#Divã da pós РRitmos de trabalho.

Passadinha r√°pida para compartilhar mais uma verdade transformada em quadrinho por Jorge Cham!

phd_rnam.jpg

Eu alterno entre “Rob√ī” e “OK, talvez voc√™ defenda sua tese”, e voc√™s?


Adaptação do sempre ótimo PhD Comics.

ps: favor desconsiderar minha inaptid√£o para com editores de imagem.

Garrafas, garrafas… briga de bar tamb√©m √© Ci√™ncia!

barfight.jpgImagine o seguinte: voc√™ est√° num bar, e de repente come√ßa uma confus√£o aqui, outra ali… e a pancadaria se torna generalizada.Quem j√° esteve nessa situa√ß√£o (como eu) sabe como uma cena (com “c” viu Sasha?) dessas √© assustadora… principalmente quando as cadeiras do lugar come√ßam a passar voando sobre a sua cabe√ßa.
Uma coisa que nos acostumamos a ver em filmes √© a cl√°ssica “cena da garrafada”. Um z√© qualquer pega uma garrafa e estilha√ßa na cabe√ßa do ser humano ou n√£o mais pr√≥ximo. Em filmes BEM toscos, geralmente o cara se d√° o direito de terminar a cerveja da garrafa que vai usar, antes de mand√°-la com tudo no cuco de algu√©m.
A√≠ voc√™s pensam “Certo, mas do que diabos voc√™ est√° falando? Briga de bar?”
Sim crianças, briga de bar! Mais especificamente, o estudo que comentarei hoje trata do estrago que uma garrafada bem dada pode causar na cabeça de quem a receber. E, claro, estou falando de mais um texto da nossa série IgNobel no RNAm!
ResearchBlogging.orgO trabalho publicado no periódico Journal of Forensic and Legal Medicine foi realizado na Suíça por uma equipe de pesquisadores especializados em Ciências Forenses. E ele trata justamente do estrago que uma garrafada bem dada pode causar na cabeça de quem a receber.
De acordo com os autores do trabalho (e de qualquer um que j√° tenha passado por um apuro desses num risca-facas da vida), quando uma garrafa √© usada como arma para golpear um oponente, podem acontecer duas situa√ß√Ķes b√°sicas: ela se quebra e d√° origem a um ferimento em forma de corte (que pode ser bastante profundo, dependendo do seu azar/sorte), ou, num caso pior, ela n√£o quebra e causa um s√©rio ferimento em forma de concuss√£o.
garrafa1.jpg
Pensando nessa diferen√ßa, os autores investigaram se garrafas de cerveja de 500 ml (humm… ler isso me deu sede) s√£o mais propensas a se quebrar quando est√£o cheias ou vazias. Na outra parte do trabalho, eles avaliaram se uma garrafada possui energia suficiente para causar uma fratura ao cr√Ęnio humano.
drop_tower4.jpgPara testar as propriedades de fratura das garrafas utilizadas, os suíços utilizaram um equipamento chamado torre de queda livre (tradução do termo em Inglês drop tower, corrijam-me se eu estiver errado), que você pode ver na imagem ao lado (a setinha branca mostra o local em que a esfera de metal fica armazenada antes de ser lançada na garrafa).
O experimento foi o seguinte: uma esfera de metal de 1kg foi lançada da torre de diferentes alturas (entre 2m e 4m) numa garrafa de cerveja com um molde de argila que simula a área de impacto de uma pancada com uma garrafa, distribuindo a energia do golpe igualmente. Os resultados, claro, foram analisados em seguida.
drop_tower3.jpg

Garrafa pronta para receber o impacto


As garrafas cheias se quebraram em impactos com 30 J (joules) de energia, enquanto as garrafas vazias precisaram de uma energia de 40 J para se partirem na queda. No entando, nas duas situa√ß√Ķes as quantidades de energia observadas s√£o suficientes para se fraturar um cr√Ęnio humano.
Sem grandes explica√ß√Ķes f√≠sicas, em todas as condi√ß√Ķes experimentais analisadas, foi constatado que as garrafas de cerveja podem fraturar gravemente o cr√Ęnio humano, servindo como instrumentos perigosos em qualquer disputa f√≠sica.
Conclus√£o do artigo: numa briga, tome MUITO cuidado se algu√©m tiver uma garrafa nas m√£os, e, principalmente, pense duas vezes antes de usar uma, agora que voc√™ sabe do estrago que o uso desse tipo de “arma” pode causar.
DanielPowell.jpgAli√°s, se voc√™ ainda n√£o se convenceu disso e quer continuar acreditando nos filmes de pancadaria, d√™ uma olhada na imagem ao lado, retirada de um artigo no site brit√Ęnico de not√≠cias Metro que descreveu um ataque que um adolescente sofreu de um grupo de imbecis.
Se voc√™ tinha alguma d√ļvida sobre o perigo que trazer uma garrafa pr√° uma briga pode ter, espero que tenha desaparecido agora… As minhas com certeza desapareceram.
Quanto ao m√©rito do artigo, entrou na categoria “OK, voc√™s demonstraram algo meio √≥bvio, n√£o acham?” ent√£o, como voc√™s j√° sabem: IgNobel pr√° eles!
Bolliger, S., Ross, S., Oesterhelweg, L., Thali, M., & Kneubuehl, B. (2009). Are full or empty beer bottles sturdier and does their fracture-threshold suffice to break the human skull? Journal of Forensic and Legal Medicine, 16 (3), 138-142 DOI: 10.1016/j.jflm.2008.07.013

Vaca Mimosa ganha IgNobel

cow1.jpgEste é o RNAm, seu radar do IgNobel

Afinal nós já havíamos comentado antes sobre o trabalho que ganhou o IgNobel este ano, que constatou que vacas que recebem um nome dão mais leite. Para ler o post original, clique aqui.

L√° voc√™ vai encontrar divaga√ß√Ķes sobre porque exatamente dar um nome ao bicho faz ele produzir mais leite, e coment√°rios abalizados como este: “Sendo assim um fazendeiro que tenha 5.000 cabe√ßas de gado vai gastar uma graninha fazendo crach√°s pra fazer as vacas se sentirem melhor.”

Se bem que, na √°rea de “bovinologia” eu acho que o trabalho das vacas magn√©ticas merecia mais o premio IgNobel. Ele √© fant√°stico!

Com, isso iniciamos uma s√©rie de posts sobre o IgNobel deste ano. Nada muito rebuscado, s√≥ vamos tentar extrair o m√°ximo de piadas e tamb√©m algo de √ļtil deste lado bravatesco da ci√™ncia.

Algo de √ļtil sim. Porque o objetivo desse pr√™mio n√£o √© denegrir e mandar as pesquisas para o brejo, mas sim provocar pesquisadores e publico. E funciona!

Bom, o post da vaca estava pronto. Bom pra mim, porque sobra espaço pra mandar um salve pro pessoal da fazenda Santa Xurupita:

Mand√° um salve p√° Mimosa da Xurupita

Mand√° um salve p√° Estrela da Xurupita

Mand√° um salve p√°, …p√°, …p√°…

Mand√° um salve p√° Morena da Xurupita

Mand√° um salve pu Zebu da Xurupita

Aliás, falando em Zebu, será que boi com nome também dá mais leite?

Bom… talvez seja melhor deixar essa d√ļvida pra l√°, seria um experimento muito bizarro mesmo para um IgNobel.

Para receber nosso conte√ļdo em primeira m√£o, siga-nos no twitter @Rafael_RNAm e @Gabriel_RNAm e clique aqui para assinar nosso Feed/RSS!

Ch√° Verde FUNCIONA contra c√Ęncer

folha cha verde cancer.jpgResearchBlogging.orgO ch√° √© a bebida mais consumida no mundo, depois da √°gua claro. E os mais conhecidos deles s√£o o ch√° verde e o preto, ambos feitos da Camellia sinensis. Os benef√≠cios do ch√° j√° foram at√© citados neste blog anteriormente, mas agora vamos ver exatamente o que √© que faz o ch√° ser eficiente na preven√ß√£o do c√Ęncer (segundo um artigo de revis√£o publicado na revista Nature Reviews C√Ęncer).

Uma das coisas que torna o ch√° verde interessante para estudo √© que j√° se conhece todas as subst√Ęncias presentes em sua constitui√ß√£o.

Por exemplo, catequinas (uma fam√≠lia de polifen√≥is) s√£o as principais subst√Ęncias presentes no ch√°. Elas neutralizam os radicais livres, que s√£o grandes respons√°veis por provocar danos ao DNA que podem come√ßar o desenvolvimento de c√Ęncer.

Estudos realizados em animais, utilizando o chá verde ou suas catequinas purificadas, mostraram inibição da formação e crescimento de tumores em diferentes modelos animais, como pulmão, trato digestivo (boca, cólon intestino) e próstata.
Esta inibição está associada à diminuição da proliferação celular, aumento da morte celular (apoptose), e inibição da formação de novos vasos sanguíneos utilizados pelo tumor em crescimento para obtenção de nutrientes (angiogênese).

Claro que todos os estudos já feitos em animais tiveram diferentes abordagens de tratamento e diferentes focos de observação, mas de 147 trabalhos científicos publicados até dezembro de 2008, 133 descrevem uma melhora na prevenção e mesmo na inibição de tumores.

Al√©m de antioxidante, a catequina EGCG do ch√° verde √© uma subst√Ęncia que comprovadamente se liga a v√°rios receptores e mol√©culas de sinaliza√ß√£o da c√©lula, que tamb√©m podem estar ligadas √† gera√ß√£o de tumores.

Os famosos flavonóides também estão presentes no chá e possuem efeito antioxidante, mas parece que as catequinas têm um papel mais importante na prevenção tumoral justamente por este efeito adicional de se ligar a outras proteínas.

Mas e em humanos?

Em humanos, alguns estudos de prevenção já vêm sendo feitos, e com resultados promissores.

Apesar destes estudos em laborat√≥rio, n√£o h√° um estudo que deixe claro que pessoas que j√° v√™m tomando ch√° verde t√™m menos c√Ęncer. Estes estudos chamados epidemiol√≥gicos n√£o s√£o muito controlados e mesmo pessoas que tomam ch√° podem ter rotinas totalmente diferentes umas das outras, como varia√ß√£o na quantidade de ch√° ingerido, algumas podendo ser fumantes outras n√£o, consumo de √°lcool, etnia, entre outros fatores dif√≠ceis de serem analisados.

Mas os estudos que levam tudo isto em conta mostram sim uma relação entre consumo de chá e menor aparecimento de tumores.

Por exemplo, em um dos estudos, homens e mulheres que n√£o fumavam e nem bebiam √°lcool, mas bebiam ch√°, apresentaram menor risco de adquirir c√Ęncer. J√° fumantes que tomam ch√° n√£o apresentam este menor risco.

Interessante observar que a composição do chá varia de acordo com o clima, modo de cultivo, variedade e idade da folha. Os diferentes métodos de produção também alteram a composição química das folhas secas.
Por isso melhores estudos epidemiológicos neste sentido devem ser realizados.

Quanto a gente deve tomar de ch√° afinal de contas?

Em dois trabalhos epidemiológicos que mostraram resultados positivos, foi relatado que consumir o chá de mais de 250 gramas de folhas secas por ano já foi o suficiente para aumentar a proteção. Isto daria de 2 a 3 xícaras de chá por dia. Nada exorbitante.

ch√° verde monte fuji.jpgEfeitos colaterais e contra-indica√ß√Ķes

Mas nem tudo são flores, afinal de contas o chá contém uma boa quantidade de cafeína, que pode ser um problema para hipertensos, gestantes e lactantes, já que a cafeína passa para o leite materno e pode ser prejudicial para o desenvolvimento do feto ou do bebê.
O consumo exagerado pode causar sintomas como taquicardia, náusea, dor de cabeça e problemas gastrointestinais.

Mas segundo profissionais de sa√ļde, n√£o ultrapassando 4 x√≠caras por dia n√£o h√° problema. Mesmo porque uma x√≠cara de caf√© expresso deve conter bem mais cafe√≠na q 4 x√≠caras de ch√°. E um pouco de cafe√≠na tamb√©m faz bem, tanto para evitar c√Ęncer quanto at√© mesmo para prevenir o Alzheimer.

Diferenças entre os chás verde, branco e preto

Todos vêm da mesma planta, o que muda é a forma de processamento das folhas após a colheita.

O chá verde tem as folhas aquecidas e secas, resultando na inativação de alguns componentes oxidativos e outras enzimas. Este processo permite a preservação da atividade dos polifenóis.

O ch√° preto tem as folhas maceradas e passam por um processo de fermenta√ß√£o, gerando subst√Ęncias como as teoflavinas que d√£o a cor vermelha ou alaranjada e o sabor caracter√≠stico do ch√° preto.

O chá branco é elaborado a partir do broto da Camellia sinensis e não passa por esse processo de aquecimento, assegurando uma concentração maior dos princípios ativos.

O ch√° Oolong tamb√©m deriva da mesma planta, mas seus benef√≠cios s√£o menos evidentes. √Č feito apenas da parte tenra das folhas e passa por um processo r√°pido de fermenta√ß√£o. Este √© o que mant√©m maiores concentra√ß√Ķes das ben√©ficas catequinas

Como preparar o ch√°

A receita para o chá não foi aprimorada em laboratório, mas é a receita tradicional que os asiáticos em geral usam e provavelmente a que foi usada pelas pessoas entrevistadas nos estudos que mostraram resultados.

  • Esquente a √°gua at√© que quase ferva e sem as folhas (um ch√° √© uma infus√£o, n√£o um cozimento de folhas)
  • Coloque 2,5 gramas de folhas em 250 mL de √°gua quente (uma colher de sopa rasa por x√≠cara)
  • Deixe tampado por 5 min.

Cada 2,5g em 250 mL de √°gua cont√©m de 620 a 880 mg de subst√Ęncias dissolvidas, sendo 1/3 de catequinas e 3 a 6% de cafe√≠na
Como j√° foi dito, o tipo de ch√° e varia√ß√Ķes na prepara√ß√£o das folhas podem variar as caracter√≠sticas do ch√°.

Gostou desse texto? Siga-me no twitter @Rafael_RNAm e clique aqui para assinar nosso Feed/RSS e receber conte√ļdo novo em primeira m√£o!
Yang, C., Wang, X., Lu, G., & Picinich, S. (2009). Cancer prevention by tea: animal studies, molecular mechanisms and human relevance Nature Reviews Cancer, 9 (6), 429-439 DOI: 10.1038/nrc2641

Ch√° verde: o frio pede, os pesquisadores recomendam


Dica para o inverno que se aproxima: um chá verde bem quentinho todo dia. Afinal, o friozinho pede e os pesquisadores recomendam. Vários estudos sérios vem sendo feitos para testar o que os orientais por muito tempo se gabam de saber.
Por exemplo, parece que o ch√° verde reduz mortalidade por doen√ßas cardiovasculares; pode reduzir problemas cognitivos; e a subst√Ęncia EGCG presente no ch√° diminui o crescimento de c√©lulas de alguns tumores. Recentemente descobriu-se que este EGCG atrapalha a forma√ß√£o de estruturas que causam Parkinson e Alzheimer.
Tudo isto √© muito preliminar, por isso nada de trocar a consulta m√©dica e o rem√©dio por uma cerim√īnia do ch√°.
Mas tentem fazer isto um dia. Quando estiver bem frio, chegue em casa, tire a roupa do trabalho, fa√ßa um ch√° verde do jeito que deve ser feito (esquente a √°gua at√° QUASE ferver; acrescente as folhas,n√£o esse de saquinho que de ch√° n√£o tem nada, deixando por 5 minutos; coe e sirva). N√£o ponha a√ß√ļcar ou ado√ßante pelo amor de deus! Sinta o calor e o amargor revigorantes. Assim, mesmo se o tal do EGCG n√£o tiver efeito nenhum, pelo menos o efeito placebo desse ritual o far√° bem melhor.

Vi na Nature Structural & Molecular Biology

Doze dicas científicas para potencializar seu cérebro


da revista Wired

√Č isso a√≠, nada de vitaminas ou medita√ß√£o transcendental. Aqui v√£o dicas cientificamente comprovadas para dar uma melhorada no que temos de melhor (ou pior): nossa mente!

A revista Wired está de parabéns. Muito bacana este especial, que só foi traduzido e/ou adaptado por mim. O mérito é da revista, qualquer coisa a culpa é dela. E se ela pegar no meu pé, meus advogados estão a postos.

1- Mitos sobre inteligência:

Рjogar Brain Age: este vídeo game promete aumentar as capacidades cognitivas de seus jogadores. Pena que nunca foi provado. A melhora do desempenho no jogo não necessariamente indica melhora fora dele.

– palavras-cruzadas: dizem que aumentam a capacidade de mem√≥ria e retardam o envelhecimento do c√©rebro, estimulando novos neur√īnios. Nenhum dado que confirme isto. Existem ind√≠cios de correla√ß√£o, n√£o de causa: ou seja, quem faz palavra-cruzada ou tem um trabalho que exija mais da mente, j√° tem uma maior capacidade cerebral, que a atrai a fazer este tipo de atividade. Qual a palavra de quatro letras que significa ‚Äúcren√ßa no senso comum, sem provas‚ÄĚ? Quem disse ‚Äúmito‚ÄĚ, acertou.

– Comer peixe: ora, nossos amigos do mar t√™m muito Omega 3, que √© importante para o desenvolvimento cerebral de embri√Ķes, e alguns estudos ligam a dieta rica em peixe a um menor risco de degenera√ß√£o mental com a idade. Mas estes estudos se baseiam na boa mem√≥ria das pessoas, para lembrarem o que comeram. Coisa n√£o muito confi√°vel. Em camundongos, dieta com Omega 3 n√£o teve efeito nenhum na cogni√ß√£o. Outra coisa, peixes de √°gua fria, que s√£o os mais ricos em Omega 3, tamb√©m t√™m taxas elevadas de duas neurotoxinas.

– Mascar chicletes: J√° foram mandados nas ra√ß√Ķes de soldados da Primeira Guerra Mundial. Pensava-se que o ato de mascar aumentaria o fluxo de sangue no c√≥rtex motor e tamb√©m poderia enganar o c√©rebro ao deix√°-lo pronto para receber comida. Isto aumentaria produ√ß√£o de insulina, elevando os n√≠veis de glicose cerebal ‚Äď melhorando o racioc√≠nio. Pena que um estudo feito em 2004 descobriu que mascadores de chiclete s√£o menos atentos que um grupo controle sem chiclete. √Č, parece que meus professores na escola estavam certos: sem chiclete na sala de aula.

– Ouvir m√ļsica: A m√ļsica pode expandir a sua mente, mas pode ela tamb√©m expandir a capacidade cerebral? Algumas empresas at√© vendem CDs prometendo melhorar esta capacidade; n√£o com m√ļsicas, mas sons com diferentes freq√ľ√™ncias em cada ouvido. Esses tons se misturariam no c√©rebro e dispararia padr√Ķes neurais, alterando ondas cerebrais que alterariam o estado da mente. Id√©ia interessante, mas menos prov√°vel que tirar pensamentos elevados de um show do Babado Novo. Uma pesquisa recente submeteu pessoas a essas freq√ľ√™ncias, e o padr√£o do eletroencefalograma n√£o mudou nada. Pior, as pessoas ficaram depressivas e esquecidas. Ora, para ter estes efeitos √© s√≥ ouvir Celine Dion.

РSuplementos: O mercado está cheio de produtos que prometem melhorar a inteligência. Melhorar o suficiente para checar as bases científicas dessas promessas? Os vendedores de pílulas esperam que não. Aqui alguns exemplos:

Complexo B ‚Äď Ajuda contra Alzheimer, mas n√£o vai ajudar a resolver seu sudoku

Ginkgo Biloba ‚Äď pode ajudar na velhice, mas at√© l√°, n√£o ser√° muito √ļtil

Ginseng ‚Äď pode regular a glicose, a qual se relaciona com cogni√ß√£o, mas ainda n√£o h√° prova

Gotu Kola ‚Äď Reduz ansiedade em ratos, mas em humanos a √ļnica coisa ‚Äúinteligente‚ÄĚ √© o marketing em cima disto

Huperzina A ‚Äď um estudo mostrou melhora na sa√ļde de adultos, mas faltam estudos adicionais

2- Distraia-se: precisa memorizar algo importante? Olhe atr√°s de voc√™!(Brincadeira.) O truque √© esse mesmo, se distrair estudando coisas um pouco diferentes do que voc√™ est√° tentando aprender. Seu c√©rebro vai trabalhar mais para gravar a informa√ß√£o original. Exemplo: Em 2007 pesquisadores pediram para estudantes memorizarem pares de palavras (pa√≠s: R√ļssia, fruta: lim√£o, etc). Depois alguns tinham que assistir a uma apresenta√ß√£o de slides com material relacionado, mas n√£o id√™ntico (fruta: ma√ß√£). Adivinhe? Os alunos que assistiram √† distra√ß√£o foram melhor em lembrar as palavras do teste. Ei, o que √© aquilo no c√©u, um p√°ssaro ou um avi√£o?

3- Cafe√≠na, com modera√ß√£o: Caf√©, erva mate, Red Bull, h√° sempre uma bebida com cafe√≠na para cada popula√ß√£o. E n√£o √© pra menos: cafe√≠na revigora o corpo e afia a mente. Estudos sugerem a melhor forma de se usar esta subst√Ęncia. Melhor que tomar uma dose cavalar no caf√© da manh√£ seria tomar espa√ßadamente pelo dia. Durante o dia sua cabe√ßa se enche de adenosina, uma subst√Ęncia que causa fadiga mental. A cafe√≠na bloqueia os receptores de adenosina, cortando a moleza. Para maximizar a aten√ß√£o e minimizar a euforia, o melhor √© manter os receptores com pequenas mas freq√ľentes doses, como uma caneca de ch√° ou meio cafezinho, ao inv√©s de uma bomba s√≥ pela manh√£. Para melhorar, adoce com a√ß√ļcar ou coma junto um lanchinho com carboidrato, pois parece que glicose e cafe√≠na juntas aumentam a cogni√ß√£o melhor que cada uma separadamente. Algu√©m aceita um biscoitinho?

4- Pense positivo: Aprender coisas novas melhora seu c√©rebro, especialmente quando voc√™ acredita que pode aprender coisas novas. √Č um circulo virtuoso: quando voc√™ acha que est√° ficando mais esperto voc√™ estuda mais, fazendo novas conex√Ķes neurais, as quais deixam voc√™ mais… inteligente! Segundo estudos da Universidade de Stanford, volunt√°rios mais persistentes (que persistem na tarefa apesar de obst√°culos) possuem uma maior plasticidade neural, ou seja, se adaptam melhor a situa√ß√Ķes diversas, e mostram melhor desempenho cognitivo que os volunt√°rios de atitude mais fixa (defensivos ou que desistem mais r√°pido). ‚ÄúMuitas pessoas pensam que t√™m um n√≠vel de intelig√™ncia fixo e pronto,‚ÄĚ diz Carol Dweck que conduziu o estudo. ‚ÄúA cura para isso √© mudar de atitude.‚ÄĚ

5- Use a droga certa: Nem toda droga usada para melhora de desempenho frita neur√īnios. Aqui voc√™ vai achar uma lista com drogas, seus efeitos esperados e efeitos colaterais poss√≠veis. Como ningu√©m aqui √© m√©dico, voc√™ s√≥ pode estar alucinando se estiver pensando em usar estas coisas apenas se baseando neste artigo.

6- Como treinar seu Q.I.: Procurando emprego? √Č bom ir se preparando para um teste de Q.I., pois muitas empresas hoje em dia pedem este tipo de exame. E, sim, voc√™ pode treinar para melhorar sua pontua√ß√£o. Aqui, voc√™ acha dicas de Philip Carter, autor do livro ‚ÄúIQ and Psychometric Test Workbook‚ÄĚ, com alguns exemplos de quest√Ķes.

7- Conheça seu cérebro: Sócrates o relacionava a uma tábua de cera. Descartes pensou ser hidráulico. Hoje em dia é visto como um supercomputador. Boas tentativas. O cérebro é uma das estruturas mais complexas do planeta, o que o faz quase impossível de se compreender, e muito menos ser descrito com uma metáfora. Aqui e aqui vão alguns mapas para melhor compreensão deste órgão.

8- N√£o entre em p√Ęnico: Se estiver fugindo de um urso, √© bom estar estressado ‚Äď voc√™ vai correr mais r√°pido. Se estiver no Show do Milh√£o, a mesma ansiedade vai fazer voc√™ se enrolar todo. Um pouco de nervosismo pode melhorar sua performance cognitiva, mas per√≠odos de estresse intenso podem nos transformar em neandertais. A am√≠dala (a do c√©rebro, pois as da garganta s√≥ servem para infeccionar), √© o nosso centro que controla o medo, e sempre supera o c√≥rtex pr√©-frontal, o qual √© respons√°vel pela mem√≥ria de trabalho e tomada de decis√£o. Quando essa √°rea profunda de nosso c√©rebro (am√≠dala) √© ativada, ela subjuga seus neur√īnios do c√≥rtex. Seu QI cai. Sua criatividade, senso de humor ‚Äď tudo desaparece. Voc√™ fica est√ļpido. Como evitar isto? Respire fundo, e sincronize seu pulso com sua respira√ß√£o. Assim seu c√©rebro vai pensar que est√° tudo mais calmo. Yoga ou uma soneca podem resolver tamb√©m.

9- Adote o caos para ordenar sua mem√≥ria: Uma maneira de aprender melhor √©… bagun√ßar tudo! Esse √© o conselho de Robert Bjork, professor de psicologia da universidade da Calif√≥rnia, que estudo mem√≥ria e aprendizado. Volunt√°rios em seus experimentos mostraram melhor capacidade de recordar informa√ß√£o quando aprendida de maneira embaralhada. Por exemplo, ele pediu que indiv√≠duos em um grupo memorizassem sequencias de cinco letras num teclado de computador. Primeiro eles decoravam uma sequencia, s√≥ ent√£o mudavam para a segunda e em seguida para a terceira. Eles foram comparados com um segundo grupo, que decorou os conjuntos de cinco letras em ordem aleat√≥ria. Quando foram testados, o grupo da ordem aleat√≥ria teve melhor desempenho.

10- Seja visual: quer impressionar seus colegas localizando Guin√© e Guin√© Equatorial? Memorizar o mapa da √Āfrica √© mais f√°cil do que voc√™ pensa. As dicas s√£o: separe o continente por regi√Ķes; ligue cada pa√≠s e seu formato a outra figura de formato parecido, de prefer√™ncia que tamb√©m se relacione ao nome do pa√≠s; relacione as figuras dos pa√≠ses vizinhos, montando uma historinha, e assim por diante. Agora, achar uma hist√≥ria para Azerbaij√£o e Uzbequist√£o, isso fica por sua conta.

11- Exercite-se sabiamente: Exercício físico pode fazer você pensar melhor? Em alguns casos, sim. Aqui está o que realmente funciona.

РTreino aeróbico: SIM. Estudos mostram aumento de massa cinzenta e branca em cérebros de adultos mais velhos. Também aumenta a performance de alunos de faculdade em testes cognitivos.

РLevantar pesos: IRRELEVANTE. Quando um halterofilista diz q está ficando imenso, pode ter certeza que não está falando do hipocampo. Foi achada uma ligação mínima entre treinos de resistência e função cognitiva.

РYoga: SIM. Quando estamos estressados muitas vezes prendemos a respiração. Resultado: mais estresse, menos oxigênio para o cérebro. Assim a primeira coisa que se perde é a memória. A Yoga ajuda a perder este hábito.

– Estudar na esteira: IRRELEVANTE. Aulas de spinning podem aumentar seu ‚Äúm√ļsculo‚ÄĚ cerebral, mas n√£o significa que voc√™ deva estudar enquanto estiver bufando e suando na esteira. Pesquisas mostram que isso s√≥ ir√° confundi-lo. Voc√™ acaba n√£o fazendo bem nem uma coisa, nem outra.

12- V√° devagar: voc√™ deve levar dois segundos e meio para ler esta frase. Mais r√°pido que isto e voc√™ n√£o absorver√° seu significado. A resposta motora da retina, e o tempo que a imagem da palavra leva para viajar da m√°cula para o t√°lamo e para o c√≥rtex visual, onde √© processado, limita o olho a 500 palavras por minuto, no m√°ximo. A m√©dia l√™ metade disto. ‚ÄúN√£o existe esse tipo de leitura din√Ęmica,‚ÄĚ √© o que diz Keith Rayner, psic√≥logo cognitivo da universidade de Massachusetts-Amherst. ‚ÄúN√£o existe se a nossa defini√ß√£o de leitura for compreens√£o do texto.‚ÄĚ Estudos mostram que leitores r√°pidos perdem para leitores lentos quando questionados sobre o texto.

Bebida diminui produção de pesquisadores

√Č do pa√≠s mais beberr√£o do mundo que vem este estudo bomb√°stico: o consumo de bebida alco√≥lica dos pesquisadores est√° relacionado com a quantidade e qualidade da sua produ√ß√£o cient√≠fica. Quanto mais doses um pesquisador bebe por semana, menor ser√° sua produ√ß√£o.

Este estudo foi realizado na Rep√ļblica Tcheca talvez n√£o por coincid√™ncia, afinal este √© o pa√≠s com maior consumo de cerveja do mundo. S√£o 156,9 litros de cerveja por pessoa num ano.

Claro que n√£o devemos ser alarmistas. O estudo √© pequeno, foi realizado somente em um pa√≠s, com pesquisadores de apenas um tema (evolu√ß√£o, ecologia e comportamento de aves). Mas ao comparar pesquisadores de diferentes regi√Ķes da Republica Tcheca, a famosa Bohemia, mais beberrona (200 litros por pessoa no ano), e a Moravia, mais moderada (35 litros), houve diferen√ßa significativa na produ√ß√£o destes pesquisadores.

Em estudos com estas abordagens sempre temos que ter cautela na interpreta√ß√£o. A bebida tem diferentes significados em cada cultura. Tamb√©m o consumo √© realizado de diferentes maneiras, pode ser um ato social ou solit√°rio, pode ser bem ou mal visto pela sociedade. Assim tamb√©m a ci√™ncia √© realizada de maneiras diferentes. N√£o nos seus m√©todos (que se forem diferentes deixam de ser ci√™ncia), mas na sua din√Ęmica, financiamento, organiza√ß√£o hier√°rquica, rela√ß√£o inter-pares, etc.

A quantidade e qualidade da produção científica são as principais medidas de sucesso de um pesquisador. Disso vai depender o status e o emprego do cientista. Saber que esses fatores sociais, comportamentais e psicológicos estão diretamente relacionados à sua produção é importante. E quem não é pesquisador precisa ter isto em mente também. Saber que a ciência é uma atividade humana como tantas outras, e está sempre sendo influenciada por esses fatores.

Tomas Grim – “A possible role of social activity to explain differences in publication output among ecologists” – Oikos, 2008

Aqui vai um brinde pra quem n√£o liga pra esse tipo de pesquisa:

Cuidado com o que você bebe nas festas de fim de ano

Vários são os problemas associados à bebida, e todos nós conhecemos muitos destes efeitos. Mas sempre podemos nos surpreender.
Veja esta imagem vinculada no site do “British Medical Journal”:

Sim, isto √© uma tampinha de cerveja no es√īfago do cidad√£o, que ao comemorar a vit√≥ria de seu time, tomou cerveja na ta√ßa da vit√≥ria e acabou tendo uma desagrad√°vel surpresa.

Parece que a espumante seria a opção mais segura nestas festas de fim de ano, pela dimensão da rolha que impediria a ingestão. Mas cuidado com aquele arame de segurança que envolve essas rolhas.
Talvez a melhor opção seja realmente não passar muito do ponto.

Boas Festas