dependendo da forma como o alteamento foi construído, um tipo diferente de técnica é usada. Vejamos a seguir quais são essas técnicas:

  • Barragem por alteamento a jusante, em que os alteamentos são construídos sobre os diques anteriores e no sentido da água.
  • Barragem por alteamento de linha de centro, em que os alteamentos são construídos tanto em cima do dique anterior quanto sobre os rejeitos mantendo a simetria da barragem – o que faz com que seja a mais segura dentre as três.
  • Barragem por alteamento a montante, em que os alteamentos são sucessivamente construídos sobre o rejeito e no sentido contrário ao fluxo de água. Essa técnica é considerada a mais perigosa para a população e está proibida de funcionar ou de ser construída no Brasil após os rompimentos ocorridos em 2015, na barragem de Mariana (MG) e, em 2019, na de  Brumadinho (MG). Nós, do CRIAB, consideramos esses rompimentos desastres-crime, mas vamos falar mais sobre isso em outro post.

Na imagem a seguir, podemos ver alguns exemplos de técnicas de alteamento de barragem, o que também explicaremos com mais detalhes futuramente. 

Figura 1: os três tipos de alteamento de barragem rejeitos.
Créditos: Viviane Zhu

Por serem construções imponentes que ocupam grandes áreas de extensão, as barragens oferecem riscos ao meio ambiente. Isso quer dizer que elas afetam vidas humanas e não humanas, bem como o ecossistema em geral, ou seja, a fauna, a flora, o solo, a água e o ar, que compõem de modo sinérgico o território que as cercam. Por esse motivo, elas são classificadas por sua periculosidade. Um dos meios de classificação segue o Dano Potencial Associado (DPA), que pode ser alto, médio ou baixo. Essa nivelação está relacionada às perdas econômicas, sociais e ambientais causadas pela potencial ruptura das barragens. Elas também são classificadas em Categorias de Risco (CRI), podendo ser alto, médio ou baixo, a partir da observação das características técnicas, do estado de conservação, do volume de armazenamento e do atendimento ao plano de segurança. É a partir dessas classificações que a periodicidade das inspeções e das manutenções será definida. 

As grandes empresas que gerenciam os trabalhos de mineração, por exigência de normas públicas, devem instaurar medidas como a Segurança de Barragem, que começa com um projeto inicial da estrutura, gerando uma licença de funcionamento e seguindo com manutenção constante. Por vezes, o técnico de fiscalização, a serviço do Estado, observa a necessidade do descomissionamento (desativação) da barragem, feito por empresas terceiras. A segurança da barragem é de responsabilidade da empresa que a administra, bem como o cuidado com as estruturas no que se refere ao seu envelhecimento, à ocupação nos vales a jusante e a desastres-crimes, gerados por tais alterações. 

No próximo post, falaremos sobre onde estão as barragens brasileiras.

Siga nossas redes sociais e acompanhe o blog!

Referências:
Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (Brasil). Relatório de segurança de barragens 2019 / Agência Nacional de Águas e Saneamento básico. — Brasília: ANA, 2020.
CRUZ, Ana Paula Leal P.; SILVA, Bianca de Jesús. Barragens de rejeitos da mineração: Conceitos, estrutura, funcionamento e desdobramentos de seu rompimento. Campinas, Maio 2021.
VALE S.A. Entenda as barragens da Vale. 2019. Disponível em: <http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/servicos-para-comunidade/minas-gerais/atualizacoes_brumadinho/Paginas/Entenda-as-barragens-da-Vale.aspx>. Acesso em: 15 jul. 2021.
ZHU, Viviane. Barragens: finalidade, tipos, riscos e a nova lei. 2020. Disponível em: <http://petcivil.blogspot.com/2020/10/barragens-finalidade-tipos-riscos-e.html>. Acesso em: 15 jul. 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content