Lembra do quanto amanhecemos
Com a luz acesa
Nos papos mais estranhos
Sonhando de verdade
Salvar a humanidade
Ao redor da mesa

(Por Aí, Nei Lisboa)

A semana de 18 a 22 de Janeiro, com destaque para o dia 21 de Janeiro (quando lançamos oficialmente a campanha #todospelasvacinas) foi intensa.

Grandes grupos de divulgação científica e divulgadores científicos trabalhando juntos desde o início de 2021 para esta semana dedicarem-se à visibilidade de uma causa que é, indiscutivelmente, importante ao nosso país e à população brasileira.

Hoje eu vim falar mais uma vez da campanha em relação à noção de “Cultura” e “Cultura Científica” e a relevância de ações conjuntas e entre diferentes setores da sociedade.

Cultura? O que isso tem a ver com Divulgação Científica?

Pois é… Parece óbvio o que vou falar, mas é importante eu fazer uma observação neste texto. Normalmente, quando trabalhamos em um meio acadêmico e científico, vamos formando um círculo de contatos cada vez mais fechado entre pessoas que são formadas ou em etapas de formação acadêmica. Aos poucos, naturalizamos a visão de que “todo mundo tem graduação hoje em dia”. O que é completamente fora da realidade brasileira.

Vamos destacar o relatório Education at a Glance, publicado em 2019 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), ao avaliar 45 nações. Neste relatório, o Brasil consta como um dos com menores médias de pessoas formadas em Ensino Superior (cerca de 21%, contra 44% de média geral). Porém, fica pior… Quando chegamos em formações em nível de mestrado temos cerca de 0,8% da população e para doutorado 0,2% (pessoas entre 25 e 64 anos). Isto significa estar entre as 3 piores colocações entre 35 países que forneceram os números para estas etapas.

E o que isto tem a ver com cultura?

Cultura, ao contrário do que muitas vezes é debatido – enquanto o “melhor já produzido por seres humanos” nas artes – é um termo em disputa e que precisa ser pensado como espaço humano de vivências e práticas cotidianas.

Neste sentido, cultura não se vincula apenas a grandes óperas em pomposos teatros. Tampouco às tragédias gregas, tão lindamente descritas – e atualmente pouco lidas. E, antes que cancelem este blog, também não quero dizer que isto não é cultura.

Mas, certamente, cultura é muito mais do que isto. São práticas humanas, compartilhadas e vivenciadas, ensinadas e aprendidas na rotina, em atos cotidianos. E, sim, relacionam-se à arte. Todavia, relacionam-se ao hábito da leitura, das conversas, dos ensinamentos entre anciãos e crianças em diferentes sociedades.

Também é cultura as práticas patriarcais e opressoras das sociedades, as resistências de povos minoritários aos discursos hegemônicos, a vivência científica e aprendizados do método dentro de universidades e laboratórios, o letramento nas escolas, a compreensão do que é ser menina e menino em sociedades com lógica binárias e cisnormativa (senhoras e senhores, ela adora uma polêmica mesmo). Assim, a versão curta da definição de cultura poderia ser “tudo aquilo que vivemos em nosso cotidiano e tem significado na sociedade”.

Isso inclui, para uma pequeníssima, minúscula, quase insignificante (numericamente falando), parcela da população: fazer, estudar, pensar a partir do método científico todos os dias.

Cultura científica e Ciência enquanto prática cultural

Não é recente o debate sobre a noção de cultura científica e sua importância na sociedade, no meio acadêmico. Em 1982, por exemplo, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), vai lançar a Revista Ciência Hoje com o

“intuito de estimular um debate mais amplo em torno da ciência e de seu impacto social, bem como de integrar a atividade de divulgação ao cotidiano dos pesquisadores como parte importante de suas responsabilidades profissionais e sociais”.

Eu, particularmente, gosto muito desta citação. Ela traz um ideia necessária à ciência: responsabilidade social como parte de seu cotidiano. Aqui, não apenas a ciência amarra-se fortemente com a relação de cultura. Mas principalmente de executar isto a partir de princípios éticos.

Vogt e Morales (2018) consideram que a cultura científica, na contemporaneidade, pode ser conceituada não como a ciência “em si”, mas um ato de pensamento da ciência sobre si mesma, sua produção, sua organização e prática cotidiana. A cultura científica, assim, seria parte constitutiva do que é ciência também.

Isso provavelmente não possa ser compreendido exatamente como sinônimo de ciência enquanto prática cultural. Embora tenha sim vínculos. Vamos ver… Esta noção se aproximaria mais, talvez, da ideia de que a ciência, enquanto prática humana, possui rotinas, vivências, rituais que são próprios e circunscritos a determinados espaços e grupos sociais.

Tá, e daí?

Vocês devem estar se perguntando “dessa vez ela tá enrolando mais do que o usual…”. Então vamos ver sobre o que isso tudo se trata… Entender ciência enquanto prática cultural nos possibilita pensar nos limites que a própria percepção humana, incluindo intelectualidade, pensamento situado histórica e socialmente, tem.

E é aqui que o debate ético é importante: perceber nossos limites é admitir falibilidade do que fazemos. E sem isto, a ciência não passaria de um dogma. A ciência pode (e deve) ser questionada, pois este é o ponto de partida e, também, compreensão de limites – nossos mesmo! Humanos. Nada de errado nisso. E, claro, questionar não é dizer que temos que voltar ao tempo antes de resultados obtidos. Apenas situa que há muito mais a compreender e precisamos rebuscar nossas ferramentas. Simples assim (ao menos idealmente… na prática precisamos de tempo, amadurecimento e um pouco de suor e humildade).

Quanto à cultura científica seria a busca por essa reflexão da ciência sobre si mesma, percebendo-a como necessária para a sociedade. Entretanto, não sendo feita de qualquer modo e não olhando para nós mesmos como seres messiânicos que salvaremos a todos. A cultura científica, a partir de um pensamento ético e empático, com responsabilidade social, se percebe, também, falho no diálogo. A cultura científica olha para a comunicação como ferramenta.

Tal como nos diz Vogt e Morales

ainda que parte integrante da própria ciência, a comunicação, quando voltado para o público que não participa do processo científico, do ponto de vista técnico, – que se dá com a sociedade de um modo geral -, atua como elemento transformador da ciência, inserindo-a na cultura e configurando, assim, o terceiro elemento dessa relação, a cultura científica. Na outra ponta, o conhecimento científico poderia ser considerado o elemento de transformação da cultura com as características próprias da contemporaneidade. Ou seja, os produtos da pesquisa científica, na forma do conhecimento por ela produzido – trazendo consigo a sua racionalidade, práticas e procedimentos -, transformam a cultura imprimindo-lhe as formas e os conteúdos como hoje os vivenciamos e conhecemos.

#TodosPelasVacinas

Que tolos fomos nós, que bom que foi assim
Que achamos um lugar pra ter razão
Distantes de quem pensa que o melhor da vida
É uma estrada estreita e feita de cobiça
Que nunca vai passar por aqui

(Por aí, Nei Lisboa)

Todos Pelas Vacinas teve como proposta falar de ciência a partir de perguntas, de danças de funk, de artes resgatando o nosso tão querido Zé Gotinha (personagem brasileira que qualquer criança da década de 80 conhece tão bem!). Seja por um apelo emocional e saudoso, seja por aspectos que temos dentro de nós – músicas de balada funk, melodias como samba e choro, paródias de músicas consagradas – cientistas e divulgadores buscaram um pouco de si mesmos fora dos espaços formais dos jalecos, números e livros.

E nada disso nos fez menos científicos. Tampouco menos divulgadores. Talvez tenha feito pensarmos o quanto é necessário lembrar cotidianamente que ciência precisa fazer parte da cultura para fora destes espaços.

A cultura – essa que é vivida cotidianamente na sociedade – tem muito a nos ensinar, quando queremos entender sobre coletividade, impacto social e comunicação. Estudar comunicação não é comunicar-se. Fazer ciência não basta para falar de ciência. Trabalhar com divulgação científica é aprender, mais do que falar.

Foi gratificante ver vários colegas apontando o dia 21 de janeiro como um marco para a “história da Divulgação Científica”, tanto quanto foi gratificante receber tantos e tantos vídeos de músicos de diferentes gerações lutando por uma causa que, nós cientistas, acreditamos ser fundamental.

Estaria a comunicação científica, salva?

Não né gente. Tem chão ainda. A humildade é prato que tem que ser comido diariamente nesta vida, igual arroz e feijão.

Mas foi relevante esta visibilidade para a ciência perceber a si mesma. Quanto às ações sociais, talvez tenha chamado a atenção, também, internamente à divulgação científica, o quanto temos sim o dever de ter impacto social, de dialogarmos com a sociedade (em sua diversidade), entendermos suas perguntas, dúvidas, incertezas e inseguranças.

Todos pelas vacinas e Vacinas para todos

Mais do que um clichê barato (mas bem bonitinho, vai…) virou um mantra em falas sobre responsabilidade social da ciência. Saúde não é produto, conhecimento tão pouco. Ou nós batalhamos e nos juntamos, compreendendo o papel político de cientistas e divulgadores científicos, ou sucumbiremos. Não por ser nosso dever salvar a todos, em tom messiânico e dogmático.

Mas por nos abrirmos e nos percebermos como parte de tudo isso – e talvez também assumindo que nos afastamos e deixamos de lado por tanto tempo estas questões, achando que conhecimento é dever dos outros buscarem e não parte de um compartilhamento entre pares e extrapares entre indivíduos e grupos sociais.

Entre distopias, poesias e insanos (e fatídicos) caminhares cotidianos, espero seguir ao lado dessa gente toda que optou por dançar até o chão com zé gotinha, em prol do bem de todos, tuitando com kpopers não pela ciência, mas por todos e cada um da nossa população.

Seremos sempre assim, sempre que precisar
Seremos sempre quem teve coragem
De errar pelo caminho e de encontrar saída
No céu do labirinto que é pensar a vida
E que sempre vai passar
Sempre vai passar por aí

(Por Aí, Nei Lisboa)

Para saber mais

ARNT, Ana Tudo vale a pena por vacinas e divulgação científica? Funk e Kpop (aqui neste blog!)

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & realidade, v. 22, n. 2, 1997.

INSTITUTO CIÊNCIA HOJE (2020) História do Instituto.

LISBOA, Nei Por aí (escute esta música que foi carro chefe da quarentena desta que vos escreve)

LISBOA, Nei Em casa e ao vivo, 23/01/2021

PORTO, CM., org. Difusão e cultura científica: alguns recortes. Salvador: EDUFBA, 2009. A internet e a cultura científica no Brasil: difusão da ciência. 149-165.

VIANA, B; QUEIROZ, C (2020) Ciência cidadã para além da coleta de dados. Revista ComCiência.

VOGT, C; MORALES, A (2018) Cultura Científica, Revista ComCiência.

Todos pelas Vacinas
Grupos que participaram:
Observatório Covid-19
Blogs de Ciência da Unicamp
Rede Análise Covid-19
UPVacina
Equipe Halo
Projeto Divulga
Eu e as Plantas

Este texto foi escrito originalmente no blog PEmCie

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores. Dessa forma, os textos foram produzidos a partir de campos de pesquisa científica e atuação profissional dos pesquisadores e foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Assim, não, necessariamente, representam a visão da Unicamp e essas opiniões não substituem conselhos médicos.


editorial


Ana Arnt

Bióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia, do Instituto de Biologia (DGEMI/IB) da UNICAMP e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM). Pesquisa e da aula sobre História, Filosofia e Educação em Ciências, e é uma voraz interessada em cultura, poesia, fotografia, música, ficção científica e... ciência! ;-)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *