my.microbes – uma nova rede social

Não bastasse as várias rede sociais que estão disponíveis, mais uma apareceu recentemente: a my.microbes.

A ideia por trás da rede é interessante: a corrida por desvendar o microbioma humano e, assim, desvendarmos as características da microbiota cerne dos seres humanos e suas variação – bem como essas variações podem afetar na saúde do hospedeiro. Dessa forma, “conhecendo quais micróbios vivem em nós, podemos desenvolver melhor dietas personalizadas, diagnósticos precoces e tratamento de doenças” – como pode ser lido no site do projeto.

O estudo busca, portanto responder 4 perguntas fundamentais:

  1. Quais são os microrganismos que compõem nosso microbioma?
  2. Do que esse microrganismos são capazes?
  3. Quão variável é microbioma entre dois indivíduos (considerando-se os aspector das perguntas 1 e 2)?
  4. Qual é o potencial do diagnóstico que pode ser feito a partir do conhecimento do nosso microbioma?

Apesar de parecer brincadeira, esse estudo é coordenados por pesquisadores do Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL) na Alemanha e do Instituto Nacional de Pesquisa Agrícola (INRA) na França. Sendo o coordenador do projeto o pesquisador Peer Bork do EMBL.

Os resultados serão fornecidos de modo a contemplar os seguintes aspectos:

  • classificação do indivíduo em um dos 3 enterotipos pré-definidos de acordo com a composição da microbiota;
  • análise funcional da microbiota
  • comparação de similaridade entre a microbiota dos participantes do projeto

Achou interessante? Quer participar?

Para isso você deve enviar para os pesquisadores uma amostra fecal (sim, você tem que enviar seu cocô para a Alemanha) e contribuir com uma simbólica quantia mínima de 1.451 euros (o que, em reais, seria aproximadamente R$3.630,00 – considerando o euro a R$2,50) – para auxiliar o projeto com gastos da análise do seu cocô.

E então, vai entrar pra mais uma rede social!?

as figuras foram retiradas do site http://my.microbes.eu/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *