Carregando...
Filosofia e Divulgação Científica

O Spoiler como discurso

Sobre as estratégias de marketing na Divulgação Científica – Spoiler e seu uso político

“Mas, o que há, enfim, de tão perigoso no fato de as pessoas falarem e de seus discursos proliferarem indefinidamente? Onde, afinal, está o perigo?” (FOUCAULT, 1996 p.08)

Durante o trabalho de divulgação científica sobre a COVID-19 que realizamos no Blogs de Ciência da Unicamp, por diversos momentos, me peguei refletindo sobre essas mesmas duas perguntas que Foucault faz no início de A Ordem do Discurso

É claro que lá em 1970, época em que essa pergunta foi refletida por Foucault, a internet ainda era um projeto de conhecimento de pouquíssimos cientistas e a ideia de um mundo conectado a discursos eternizados em redes sociais não fazia parte desta discussão. Contudo, ao ler Foucault não pude deixar de relacionar esses dizeres a este momento em que lidamos com discursos ditos de forma estratégica, travestidas de acidentais e com o objetivo claro de confundir e invisibilizar toda uma população.

Spoiler como Discurso

“Foucault (2012) afirma que o discurso não é uma cópia exata da realidade, mas uma representação culturalmente construída, visto que o poder circula pela sociedade. A partir da desconstrução histórica de sistemas ou regimes formadores de opinião, pode-se analisar o significado e alcance de um discurso, verificando o porquê certas categorias, linhas de pensamento e argumentos tomam um caráter mais verdadeiro do que outros. Frente a este cenário, o próprio discurso acaba posicionando o sujeito, definindo seu papel diante da prática discursiva.” (DE MELLO e VALENTIM, 2021 p. 35)

Muito antes da internet, o ato de revelar pequenas partes de uma história para atrair a atenção do público já era um recurso muito usado pelo marketing. Essas estratégias têm como objetivo aguçar a curiosidade de seu público, provocando ações que garantam o sucesso da obra (quando digo “obra” leia-se qualquer produção ou produto ou pessoa ou ideia que pretende-se divulgar), como o aumento de compras de ingresso para o lançamento de um filme, por exemplo.

As estratégias de escape (como aprendi na minha graduação) ou como é mais conhecida hoje em dia a “estratégia de spoilerconsiste em vazar uma informação importante e reveladora de forma proposital mas com aparência de acidente à veículos de comunicação, seu objetivo principal é conseguir mais espaço na mídia do que o inicialmente contratado e, por consequência, mais visibilidade. 

Através de uma pequena frase que “escapa” em uma entrevista, uma imagem ou frase que dá margem a especulação, o envio de um produto antes do lançamento ou até uma informação falsa já é possível conseguir a atenção da imprensa, dos veículos de comunicação especializados e de sua base de fãs.

O exemplo Marvel

É claro que a Marvel não foi a primeira empresa a apostar na estratégia de Spoiler como forma de divulgar seus produtos, e quando digo produtos não resumo isto aos seus filmes, mas toda a franquia Marvel, como quadrinhos, camisetas, parque de diversões, personagens e até ideias.

É possível identificar este planejamento desde a sua fase 1 ao adotar cenas pós-créditos (isso mesmo, no plural) que antecipam informações e provoca no espectador o desejo de continuar acompanhando a história independente do custo ou tempo que isso gere. Mas não só o aumento de cenas pós créditos, a Marvel mantém toda uma maquinaria de incentivo massivo de teorias.

Teorias, na cultura pop, se trata de produções de materiais por fãs que antecipam, apresentam fatos e discutem possíveis futuros para suas franquias favoritas. Essas produções giram em torno de textos, vídeos e comentários, mas também podem ser vistos em memes, artes, Fanfics e até filmes completos.

E como isso funciona na prática?

Com o incentivo financeiro que as redes sociais proporcionam aos seus usuários em troca de visibilidade (curtidas, compartilhamentos, etc) a estratégia de escape ou spoiler ganha uma nova camada, os comentários.

Segundo (FOUCAULT, 1996 p.25) 

“o comentário não tem outro papel, sejam quais forem as técnicas empregadas, senão o de dizer enfim o que estava articulado silenciosamente no texto primeiro. Deve, conforme um paradoxo que ele desloca sempre, mas ao qual não escapa nunca, dizer pela primeira vez aquilo que, entretanto, já havia sido dito e repetir incansavelmente aquilo que, no entanto, não havia jamais sido dito.”

Assim, além do aumento de tempo na cobertura da obra, a Marvel viu no comentário um upgrade na estratégia original: a de prever a satisfação do público. Basta entregar o spoiler a um grupo de influenciadores, e monitorar os comentários do público para prever se é necessário alterações no conteúdo da obra ou na estratégia escolhida para divulgação de suas produções.

Ou seja, a estratégia de spoiler contribui não só para o retorno em visibilidade para as produções da Marvel ela também possibilita a economia em dinheiro ao oportunizar correções estratégicas a partir da reação da sua base de fãs.

“O comentário conjura o acaso do discurso fazendo – lhe sua parte: permite-lhe dizer algo além do texto mesmo, mas com a condição de que o texto mesmo seja dito e de certo modo realizado. A multiplicidade aberta, o acaso são transferidos, pelo princípio do comentário, daquilo que arriscaria de ser dito, para o número, a forma, a máscara, a circunstância da repetição. O novo não está no que é dito, mas no acontecimento de sua volta” (FOUCAULT, 1996 p.25 e 26) 

Sendo assim, todas as escolhas da Marvel tem como objetivo a geração de comentários e a geração de conteúdos novos, as teorias. Desde, a escolha do elenco, do cenário, do comportamento do atores nas entrevistas e nas redes sociais, até a negociação com outras empresas detentora de direitos autorais, são apresentadas a imprensa, influenciadores e fãs como escape, descuido, verdade que não deveria ter sido revelada ainda.

Assim a imprensa, influenciadores e sua base de fãs foram se acostumando a buscarem nas produções da Marvel qualquer vislumbre de uma nova informação e a partir disso gerar novos conteúdos. E apesar desses profissionais estarem cientes das estratégias utilizadas pela Marvel, ainda sim, continuam gerando conteúdo a partir do ideal de “aproveitamento” da visibilidade da Marvel para o crescimento de suas próprias plataformas digitais. (Falo mais sobre isso no O Influencer como Corpo Dócil). 

Já para a Marvel a estratégia de spoiler serve não só para movimentar milhões de conteúdos novos e, por consequência, milhões de dólares para a empresa em vendas de seus produtos, só para se ter uma ideia em valores, em 2019 esta empresa já valia US$ 18 bilhões de dólares. Mas também para manter sua base de fãs em constante crescimento, atuante, pagante e fidelizado. Se considerarmos apenas as produções cinematográficas o uso dessa estratégia é um sucesso a 13 anos. Para saber mais sobre a história do Universo Marvel).

Você se lembra quando – oh. Você pode não ter estado lá naquele dia.

Oh eu não posso falar sobre isso.
Seguindo em frente, em frente! Meu sentido de aranha estava indo, O que —- é você!

Fonte da imagens

Qualquer semelhança não é mera coincidência – Spoilers que testam enunciados e sua função política

“O enunciado é, pois, concebido por Foucault como função enunciativa que define textos como acontecimentos discursivos produzidos por um sujeito, em um lugar institucional, determinado por regras sócio-históricas que definem e possibilitam a emergência dos discursos na sociedade”. (SOUSA e CUTRIM, 2016 p. 49)

Foi em 19 abril de 2016 durante a votação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff que notei, pela primeira vez, a estratégia do spoiler sendo usada como função política. 

“Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim”. 

A fala do então deputado Jair Bolsonaro e hoje presidente do Brasil exaltava o coronel Brilhante Ustra, o primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador durante o regime militar (1970 e 1974). Sob o comando de Ustra ao menos 50 pessoas foram assassinadas ou desapareceram e outras 500 foram torturadas, segundo a Comissão Nacional da Verdade.

Ao pronunciar o nome de um conhecido torturador ao vivo e em rede nacional era possível vislumbrar a estratégia de escape sendo aplicada, ao monitorar a reação pública sobre sua fala em um momento tão perturbador para o país, percebeu-se até que ponto a população brasileira (através das redes sociais) e a imprensa era sensível às questões comuns à extrema direita que apoiou massivamente o regime militar e posteriormente a candidatura de Jair Bolsonaro a presidente em 2018. Consequentemente, essa estratégia tornou-se um poderoso instrumento durante seu mandato como presidente da república.

Conforme a pandemia da Covid-19 avançava a estratégia de escape tornou-se tão comum que o próprio presidente a anuncia:

“Olha a matéria para a imprensa amanhã, vou dar matéria para vocês aqui. Acabei de conversar com um tal de Queiroga, não sei se vocês sabem quem é. Nosso ministro da Saúde. Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados para tirar este símbolo que, obviamente, tem a sua utilidade para quem está infectado”.

Fala foi proferida pelo presidente durante um evento oficial do governo federal em 10/06/2021

Falo mais sobre isso no Comunicação comandada e a exaustão de quem debate 

Através de falas que vão contra a prevenção da contaminação da Covid-19, o presidente testa seu discurso junto aos seus apoiadores, monitorando seu prestígio e aceitação, ao mesmo tempo que provoca a reação exacerbada da imprensa e influenciadores contrários ao seu governo.

A cada  “Está superdimensionado o poder destruidor desse vírus”, “Para 90% da população, isso vai ser uma gripezinha ou nada”, “Se você virar um jacaré, é problema seu.” que o presidente vaza na mídia, uma avalanche de postagens, reportagens, entradas ao vivo, tweets são feitos na intenção de desfazer os desentendimentos (leia-se infectados e mortes) que estas falas causam.

Imagem – Publicação do jornal Estado de Minas que destaca a reação do presidente diante do número de vítimas do novo coronavírus no Brasil esteve entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil – 29/04/2020

“O presidente da república nos deu uma aula sobre como a comunicação, ao longo de toda a sua gestão, vem sendo absolutamente eficiente e tem pautado uma corrida desesperada de cientistas, jornalistas e divulgadores da ciência em redes sociais e veículos de comunicação.” (ARNT e CARNEIRO, 2021 p.01)

Assim como prevê a estratégia de spoiler as falas do presidente não são levianas, mas pensadas estrategicamente para serem ditas em momentos e para veículos de comunicação que possam reverberara-las de forma exaustiva e para além dos “furos de reportagem” as falas contam com o funcionamento das redes sociais que premiam a visibilidade de influenciadores.

Através de infinitos comentários, a internet garante que o discurso chegue a mais e mais pessoas, e por consequência, garanta que a obra esteja sempre em evidência. Resta saber até quando os influenciadores e a imprensa continuará dando palco para esse tipo de estratégia.

Referências

ARNT , Ana de Medeiros; CARNEIRO, Erica Mariosa Moreira. Comunicação comandada e a exaustão de quem debate. 1. ed. Campinas-SP, 11 jun. 2021. Disponível em: https://www.blogs.unicamp.br/covid-19/comunicacao-comandada/. Acesso em: 4 set. 2021.

FOUCAULT, Michel. Ordem do discurso (A). Edições Loyola, 1996.

DE MELLO, Mariana Rodrigues Gomes; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Análise do discurso. Logeion: Filosofia da Informação, v. 7, n. 2, p. 35, 2021.

SOUSA, Claudemir; CUTRIM, Ilza Galvão. Práticas discursivas e função enunciativa na constituição do sujeito quilombola. MOARA–Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras ISSN: 0104-0944, v. 2, n. 40, p. 49, 2016.

2 comentários
  1. editor fantasma

    Nossa Erica, achei brilhante o seu texto. Começou me puxando pela tirinha do Armandinho do qual não entendi o “i” minúsculo, e me levou até uma cena que vi quando criança no filme Alladin: O Alladin deseja que o gênio faça dele um príncipe, daí começa o show da entrada dele nas ruas de Agaba, até ai tudo bem, mas no meio da multidão o gênio se disfarça de criança, homens e mulheres adultos, idosos e até animais, e vai minando informações surpreendentes sobre o até então desconhecido “príncipe Ali” por toda a sociedade. Termina que em poucos minutos de passeata ele já é adorado por toda a cidade e todos os públicos.
    Seu texto estava 10 falando da genialidade da Marvel, mas esse final, foi 11. Realmente nosso presidente é exímio na arte de dar spoillers para observar a reação, e essa análise sua foi sensacional 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content