Arquivo da categoria: Ediacarano

>Fauna de Lantian РUma nova assembléia fóssil ediacarana

>

H√° aproximadamente 600 milh√Ķes de anos atr√°s, antes mesmo da grande explos√£o de vida Cambriana, uma comunidade de criaturas semelhantes a algas marinhas e vermes primitivos floresceu nas profundezas de um primitivo e tranq√ľlo mar na regi√£o que √© hoje Lantian, uma pequena aldeia na Prov√≠ncia de Anhui, no sul da China. Estes organismos simplesmente se extinguiram ainda h√° centenas de milh√Ķes de anos atr√°s, por√©m deixaram pelo menos 3.000 f√≥sseis em fant√°stico estado de preserva√ß√£o. 
Os leitos de xisto negro de Lantian revelam detalhes interessantes sobre vida misteriosa durante o Neoproteroz√≥ico, per√≠odo em que os organismos multicelulares macrosc√≥picos davam apenas os seus primeiros passos em dire√ß√£o ao sucesso hoje alcan√ßado na evoulu√ß√£o da vida….



Cientistas chineses e estadunidenses reportaram na edi√ß√£o deste m√™s da revista Nature a descoberta de uma nova assembl√©ia f√≥ssil de idade ediacarana. Encontrada nas proximidades de uma aldeia no sul da China, a fauna de Lantian – nomeada de acordo com a sua localiza√ß√£o – tem cerca de 600 milh√Ķes de anos (in√≠cio do per√≠odo Ediacarano). Ela inclui criaturas que estariam entre as primeiras formas de vida multicelular macrosc√≥pica do planeta. Os f√≥sseis indicam que algumas das esp√©cies encontradas teriam estruturas complexas e intrigantes, podendo inclusive ser comparadas a formas primitivas de algas e vermes. 
Foram identificados pelo menos 15 diferentes espécies no local.

Alga marinha primitiva? РFóssil encontrado em Lantian.

Período Ediacarano?

O per√≠odo Ediacarano (630 – 542 milh√Ķes de anos atr√°s) est√° inclu√≠do no Neoproteroz√≥ico, final do √Čon Proteroz√≥ico. √Č imediatamente anterior ao Per√≠odo Cambriano, o primeiro per√≠odo da Era Paleoz√≥ica, √Čon Faneroz√≥ico. O seu status oficial como um per√≠odo geol√≥gico  foi ratificado em 2004 pela International union of Geological Sciences (IUGS).O seu nome prov√©m dos montes de Ediacara, lugar aonde o ge√≥logo Reg Sprigg descobriu os f√≥sseis da famosa biota hom√īnima em 1946 (Fauna de Ediacara).

Reconstru√ß√Ķes da Fauna de Ediaca.

A ‘Fauna de Ediacara’?

Como j√° foi dito, Ediacara √© o nome de uma regi√£o da Austr√°lia. Nesta regi√£o foram encontrados alguns dos mais antigos f√≥sseis de metazo√°rios do mundo. Tratam-se apenas de impress√Ķes nas rochas, pois estes animais n√£o tinham partes duras tais como conchas ou placas mineralizadas. Por√©m, estes registros s√£o de import√Ęncia incalcul√°vel para compreens√£o da evolu√ß√£o da vida complexa no planeta Terra. Tamb√©m chamada de ‘Biota Vendiana’, a Fauna de Ediacara inclui criaturas como DicksoniaSprigginia.

Dicksonia e
Sprigginia respectivamente.


Os f√≥sseis de Lantian sugerem que a diversifica√ß√£o morfol√≥gica dos eucariotos –  organismos com estruturas celulares complexas –  macrosc√≥picos pode ter ocorrido apenas algumas dezenas de milh√Ķes de anos ap√≥s o evento conhecido como ‘Snow  Ball Earth’ (Terra Bola de Neve), que acabou h√° cerca de 635 milh√Ķes de anos atr√°s.

Snow Ball Earth”?

Terra bola de neve √© uma hip√≥tese que sugere que a Terra esteve completamente coberta de gelo durante o per√≠odo Criogeniano, entre 790 a 630 milh√Ķes de anos atr√°s. Foi desenvolvida de modo a explicar dep√≥sitos sedimentares normalmente considerados de origem glaciais em latitudes aparentemente tropicais  para a √©poca, bem como outras caracter√≠sticas enigm√°ticas do registo geol√≥gico do Criogeniano. A exist√™ncia desta glacia√ß√£o global permanece, contudo, controversa, uma vez que v√°rios cientistas contestam a possibilidade da exist√™ncia de um oceano completamente congelado, ou ainda outros fundamentos geol√≥gicos em que a hip√≥tese √© baseada.

A Hip√≥tese ‘Snow Ball Earth’

A presen√ßa dos f√≥sseis em um tipo de xisto negro, altamente org√Ęnico, sugere condi√ß√Ķes de deposi√ß√£o livres de oxig√™nio (an√≥xicas). Provavelmente a oxigena√ß√£o dos oceanos deve ter oscilado muito ao longo dos milh√Ķes de anos no fim do Proteroz√≥ico.

Shuhau Xiao, professor de geobiologia no College of Science em Virginia Tech, um dos autores do trabalho, sugere que h√° uma  principal quest√£o a ser considerada:  “Por que esta comunidade evoluiu neste lugar e neste per√≠odo?” – Esta assembl√©ia f√≥ssil √© claramente diferente em termo de n√ļmero de esp√©cies em compara√ß√£o com biotas preservadas em rochas mais antigas. H√° mais esp√©cies e elas s√£o maiores e mais complexas. Estes dep√≥sitos foram formados logo ap√≥s o maior evento de glacia√ß√£o que j√° existiu – o per√≠odo “Snow Ball Earth” -, quando hipoteticamente grande parte do oceano global foi congelado. H√° 635 milh√Ķes de anos atr√°s, o evento terminou e o grande oceano estava livre de gelo. Talvez isto tenha preparado o terreno para a evolu√ß√£o de eucariotos complexos.


A equipe estava examinando as rochas de xisto negro porque, apesar de terem sido estabelecidas em condi√ß√Ķes n√£o favor√°veis para organismos dependentes de oxig√™nio, elas s√£o conhecidas por serem capazes de preservar muito bem os f√≥sseis. Na maioria dos casos os organismos mortos s√£o carregados e s√≥ ent√£o preservados em folhelhos deste tipo. Neste caso, os pesquisadores descobriram que alguns f√≥sseis foram preservados em sua condi√ß√£o original: aonde viviam. Shuhai afirma que algumas ‘algas’ estariam inclusive ainda enraizadas.


Ele concluiu por meio de dados geoqu√≠micos, que o ambiente teria sido venenoso, por√©m, a superf√≠cie exata aonde est√£o depositados os f√≥sseis representaria um per√≠odo de tempo durante o qual o oxig√™nio estava livre e dispon√≠vel para os organismos – as condi√ß√Ķes eram favor√°veis! Tratou-se de um momento muito breve, mas o suficiente para que os organismos dependentes de oxig√™nio colonizassem a Bacia de Lantian – criaturas oportunistas de raras oportunidades.


O artigo na Nature sugere que a Bacia de Lantian foi em grande parte um ambiente incapaz de sustentar a vida complexa, por√©m durante breves epis√≥dios foi oportunamente preenchida por novas formas de vida complexas, que foram posteriormente mortas e preservadas quando o oxig√™nio desapareceu. Para localizar estes intervalos demandam-se estudos geoqu√≠micos de alta resolu√ß√£o. Somente assim poder-se-√° entender parte da complexa din√Ęmica ambiental desta localidade durante per√≠odo Ediacarano.


Acesse o artigo em: 
http://www.nature.com/nature/journal/v470/n7334/full/nature09810.htm