Divulga Cientista – Vital Brazil

vital brazil_cient
Crédito: Instituto Butantan

No último mês de dezembro, o Museu Nacional de História Natural de Paris inaugurou uma placa comemorativa em homenagem aos 120 anos da descoberta do soro antiveneno contra animais peçonhentos, e aos quatro grandes cientistas que contribuíram para o feito. Entre eles, o brasileiro Vital Brazil.

Importante médico sanitarista e imunologista, e batizado com o curioso nome de Vital Brazil Mineiro de Campanha, o pesquisador nasceu, como diz seu nome, em Campanha, no estado de Minas Gerais, no dia 28 de abril de 1865.

Formado na Faculdade de Medicina da atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, combateu, como médico sanitarista, a febre amarela e a peste bubônica em várias cidades no Estado de São Paulo.

A convite do governo paulista, Vital Brazil ingressou, em 1897, no Instituto Bacteriológico do Estado de São Paulo, dirigido na época por Adolfo Lutz. Começaram então suas pesquisas, em conjunto com Oswaldo Cruz e Emílio Ribas no combate à peste bubônica, ao tifo, à varíola e à febre amarela.

Foi também o criador do Instituto Butantan, em São Paulo, instalado em uma fazenda doada pelo governo estadual para que funcionasse como laboratório para a produção de vacinas.

Em 1903, após intensa pesquisa anunciou a produção do soro antiofídico, medicamento que trata as picadas de cobras venenosas, tornando-se mundialmente conhecido.

Oito anos depois, Vital Brazil publicou ” A defesa contra o ofidismo” , obra que compilou seu amplo conhecimento sobre cobras brasileiras e a profilaxia contra os venenos.

O cientista morreu no Rio de Janeiro em 8 de maio de 1950.

O artigo Vacinação, controle de qualidade e produção de vacinas no Brasil a partir de 1960, publicado na revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos (vol. 10, n. 2, 2003), cita os esforços de Vital Brazil, e de outros cientistas, na utilização da vacina como meio de promoção da saúde.

Artigo: Vacinação, controle de qualidade e produção de vacinas no Brasil a partir de 1960
Autor: Carlos Fidelis Ponte
Revista: História, Ciências, Saúde-Manguinhos