Alice no país da programação computacional!

060310_alice_vsml_1p.jpgQuem acompanha meu Twitter sabe que me direciono cada vez mais para iniciativas ligadas a educação.

Uma que conheci recentemente foi o software Alice, que busca fazer da programação computacional orientada a objetos algo simples e divertido de se aprender. Ao contrário das intragáveis sentenças computacionais clássicas (até quem só mexe com html, como blogueiros, arrepia às vezes), o programa possui um ambiente gráfico amigável e a sensação de se brincar com um jogo de computador. Conhecer o Alice me fez pensar imediatamente na oportunidade que pessoas como eu têm nas mãos.

Explico: tenho muito interesse em desenvolver material did√°tico animado e nenhuma no√ß√£o de programa√ß√£o. Com esse software posso tentar criar anima√ß√Ķes relacionadas ao ensino de biologia, qu√≠mica e, por que n√£o, fazer apresenta√ß√Ķes mais interessantes para palestras, cursos, etc.!

O programa é uma ferramenta de ensino gratuita utilizada em várias escolas americanas e que permite ao usuário criar e até compartilhar na web filmes animados e videogames simples. Os estudantes visualizam imediatamente o funcionamento do programa que eles criaram, o que permite o fácil entendimento da relação entre as sentenças de programação e o comportamento dos objetos na tela.

logo_alice_Brasil.jpgO mais legal: fui convidado para o Congresso Alice Brasil 2010, evento organizado pelo Mackenzie que reunirá educadores, profissionais e cientistas para debater o ensino da programação computacional no Brasil. A ideia é mostrar a crianças e jovens brasileiros o verdadeiro potencial dos computadores.

Fato interessante: o nome Alice é uma homenagem a Lewis Carroll, autor de Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho. A homenagem veio por Carroll ter percebido o grande poder de se comunicar de modo claro e interessante.

O evento acontecer√° nos dias 2 e 3 de mar√ßo no campus S√£o Paulo da Universidade Presbiteriana Mackenzie e contar√° com oficinas, palestras, apresenta√ß√Ķes liter√°rias e lan√ßamentos de livros.

Quer saber mais? Acesse www.alicebrasil.com.br para todas as informa√ß√Ķes do evento e www.alice.org para conhecer mais sobre esse √≥timo projeto!

Congresso científico fantasma

congresso fantasma.jpg

Calma, não é um congresso científico SOBRE fantasmas, o que seria um paradoxo.
Mas um congresso-SPAM. Isso mesmo. E maldoso.

Imagine receber um email com uma programação de congresso na China com pesquisadores top da sua área. E ainda te convidam para dar uma palestra e por isso se oferecem a pagar, ou melhor, reembolsar, sua estadia e inscrição.
“Ora, nunca fui pra China. Seria uma √≥tima oportunidade!”
N√£o s√≥ voc√™ se interessa e se inscreve como reenvia a outros colegas, como √© praxe. Manda seus dados, n√ļmero do cart√£o de cr√©dito e BINGO, n√£o existe congresso.

Isso n√£o √© novidade no mundo corporativo. Calotes com congressos ou cursos fantasmas s√£o muito comuns. Mas geralmente s√£o temas mais abrangentes, com listas de email inespec√≠ficas. Cursos de “venda mais”, ou “Quem Mexeu no Meu Queijo e A Arte da Guerra para pequenos empres√°rios”.

O diferente aqui destes dois casos de congressos científicos fantasma é o nível de sofisticação. A programação contém nomes de pesquisadores importantes da área, e os emails foram para pesquisadores e interessados nas tais áreas.

O primeiro caso aconteceu em agosto de 2009, o suposto Congresso Internacional de Cardiologia na China. Aqui o caso foi de roubo ou mal uso de informa√ß√£o de uma empresa chinesa que estava realmente organizando um congresso. Mas as informa√ß√Ķes, programa e email de pesquisadores, vazaram e foram utilizadas para divulgar o “evento” antecipado. Alguns pesquisadores fizeram inscri√ß√£o com cart√£o de cr√©dito e compras n√£o autorizadas foram feitas com eles.

O segundo ir√° acontecer em Dezembro de 2010 (ou n√£o). √Č o “Conference on Human Welfare and the Global Economy”, organizado por uma entidade chamada Action World International Organization (AWIO). Este engodo foi descoberto pela revista The Scientist, que ligou para o local do evento indicado no email e descobriu que n√£o h√° reserva para a data, e os palestrantes contatados n√£o est√£o sabendo de nada!

√Č minha gente, por isso digo que √© cada vez mais dif√≠cil ser cidad√£o hoje em dia. Agora pra cada convite de congresso que queira ir voc√™ tem que ligar para o local onde se realizar√° o evento e perguntar “Vai rolar mesmo?”. Ou ligar para o palestrante programado e perguntar “Voc√™ vai mesmo?”. Ou pior, voc√™ pode ser o pr√≥prio palestrante e ter que ficar recebendo emails de confirma√ß√£o de presen√ßa. Haja saco.

Mas é o preço das facilidades da vida moderna.

Apresentação padrão de powerpoint

Substitua o “chicken” por trechos da sua tese e est√° pronto para um congresso cient√≠fico!

N√£o seria engra√ßado se todas as apresenta√ß√Ķes, cient√≠ficas ou n√£o, n√£o fossem todas iguais! Quem j√° foi a um congresso sabe.
Est√° na hora de mudar, n√£o acham? Inovar de algum jeito.
Mas como?
Envie sugest√Ķes ou exemplos nos coment√°rios.
Via @cardoso