Democracia de gênero (III): reflexões conclusivas

Democracia de gênero (III): reflexões conclusivas

A atuação de homens e mulheres na política está guiada por diferentes éticas. As mulheres têm demonstrado, através de anos de lutas e movimentos, que as principais conquistas em relação aos seus direitos foram alcançadas na grande maioria por elas mesmas.

Por esse motivo, os “pactos entre mulheres” e os “pactos intergêneros” demandam acima de tudo solidariedade, que para Ana Maria Martinez de Escalera (2013) se manifesta através de experiências conjuntas, tanto de apoio como de resistência, evidenciando que há várias maneiras de exercitar relações entre corpos (criativas, afetivas, sexuais, de cooperação, de divisão de tarefas), ou seja, é possível outro tipo de convivência, mais humana e menos desigual.

A solidariedade entre mulheres ou entre homens e mulheres pode estender-se também, como uma experiência coletiva, um simplesmente “estarmos juntas/juntos”. A autora crê firmemente que “os coletivos de mulheres têm dado respostas simples a esta interrogação: estar juntas começa onde acaba o seguir suportando a dominação, aonde quer que esta se manifeste” (Escalera, 2013, s/p).

Os “pactos entre as mulheres” requerem uma centralidade ética e uma estética feminista como princípios.

Usar uma linguagem de respeito entre nós mesmas; não depreciar; considerar a estética de cada uma de nós como uma escolha de sujeitos livres, sem amarras nem tabus; não explorar pessoas – isso vale para as empresárias, empreendedoras, contratantes – não oprimir / não submeter as mulheres a nenhum tipo de violência nem humilhação. Respeitar as diferenças de classe, etnia, orientação sexual, identidade de gênero, geração, enfim, evitar competições e disputas entre nós mesmas, pois estas acirram ainda mais a dominação masculina que se enriquece com as nossas desavenças.

Trabalhar por uma democracia de gênero exige passar do drama individual ao discurso público: “o pessoal é político”. Para poder construir um projeto democrático e plural, no qual a diferença sexual seja uma distinção pertinente dentro das relações sociais, necessitamos remontar a crise, recuperar a esperança e a credibilidade nas instituições; em outros termos, gerar um projeto que articule cidadania, autonomia e negociação.

Necessitamos de mais mulheres ocupando espaços de poder para que nossas reivindicações possam ser explicitadas, reconhecidas e contempladas no campo da política e para diminuir os índices de corrupção em nossa sociedade.  Carecemos de apoio a mulheres que se disponibilizam a assumir cargos políticos: dos partidos políticos, encaminhando-as para cursos de capacitação propiciando o seu empoderamento; dos coletivos feministas e grupos de mulheres, que possam confiar mais em mulheres, votar mais em mulheres e participar como sujeitos nos processos democráticos que uma gestão implica; dos familiares e amigos, que possam propiciar tranquilidade no cotidiano da gestão dessas mulheres, na medida em que assumem as tarefas domésticas, compartilhem a dimensão do cuidado e coloquem em prática a verdadeira divisão sexual do trabalho em relação a casa, aos filhos, aos idosos e enfermos.

Para tanto, convidamos os homens e as mulheres para unirem-se a nós, estabelecendo pactos inter e intragenéricos, visando uma sociedade mais justa, mais igualitária e com mais equidade de gênero na política.

KLEBA LISBOA, T.


Bibliografía:

AMORÓS, Célia. La gran diferencia y sus pequeñas consecuencias… para las luchas de las mujeres. Universitat de Valencia, Instituto de la Mujer, Colección Feminismos, 2007.

ASTELARRA, Judith. Democracia, Género y Sistema Político. In: MEENTZEN, Angela y GOMÁRIZ, Enrique. Democracia de género, una propuesta inclusiva. Fundación Heinrich Böll, Impresso en El Salvador por: Econoprint S.A, 2003, p. 26-39.

BACH, Ana María. Las voces de la experiencia – el viraje de la filosofía feminista. Buenos Aires, Editorial Biblos, 2010.

BRAIDOTTI, Rose. Sujeitos Nômades, versión parcial del original en inglés de AlíciaBixio, Buenos Aires, Paidós, 2004.

ESCALERA, Ana María Martínez de la.  Consideraciones sobre política feminista. (impresso) FFyL, UNAM, 2013.

FOX-GENOVESE, Elizabeth. Para além da irmandade. IN: Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, Nº 0, Volume 0, 1992.

KUBISSA, Luisa Posada. Pactos entre Mujeres. In. AMORÓS, Célia (diretora). 10 palavras clave sobre mujer.Estella (Navarra) Espanha, Editorial Verbo Divino, 1994, p.331-365.

LAGARDE, Marcela. Género y feminismo – desarrollo humano y democracia. Madrid (Espanha), Horas y Horas, 1996.

____________ Claves feministas para mis socias de la vida. Buenos Aires, Batalla de ideas, 2015 (Coleção Feminismos Populares 1).

____________ Chaves de identidade latino-americana no limiar do milênio. Centro de Documentação da Mulher. Buenos Aires, Argentina, 2005.

RODRÍGUEZ Simón, E. Democracia Vital. Mulheres e homens para a cidadania plena. Edições Nancea, Madrid, 1999.

SEGATO, Rita Laura. Que és um feminicídio? Notas para um debate emergente. In: BELAUSTEGUIGOITIA, Marisa e MELGAR, Lucia. Fronteras, violência, justicia: nuevos discursos. PUEG, UNAM, México, 2008.

THITEUX-ALTSCHUL, Monique. Género y Corrupción – las mujeres en la democracia participativa. Buenos Ayres, Libros del Zorzal, 2010.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content