Capítulo 6

Linha do Tempo

p.14-17

Introdução

 

Carolina Frandsen P. Costa
_______

Revisão e edição: Maurílio Bonora Junior

Um pouco do contexto epidemiológico brasileiro que permeou o período em que cada um dos textos que compõem este livro foram escritos.

Março/2020

1 Ficar em casa para quê?
2 Química do Coronavírus
32 Como divulgar informações de prevenção do Covid-19 se a língua de seu país não é a sua?
36 Alguns questionamentos sobre governo, um vírus e a fome

Abril/2020

10 A Covid-19 e o negacionismo
3 Sobre o período de incubação da doença e suas relações com a quarentena
9 Como se produz um resultado científico e o que isto tem a ver com a Covid-19?
17 A desinformação azeda sobre o limão na COVID-19
14 COVID-19 e os riscos da modernidade: modernização como causa e como consequência
13 Pandemia acelera produção e acesso a preprints
5 Diagnóstico por RT-qPCR, o que é isso?
35 Alimentação em tempos de Isolamento Social
33 Desigualdade social e tecnologia: o ensino remoto serve para quem?

Maio/Julho

37 Da fatalidade epidemiológica à ferramenta de extermínio: a gestão necropolítica da pandemia
11 Os 7 tipos de Fake News sobre a Covid-19
12 Como a desinformação tem atrapalhado nossa resposta à Covid-19
4 Sobre máscaras, testes e COVID-19
18 Meu teste deu positivo. E agora? Entendendo a sensibilidade e a especificidade dos testes diagnósticos
24 Antibiótico contra vírus? O curioso caso da azitromicina contra a COVID-19
38 Como a Economia Social e Solidária pode ser a solução para esses novos tempos pós pandemia!
19 Casos assintomáticos e a transmissão da COVID-19

Agosto/Setembro

26 Sobre Vacinas, método científico e transparência na ciência (parte 1 e 2)
27 Vacinas: de onde vêm e para onde vão
25 Deus, hidroxicloroquina e unicórnios: é impossível demonstrar um negativo?
21 Covid-19: um exército invisível combatendo a doença!
7 E essa roupa diferentona para fazer ciência serve para quê?

Sobre semanas epidemiológicas:  as semanas epidemiológicas são indicadas no início de cada capítulo deste livro. Os intervalos são definidos pelo Ministério da Saúde no Calendário Epidemiológico. Para o ano de 2020, as semanas vão de #1 até #53. Já em 2021, os números vão de #101 até #152. O primeiro dígito é utilizado para indicar que a semana corresponde ao ano de 2021. Em outras palavras, a última semana de 2020 é a #53, mas a primeira de janeiro de 2021 não é a semana #54, e sim a semana #101: 1 (ano 2021) 01 (semana do ano), e assim por diante.

PARA SABER MAIS

Skip to content