Texto escrito por Cyntia Almeida, Gian Carlo Guadagnin e Gildo Girotto Júnior

Imaginem que vocês, em futuro próximo, sentados em um restaurante (ou indo às compras em um mercado), sejam informados “Este restaurante conta com um sistema de sanitização ambiente por meio de substâncias que eliminam vírus e bactérias”, ou ainda, “este ambiente conta com um sistema de sanitização por meio de radiação ultravioleta”. Pois é. Este procedimento já tem ocorrido em alguns locais.

Após o período em isolamento social, a maior parte dos estados brasileiros e muitos países do mundo seguem para a abertura do comércio. Mais do que isso, começam a traçar planos de retorno das atividades com a flexibilização do isolamento. O estado de São Paulo, por exemplo, propôs um plano de retorno do setor educacional, o qual envolve a ocupação gradual das instituições de ensino. Para além disso, outros espaços como o transporte coletivo, bares, restaurantes e demais estabelecimentos, num futuro próximo e ainda na presença do coronavírus, começarão a ser novamente ocupados. A preocupação que nos aflige é, portanto, como se preparar para evitar uma nova onda de disseminação do coronavírus?

Nos diferentes projetos de retorno, muito se fala sobre ações que visam evitar a propagação do vírus. Isto levando-se em conta desde aquelas mais comuns, como lavar frequentemente as mãos, manter o uso do álcool gel e da máscara, até outras ainda pouco comentadas como a sanitização dos ambientes. Sobre este último ponto é que buscamos trabalhar algumas ideias neste texto. Trazemos, principalmente, esclarecimentos sobre como se dá este processo e quais procedimentos têm sido propostos e estudados para sua realização.

Contextualizando um pouco 

No mês abril deste ano, um estudo realizado por pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Guangzhou, China, foi publicado. O objetivo foi estudar as possíveis causas da contaminação, por COVID-19, de 10 pessoas provenientes de 3 famílias distintas. Estas pessoas estavam presentes em um mesmo ambiente mas que se encontravam distantes umas das outras1. Levantou-se então a questão de que a circulação do ar (direcionada pelo aparelho de ar condicionado) teria propagado o vírus ou que os filtros de ar do aparelho pudessem estar servindo para o acúmulo do mesmo. 

Os dados do estudo apontaram que a proximidade relativa das famílias durante o almoço e o forte fluxo de ar no ambiente, foram o fator crucial para a propagação do vírus a partir do paciente inicial, que na época não sabia estar contaminado. Isso ocorreu devido ao fato de as gotículas de saliva do primeiro doente terem sido levadas pelo fluxo de ar, a uma distância maior do que a esperada. A figura abaixo ilustra a contaminação ocorrida sendo A1 o sujeito inicialmente infectado. As datas indicam para a descoberta da contaminação dos demais sujeitos presentes no local.

Ou seja, não apenas o maior distanciamento mostra-se necessário como é perceptível que partículas do vírus podem se deslocar. Isso devido ao fluxo de ar, se espalhando por uma grande área do ambiente. Este e outros estudos levantam questões sobre medidas que se tornarão necessárias, quando os estabelecimentos públicos voltarem a funcionar. Além disso, traz indagações referentes aos novos protocolos de limpeza e desinfecção. Quais produtos utilizar? Os processos realmente isentam o ambiente do vírus?  Seria possível realizar a sanitização em ambientes com a presença de pessoas? Trazemos aqui algumas considerações em relação ao processo de sanitização de ambientes.

O processo de sanitização

Antes mesmo da publicação do estudo citado, algumas cidades haviam adotado o uso da desinfecção ou da limpeza das ruas. O intuito era combater a contaminação dos indivíduos que por ali transitavam. Tal ação deve ser promovida apenas em lugares com maior fluxo de pessoas. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), ao realizar esse processo em lugares com poucas chances de contágio, corre-se o risco de fortalecer o vírus, tornando-o imune aos saneantes usados2. Nesse cenário, um primeiro ponto a se compreender é a diferença entre limpeza e desinfecção. 

Segundo Nota Técnica2 da ANVISA, LIMPEZA é a remoção de microrganismos, sujeiras e impurezas das superfícies sem, no entanto, ter por objetivo a degradação dos microrganismos. É, portanto, uma remoção física que diminui o risco de propagação de infecções e doenças. Já o processo de DESINFECÇÃO utiliza substâncias capazes de matar microrganismos presentes nas diferentes superfícies. Esse processo não limpa necessariamente superfícies sujas ou remove fisicamente os microrganismos. Mas, ao degradá-los em uma superfície antes ou após a limpeza, pode reduzir ainda mais o risco de propagação de infecções (o uso do álcool gel por exemplo, desinfeta uma superfície). 

Na desinfecção, como visto, uma substância é responsável por degradar o organismo causador ou transmissor da doença ou infecção. No caso de bactérias, a degradação ocorre quando a membrana exterior da célula do organismo é quebrada e seu material genético e constituinte se dispersa, impedindo-o de funcionar. É como se tivéssemos a cabeça ou o coração arrancados. No caso dos vírus, a desinfecção tende a romper a camada de proteínas e/ou gorduras que constituem sua parte externa.

Em todos esses casos, a substância desinfetante interage com uma estrutura molecular rompendo ligações que manteria a estrutura do micro-organismo. A limpeza posterior retira “os restos mortais” que sobraram do processo. Recentemente (mas não muito), outros processos, sem o uso de substâncias, têm sido testados. É o caso da utilização de radiação ultravioleta (UV)3. A ideia neste caso é que a radiação UV, por carregar grande quantidade de energia, possa interagir com micro-organismos fazendo com que as ligações químicas que compõem as suas moléculas sejam degradadas. Uma analogia que pode ser feita é a ação do sol em nossa pele. A radiação solar é composta por diferentes ondas, dentre elas o UV, principal responsável por “queimar” a pele. A ideia é semelhante, só que o procedimento consiste em utilizar aparelhos que emitam apenas este tipo de radiação diretamente aplicado a superfícies.

Mas então, onde aplicar e que substâncias ou métodos utilizar?

Bom, antes é preciso saber o que vamos desinfectar, se existem pessoas ou animais no local, se o local é grande ou pequeno, qual seu uso e o que queremos eliminar. Nem todas as substâncias destroem vírus e também bactérias, vide os medicamentos, que em geral são específicos: antiviral ou antibiótico.

Para o coronavírus, em especial, o Ministério da Saúde (MS) recomenda, para desinfecção de superfícies, o uso dos produtos autorizados pela Anvisa, como o quaternário de amônia (NR4+, onde R é uma cadeia de carbonos e hidrogênios); alvejantes contendo hipoclorito (de sódio ou cálcio); peróxido de hidrogênio e ácido peracético4. O Quaternário de amônio é o que chamamos de cátion, isto é, uma substância com carga, neste caso positiva pela deficiência em elétrons. Por ser positiva, essa substância é atraída por espécies negativas sendo reativa e atuando na oxidação da matéria com a qual está em contato, quebrando as moléculas da camada protéica do vírus, ou então rompendo as ligações da membrana da bactéria.

Entretanto, segundo a ANVISA, quaternários de amônio podem causar irritação na pele e nas vias respiratórias e pessoas expostas podem desenvolver reações alérgicas, afinal, o cátion “ataca” a matéria sem muita distinção, podendo, portanto reagir com componentes da nossa pele.

As outras recomendações para superfícies, e que funcionam quimicamente de forma semelhante, são o próprio hipoclorito de sódio (comum na desinfecção de alimentos), o peróxido de hidrogênio (comercializado em solução na forma de água oxigenada) e o ozônio ( utilizado no tratamento de água em piscinas). Para estes, é importante observar sua periculosidade uma vez que são fortemente irritantes e podem causar lesões severas.

Seria possível sanitizar um ambiente com pessoas presentes? 

Mesmo com o conhecimento dos riscos de irritação e a possibilidade de envenenamento, muitos estabelecimentos e até mesmo alguns estados brasileiros estão utilizando a técnica de sanitização de pessoas, como afirma reportagem de junho deste ano5. O ato ocorre por meio de uma cabine que pulveriza desinfetante por sujeitos que passam por ela sendo a estrutura batizada com o nome de “cabine de desinfecção”. Nestas cabines são utilizadas algumas das substâncias mencionadas anteriormente, como o hipoclorito de sódio, o quaternário de amônio, e outros sanitizantes que já citamos em nosso texto.

Uma revisão especializada da ANVISA com bases internacionais não encontrou recomendações ou exemplos sobre a possível eficácia de desinfecção de pessoas com uso de câmaras, cabines e túneis.  Essa revisão incluiu informações de fontes como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Agência de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos (FDA), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças/EUA (CDC) e a Agência Europeia de Substâncias Químicas (ECHA)5

A Anvisa ainda recomenda que se escolhido o procedimento de desinfecção, o mesmo não seja realizado com pessoas presentes. Isto porque os saneantes recomendados apresentam características que podem causar, além das irritações e lesões citadas, intoxicação e problemas respiratórios quando inalados. Portanto, a realização da desinfecção de um ambiente com indivíduos presentes (ou à  desinfecção direta de indivíduos) NÃO é recomendada.  No caso da radiação UV, a mesma recomendação pode ser feita, uma vez que ao direcionarmos uma fonte de radiação de alta energia a uma pessoa, danos a estrutura celular de sua pele podem ser gerados.

Por fim, quanto tempo o ambiente sanitizado fica isento de microorganismos?

De modo geral, não existem estudos conclusivos sobre a sanitização de ambientes e espaços uma vez que há diferentes variáveis. O ar, a movimentação e dispersão de organismos, vírus e partículas em áreas abertas e espaços com grande movimentação de pessoas (como restaurantes, hospitais, escolas, lojas e academias ou no transporte público) são conjuntos complexos e amplos de estudo, com muitas variáveis e, por isso, dependem de tempo para respostas mais completas. O novo coronavírus ainda é recente e não o compreendemos totalmente. As recomendações para a diminuição da contaminação e do contágio são, grandemente, as medidas para outros vírus já conhecidos como os que causam a SARS ou a MERS e a família influenza.

Assim, além da sanitização e limpeza de ambientes, teremos que usar máscaras e fazer os diversos protocolos de distanciamento por um bom tempo, pelo menos até novas e mais acalentadoras informações sejam apresentadas. Vale lembrar que ações de sanitização são maneiras a mais de minimizar a contaminação. Isto é, não eliminam os cuidados pessoais diários e a higienização de mãos e roupas sempre que possível. Até o momento, o álcool 70% e a boa e velha água e sabão são as formas mais eficazes e menos agressivas à saúde que conhecemos de fato.

Para saber mais

1. Jianyun Lu, Jieni Gu, Kuibiao Li, Conghui Xu, Wenzhe Su, Zhisheng Lai, Deqian Zhou, Chao Yu, Bin Xu, and Zhicong Yang. COVID-19 Outbreak Associated with Air Conditioning in Restaurant, Guangzhou, China, 2020. Emerging Infectious Diseases, Volume 26, Number 7—July 2020.

2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Nota técnica No 34/2020/SEI/COSAN/GHCOS/DIRE3/ANVISA.

3. USP. Equipamentos desenvolvidos no IFSC/USP descontaminam superfícies. Assessoria de Comunicação IFSC/USP.

4. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Nota Técnica

5. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.  Nota técnica No 34/2020/SEI/COSAN/GHCOS/DIRE3/ANVISA.

Os Autores

Gildo Girotto Junior é Licenciado em Química (UNESP), Doutor em Ensino de Química (USP) e atualmente é professor e pesquisador no Instituto de Química da Unicamp

Gian Carlo Guadagnin é estudante de graduação em Licenciatura em História (UNICAMP)

Cyntia Almeida é estudante de graduação em Licenciatura em Química (UNICAMP)

Este texto foi escrito com exclusividade para o Blog Especial Covid-19

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores, produzidos a partir de seus campos de pesquisa científica e atuação profissional e foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Não, necessariamente, representam a visão da Unicamp. Essas opiniões não substituem conselhos médicos.


2 comentários

Mariana Ciol · 9 de julho de 2020 às 12:16

Muito legal! Achei bastante informativo e ao mesmo tempo de fácil compreensão. Parabéns pelo trabalho! Informação correta nesses tempos é uma das coisas mais necessárias.

Davi · 3 de agosto de 2020 às 07:33

Ola!
E quanto a cabine de antissepsia Asepsis Machine?
Parece que recebeu um laudo do Instituto de Biologia da Unicamp que fala em 99.99%

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *