O blablablá dos políticos na abertura do Fórum Mundial de Ciência

Mesa de abertura do Fórum Mundia de Ciência. Crédito: ASCOM ABC

Aconteceu agora, em final de novembro no Rio de Janeiro, o F√≥rum Cient√≠fico Mundial (World Science Forum- WSF). Eu dei uma passada por l√° porque √© um congresso diferente dos que eu j√° conhe√ßo. E eu conhe√ßo dois tipos: os cient√≠ficos, bem focados em pesquisa b√°sica, e os de mercado, como feiras de tecnologia ou de setores comerciais, como ind√ļstrias de couro e cal√ßados.

Esse era de outro tipo: era de policy making. Quer dizer que é um evento político sobre ciência.

Vou falar mais sobre ele depois, mas vou começar pelo começo: a abertura.

O Brasil e a sua ciência maravilhosa

Sabe porque toda abertura de evento político é chata? Porque você sabe exatamente o que os políticos vão falar, e é sempre o mesmo clichê desenvolvimentista.

A Dilma estava na programação mas não apareceu; mandou o vice Michel Temer, que como sempre não decepcionou, não tropeçou em nenhuma palavra. Sempre me surpreendeu a facilidade com que ele discursa. Acho que nunca o vi errar ou engasgar. Pena ter falado besteira.

Ele estava contente por ter ouvido muito sobre as ci√™ncias sociais nas outras falas, sentimento que eu compartilho, j√° que muita gente ainda acha que ci√™ncia √© s√≥ f√≠sica e biologia, e n√£o est√° nem a√≠ para as ci√™ncias sociais. Mas a√≠ ele falou de ci√™ncia JUR√ćDICA (que se for ci√™ncia √© em outro contexto), e usou a palavra “social” s√≥ pra puxar o clich√™ do Bolsa Fam√≠lia e Minha Casa, Minha Vida. Ou seja, fica claro que ele n√£o sabe o que √© ci√™ncia, muito menos ci√™ncia social.

Ainda falaram o vice-governador do Rio, o Pez√£o, e o ministro de Ci√™ncia, Tecnologia e Inova√ß√£o, Marco Ant√īnio Raupp. Ambos mostrando s√≥ o lado bonito da moeda cient√≠fica brasileira. De como o Rio e o Brasil t√™m avan√ßado e bla, bla, bla.

Bacana. Mas quer dizer que n√£o temos nenhum problema na ci√™ncia nacional, como importa√ß√£o de material que demora 6 meses, falta de financiamento, falta de educa√ß√£o cient√≠fica da popula√ß√£o e falta de est√≠mulo √† inova√ß√£o? E quest√Ķes pol√™micas, como a dos beagles dentro do uso de animais em experimenta√ß√£o, est√£o todas bem resolvidas, ou pelo menos bem discutidas?

Aliás é bom mencionar que a Dilma não apareceu na abertura e o ministro Raupp sumiu depois dela. Eu pelo menos não o vi nos outros dias do evento. Bom, pode ser que o Fórum não seja tão importante quanto eu imaginei.

Quem comprou essa?

Eu fico imaginando se os estrangeiros ali presentes realmente compraram essa ideia de que o Brasil é a nova fronteira científica mundial como faz parecer o discurso oficial.

√Č obriga√ß√£o dos representantes do governo venderem a imagem do pa√≠s dessa forma, como se ele fosse um carro usado? Isso √© bom para n√≥s?

Em um f√≥rum sobre como a ci√™ncia pode ajudar o mundo, de forma pr√°tica, a resolver os maiores problemas que a humanidade j√° enfrentou, acho mais inteligente a fala realista de¬†J√≥zsef P√°link√°s, presidente da Academia H√ļngara de Ci√™ncias e do F√≥rum, que reconhece que a ci√™ncia criou solu√ß√Ķes, mas tamb√©m muitos problemas:

“A ci√™ncia foi e continua sendo o principal contribuinte para o desenvolvimento, mas precisamos ser sinceros: a ci√™ncia fez parte da constru√ß√£o do mundo que estamos tentando mudar. Agora, precisa reverter esse processo”.

Se a ciência, bem feita, já pode gerar problemas, imagine uma ciência sem planejamento, tocada a toque de caixa, e que tampa com uma peneira as suas próprias falhas.

 

Leia mais aqui:

Cobertura oficial do evento:

Exposi√ß√£o com “baratas” que brilham

Réplica gigante de fungo

Todo mundo adora coisas que brilham, e é por isso que se tem um tema para exposição que é sucesso garantido é a bioluminescência. Vagalumes, água-vivas e fungos são algumas das fontes de luz que a natureza possui e que estão representadas na exposição Criaturas de Luz do Museu de História Natural de Nova Iorque.

Parece ser bem legal e é uma pena este tipo de exposição ser tão rara no Brasil.

B√īnus sobre vagalumes:

1- Não é só carnavalesco não. As proteínas que fazem o vagalume brilhar são usados em laboratórios para marcar células, fazendo-as brilharem e facilitando a observação de eventos microscópicos. Sem essa proteína (luciferina) os estudos de todas as áreas de biologia celular estariam muito mais atrasados.

2- Pense numa noite escura, voc√™ caminhando por uma mata com sua amada quando um pequeno brilho verde pisca a meia dist√Ęncia, e pisca de novo mais adiante e novamente mais ali. A noite fica m√°gica, et√©rea, rom√Ęntica. Luz √© magia. Voc√™ com uma lanterna tenta acompanhar o brilho para ver o vagalume de perto. Ao chegar perto e iluminar o brilho verde sua amada grita de espanto e nojo: “UMA BARATA, MATA!!!”. As pessoas ficam impressionadas, e um pouco decepcionadas, quando veem um vagalume de perto, afinal ele parece mesmo uma barata. E neste v√≠deo d√° pra ver o modelo gigante que fazem de um vagalume e o making of da exposi√ß√£o.

RNAm na Campus Party

√Č isso a√≠, o RNAm junto com o Rainha Vermelha e o 100Nexos do Scienceblogs estar√£o numa mesa redonda sobre blogs de ci√™ncia na Campus Party. Teremos a presen√ßa ilustre do pessoal do Jovem Nerd, lindo modelo de neg√≥cios baseado em conte√ļdo que eu invejo e admiro, e do professor Dulc√≠dio do site F√≠sica na Veia, uma celebridade dos blogs de ci√™ncia no Brasil.

Quando? Sábado, dia 11/2 às 16h45 e vai passar ao vivo neste site, eu acho (tem que se cadastrar no botão do facebook ou do twitter dessa página)

Aqui a descrição do evento:

O p√ļblico internauta √© muito interessado por ci√™ncia e tecnologia. No entanto, poucos blogs e podcasts tratam deste tema regularmente, e pouqu√≠ssimos se dedicam apenas √† ci√™ncia. Esta mesa redonda trata de como e por que falar de ci√™ncia na internet, e quais resultados isso pode trazer. Participantes:

Atila Lamarino √Č bi√≥logo, escreve sobre biologia e evolu√ß√£o no Rainha Vermelha e em blogs t√£o distintos quanto o Papo de Homem e o H1N1 da Biblioteca Regional de Medicina. Atualmente, coordena o ScienceBlogs Brasil, a vers√£o brasileira da maior comunidade online de ci√™ncia.

Kentaro Mori Gerente de comunidade ScienceBlogs Brasil, criador e editor Ceticismo Aberto

Caio L√ļcio Analista de Sistemas por profiss√£o e especialista em tecnologia por voca√ß√£o. Quando o assunto tecnologia, ci√™ncia ou hist√≥ria, L√ļcio sempre √© chamado nos podcasts do Jovem Nerd.

Dulcídio Braz Físico e Professor. Pioneiro no ensino de Física Moderna para jovens estudantes do ensino médio e início do curso superior. Autor do blog Física na Veia! www.fisicanaveia.com.br.

Rafael Bento da Silva Soares Biólogo, PhD em biotecnologia, Pós-Doutorando em Neurociências e divulgador de ciências através do blog RNAmensageiro desde 2006.

Deive Pazos Co-fundador do Grupo Jovem Nerd e Diretor Comercial do site. Trabalha com planejamento publicitário, mídias sociais e é especializado em campanhas de nicho e estampas desenvolvidas para a Nerdstore.

Alexandre Ottoni Co-fundador do Grupo Jovem Nerd. Al√©m de gerenciar o conte√ļdo di√°rio do Jovem Nerd, trabalha com planejamento publicit√°rio e midias sociais entre partidas de Black Ops.

Resultados do Ato P√ļblico contra a nova distribui√ß√£o dos royalties do petr√≥leo.

Dias atr√°s comentei a realiza√ß√£o de um Ato P√ļblico encabe√ßado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci√™ncia (SBPC) e pela Academia Brasileira de Ci√™ncias (ABC) contra o projeto de lei que prev√™ a redistribui√ß√£o dos royalties do petr√≥leo.

As críticas à Proposta de Lei Substitutiva 448 extrapolam a cobertura da mídia sobre o entrave entre os Estados e Municípios produtores e não produtores, baseando-se no fato de a nova proposta extinguir itens que tratam da destinação de percentagens específicas para Ciência, Tecnologia & Inovação previstos na legislação vigente.

Sal√£o Nobre lotado para o in√≠cio das discuss√Ķes. Ato P√ļblico realizado em S√£o Paulo no dia 7 de Novembro de 2011. (Imagem: arquivo pessoal)

O evento terminou com a decis√£o das entidades organizarem um movimento para solicitar aos deputados da C√Ęmara Federal mudan√ßas no PLS 448 que destinem por lei percentuais para as √°reas supracitadas. Um resumo do Ato foi publicado pela SBPC em “J√° a partir de 2012, os fundos setoriais perder√£o quase metade do valor atual“.

O ScienceBlogs Brasil manifestou seu apoio √† quest√£o pela publica√ß√£o do artigo “Royalties do Petr√≥leo: Educa√ß√£o, Ci√™ncia, Tecnologia & Inova√ß√£o e o PLS 448” no blog Raio-X. O texto¬†cont√©m explica√ß√Ķes sobre o tema e foi elaborado para que todos tenham mais conhecimento sobre o assunto.

Acessem!

Royalties do Petróleo: Educação, Ciência, Tecnologia & Inovação e o PLS 448

 

Ato P√ļblico na SBPC sobre a distribui√ß√£o dos royalties do pr√©-sal!

Sei que está muito em cima da hora, mas não posso deixar de divulgar o evento que acontecerá hoje na sede da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a SBPC, em São Paulo.

Trata-se de um Ato P√ļblico que come√ßar√° √†s 14h30 no Sal√£o Nobre da entidade e tem como objetivo chamar a aten√ß√£o e tentar reverter o quadro atual de distribui√ß√£o dos royalties do petr√≥leo que n√£o inclui um percentual de destina√ß√£o para as √°reas de educa√ß√£o, ci√™ncia, tecnologia e inova√ß√£o (C,T&I).

O evento √© aberto ao p√ļblico e reunir√° dirigentes de institui√ß√Ķes de educa√ß√£o e C,T&I, docentes, pesquisadores, parlamentares e autoridades dos governos estadual e federal.

Eu estarei l√°. Quem n√£o puder comparecer saber√° tudo o que aconteceu aqui pelo RNAm.

Mais informa√ß√Ķes sobre o evento em Entidades cient√≠ficas fazem novo ato p√ļblico em favor da Educa√ß√£o e C,T&I.

Já escrevi sobre a situação dos royalties do pré-sal no post Royalties do pré-sal: como transformar óleo em desenvolvimento nacional.

Aproveite a oportunidade para contribuir com a sua assinatura e ajudar essa importante causa!

IgNobel 2011 РNão se divertir é altamente improvável!

Hoje à noite tem a entrega do Prêmio IgNobel 2011! Os interessados podem acompanhar a transmissão do evento ao vivo via internet às 20h30 do horário de Brasília (19h30 em Boston РEUA).

De acordo com a pr√≥pria organiza√ß√£o: “The Ig Nobel Prizes honor achievements that first make people laugh, and then make them think”. Uma tradu√ß√£o livre seria que esses pr√™mios honram conquistas que primeiro fazem as pessoas rirem, e depois as colocam para pensar.

Abaixo, a ótima chamada para a premiação:

Detalhes sobre o evento: http://improbable.com/ig/
Como acompanhar a transmiss√£o via internet: http://improbable.com/ig/2011/#webcastinfo

Aproveitem para se divertir com as pesquisas altamente improv√°veis que caracterizam a festa!

189 motivos para comer ervilhas!

Se você entrou na página inicial do Google hoje, reparou em algo estranho: ERVILHAS!
gregormendel11-hp.jpg
Sim, é uma homenagem aos 189 anos de um dos nomes mais importantes da Genética, Mendel!
MendelPeaSoup.jpg
Um feliz anivers√°rio ao papai (ou tatatatatarav√ī, se quiser dar o devido respeito aos 189 anos) da Gen√©tica!
Quer mais? http://www.ciensinando.com.br/2011/07/189-aniversario-de-mendel/
N√£o achei o cartoon original, mas a imagem veio de http://eebweb.arizona.edu/courses/ecol320/Mendel%27sPeaSoupSmall.jpg

Por dentro da SBBq 2011!

Semana passada avisei que estava prestes a viajar para a 40ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq), e que ao voltar compartilharia pontos interessantes do evento.

sbbq.png
Antes, no entanto, acho v√°lido situar os leitores que n√£o sabem exatamente o que s√£o esses congressos, o que acontece nos mesmos e porque eles s√£o importantes. 
O que s√£o?
Os congressos s√£o reuni√Ķes/encontros de entidades de classe ou associa√ß√Ķes para a apresenta√ß√£o de confer√™ncias, e podem ser cient√≠ficos ou t√©cnicos. Geralmente essas reuni√Ķes recebem os membros de uma Sociedade (que pode ser de Bioqu√≠mica, Gen√©tica, Microscopia etc.), os alunos (orientados) destes membros, pesquisadores convidados e expositores de produtos/servi√ßos relacionados ao tema central.
O que acontece nessas reuni√Ķes e qual a sua import√Ęncia?
De modo geral a programa√ß√£o do evento envolve palestras, simp√≥sios, cursos e apresenta√ß√Ķes de trabalhos. Essas apresenta√ß√Ķes podem ser na forma impressa (com poster) ou oral, dependendo da ocasi√£o. No caso da SBBq, a programa√ß√£o cient√≠fica foi dividida da seguinte forma:
  • Confer√™ncias: um √ļnico convidado discorre sobre sua especialidade (ou linha de pesquisa, ou achados recentes etc.), geralmente com maior dura√ß√£o do que as palestras combinadas nos simp√≥sios (ver pr√≥ximo item). Esses espa√ßos costumam ser destinados aos pesquisadores/convidados de “maior destaque”.
  • Simp√≥sios: reuni√£o com um tema geral em que tr√™s ou quatro convidados especialistas na √°rea ministram palestras curtas (em torno de meia hora). S√£o interessantes pois a diversidade de palestrantes sempre gera discuss√Ķes boas, al√©m do acesso a especialistas que muitas vezes seriam de dif√≠cil contato (por quest√Ķes geogr√°ficas, por exemplo; pode-se conversar de uma vez com especialistas da sua √°rea que sejam do seu estado, de estados longes do seu ou de fora do pa√≠s). 
  • Poster1.jpgApresenta√ß√Ķes de trabalhos: nesse momento ocorrem as exposi√ß√Ķes dos trabalhos enviados pelos congressistas. Sal√Ķes de exposi√ß√£o s√£o montados e normalmente as apresenta√ß√Ķes acontecem em mais de um dia, organizados de acordo com as √°reas abordadas (por exemplo: um dia para bioqu√≠mica celular, educa√ß√£o em bioqu√≠mica e glicobiologia, e outro dia para biologia molecular de procariotos, de eucariotos e assim por diante.). No momento de exposi√ß√£o os autores devem ficar junto a seus trabalhos para serem avaliados pela comiss√£o e/ou responderem e explicarem seus resultados a outros congressistas interessados.

No final das contas, sou da opini√£o que a participa√ß√£o em congressos √© importante para termos contato mais pr√≥ximo a pesquisadores que normalmente seriam menos acess√≠veis e para conversarmos em geral com outros participantes sobre trabalhos relacionados (ou concorrentes), futuras colabora√ß√Ķes ou mesmo assuntos que n√£o estejam relacionados ao nosso dia a dia, mas despertem nosso interesse.

Poster2.jpg
Salão de exposição lotado durante a apresentação de trabalhos.

E as minhas impress√Ķes?
Foi consenso que a reuni√£o estava mais “vazia” em rela√ß√£o a edi√ß√Ķes anteriores. Talvez isso seja reflexo de o evento ser realizado em uma cidade tur√≠stica (no caso, Foz do Igua√ßu e suas cataratas de cair o queixo) e de a grande maioria dos participantes serem estudantes bem novinhos mais preocupados com a viagem do que com o a programa√ß√£o cient√≠fica do evento. 
Conversei com muita gente que reparou que existia muito movimento para conhecer Foz, o Paraguai e tudo o mais, enquanto algumas palestras ficaram bom pouco p√ļblico e poucas perguntas e discuss√£o. Justamente o que julgo mais importante nessa situa√ß√£o. Lembro que em 2007, quando a SBBq foi em Salvador e contava com aproximadamente tr√™s mil inscritos isso tamb√©m aconteceu em alguns momentos.
Cataratas1.jpg

OK, OK, esse cen√°rio n√£o ajuda a acompanhar as palestras… mas d√° pr√° conciliar melhor, n√© pessoal?!

De qualquer modo, gostaria de parabenizar a c√ļpula da SBBq por organizar o Simp√≥sio em Educa√ß√£o. Para mim foi o ponto alto do evento, os palestrantes foram √≥timos, os t√≥picos relevantes, a discuss√£o excelente e as conversas que tive com os palestrantes e alguns congressistas, igualmente produtivas. N√£o vou me alongar nesse ponto agora pois esse material est√° sendo elaborado em separado e ser√° publicado em breve.
Tamb√©m tive a oportunidade de encontrar com os “marinheiros de primeira viagem” em congressos cient√≠ficos e no geral tive conversas muito boas, voc√™s ver√£o mais sobre esses personagens nos pr√≥ximos posts.
Noves fora, o congresso, apesar de um pouco dilu√≠do devido a sua abrang√™ncia foi muito produtivo tanto para o meu Doutorado quanto para os blogs. Aliando esse fato √† beleza das Cataratas e da Argentina (que visitei em minha √ļltima noite para um excelente jantar com a minha mulher), a viagem teve saldo muito positivo.
Que venham outras!

O primeiro congresso a gente nunca esquece…

Para come√ßar gostaria de pedir desculpas pela falta de atualiza√ß√Ķes no blog. Ando com um bloqueio pesado, escrever est√° bem dif√≠cil mas vou fazer o poss√≠vel para recuperar o ritmo nas atualiza√ß√Ķes do RNAm e do Ciensinando.

O motivo desse post √© o seguinte: um dos passos obrigat√≥rios para quem come√ßa a trabalhar com ci√™ncia ainda na Gradua√ß√£o √© a participa√ß√£o em congressos cient√≠ficos. Essas reuni√Ķes re√ļnem especialistas, estudantes e professores da √°rea representada no congresso, que assistem a palestras, participam de cursos, conversam muito entre si e apresentam parte de seus trabalhos de modo geralmente bastante descontra√≠do.

sbbq.png

Poster_SBBq2011.jpg

Pensando nisso, resolvi aproveitar a minha participação no congresso da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (a SBBq) para mostrar como é um congresso de grande porte. Vocês verão o que acontece, conversarei com alguns palestrantes, professores e, se tudo der certo, com alguns participantes de primeira viagem.

Ali√°s, uma pr√©via do meu trabalho pode ser vista na imagem ao lado, clique para ampliar.

Quero encontrar gente que esteja participando pela primeira vez de uma reunião assim. A ideia é conversar sobre a experiência: expectativas, animação com as atividades e com a programação e, claro, os receios sobre apresentar pela primeira vez parte de seu trabalho de pesquisa.

Para ficar mais fácil, quem tiver interesse em conversar comigo pode me encontrar durante o período em que estarei apresentando meu trabalho.

Minha “poster session” est√° marcada para a segunda-feira, dia 02 de Maio, entre as 16h30 e as 18h30 no Expocenter III do Centro de Conven√ß√Ķes do Hotel Rafain Palace, em Foz do Igua√ßu – PR.

Espero vocês lá!

Super-Sequenciamentos de DNA e a lei de Moore

Dia 19 de abril √© o anivers√°rio da Lei de Moore que diz, segundo a Wikipedia “…[em 1965] o ent√£o presidente da Intel, Gordon E. Moore fez sua profecia, na qual o n√ļmero de transistores dos chips teria um aumento de 100%, pelo mesmo custo, a cada per√≠odo de 18 meses. Essa profecia tornou-se realidade e acabou ganhando o nome de Lei de Moore.”

Lei_de_moore_2006.svg

fig: A evolução dos precessadores e a lei de Moore

Uma profecia e tanto, porque é um ritmo frenético, concorda? Eu ainda lembro quando jogava Space Invaders no meu XT sei-lá-o-que na tela fósforo verde.

O engraçado é que, sem saber do aniversário, eu ouvi sobre a lei de Moore essa semana. Mais do que isso, ouvi sobre algo que anda mais rápido que a lei de Moore: a potência do sequenciamento de DNA.

O RNAm foi convidado para o lançamento da nova tecnologia de sequenciamento da Life Technologies, o Ion Torrent. Muito legal a tecnologia e parece que vai revolucionar a área de sequenciamento mesmo. Se você é da área entre no link caso se interesse, vale a pena (como não sou da área, não vou entrar em detalhes). Só vou dizer uma coisa: essa coisa consegue detectar a mudança de pH gerada pela liberação de hidrogênio quando uma base, A,T, C ou G se liga à fita a ser sequenciada!

Bom, neste evento foi citada a lei de Moore para compará-la com a evolução da tecnologia de sequenciamento. Veja aqui a comparação do custo de um genoma e o custo dos processadores:Sequencing graphs to slides

Isso muda muita coisa. Com sequenciamentos baratos e rápidos, áreas como a epidemiologia vão mudar, e já estão mudando muito. Técnicas como arrays irão aos poucos sumir, dando lugar ao todo-poderoso, direto e inequívoco sequenciamento.

E j√° tem muita gente no Brasil fazendo muita coisa com sequenciamento. Duas palestras muito interessantes: uma com o pessoal da bioinform√°tica da FioCruz, o Cebio, que oferecem uma estrutura de an√°lise e planejamento de sequenciamento e tem parcerias com v√°rios pesquisadores e empresas; outra coisa interessante √© a Rede Paraense de Gen√īmica e Prote√īmica, da UFPA, um centro com muita estrutura e colabora√ß√Ķes, isso tudo fora do sudeste.

Esses dois centros s√£o muito importantes, sabe porque? Porque m√°quinas como o Ion Torrent est√£o deixando o sequenciamento cada vez mais f√°cil, mas o que fazer com aquele monte de letras ACTG? O funil do conhecimento nessa √°rea √© a an√°lise, e por isso esse knowhow destes centros vale ouro. Bioinform√°tica vale ouro. √Č emprego certo porque pouqu√≠ssima gente tem o conhecimento necess√°rio (essa √© a frase que eu mais ou√ßo ultimamente em todas as √°reas no Brasil). Tamb√©m, precisa entender de biologia, matem√°tica e programa√ß√£o, mas bi√≥logos n√£o suportam exatas, e exatos, bem, at√© gostam de bio, mas ganham muito mais em inicio de carreira em outras √°reas do mercado de trabalho.

Ent√£o veremos o que fazer com as toneladas de dados gerados pelos simples, r√°pidos e baratos sequenciamentos.