O que é essa curva que a gente tem que achatar? – parte 1

Oi! Nas últimas semanas o que mais estamos vendo nas notícias, reportagens e posts são gráficos… E quase sempre acompanhados da frase: “Vamos achatar a curva!

Mas… Como a gente analisa um gráfico? Quanta informação a gente consegue tirar dele? O que é essa tal curva que temos que achatar? E mais… O que significa achatar a curva? E esse pico da infecção que vive mudando de dia?

Então… vamos falar um pouquinho isso?

Mas como o assunto é grande, vamos dividir em dois posts… Neste aqui, o primeiro, vamos falar sobre como analisar um gráfico e das informações que conseguimos retirar dele. No próximo (em breve coloco o link aqui) vamos tentar entender os gráficos da COVID; a tal da curva exponencial; como e porque a gente achata a curva; o que é e porque o pico da infecção muda de data. Vamos lá!?

Para isso vou usar como exemplo esse gráfico que tem circulado e feito muito sucesso nas redes sociais!

O gráfico dessa figura é um GRÁFICO DE LINHA, que é usado para demonstrar como, ao longo do tempo, um fenômeno que está sendo observado evoluiu. Pode ser a variação da velocidade de um carro, o preço do dólar, ou o número de casos de ativos de COVID.

1. OS EIXOS X e Y: Vamos primeiro observar as linhas em preto. Temos o eixo HORIZONTAL (ou X) que aqui mostra a passagem do TEMPO (a setinha indica que quanto mais à direita, maior o tempo decorrido). O eixo VERTICAL (ou Y), neste gráfico indica o número de casos ativos de COVID-19 (da mesma forma, a setinha indica que quanto mais acima, maior o número de casos).

2. CADÊ OS NÚMEROS?: Reparou que ele não dá os valores dos eixos X e Y? Ou seja, não sabemos exatamente de quantos dias ou casos estamos falando. Isso acontece porque tratamos aqui apenas de uma análise QUALITATIVA da informação. Quando estamos colocamos valores reais ou estimados (obtidos por análise estatística, por exemplo), falamos que estamos fazendo uma análise QUANTITATIVA dos dados!

3. LINHAS DE CORES DIFERENTES: Nós temos duas linhas coloridas, mas o que elas significam? Para isso a gente consulta a LEGENDA. Ali a gente tem as informações que nos indicam que: em VERMELHO vamos observar a evolução de casos ativos numa situação “sem medida alguma” de prevenção; já em VERDE, vamos observar a evolução de casos em uma situação “com medidas de prevenção”.

4. VAMOS OLHAR AS LINHAS: Vamos agora analisar o gráfico com as informações que temos disponíveis (os eixos X e Y e as cores das linhas). Escolheremos uma linha e vamos seguindo-a horizontalmente para ver a evolução ao longo do tempo e verticalmente para acompanharmos a variação do número de casos. Tudo isso ao mesmo tempo! Vamos começar pela linha vermelha.

5. A CURVA VERMELHA: A gente começa no cantinho esquerdo, onde a linha vermelha está no tempo zero e com o número de casos igual zero, também! Isso representa uma situação em que não temos pessoas contaminadas. Até que isso muda… observe que a medida em que o tempo vai passando (para a direita), a curva vai subindo! Isso mostra que o número de casos ativos está aumentando com o passar do tempo.

6. A FORMA DA CURVA VERMELHA: Você reparou que a linha vermelha não é uma linha reta? Ela é curva. Isso também traz uma informação para a gente. E tem a ver com a quantidade de novos casos por dia… Se o aumento fosse linear (por exemplo, 1 caso novo por dia), teríamos no dia 0 = 0 caso; dia 1 = 1 caso; dia 2 = 2 casos; dia 3 = 3 casos, […] dia 20 = 20 casos – e a linha seria uma reta. Na COVID sabemos que cada pessoa pode contaminar várias outras, e assim, o aumento de casos NÃO É linear. Vamos considerar que aqui, apenas para exemplo, que o número de casos dobre a cada dia. Assim, teríamos no dia 0 = 0 caso; dia 1 = 1 caso; dia 2 = 2 casos; dia 3 = 4 casos, no dia 4 = 16 casos, no dia 5 = 32 casos, […] dia 20 = 1.048.576 casos. Viu como o aumento é muito maior nesse segundo caso? Quando colocamos esses dados num gráfico, o resultado é essa linha curva, que vai aumentando muito em pouco tempo. A desenho final dessa curva depende de como o número de casos aumenta, mas ela terá um formato semelhante à curva vermelha!

7. A CURVA VERDE: Vamos olhar a curva verde da mesma forma como olhamos a vermelha: número de casos e passagem do tempo ao mesmo tempo. Vamos lá?

8. A CURVA VERDE SOBREPOSTA À CURVA VERMELHA: observe que o início da curva verde é igual ao da curva vermelha (eles se sobrepõem). Isso significa que a doença está se comportando igual nas duas curvas. Mas porque isso acontece? O início dos resultados da implementação das medidas de proteção só é visível algum tempo depois do início de casos, então, o início das duas curvas mostra uma situação semelhante nos dois casos!

9. SOBRE O MORRINHO QUE A CURVA VERDE FAZ: Veja agora que após o início das medidas de proteção a curva verde muda de comportamento… Acompanhe! Primeiro era diminui o ritmo de crescimento do número de casos ativos até atingir um ápice. Em seguida, começa a diminuir aos poucos, indicando que menos pessoas estão desenvolvendo casos ativos de COVID.

Vamos voltar no gráfico original?

10. A CURVA VERDE QUE VIRA VERMELHA: O grande problema de as ações de prevenção funcionarem é por passarem a impressão de que “as coisas não são tão ruins quanto falaram que seria E isso pode levar ao afrouxamento dessas mesmas medidas que estavam funcionando. Esse relaxamento, por sua vez, leva às condições iniciais (sem medidas de proteção) fazendo a curva crescer novamente!

Por isso, vamos cuidar de nós mesmos e vamos cuidar dos outros (os que estão perto ou longe – em todos os sentidos).  Saúde pública tem que ser discutida com seriedade e acontece com fatos e estudos científicos opiniões.

Se você pode, fica em casa… 

Mas se, como eu, você também tem que sair para trabalhar: toma cuidado

Para ler a continuação, clique AQUI!

E tem muita gente bacana divulgando informações acuradas sobre a COVID. Olha só:

Aproveite e nos siga no Twitter, no Instagram e no Facebook!

One thought on “O que é essa curva que a gente tem que achatar? – parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *