Salvem os Meniscos!

O menisco é uma estrutura anatômica muito importante para a saúde do joelho. Formado por fibrocartilagem, ele promove congruência, estabilidade, absorção de impacto e ajuda na distribuição do líquido sinovial.

Lesões do menisco são a causa mais frequente de cirurgia do joelho. Existem basicamente dois grandes grupos de lesões meniscais: as traumáticas e as degenerativas.

Figura 1: Os meniscos medial e lateral.(1) menisco medial; (2) menisco lateral. O fêmur deste joelho de cadáver foi removido, expondo os dois meniscos, que ficam presos na tíbia. O menisco medial é maior, mas recobre uma porção menor da tíbia. Já o menisco lateral, apesar de menor, recobre uma porção maior da tíbia. Por isso a retirada do menisco lateral causa maior dano e maior risco de desenvolver artrose. Fonte: Smigielsky et al. Medial meniscos anatomy – from basic science to treatment. KSSTA 2015, 23:8-14.

É consenso que as lesões traumáticas devem ser tratadas cirurgicamente, enquanto as degenerativas não requerem cirurgia. Até há algumas décadas atrás, a cirurgia para tratar lesões traumáticas do menisco consistia na remoção, chamada Meniscectomia. Com a observação de que estes pacientes meniscectomizados evoluíam invariavelmente para um quadro de osteoartrite (OA) precoce do joelho, hoje os tratamentos buscam a preservação dos meniscos.

A principal forma de preservar o menisco é através da sutura. O paciente ideal para sutura do menisco deve ser jovem, com lesão traumática, aguda (menos de três semanas de lesão), longitudinal, instável e na zona periférica vascularizada junto à cápsula articular. Entretanto, tais condições são pouco frequentes na prática clínica. Principalmente porque nos serviços públicos, o paciente frequentemente já chega com mais de três semanas no hospital. Além disso, mesmo nestas condições, a chance de insucesso é alta, ao redor de 30%, levando a necessidade de nova cirurgia para remoção de parte do menisco, com grande demora na recuperação do paciente, o que faz com que muitos pacientes prefiram a remoção de parte do menisco logo na primeira cirurgia.

Figura 2: Nesta visão aproximada de um joelho de cadáver, podemos ver como o menisco medial (MM) se encaixa entre o fêmur e a tíbia, como se fosse um calço. ACL = Ligamento cruzado anterior; MFC = condigo medial do fêmur. Fonte: Smigielsky et al. Medial meniscos anatomy – from basic science to treatment. KSSTA 2015, 23:8-14.

 

Por esta razão, formas de melhorar a cicatrização do menisco através de estímulos biológicos tem sido buscadas e podem aumentar a quantidade de pacientes beneficiados com a sutura meniscal. Por ser uma fibrocartilagem, a cicatrização do menisco é limitada. Somente a parte periférica recebe suprimento sanguíneo adequado, proveniente da cápsula articular. Esta região é chamada de zona vermelha do menisco. Sem sangue não há formação de tecido cicatricial. Nas lesões com mais de três semanas de evolução ou nas localizadas fora da zona vermelha, uma forma de estimular a cicatrização é fazer perfurações do menisco para a cápsula, tentando fazer o sangramento chegar até a lesão. Este procedimento enfraquece o menisco e tem grande risco de lesão de estruturas neuro-vasculares. Já está bem documentado que pacientes submetidos a reconstrução do ligamento cruzado anterior concomitante com a sutura meniscal tem melhor evolução. Acredita-se que a perfuração dos túneis ósseos necessária para a reconstrução do ligamento, promova a entrada de sangue da medula óssea rico em células mesenquimais, que funcionaria como estímulo biológico.

Figura 3: Menisco medial seccionado, mostrando o formato triangular. A parte mais periférica, em contato com a cápsula articular, recebe sangue e tem boa chance de cicatrização. Já a parte mais interna e mais fina não tem sangue e cicatriza mal. Fonte:Smigielsky et al. Medial meniscos anatomy – from basic science to treatment. KSSTA 2015, 23:8-14.

 

Recentemente, tem sido descrito na literatura, estudos em animais e estudos clínicos em humanos, com a aplicação de injeção articular de células mesenquimais obtidas de diversas fontes (medula óssea, sinóvia, gordura), com a intenção de estimular a cicatrização das lesões meniscais submetidas a sutura. O problema é que grande parte das células é perdida na articulação por dispersão. Só uma fração irá aderir no local da lesão. Uma forma de contornar este problema é semear as células em uma membrana porosa e suturar esta membrana na lesão. Esta estratégia também apresenta problemas, porque é necessário ressecar um pedaço do menisco para colocar membrana em seu lugar.

            Foi desenvolvida na UNICAMP uma técnica inédita e inovadora para promover a adesão de células mesenquimais em fios de sutura. Esta técnica já foi usada com sucesso em modelo animal para fechamento de fístula êntero-cutânea e foi aprovada para uso em estudos clínicos em humanos. Acreditamos que esta técnica é uma solução elegante e inovadora para o problema do estímulo da cicatrização no menisco, porque irá promover a fixação das células na lesão, sem necessidade de ressecção do menisco.

Alessandro Zorzi

Médico ortopedista e pesquisador na UNICAMP e no Hospital Albert Einstein, com mestrado e doutorado em ciências da cirurgia pela UNICAMP e especialização em pesquisa clínica pela Harvard Medical School.

38 thoughts on “Salvem os Meniscos!

  • 27 de janeiro de 2018 em 20:50
    Permalink

    Preciso de contato para avaliação me interessa.

    Resposta
    • 12 de março de 2018 em 10:51
      Permalink

      Olá Alberto. Assim que estivermos disponibilizando o estudo para recrutamento de participantes voluntários, divulgarei os meios de contato para participar da pesquisa. Por uma questão ética, não divulgo contato para consultas particulares pelo blog. A finalidade do blog tem que ser informar e ajudar. Quero evitar qualquer ganho financeiro através deste instrumento de extensão universitária. Tenho certeza que você compreende.

      Resposta
      • 21 de fevereiro de 2019 em 20:56
        Permalink

        Boa noite !!! Gostaria de saber se eu também posso participar, pois tenho alça de balde no menisco e vou ter que fazer uma cirurgia.

        Resposta
  • 27 de janeiro de 2018 em 20:56
    Permalink

    Me interesso pelo tratamento com as células tronco e gostaria de me inscrever para fazer parte desta nova descoberta. ATTe. ALBERTO MIRANDA.

    Resposta
    • 12 de março de 2018 em 10:48
      Permalink

      Olá Alberto, que bom. Voluntários serão sempre bem vindos. Aguarde a divulgação do início do estudo aqui no blog mesmo.

      Resposta
      • 8 de agosto de 2019 em 19:56
        Permalink

        Boa noite, tenho problema nos dois joelhos. O esquerdo com artrose bem avançada e com condromalacia grau IV. No direito começou com uma lesão no menisco medial e condromacia em estado avançado na patela. Gostaria de ajuda! Sinto muitas dores em ambos os joelhos. Estou disposto a me submeter a experiência na qual venha me ajudar e aos demais no futuro.

        Resposta
  • 22 de setembro de 2018 em 00:59
    Permalink

    Olá! Tenho total interesse em participar de técnicas alternativas para a lesão de menisco horizontal. Me disponho a fazer parte do grupo.
    Parabéns pelos estudos que estão fazendo

    Resposta
    • 27 de setembro de 2018 em 08:40
      Permalink

      Obrigado Claudete, está anotado.

      Resposta
  • 11 de outubro de 2018 em 17:04
    Permalink

    Ola, gostaria de saber como estao os estudos com o menisco, pois tenho interesse em participar ! Desde já agradeco

    Resposta
    • 18 de outubro de 2018 em 09:41
      Permalink

      Olá Rogério. Estamos incluindo participantes! O estudo está ativo. Mas para ser incluído, você precisará passar por uma avaliação. Neste estudo só tratamos lesões traumáticas do menisco, provocadas por uma torção do joelho, por exemplo. Não estamos tratando lesões degenerativas, causadas pela artrose ou pelo desgaste. Por que o estudo é para ver se as células tronco aumentam a cicatrização da sutura do menisco. O menisco é um tecido de difícil cicatrização.

      Resposta
      • 13 de novembro de 2018 em 23:35
        Permalink

        Ola Doutor, no meu caso foi uma lesao no menisco medial em alça de balde, e gostaria de saber se posso participar e como faço?

        Resposta
        • 14 de novembro de 2018 em 13:09
          Permalink

          OK, vou te enviar uma msg por e-mail com orientações.

          Resposta
          • 15 de novembro de 2018 em 22:01
            Permalink

            Ok, fico no aguardo?

          • 3 de dezembro de 2018 em 10:39
            Permalink

            positivo.

      • 4 de março de 2019 em 21:52
        Permalink

        Olá Doutor, tudo bem?
        Gostaria de saber quando o senhor vai comecar a avaliação para ver se podemos participar do estudo?

        Resposta
      • 4 de março de 2019 em 21:53
        Permalink

        Olá Doutor, tudo bem?
        Quando comecar a avaliação para ver se podemos participar do estudo?

        Resposta
  • 25 de outubro de 2018 em 09:14
    Permalink

    Ola, gostaria de saber como estao os estudos com o menisco, pois tenho interesse em participar …

    Resposta
    • 29 de outubro de 2018 em 10:48
      Permalink

      Olá Reyder, o estudo de menisco é para pacientes com lesão aguda, ou seja, que sofreram um trauma e romperam o menisco há poucos meses e tem indicação de sutura. Lesões degenerativas, provocadas por desgaste, não entram neste estudo.

      Resposta
  • 25 de outubro de 2018 em 09:15
    Permalink

    Ola, gostaria de saber como estao os estudos com o menisco, pois tenho interesse em participar ,pois tenho problemas de meniscos,grato !!!

    Resposta
  • 9 de novembro de 2018 em 22:05
    Permalink

    Olá, Boa noite, tenho uma lesão no menisco medial corpo e corno posterior, já passei por tres cirurgias, na terceira, foi realizada sutura meniscal ,porém sem sucesso e continua a instabilidade, estou a disposição, estou pensando em fazer uma nova cirurgia para retirada desse menisco lesionado. grato.

    Resposta
  • 13 de novembro de 2018 em 23:32
    Permalink

    Ola Doutor, fico muito feliz pelo retorno, o meu caso foi Lesao no menisco medial em alça de balde, e gostaria de saber se posso participar do estudo, e como faço?

    Resposta
  • 14 de novembro de 2018 em 16:06
    Permalink

    Dr Alessandro como faço para participar?? minha lesão é na periferia do corpo e corno posterior do menisco medial.

    Resposta
    • 3 de dezembro de 2018 em 10:39
      Permalink

      Gean, são necessárias duas coisas: primeiro, você tem que morar perto de Campinas, porque vai ter que ir várias vezes no hospital. Não é só a cirurgia. Segundo, precisa ver se você se enquadra nos critérios de inclusão do estudo:Pacientes do sexo masculino, com idade entre 18 e 40 anos, com ousem lesão do ligamento cruzado anterior (LCA), que apresentem lesão traumática do menisco, medial ou lateral, do tipo longitudinal, na zona periférica, com até seis meses de evolução após o trauma.

      Resposta
  • 24 de novembro de 2018 em 17:45
    Permalink

    Olá, faz alguns meses que sofri uma lesão no menisco e despertei o interesse em usar esse tratamento. Como faço para participar.

    Resposta
    • 3 de dezembro de 2018 em 10:16
      Permalink

      Olá Luis, a primeira coisa é saber se você mora perto de Campinas, pois o estudo prevê vários retornos. Não é só fazer a cirurgia. Outra coisa é ver se o seu caso se adequa aos critérios de inclusão do estudo: Pacientes do sexo masculino, com idade entre 18 e 40 anos, com ou
      sem lesão do ligamento cruzado anterior (LCA), que apresentem lesão traumática do menisco, medial ou lateral, do tipo longitudinal, na zona
      periférica, com até seis meses de evolução após o trauma.

      Resposta
    • 25 de dezembro de 2018 em 16:16
      Permalink

      Boa tarde, doutor. Meu nome é André, sou de Campinas, tenho menos de 40 anos. Possuo lesão no menisco, em razão de traumas. Gostaria de participar do tratamento. Aguardo orientações! Obrigado

      Resposta
  • 7 de dezembro de 2018 em 18:25
    Permalink

    Olá! Dr, essa.area vermelha, quw e aonde tem um pouco de sangue correndo, facultando uma possível cicatrização, também existe no labrun do quadril? Como esperar oabrun melhorar se não é possível qu cicatrize? Quando devemos pensar na cirurgia do labrun do quadril? Obrigada!!!

    Resposta
  • 8 de dezembro de 2018 em 11:14
    Permalink

    Olá doutor!!!!
    Me coloco a disposição para receber voluntariamente minhas próprias células tronco para colaborar com o estudo que vem sendo realizado.
    Meus dois joelhos tem artrose considerada grave.
    Espero poder colaborar para este estudo que com certeza será eficaz para quem já perdeu as esperanças.

    Resposta
  • 25 de dezembro de 2018 em 16:02
    Permalink

    Boa tarde, doutor. Meu nome é André, sou de Campinas, tenho menos de 40 anos. Possuo lesão no menisco, em razão de traumas. Gostaria de participar do tratamento. Aguardo orientações! Obrigado.

    Resposta
  • 25 de dezembro de 2018 em 16:03
    Permalink

    Boa tarde, doutor. Meu nome é André, sou de Campinas, tenho menos de 40 anos. Possuo lesão no menisco, em razão de traumas. Gostaria de participar do tratamento. Aguardo orientações! Obrigado

    Resposta
  • 30 de dezembro de 2018 em 23:14
    Permalink

    passei por um processo cirurgico de retirada total do menisco lateral, existe algum estudo sobre este procedimento? EX; Transplante de menisco ou menisco de silicone ?

    Resposta
    • 14 de janeiro de 2019 em 23:44
      Permalink

      Sim Marcelo, os estudos mostram excelentes resultados com o transplante de menisco, mas no Brasil poucos hospitais fazem. Nos Estados Unidos é muito comum . O menisco sintético de “silicone” não funciona bem.

      Resposta
      • 1 de maio de 2020 em 00:55
        Permalink

        Boa noite
        Tenho lesao em alca de balde de poucos meses atras por torção. Surfando. O estudo ainda esta vigorando?
        Tenho interesse e ressonâncias recentes..

        Resposta
        • 27 de maio de 2020 em 19:21
          Permalink

          Boa noite Rodolfo, o estudo assim como todas as cirurgias estão suspensas no HC UNICAMP devido a pandemia de COVID-19. Ainda não temos previsão para a retomada das cirurgias e dos estudos. Dependemos da decisão das autoridades. Te aconselho a não aguardar e buscar a sutura convencional. Existem meios de aumentar a cicatrização, tais como perfuração do osso no intercondilo para permitir a entrada de células da medula óssea na articulação.

          Resposta
  • 1 de março de 2019 em 18:51
    Permalink

    ola doutor , segundo avaliacao da ressonância… heterogeneidade do sinal da regiao subcapsular do corno posterior do menisco medial, podendo estar relacionado a pequena desinserção menisco capsular , tenho 29 anos, ja fiz LCA a um ano e meio,agora me apareceu isso, eu poderia estar se enquadrando nessa pesquisa? ou devido a ser pequena desinsercao nessa area do menisco ,talvez o tratamento nao cirurgico ja seria util

    Resposta
    • 6 de março de 2019 em 19:48
      Permalink

      olá Robson, sim. Você já matou a charada. Vai depender do seu exame clínico. Pode ser que o tratamento conservador sem cirurgia dê resultado.

      Resposta
  • 12 de junho de 2019 em 09:21
    Permalink

    Parabéns pelo estudo. Tenho muito interesse pelo assunto, pois sofri ruptura do menisco medial. Já fiz 30 sessões de fisioterapia mas as dores continuam e como o Senhor bem disse é de difícil cicatrização. Fiz alguns exames que acusaram que estou com deficiência em Vitamina C e isto pode ser uma das causas da cicatrização não evoluir.

    Resposta
  • 11 de agosto de 2019 em 22:24
    Permalink

    tenho menisco discoide e descobri a pouco tempo depois de lesionar os meniscos mediais dos dois joelhos . tenho 23 anos, ja fiz a cirurgia de um joelho e vou tratar o outro … mais na verdade meu interesse é o transplante humano .. por ter menisco discoide posso ser candidato ao transplante ? porfavor me ajude não paro de pensar nisso …

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *