arte por @clorofreela

Dia 11 de março a Organização Mundial da Saúde decretou que a COVID-19 tornou-se uma pandemia. Parece, hoje, distante o período em que escutávamos sobre uma doença que rapidamente se espalhou em uma cidade na China e tentávamos entender as ações de bloqueio e isolamento lá.

Também pareciam exageradas as ações ocorridas na Itália, em meio a um carnaval, com suspensão das festas e um fechamento de toda uma região do país. No Brasil, as atividades rotineiras se intensificavam na volta das férias e fim dos festejos – ainda que olhássemos para os números de doentes confirmados e buscássemos informações mais precisas. 

Hoje, 8 de agosto, temos 150 dias de pandemia decretada. Neste meio tempo, a palavra pandemia não é mais desconhecida de nosso vocabulário mais mundano.

Pandemia

Pandemia:

“disseminação MUNDIAL de uma doença ou surto com transmissão comunitária”

Não foi a primeira vez, neste milênio, que uma pandemia fora decretada. Em 2009 a OMS anunciou uma “pandemia moderada”: a H1N1. Essa pandemia ficou conhecida como “Gripe Suína”. No Século XX foi causadora da pandemia estudada nos nossos livros de história como “Gripe Espanhola”. 

A primeira pandemia foi registrada em 1580, iniciou-se na Ásia e espalhou-se em 6 meses. O Tifo (surgido no período das cruzadas) foi uma doença que de tempos em tempos têm suas marcas na história – mas não apresenta registro como pandemia. A Cólera teve 8 episódios pandêmicos registrados.

A palavra Pandemia vem do grego, quer dizer “de todo o povo”. É interessante pensarmos como algo com esse significado parece tornar uma mazela democrática.

Mas em se tratando de ciência, espantou-nos como em poucos dias alguns termos iam popularizando-se. Ficou comum, em março, falarmos em transmissão comunitária. Isto significa que pessoas que não tinham tido contato com pessoas estrangeiras já estavam transmitindo a doença.

Em pouco tempo outras palavras comuns ao meio científico da virologia começavam a se espalhar – mais lentamente que o vírus, mas ainda assim tomavam ares cotidianos. Também víamos a ascensão do debate sobre a prática do isolamento e distanciamento social sendo debatida e outros costumes tão fora da cultura brasileira – como o uso de máscaras – entrando na pauta do dia.

Por vezes parecia que a ciência teria seu momento e junto com a divulgação científica teriam o destaque que temos batalhado para ter. Não dizemos isso por uma ideia autocentrada e de autovalorização ou qualquer coisa que o valha (bem pelo contrário, na verdade). Mas por um trabalho de resistência de anos, construído no combate de fake news, de buscar a compreensão da ciência como ferramenta cotidiana de resolução de problemáticas mundanas.

Números do lado de cá do mundo

Casos totais por Estado, em escala linear, CC BY-SA 4.0, wcota/covid19br

Mas voltando a pauta da Covid-19, inicialmente em São Paulo, mas muito rapidamente em Manaus, tivemos o alastramento da doença. Enquanto acompanhávamos a Itália atingindo 827 mortes no dia, e um total de 13 mil contaminados confirmados em um país que assumiu o lockdown, o Brasil confirmava 69 pessoas. São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Distrito Federal eram os locais com registro.

No entanto, o primeiro lugar a enfrentar o colapso de hospitais foi Manaus. Em pouco tempo vimos imagens de covas coletivas ocupando noticiários na televisão e nas mídias sociais. Dia 24 de março era anunciada a primeira morte na capital de Amazonas, dia 8 de abril as reportagens de falta de leitos de U.T.I. anunciavam o colapso.

Na América do Sul, Equador foi o primeiro país a entrar nos noticiários sobre o colapso. Em 1º de abril já havia informações sobre corpos sendo recolhidos em casa e hospitais lotados. A Argentina agiu rapidamente com ações de isolamento social instituídas pelo governo federal e, até hoje, tem um dos menores números de morte da América do Sul.

Balanço geral

No mundo, o coronavírus chega a quase 19 milhões de infectados e ultrapassa 700 mil mortos. Deste total, quase 100 mil mortes são brasileiras. São 100 mil pessoas, familiares de alguém, com nomes, sobrenomes, profissões, relações sociais. 

Enquanto a doença parecia longínqua e estrangeira, o compadecimento com as imagens, talvez, parecesse maior. Atualmente vivemos um paradoxo entre o cansaço do isolamento social – aqueles ainda têm o privilégio de estar isolado e trabalhando em home office – e os riscos rotineiros de quem teve que abandonar a indicação mais segura de saúde que temos no momento, pois a escolha entre ter comida na mesa ou a possibilidade de contaminar-se não é, de fato, uma escolha.

Estamos completando 150 dias vivendo uma pandemia. A OMS também anunciou que a infodemia é um dos maiores agravantes da doença. Além disso, temos as fake news que vem assolando as possibilidades de alcançarmos a população de modo mais eficiente…

pandemia: e o Brasil?

Nestes 150 dias, já são 85 – mais da metade – com um Ministro da Saúde “provisório”. Tivemos episódios de apagão dos números oficiais. Temos uma avalanche de desinformação proveniente de instâncias oficiais. Protocolos que indicam medicamentos que cientificamente não são recomendados, planos de saúde que enviaram aos médicos “kits” anti-covid preventivos, com os mesmos medicamentos recomendados pelo governo – mas não pela Organização Mundial da Saúde. Fechamos o dia 07 de Agosto com 99.572 óbitos. Hoje, 8 de agosto, passaremos as 100 mil mortes, conforme a média diária que temos visto.

Óbitos no Brasil, em escala linear, até 07/08/20. CC BY-SA 4.0, wcota/covid19br

Há um quadro que temos visto ser debatido politicamente como Necropolítica. A morte normalizada e normatizada, quase triplicamos as mortes que nos assombravam na Itália – aquele país europeu, lembra? Pois é, soma cerca de 35 mil mortos.

As mortes tornaram-se parte de uma população, no Brasil, que não é mais proveniente das férias em países Europeus ou Norte Americanos. Em maio, foi noticiado um outro perfil de mortes em nosso país. Não mais a faixa etária, mas a classe social. Também há demarcação racial (40% pardos e pretos, frente à 26% de brancos). Entre mulheres grávidas, mais do que o dobro são de pretas, em relação às brancas na mesma condição.

Para além das comorbidades que vem sido estudadas cada vez mais, a PANDEMIA, aquela que é significada como “de todo o povo” e aparenta ser democrática no próprio nome, tem preferências cruéis. Definitivamente ter mais melanina em países como o Brasil, mais do que uma condição biológica e genética, demarca espaços sociais ocupados. A imensa maioria da população desassistida da condição de permanecer em casa em programas de home office são trabalhadores informais ou de baixa renda em que a negociação para condições humanas e de manutenção da saúde não são parte do cotidiano – mas a doença sim.

Por fim

Não há finalização amena de postagens em tempos de Covid-19, enquanto temos a centralidade das mortes causadas por descasos na condução das políticas públicas de saúde no país. Também é fundamental pensar o quanto se fala em retorno de atividades como aulas, quando há um evidente descontrole das transmissões no país – a marca de que temos pressionado pessoas e não instâncias e instituições – para mantermos a saúde dentro de todas as condições que temos o potencial de manter (mantendo pessoas, assim, a salvo!).

Por outro lado, mesmo sabendo que nem tudo são flores, há uma corrida pela vacina, há grupos de pesquisa desvendando mais e mais rotas de como este vírus nos contamina e se transmite. Bem como uma compreensão cada dia maior dos determinantes sociais da doença.

E de que serve tudo isto?

Compreender a doença, seus números e seus detalhes – dentro e fora do corpo, na sociedade, dentro das sociedades – é o que nos dá cada dia mais condições de vencê-la. 

Assim, temos trabalhado cotidianamente buscando divulgar o conhecimento produzido, em uma rede coletiva e mundial de pesquisadores. Se não buscamos soluções milagrosas, não é por não querermos divulgar algo positivo.

Em 150 dias de pandemia (e destes temos 139 dias de Especial Covid-19 aqui no Blogs de Ciência da Unicamp), reafirmamos que nosso trabalho segue empenhado diariamente em entender melhor a ciência embrenhada em entender tudo o que envolve o novo coronavírus e a Covid-19 e apresentar todo o conhecimento possível em nosso tempo para a todos.

Em 150 dias de pandemia, não há cansaço, não há fake news e desinformação – de acidez do limão, à cloroquina e hidroxicloroquina, chegando no uso de ozônio (calma que em breve teremos algo sobre isso!!!) – não há necropolítica, não há normalização de mortes que nos afaste disto que assumimos como compromisso com a divulgação científica e com a busca cotidiana de diálogos estabelecidos entre cientistas e a população não especialista.

Foram 150 dias de pandemia, 145 dias afastados da Universidade (quem está em home office), 139 dias de Especial Covid-19. Não esperamos (ou não gostaríamos) de mais dias assim. Tampouco “não arredaremos o pé daqui”, enquanto isto for necessário.

Para Saber Mais

ANDRADE, Eduardo Goulart (2020) Com coronavírus em disparada e UTIs lotadas, Manaus está à beira do colapso Intercept Brasil, 8 de abril de 2020.

BBC News (2020) Coronavírus: OMS declara Pandemia BBC , 11 de março de 2020.

BLANCO, Lis (2020) Alguns questionamentos sobre governo, um vírus e a fome Blogs de Ciência da Unicamp, especial Covid-19

CANCIAM, Natália; SBERB, Paula; WATANABE, Phillippe (2020) Sobe para 69 o número de casos do novo coronavírus no Brasil Folha de São Paulo, 11 de março de 2020.

CARMO, M (2020) Como a Argentina conseguiu manter o número de mortes por covid-19 sob controle Uol Notícias, 03 de Agosto de 2020.

ESPECIAL COVID-19 Checagem de fatos Blogs de Ciência da Unicamp, especial Covid-19

FLORES, Natalia (2020) Como a desinformação têm atrapalhado nossa resposta à Covid-19 Blogs de Ciência da Unicamp, especial Covid-19

G1 (2020) Amazonas tem primeira morte por novo coronavírus, diz Susam G1 , 24 de Março de 2020.

JORNAL NACIONAL (2020) Na Itália, número de mortos pelo novo coronavírus passa de 820. Jornal Nacional, 11 de março de 2020.

OLIVDEIRA, Leonardo (2020) Da fatalidade epidemiológica à ferramenta de extermínio: a gestão necropolítica da pandemia Blogs de Ciência da Unicamp, especial Covid-19

SCHUELER, Paulo (2020) O que é uma pandemia? Notícias e Artigos Fiocruz, 23 de março de 2020.

TERRA (2020) OMS eleva gripe suína a pandemia, 1ª no século XXI Terra, 11 de junho de 2009.

VESPA, Talyta (2020) Em vez da idade, classe social passa a definir quem morre de covid no país

WIKIPEDIA (2020) Gripe Espanhola, Wikipedia.

YOUNG, Victor (2020) Morte pela covid-19 ou pela fome, será esta a questão? Blogs de Ciência da Unicamp, especial Covid-19

ZIBELL, (2020) Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador BBC , 1 de Abril de 2020.


Ana Arnt

Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia, do Instituto de Biologia (DGEMI/IB) da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! ;-)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *