Memes podem ser ferramentas de Ensino?

Fotografia de Simone Bispo

Memes? Sério?

Atualmente, com o advento das redes sociais e amplo acesso à internet – com smartphones, tablets e computadores pessoais -, a informação circula através de imagens, vídeos curtos e pequenos textos, que comumente chamamos de memes. Assim, de compartilhamentos em grupos de amigos, às redes sociais, os memes se tornaram basicamente um meio de comunicação contemporâneo. Mas… Vocês sabem de onde veio este termo?

Meme é uma palavra que foi cunhada por Dawkins, no livro O Gene Egoísta, publicado em 1976. O termo foi sugerido como uma abreviação da palavra “mimeme”, que se relaciona com imitação, a fim de pensar em uma unidade de informação cultural replicável entre pessoas. 

A palavra meme, enquanto unidade de transmissão cultural, poderia ser caracterizada como melodias, ideias, slogans, construção de objetos, etc. Em um sentido bem específico, estas unidades podem ser retransmitidas. Ou, ainda, replicadas. Bastaria compartilhar esta unidade e: tcharãaaammm, replicamos unidades culturais.

Cultura pode ser replicada?

Seria a cultura uma grande caixa de itens isolados uns dos outros? Não! A cultura não é compreendida (há algumas décadas já…) como “coisas” e “objetos” pura e simplesmente. Ou seja: aquilo que foi melhor produzido pela humanidade. Pelo contrário. Cultura é prática social. Isto é: costumes, hábitos, rotinas, modos de viver e existir socialmente. Não pode ser pensado como algo que é isolado tanto como um objeto, quanto nos sentidos atríbuidos a estes objetos. Assim, em muitos sentidos, a ideia original de meme como um produto ou unidade de cultura que pode ser replicado, é extremamente reducionista.

Assim, a cultura ela não pode, mesmo se considerarmos pequenas “unidades” (ou melhor falando, aspectos, símbolos, objetos…) ser replicada. Ao passo que uma pessoa entra em contato com estes objetos ou símbolos, ela os ressignifica. Isto quer dizer que embora nós partilhemos significados dentro de uma cultura, de forma coletivamente, estes significados culturais têm variações de sentidos para cada pessoa, em função de como ela os compreende, vivencia e vivenciou ao longo de sua vida. A replicação de um símbolo, nesta perspectiva, não acontece, pois sempre se modifica um pouco ao entrar em contato com uma outra pessoa. No sentido inicialmente proposto, consideramos que a cultura não pode ser reduzida a uma unidade de forma simplista. Uma vez que isso a descaracterizaria como cultura, imersa em uma sociedade.

E? O que temos a ver com isso?

Se compreendemos que a sociedade é dinâmica e muito orgânica, esta ideia que é bastante simplista tal como foi proposta, parece aplicar-se bem às replicações de pequenas unidades de informações em redes sociais na internet atualmente! Mas, vocês devem estar se perguntando qual o sentido de debater memes em um blog de educação, cultura e educação em ciências…

Pois bem, tendo em vista a proliferação deste recurso em redes sociais e seu potencial de comunicação entre sujeitos na contemporaneidade (e tendo em vista que os autores e autoras deste blog ADORAM memes também) a partir de hoje resolvemos inaugurar uma nova série, em que apresentaremos memes com conteúdos de Biologia, conjuntamente com textos que apresentam tais conteúdos! Tanto para docentes que gostariam de usar isto como recurso em sala de aula, quanto para estudantes que podem estudar com estas imagens (e os textos explicativos).

Em suma, vem conosco para o mundo dos memes! 😉

Para saber mais:

Dawkins, R (2007) O Gene Egoísta. São Paulo: Companhia das Letras.

Fantin, M (2012) Mídia-educação no ensino e o currículo como prática cultural. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, pp. 437-452.

Hall, S (1997) A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, v.22, n.2. pp. 15-46.

Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Instituto de Biologia da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! 😉

Sobre Ana Arnt 30 Artigos
Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Instituto de Biologia da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! ;-)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*