Texto escrito por Ana Arnt e Maurílio Bonora Junior

A vacina CoronaVac foi aprovada pela Anvisa, para crianças entre 3 e 5 anos, finalmente! As próximas etapas são de compra e distribuição de vacinas em quantidade suficiente para todo o território nacional.

Há algumas regiões que possuem estoque desta vacina e já estão liberadas para iniciar a vacinação desta faixa etária. É o caso de Fortaleza (CE), São Luís (MA), Belém (PA), Boa Vista (RR), Manaus (AM), Salvador (BA) e o Distrito Federal.

Mas, essa vacina é segura mesmo?

Junto com a notícia sobre a vacinação infantil, vemos crescer, novamente, discursos antivacina e novos receios surgindo sobre a segurança da vacina para as crianças. Nós entendemos, claro, o quanto estas idas e vindas de informações podem gerar confusão e medo nas pessoas que são responsáveis pelas crianças. Assim, antes de seguir o texto, já adiantamos que SIM, a vacina é segura para crianças de 3 a 5 anos!

Mas é preciso mais do que segurança para uma vacina ser boa, não é mesmo? Assim, achamos importante retomar estudos que falem sobre como é fundamental que este público seja protegido o mais rápido possível, para seguirmos no combate à Covid-19!

E a resposta imune?

O mesmo estudo chinês que fala sobre segurança da vacina nesta faixa etária, também apontou estímulo do sistema imune para a defesa contra o SARS-CoV-2. Todavia, há estudos mais recentes, como o chileno, que foi publicado este ano, sobre a vacina CoronaVac, para crianças de 3 a 5 anos, em relação à variante Omicron.

O estudo foi feito com um pouco mais do que 490 mil crianças, sendo que cerca de 189 mil não se vacinaram durante a pesquisa e 194 mil se vacinaram com 2 doses de CoronaVac, com um intervalo de 28 dias entre primeira e segunda doses.

Os resultados encontrados foram de 38,2% de proteção contra COVID-19 sintomática, 64,6% de proteção contra hospitalização e 69% de proteção contra internação na UTI. 

O que isto quer dizer?

Estes números às vezes nos deixam confusos, né? O que estas porcentagens querem dizer?

Já falamos disso em um texto antigo nosso, mas retomaremos o exemplo aqui

texto: “A fórmula para se calcular a eficiência de uma vacina é a seguinte: Eficiência= 1 - VP vp Sendo que: V = Número total de pessoas que foram vacinadas P: Número total de pessoas que receberam o placebo v: Número de pessoas vacinadas que foram infectadas (ou algum outro efeito que esteja pesquisando) p: Número de pessoas que receberam o placebo que foram infectadas Entretanto, quando o número total de vacinados e que receberam o placebo são muito parecidos, podemos desconsiderar essa parte da fórmula, ficando da seguinte forma: Eficiência=1-vp Vamos ver um exemplo, para ficar mais claro: Suponha que 50.000 pessoas serão testadas, 25.000 com a vacina e 25.000 com o placebo. Desses 50.000, 100 se contaminaram com o patógeno em um período de 6 meses. Analisando essas 100 pessoas que se infectaram, descobriu-se que 97 delas estavam no grupo que não se vacinou e somente 3 no grupo vacinado. Como o número de vacinados e que receberam placebo é parecido, podemos usar a fórmula simplificada. Fazendo uma divisão simples: Eficiência=1-397=~97% descobre-se então que a vacina tem uma eficácia de 97%.”

Agora, utilizando desses conhecimentos, podemos entender um pouco melhor os resultados do artigo chileno. Quando vimos que a CoronaVac, em crianças, gera uma proteção de 38,2% contra a forma sintomática da COVID-19, o que isso quer realmente dizer é que as crianças têm uma PROBABILIDADE de (quase) 40% de não ter sintomas da Covid-19, caso se contamine com o SARS-CoV-2.

Pode parecer pouco, mas nesse momento o mais importante é impedir que essas crianças desenvolvam a forma mais séria da doença, que tem causado muitas mortes dentro desse grupo.

E aí que os outros resultados se tornam tão importantes. Dizer que a CoronaVac gera 64,6% de proteção contra hospitalização e 69% de proteção contra internação na UTI, novamente, não quer dizer que de 100 crianças, exatamente 64 não serão hospitalizadas enquanto 36 com certeza precisarão de um hospital. Na verdade, esses valores nos dizem que, na média, a criança vacinada tem 64,6% a mais de probabilidade de não ser internada e, principalmente, 69% de chance de não precisar de uma UTI (que são os casos mais graves).

Óbvio que pode acontecer pequenos desvios dentro desses valores, por exemplo, podemos ficar sabendo de muitos casos, dentro do nosso círculo de conhecidos, de crianças que mesmo vacinadas tiveram sintomas de Covid-19 e precisam ir ao hospital. Mas é aí que precisamos lembrar que quando falamos de vacinação, não estamos olhando somente para as poucas dúzias de pessoas que conhecemos ou ouvimos falar, e sim de milhões de crianças, jovens, adultos e idosos. Assim, quando olhamos para o conjunto como um todo, podemos ver o poder das vacinas e a real proteção que elas geram em nós.

Considerações importantes sobre o estudo chileno

Este estudo se realizou na população, e isto quer dizer que não houve “placebo”. O que isto quer dizer? O conjunto de pessoas que toma placebo na fase experimental é exatamente aquele que chamamos de “grupo controle”. Isto é, o grupo que vai “tomar” algo (pode ser até mesmo água), para que consigamos comparar com o grupo que tomou a vacina.

Assim, neste caso, o grupo controle foi o “não vacinado”. E isso pode acontecer, mesmo sem passar de novo pelas fases 1 e 2 de pesquisa? Sim! Quando a vacina já está sendo aplicada na população – após todas as fases experimentais – que são as fases 1, 2 e 3 – nós seguimos analisando os dados da vacina na população.

Isto acontece, especialmente em casos como do SARS-CoV-2, que é um vírus que está com alta transmissão na população, com novas variantes circulando. Assim, também vamos comparando as nossas análises iniciais – das pesquisas realizadas nas fases 1, 2 e 3 – com as respostas posteriores. Esta continuidade de coleta de dados, em termos populacionais, chama-se de farmacovigilância.

Praticamente todos os medicamentos e vacinas utilizados no mundo possuem pesquisas de farmacovigilância por anos – até décadas – sendo realizadas.

Portanto, nada disso torna a vacina “experimental”. Ou seja, pesquisas de longa duração são fundamentais para compreendermos como as populações estão de saúde e como as interações com medicamentos e vacinas funcionam em um prazo longo (de décadas, no caso).

Finalizando

Apenas para lembrar o que sempre falamos sobre vacinas desde o início de nosso trabalho no Especial Covid-19: vacinas são um pacto coletivo. Dessa forma, essas vacinas são seguras e fundamentais para diminuirmos a infecção em crianças e controlarmos a transmissão do vírus na população!

Em suma, a pandemia não só não acabou, como segue com alta transmissão e um grande número de casos e óbitos em nosso país. É fundamental que consigamos proteger ainda mais as crianças e tornar nosso cotidiano mais saudável e seguro!

Para Saber Mais

BRASIL, Anvisa, Farmacovigilância.

G1 (2022) 6 capitais e o DF começam a vacinar crianças a partir de 3 anos contra a Covid nesta segunda, G1, 18/07/2022

Jara, A, Undurraga, EA, Zubizarreta, JR et al (2022) Effectiveness of CoronaVac in children 3–5 years of age during the SARS-CoV-2 Omicron outbreak in Chile Nat Med

Han, B, Song, Y, Li, C, Yang, W, Ma, Q, Jiang, Z, … & Gao, Q (2021) Safety, tolerability, and immunogenicity of an inactivated SARS-CoV-2 vaccine (CoronaVac) in healthy children and adolescents: a double-blind, randomised, controlled, phase 1/2 clinical trial The Lancet Infectious Diseases, 21(12), 1645-1653.

Fernandes, EG, López-Lopes, GIS, Silva, VO, Yamashiro, R, Madureira, KCR, Gallo, JF, … & Brigido, LFM (2021) Safety and immunogenicity of an inactivated SARS-CoV-2 vaccine (CoronaVac) in inadvertently vaccinated healthy children, Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 63.

OPAS (2005) A importância da Farmacovigilância 

Outros materiais

Cobertura Vacinal, retomadas, indivíduos e população

Reações adversas e vacinas: o que são e onde habitam 

Vacina de Pólio e a segurança dos protocolos de vacinações atuais 

Políticas públicas em saúde e vacinação de Covid-19

As 11 fake news sobre vacinas infantis que circularam antes e durante a consulta do ministério da saúde

Reações adversas, vacinação e desinformação 

Estudos preliminares, vacinas, políticas públicas e eventos cardiovasculares

Vacinação infantil contra Covid-19: desinformação, miocardite e outros alarmismos

Passaporte nacional de imunização e segurança sanitária  – Faz sentido isso? – Updated

Vacinação, transmissão e variantes: o que aprendemos nesse um ano

Fases das vacinas

E aqueles resultados das vacinas?

Parcerias:

Mellanie Fontes-Dutra: A vacina CoronaVac está APROVADA, COVID-19 E CRIANÇAS, Dados do Chile da CoronaVac em crianças de 3-5 anos,

Este texto é original e escrito com exclusividade para o Especial Covid-19

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores. Dessa forma, os textos foram produzidos a partir de campos de pesquisa científica e atuação profissional dos pesquisadores. Bem como, foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Assim, não, necessariamente, representam a visão da Unicamp e essas opiniões não substituem conselhos médicos.


0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content