Corpo da mulher: ciência, produção e vida pessoal

Há muito o que dizer sobre o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência. Certamente, todas as publicações de hoje serão poucas para tudo o que, como mulheres, temos feito para deixar nossas marcas como pesquisadoras, cientistas, produtoras de conhecimento nas mais diversas áreas.

Assim, se fizermos uma rápida busca na internet, achamos vários links com uma diversidade de questões sobre mulheres e ciência: quantidade de mulheres nas áreas exatas, biológicas e tecnológicas; maternidade e carreira científica; diferença entre a produção científica de homens e mulheres (quantidade de publicações e composição de grupos de pesquisa); contribuições das mulheres na ciência.

Dia desses, em uma conversa informal, questionaram-me sobre indicações de leitura na rede social Instagram. Eu fiquei buscando autoras que têm me inspirado e escrever, estudar e produzir. Mas, afirmo: não é fácil este exercício. Isto é, quando pensamos em uma indicação – para qualquer coisa – os nomes que emergem são, via de regra, masculinos. Em outras palavras, para termos nomes de mulheres, usualmente temos que especificar que queremos um nome de mulher!!! Quando pensamos na mulher cientista, temos normalmente dois grandes nomes sendo citados: Marie Curie Rosalind Franklin.

Todavia, devemos reconhecer que temos pouco conhecimento de grandes nomes de mulheres no campo científico. É um privilégio incrível, reconheço, o fato de eu trabalhar com grandes mulheres que fazem ciência próximo de mim. Mais do que isso: são referências maravilhosas na minha carreira e trabalho cotidiano.

Apenas para citar algumas, desde minha primeira orientadora na graduação, Marina Bento Soares, passando por minha orientadora de mestrado e doutorado Nadia Geisa Silveira de Souza; professoras (a quem tenho como grandes mentoras, mas também considero pelo prazer da amizade) como Maria Lucia Castagna Wortmann,Paula Regina Costa RibeiroPaula Corrêa HenningMaria Silvia Gatti, Vera Regina Toledo Camargo; amigas e colegas como Lavínia SchwantesShaula Sampaio VicentiniTaís FerreiraAna Carolina ZeriRafaela da Rosa Ribeiro, Karla Saraiva,  dentre tantas outras acadêmicas, além das colegas e amigas do Blogs de Ciência, Érica Mariosa Carneiro, Carolina Frandsen da Costa, Carolina Mantovani e Graciele Oliveira.

Nós, mulheres, ainda enfrentamos barreiras que são cotidianas e nos fazem trabalhar para apresentar que nosso trabalho é válido e legítimo. Assim, mesmo em bolhas sociais como a universidade e centros de pesquisa, não é incomum deslegitimar o trabalho da mulher em função de sua vida pessoal – mais do que pela qualidade de nossas publicações, produções científicas, orientações e atuação em sala de aula. Para ilustrar, nos links ao final do texto é possível vislumbrar textos – mesmo que seja um apanhado minúsculo de reportagens e artigos – que mostram que somos tema de publicação em função de sermos mulheres (por sermos mulheres, por ganharmos menos, por termos filhos – ou corrermos risco de ter um em algum momento -, por sermos muito sensíveis e isso atrapalhar o trabalho laboratorial, etc.).

Recentemente, em uma disciplina sobre Divulgação Científica, fui convidada para falar sobre o fato de eu ter perfis em redes sociais como o Instagram que não se relacionam com ciência (mas com fotos e poesias) e o tipo de comentários que isto gera e se estes perfis atrapalham minha vida acadêmica. Por quê? Ora! Isto se deu por críticas que já recebi em função de postagens que eu faço (retomando: em meus perfis PESSOAIS).

Tais postagens envolveriam “muita pele e muita cerveja aparecendo”. Em outras palavras, as postagens não seriam pertinentes a uma mulher que ocupa o espaço social da produção científica e da universidade que eu trabalho. Ou seja, antes de olhar o meu currículo (que nem é grande coisa, vá lá) ou a qualidade de minhas produções, há pessoas que se preocupam em procurar “como eu me visto” (ou se me visto o tempo inteiro) e inferem acerca de minha produção acadêmica e sua qualidade pelas roupas que eu uso (ou se eu uso roupas… enquanto tomo cerveja e/ou café). Isto é incrível – no sentido de não ser crível mesmo! O desprestígio de nossa carreira se faz pelo nosso corpo antes de outras características efetivamente acadêmicas.

Na mesma ocasião da disciplina de Divulgação Científica, foi citado o caso de Samantha Yammine, que é uma cientista canadense da Universidade de Toronto, que divulga parte de seu cotidiano como cientista no perfil do Instagram. Esta cientista foi criticada por sua atuação nas redes sociais. Por quê? Ora! Isto a afasta de suas atividades laboratoriais e das publicações científicas.

A questão é que esta crítica se fez como publicação na Revista Science (leia a nota aqui). A nota é finalizada com:

When I next interview for a job, I won’t have an Instagram page to show that my love of science doesn’t make me boring and unfriendly. Publicly documenting the cute outfit I wear and the sweet smile I brandish in the lab isn’t going to help me build a fulfilling career in a field where women hold less senior positions, are paid less, and are continuously underrated. Time spent on Instagram is time away from research, and this affects women in science more than men. That’s unfair. Let’s not celebrate that.

Basicamente, nossa vida não pode ser celebrada, nem divulgada (talvez nem vivida), pois atrapalha nossas publicações. Em seguida, a nota teve resposta da própria Samantha (leia aqui) ao que ela e colegas dizem que:

This connectivity can allow those same groups to challenge traditional structures, identify and call out systemic barriers, and question hierarchies of power. Instagram, for example, allows for visible representation of individuals who are often unseen, and can amplify voices that may go unheard in traditional settings. Furthermore, increased representation of those who break stereotypes and are underrepresented creates a more inviting perception of STEM careers, and these efforts can improve diversity and inclusion in academia (9–11). For a diverse academic community to thrive, inclusion and acceptance of every scientist, regardless of appearance (whether conventional or not) is necessary.

Posteriormente, publicaram, também, uma nota que questionava a própria revista (aqui):

Rather than address the roadblocks facing women and underrepresented groups in science, technology, engineering, and mathematics (STEM) or grapple with the author’s personal misgivings around science communication, the piece was framed as an attack. The tone implied that anything beyond basic research is a frivolous waste of time, belittling meaningful approaches to science communication and public engagement. It offered a false choice between an authentic and relatable social media presence and effective advocacy for institutional change. The choice to run this inflammatory article demonstrates a lack of thoughtfulness on the editors’ part.

Neste ponto, penso ser pertinente mostrar estas publicações, por inúmeras questões. Inicialmente, vocês têm ideia do quanto é valorizado, em termos de carreira, ter algo publicado nesta revista? Fiquei me interrogando se ter uma rede social de divulgação científica deveria ser um problema. E, mais do que isso o quanto isto é visto como afastamento de tua carreira científica. E foi este o motivo que levou o nome de Samantha a uma publicação na Science! 

A divulgação científica deveria fazer parte de nosso trabalho enquanto produtoras de conhecimento técnico e científico, de forma mais frequente. No entanto, o ponto é o quanto nossa vida vem sendo questionada como algo que atrapalha nosso trabalho. Além disso, como a própria Samantha aponta: precisamos de representatividade e visibilidade nestes espaços. Somos presentes e estamos batalhando para mostrar isso!

Ao final do ano passado, duas professoras da universidade onde eu trabalho, ao entrarem no processo de aposentadoria, em conversas informais, falaram-me com ênfase “não abandone tua vida pessoal por nada, siga vivendo, teu trabalho não é toda a tua vida, é parte de tua vida e deve ser vivida como tal”. Foram falas informais, de duas pesquisadoras maravilhosas e que me deram um apoio fantástico neste início de minha carreira dentro da Unicamp. Duas mulheres, diga-se de passagem, que sabem e eventualmente acompanham as publicações de cunho pessoal (poesias e fotos), apoiando a existência disso como parte de minha vida pessoal.

Foi fundamental este tipo de apoio ao longo da carreira que fui construindo. Pois são estes os enfrentamentos cotidianos que temos. Isto é: invalidamos nossas carreiras, por optarmos por ter vida além da academia também.

Em publicações maravilhosas como As Cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo, por exemplo, não são poucas as vezes em que constam (a fuga) o abandono da família e maridos/namorados/noivos/vida afetiva para o sucesso profissional. Tanto no sentido da permissão não concedida para que estas mulheres brilhantes contribuíssem ao mundo, quanto em relação à violências sofridas para, efetivamente, torná-las menores.

No Dia Internacional de Meninas e Mulheres na Ciência, nossos olhos, bocas, pernas, braços, peles, salivas, publicações, escritos, fotos, vozes se voltam para exaltar que mulheres vivem e que isto faz parte de quem somos, incluindo a ciência que produzimos dentro e fora dos laboratórios. E produzimos muito e produzimos bem, trabalhamos muito e muito bem SIM.

Para concluir,  o texto, eu poderia escrever algo como “estamos apenas começando”, tal como em um desafio… Mas a verdade é que começamos há muito tempo e, de forma alguma, pretendemos estancar nosso trabalho por aqui.

Para Saber Mais

Barbosa, Marcia Cristina Bernardes (2018) Mulheres na Ciência: uma verdade inconveniente, Colóquio IFUSP, 2018.

Bolzani, Vanderlan da Silva (2017) Mulheres na ciência: por que ainda somos tão poucas? Ciência e Cultura69(4), 56-59, https://dx.doi.org/10.21800/2317-66602017000400017

Boueri, Aline Gatto e Assis, Carolina (2018) Sem considerar maternidade, ciência brasileira ainda penaliza mulheresGênero e número.

Canofre, Fernanda (2018) Produção científica de pesquisadoras cai após maternidade, diz estudoFolha de São Paulo, 13/Mai/2018

Carvalho, Marilia Sá, Coeli, Claudia Medina, & Lima, Luciana Dias de. (2018). Mulheres no mundo da ciência e da publicação científica, Cadernos de Saúde Pública, 34(3), e00025018, Epub March 05, 2018, https://dx.doi.org/10.1590/0102-311×00025018

Gristock, Jenny (2016) Why aren’t there more women in science? The industry structure is sexistThe Guardian, 31/Mai/2016. 

Ignotofsky, Rachel. (2017) As Cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo. Editora Blucher.

Yammnine, Samantha, Liu, Christine; Jarreau, Paige; Coe, Imogen (2018) Social media for social change in science Science, Vol. 360, Issue 6385, pp. 162-163. DOI: https://10.1126/science.aat7303

Publicações específicas on line sobre Mulheres na Ciência e na Divulgação Científica

Progatonismo Feminino na Ciência- especial do Blogs de Ciência da Unicamp sobre a mulher

Mulher Faz Ciência (publicado HOJE! Tá quentinho saído do forno e é lindo!)

Mulheres na Ciência (Jornal da USP)

Mulheres na Ciência: o futuro é feminino

Mulheres na ciência In: Wikipedia: a enciclopédia livre Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mulheres_na_ciência Acesso em: 11/02/2019.

Zahm, John Augustine; Mozans, H.J. (1913), Woman in science, New York: Appleton.

Resposta de cientistas para Tim Hunt (Nobel que declarou sobre como mulheres não são boas cientistas por se apaixonarem e chorarem ao receberem críticas…).

Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia, do Instituto de Biologia (DGEMI/IB) da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! 😉

Sobre Ana Arnt 37 Artigos
Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia, do Instituto de Biologia (DGEMI/IB) da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! ;-)

1 Trackback / Pingback

  1. Tornar-se mulher: na vida e na ciência - PEmCie

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*