Browsed by
Tag: Utopia

Crónicas Millennials (I)

Crónicas Millennials (I)

El computador (en general en conjunci√≥n con el celular e, intermitentemente, con la tablet o el kindle)¬†es una especie de exocerebro del sujeto as√≠ llamado millennial. Somos millennials los nacidos entre 1980 y el a√Īo 2000. Generaci√≥n Y, tambi√©n se nos dice. Y conste que si me permito la primera persona, en general tan limitada y limitante fuera del universo po√©tico, es porque la categor√≠a me incluye de lleno. Desde que supe de ella, de hecho, no ha dejado de…

Read More Read More

Share
A CAVERNA DE PLATÃO (II)

A CAVERNA DE PLATÃO (II)

Continuando a reflex√£o sobre a Alegoria da Caverna¬†de Plat√£o, ou simplesmente “A Caverna”, como a partir de aqui a chamaremos, segue um segundo ensaio dando sequ√™ncia ao t√≥pico iniciado em Julho¬†deste ano. Trata-se de uma transmuta√ß√£o daquele esbo√ßo inaugural, motivo pelo qual o leitor ass√≠duo reencontrar√° conceitos conhecidos. A¬†Alegoria da Caverna¬†se encontra no s√©timo livro da Rep√ļblica,¬†de Plat√£o. A¬†Rep√ļblica –¬†em grego ő†őŅőĽőĻŌĄőĶőĮőĪ, na translitera√ß√£o latina, Polite√≠a –¬†foi composta no s√©culo IV antes de Cristo e √© um dos maiores tesouros…

Read More Read More

Share
Optimismo socr√°tico – ¬Ņpesimismo plat√≥nico? Las reflexiones del joven Nietzsche y un posible desdoblamiento (PARTE I)

Optimismo socr√°tico – ¬Ņpesimismo plat√≥nico? Las reflexiones del joven Nietzsche y un posible desdoblamiento (PARTE I)

En El Nacimiento de la Tragedia Nietzsche¬†defiende que S√≥crates es el padre del optimismo te√≥rico occidental. El mensaje¬†socr√°tico contiene¬†de modo patente y manifiesto, seg√ļn el genio de¬†Leipzig,¬†dos axiomas b√°sicos del optimismo: (i) que la sabidur√≠a es la virtud y la virtud sabidur√≠a y (ii) que quien realiza el mal – quien “peca”, digamos cristianamente¬†– lo hace por ignorancia. Friedrich Nietzsche (1844-1900) fue fil√≥logo de formaci√≥n y conocedor de la literatura griega desde la fuente. Entre 1869 y 1879 leccion√≥ en…

Read More Read More

Share
DOIS PILARES DA PESQUISA CIENT√ćFICA: DEDUTIVISMO E FALSEABILIDADE

DOIS PILARES DA PESQUISA CIENT√ćFICA: DEDUTIVISMO E FALSEABILIDADE

Na bandeira do Brasil, lemos: ‚ÄúOrdem e Progresso‚ÄĚ. Trata-se de uma abrevia√ß√£o do lema Positivista de Comte: “o Amor por princ√≠pio,¬†a Ordem por base e o Progresso por fim“.¬†N√£o √© muito comum que bandeiras estampem palavras, talvez porque mesmo os voc√°bulos mais interessantes, como ‚ÄúSabedoria‚ÄĚ, ‚ÄúBeleza‚ÄĚ, e ‚ÄúLiberdade‚ÄĚ, podem facilmente se desgastar sobre o pano nacionalista.   No entanto, vivemos em um pa√≠s positivista, e em um mundo positivista. E isso nossa bandeira exibe muito bem. O Positivismo, conforme¬†Sabato, foi…

Read More Read More

Share
TEMPO ORIGIN√ĀRIO, ESPERAN√áA E UTOPIA – Em mem√≥ria de Carolina Blasio da Silva e Maria √Črbia Carna√ļba

TEMPO ORIGIN√ĀRIO, ESPERAN√áA E UTOPIA – Em mem√≥ria de Carolina Blasio da Silva e Maria √Črbia Carna√ļba

Com enorme tristeza e transtorno, n√≥s lamentamos o falecimento das Dras. Carolina Blasio da Silva e Maria √Črbia Carna√ļba. Ambas as fil√≥sofas da Unicamp eram muito queridas no meio acad√™mico, e far√£o uma enorme falta em nosso caminhar. Com colossal indigna√ß√£o, tamb√©m protestamos contra a falta de seguran√ßa do aeroporto de Viracopos, que, diferente do que afirmou a m√≠dia, foi a respons√°vel pelo acidente que privou-nos de ambas as mulheres, em 26 de agosto de 2017. Essa trag√©dia evidencia o…

Read More Read More

Share
EDITORIAL: A QUESTÃO AMBIENTAL

EDITORIAL: A QUESTÃO AMBIENTAL

A quest√£o ambiental √©, tanto quanto a da edi√ß√£o do genoma humano, um assunto que demanda aten√ß√£o imediata na √©poca contempor√Ęnea. O terceiro t√≥pico do blog estar√°, portanto, dedicado a ele. A modo de introdu√ß√£o, oferecemos neste editorial a entrevista de¬†#Filosofia Pop √† professora D√©borah Danowski. Danowski √© membro da primeira e por enquanto √ļnica linha de pesquisa no pa√≠s sobre o assunto (Filosofia e quest√£o ambiental, PUC-RJ). No podcast que segue, ela se debru√ßa sobre conceitos fundamentais como antropoceno,…

Read More Read More

Share
Platão e os Totalitarismos: a crítica de Popper

Platão e os Totalitarismos: a crítica de Popper

O livro¬†A Sociedade Aberta e seus Inimigos, do fil√≥sofo austr√≠aco¬†Karl Popper, √© sem d√ļvida um dos textos de filosofia pol√≠tica mais influentes do S√©culo XX[i]. De ascend√™ncia judaica e¬†naturalizado brit√Ęnico, Popper publicou por primeira vez em Londres e em ingl√™s The Open Society and its Enemies em uma data sugestiva: 1945. Tendo sobrevivido √†s Grandes Guerras na condi√ß√£o de intelectual e de exilado, a aguda intelig√™ncia de Popper, conhecida fartamente pela reflex√£o em torno √† l√≥gica da ci√™ncia, condensou reflex√Ķes…

Read More Read More

Share
Avaliação crítica do problema da edição do genoma humano: notas preliminares (II)

Avaliação crítica do problema da edição do genoma humano: notas preliminares (II)

¬†A Lei de Biosseguran√ßa do Brasil No artigo primeiro da Lei de Biosseguran√ßa do Brasil se l√™ que ela estabelece ‚Äúnormas de seguran√ßa e mecanismos de fiscaliza√ß√£o sobre a constru√ß√£o, o cultivo, a produ√ß√£o, a manipula√ß√£o, o transporte, a transfer√™ncia, a importa√ß√£o, a exporta√ß√£o, o armazenamento, a pesquisa, a comercializa√ß√£o, o consumo, a libera√ß√£o no meio ambiente e o descarte de organismos geneticamente modificados‚ÄĚ ‚Äď √Ęmbitos aos quais depois se adiciona, no artigo segundo, o da ‚Äúprodu√ß√£o industrial‚ÄĚ. Essa forma…

Read More Read More

Share
Preocupa√ß√Ķes em torno √† edi√ß√£o gen√©tica¬†

Preocupa√ß√Ķes em torno √† edi√ß√£o gen√©tica¬†

Coloquemos primeiramente o senso comum para funcionar. De imediato surgem uma s√©rie de perguntas b√°sicas: Quais s√£o os efeitos de larga escala das manobras de interfer√™ncia gen√©tica? Consideremos, por exemplo, a quest√£o do ZIKA/DENGUE. A proposta √© editar a informa√ß√£o do DNA e gerar no laborat√≥rio popula√ß√Ķes de mosquitos sem a doen√ßa que, ao misturar-se e reproduzir-se com indiv√≠duos contaminados, cheguem finalmente a substitu√≠-los por completo. A ideia de insetos ‚Äúproduzidos‚ÄĚ no laborat√≥rio e liberados massivamente n√£o √© em absoluto…

Read More Read More

Share