Fake News, Desinformação e Infodemia. Qual a diferença?

Imagem de Dean Moriarty por Pixabay

As diferenças entre Fake News, Desinformação e Infodemia e qual a nossa responsabilidade com a informação é um assunto recorrente nas atividades de divulgação científica que nós do Blogs de Ciência da Unicamp participamos.

Sendo assim achei importante relacionar nesse blog algumas das definições que utilizamos em nosso trabalho.

Fake News It Must Be True GIF Por Moodman
Fonte: https://gph.is/2LBR1C9

Para começarmos a discussão é importante enfatizar que os 3 termos, apesar de frequentemente confundidos e até tratados como coisas semelhantes, NÃO significam a mesma coisa. E entender as definições dos termos e a nossa responsabilidade social com a informação é de suma importância.

O que é Fake News?

“Evita-se admitir que o termo fake news (“notícias falsas”) possua um significado direto ou comumente compreendido. Isso ocorre porque “notícias” significam informações verificáveis de interesse público, e as informações que não atendem a esses padrões não merecem o rótulo de notícias.  Nesse sentido, então, a expressão “notícias falsas” é um oxímoro (que exprimem conceitos contrários) que se presta a danificar a credibilidade da informação que de fato atende ao limiar de verificabilidade e interesse público – isto é, notícias reais.” UNESCO – 2018

E apesar desse termo ter se tornado comum atualmente, muito devido a velocidade com que a informação circula nessa era digital, as Fake News não são nenhuma novidade, ao longo da história muitos episódios históricos tiveram que lidar com as consequências de rumores e informações falsas.

Arte por Leandro Liporage
Fonte: https://www.instagram.com/leandroliporage/

No Brasil um dos primeiros casos de repercussão nacional foi a morte de Fabiane, moradora do Guarujá que morreu por linchamento ao ser confundida com uma sequestradora de crianças após a disseminação de um retrato falado em um grupo do Facebook sobre a presença de uma mulher que raptava crianças na cidade para a prática de magia negra.

Após a morte de Fabiane a policia apurou que não haviam denuncias de sequestro na cidade e o retrato falado disseminado amplamente no grupo “Guarujá Alerta” era completamente diferente da vítima. Mais sobre o caso pode ser conferido AQUI

Atualmente, em plena pandemia, as Fake News se tornaram um problema ainda maior e mais preocupante.

Em agosto de 2020 a IFCN – International Fact-Checking Network reuniu mais de 80 veículos de comunicação em 70 países para verificarem notícias falsas disseminadas nesse período de pandemia.

Através da #CoronaVirusFactsAlliance e relatórios apresentados em seu site é possível acompanhar on line a evolução desse trabalho e as Fake News já checadas pelo grupo. Para se ter uma ideia desse trabalho, até Agosto de 2020, o site já havia apresentado 7100 Fake News rastreadas e checadas pela iniciativa.

O que é Desinformação?

“O termo desinformação é comumente usado para se referir a tentativas deliberadas (frequentemente orquestradas) para confundir ou manipular pessoas por meio de transmissão de informações desonestas.” UNESCO – 2018

“Grande parte dessas desinformações se baseia em teorias conspiratórias; algumas inserem elementos dessas teorias em um discurso que parece convencional. (…) A desinformação pode circular e ser absorvida muito rapidamente, mudando o comportamento das pessoas e possivelmente levando-as a correr riscos maiores.”
Organização Pan-Americana da Saúde – 2020

A Desinformação anda de mãos dadas com as Fake News mas com o agravante que essa informação é disseminada com a intenção de manipular, confundir e influenciar decisões e pessoas.

Sim, é isso mesmo!

De acordo com OMS – Organização Mundial da Saúde as campanhas de desinformação sobre vacinas são uma das responsáveis pela queda da imunização e a volta de doenças erradicadas no mundo. Em Dezembro de 2019 a doença já havia sido notificada em 14 países, somente na região das Américas foram 15.802 casos confirmados de sarampo e 18 mortes.

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/geral-48681603

E durante a pandemia a desinformação tornou-se ainda mais problemática. O montante de informação é tão grande que em outubro de 2020 o Grupo de Estudos da Desinformação em Redes Sociais (EDReS) da Unicamp já havia recebido mais de 60 mil denúncias de desinformação sobre Covid-19. Mais detalhes sobre isso aqui e aqui

O que é Infodemia?

“A palavra infodemia se refere a um grande aumento no volume de informações associadas a um assunto específico, que podem se multiplicar exponencialmente em pouco tempo devido a um evento específico, como a pandemia atual. Nessa situação, surgem rumores e desinformação, além da manipulação de informações com intenção duvidosa. Na era da informação, esse fenômeno é amplificado pelas redes sociais e se alastra mais rapidamente, como um vírus.” Organização Pan-Americana da Saúde, 2020

Diferente das Fake News e da Desinformação, a Infodemia é um fenômeno recente e decorrente da pandemia da Covid-19.

Declarado pela OMS – Organização Mundial da Saúde em Abril de 2020 a Infodemia ocorre pela quantidade enorme de informações disponibilizadas sobre um mesmo assunto em canais de comunicação, principalmente em redes sociais, advindas das mais diversas fontes, sendo confiáveis ou não.

Dessa forma as Fake News e a Desinformação são amplamente replicadas juntamente das informações checadas e confiáveis ao ponto das pessoas não conseguirem mais distingui-las.

Segundo o próprio boletim da Organização Pan-Americana da Saúde somente em Março de 2020 já haviam sido carregados: 36 milhões de vídeos no YouTube e 19.200 artigos no Google e 500 milhões no Twitter com os termos Coronavírus, Corona Virus, Covid19, Covi-19 ou Pandemic.

Um possível início da confusão de termos

A confusão entre os termos Fake News, Desinformação e Infodemia pode ter iniciado em traduções erradas ou muito literais de artigos em inglês. Um dos muito citados é o The science of fake news da Revista Science:

“We define “fake news” to be fabricated in-formation that mimics news media content in form but not in organizational process or intent. Fake news outlets, in turn, lack the news media’s editorial norms and processes for ensuring the accuracy and credibility of information. Fake news overlaps with other information disorders, such as misinforma-tion (false or misleading information) and disinformation (false information that is pur-posely spread to deceive people).”

  • Fake news – informações fabricadas que imitam o conteúdo da mídia de notícias na forma, mas não no processo organizacional ou na intenção. Veículos de notícias falsas que por sua vez, carecem das normas editoriais e processos da mídia de notícias para garantir a precisão e credibilidade de informações.
  • Misinformation – informações falsas ou enganosas ou equivocadas ou incorreta, mas que não há intenção de prejudicar.
  • Disinformation – informações falsas que são divulgadas com o propósito de enganar as pessoas

No Brasil muitos traduziram as palavras “Misinformation” e “Disinformation” como desinformação, outros traduziram as 3 palavras como desinformação, contudo o conceito é diferente.

Por Erica Mariosa Moreira Carneiro

E como identificar e combater?

Apesar de muitos entenderem que este problema que deve ser combatido pelos órgãos governamentais e empresas de comunicação e redes sociais , é importante entender que a responsabilidade de disseminar a informação também é nossa e contribui sim para que esse problema seja combatido.

Como?

Ao distribuir uma informação para nossa rede de amigos e familiares estamos influenciando as tomadas de decisão dessas pessoas. E isso não é exagero! Nesses dois textos aqui do Mindflow eu falo mais extensamente sobre isso: O que é “Fake News” e por que devo me preocupar com isso? e O Dilema das Redes e porque esse problema também é seu!

E para começar a entender quando uma determinada informação é ou não confiável comece pelo simples, abrindo a informação completamente e não compartilhando antes de verificá-la. Atenção: compartilhar inclui falar sobre ela fora da internet.

Procure verificar se a informação é:

  • De uma fonte Confiável?
  • Se é uma informação atual?
  • Se essa informação pode ser irônica ou de humor?
  • Ou se encontramos a mesma informação em outros canais confiáveis

Outras formas de combate podem ser conferidas nessa arte da Amanda Perestrelo baseado no texto: Os 7 tipos de Fake News sobre a Covid-19

Saiba mais

É importante dizer que o conteúdo posto neste texto ainda está em fase de estudo e pesquisa. Este será atualizado sempre que discutirmos e entendermos algo novo.

Para Assistir

Referências

CIPOLLA-FICARRA, Francisco V.; CARRÉ, Jim; FICARRA, Valeria M. UNESCO, Digital Library, Interactive Design, and Communicability: An Excellent Example Online. In: Technology-Enhanced Human Interaction in Modern Society. IGI Global, 2018. p. 1-33.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS. Organização Pan-Americana da
Saúde – OPAS (org.). Fichas Informativas COVID-19: Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a COVID-19. [S. l.], 30 abr. 2020. Disponível em: https://iris.paho.org/handle/10665.2/52054. Acesso em: 1 set. 2020.

LAZER, David MJ et al. The science of fake newsScience, v. 359, n. 6380, p. 1094-1096, 2018.

Sobre Erica Mariosa
Erica Mariosa Moreira Carneiro – Graduada em Relações Públicas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2003), Pós Graduada em Jornalismo Científico pelo Labjor/Unicamp, Mestra em Divulgação Científica e Cultural pelo Labjor/Unicamp e Doutoranda em Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática pelo PECIM/UNICAMP. Possui experiência na área de Divulgação Científica, atuando principalmente nos seguintes temas: divulgação cientifica, comunicação, relações públicas, mídias sociais e blogs de ciência. Participa como coordenadora da comunicação do projeto Blogs de Ciência da Unicamp como divulgadora científica, administradora e palestrante, desde 2016.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*