Texto escrito por Ana Arnt e Lívia Okuda

Cada dia temos visto de maneira mais frequente a palavra endemia sendo falada ao se referir à Covid-19, como se ela tivesse se tornado uma endemia. Mais do que isso, esta endemização da Covid têm sido um dos pontos que justificam quaisquer ações como aceitáveis e não problemáticas no espaço público.

Mas será mesmo que tá tudo tranquilo? Antes disso, vamos entender um pouco sobre:

O que seria uma endemia?

Seria uma infecção em que a quantidade de pessoas que adoece e eventualmente morre nem aumentam, nem diminuem. Ou seja, o número de pessoas que pode se infectar, a partir de um indivíduo infectado, está equilibrado dentro de uma população em que qualquer pessoa pode se infectar. Veja que isto não quer dizer que a doença diminuiu sua gravidade, nem que a mortalidade não causa prejuízos a uma população.

Apenas quer dizer – e somente isto – que há um equilíbrio.

Spoiler: endemia não significa um cenário tranquilo.

A ideia da endemia vem sendo cada vez mais utilizada para justificar retomadas do que ainda estava em modo de home office, ou com rodízios ou modalidades que previam trabalhos híbridos. A grande questão, nos parece, é sobre o quanto a ideia de endemia leva a uma compreensão não apenas errada do atual cenário, mas também a uma banalização de cuidados e condições de combatermos as doenças.

Neste sentido, Isaac Schrarstzhaupt comentou sobre as doenças negligenciadas, comparando com Covid-19. A noção de doença negligenciada aqui, apontada pelo Isaac, é exatamente pelo acesso às vacinas e às condições de manter-se saudável não estar acontecendo com equidade. Ou seja, as pessoas que não têm acesso às informações, condições de cuidados, e vacinas são pessoas em situação de vulnerabilidade – seja por estarem em regiões menos favorecidas economicamente, seja por serem regiões distantes de grandes centros urbanos. E essa preocupação é realmente importante, especialmente por estarmos há tempos também batendo na tecla sobre as políticas públicas de saúde e sua relevância no combate à pandemia, ao se basear em dados técnicos e científicos! Todavia, e sobretudo, também tendo responsabilidade social ao se olhar estes números – pois são pessoas, vidas em vulnerabilidade…

Ah, Mas estamos realmente exaustos!

Temos percebido, em nossos canais (e discutido isso nos grupos que falam da pandemia), cada vez menos gente falando sobre Covid e, também, cada vez menos gente procurando conteúdos sobre isso. 

Nós sabemos – até porque estamos vivendo a pandemia também – que estamos todos cansados de ouvir, falar, pensar, ler sobre a Covid. No entanto, também sabemos que ela não sumirá dos nossos dias só por nós estarmos cansados de distanciamentos e usos de máscaras.

As notificações de óbitos ao redor do mundo passaram de 70 mil na última semana. É como se as pessoas que residem em Viçosa (MG), ou Pato Branco (PR), ou Vilhena (RO) desaparecessem em uma semana.

Aqui no Brasil, foram quase 6 mil óbitos na última semana! É muita gente morrendo para levantarmos todos os dias de manhã e fingirmos que nada está acontecendo. E isto não quer dizer passar os dias sofrendo, chorando e seguirmos trancados em casa.

Mas é fundamental compreendermos que não, não está tudo bem. E, também, que é fundamental termos ações públicas efetivas para conter esta transmissão.

Políticas públicas e ações individuais

Individualmente seguimos batendo em teclas antigas: use máscaras (preferencialmente máscaras filtrantes, como as PFF2, bem ajustadas no rosto, sem escape de ar), mantenha-se o menor tempo possível em espaços fechados e mal ventilados, dê preferência para circular em espaços abertos e ventilados, ao apresentar sintomas ISOLE-SE e comunique as pessoas que tu entraste em contato nos últimos 5 dias.

No entanto, é importante que os espaços públicos e privados, especialmente vinculados aos espaços de trabalho, tenham condições de abarcar não apenas estas medidas, mas cobrem posturas condizentes com o momento atual. Isso inclui – como temos defendido aqui – vacinação em esquema completo. Isto mantém o ambiente de trabalho mais seguro para todos e não, não é descabido pedir isto às pessoas. Aliás, o PL 1674/2021 que cria o Passaporte Vacinal está sendo debatido hoje no plenário.

Transmissão, Variantes e cenário atual

Estamos vivendo um tempo de alta transmissão do SARS-CoV-2, especialmente após a entrada da variante Ômicron no país. Ao contrário do que muitas desinformações circulando nas redes, estamos em uma situação melhor do que poderíamos imaginar, exatamente por causa das vacinas!

É por termos uma parcela da população vacinada com duas ou três doses, que a gravidade dos casos têm sido menor e, mais do que isto, temos tido menos óbitos do que o esperado sem as vacinas, levando-se em conta a quantidade de casos que têm sido registrados.

As variantes, como já discutimos aqui no Blogs, são decorrentes de mutações naturais no vírus. E estas mutações – mudanças no código genético do vírus – consegue se fixar nas populações exatamente pela grande quantidade de transmissões que temos visto. As vacinas estão segurando o agravamento das infecções nas pessoas, mas é fundamental diminuirmos a quantidade de infecções e isto se faz com medidas de cuidados pessoais e políticas públicas que garantam que estes cuidados sejam implementados.

Não é fazendo shows lotados em grandes centros urbanos que conseguiremos barrar as infecções.

Tampouco é fingindo que a doença está acabando, ou normalizando espaços fechados sem ventilação como tranquilos pois vivemos uma endemia que daremos conta…

Negligenciar a Covid, “endemizando” a doença por decreto só normaliza mortes, sem resolver o problema na sociedade

Aris Katzourakis, epidemiologista que publicou uma coluna na Nature final de Janeiro, aponta que o otimismo preguiçoso, a falta de realismo ao analisarmos os dados de morte e adoecimentos, tanto quanto a falta de ferramentas efetivas, como vacinas, tratamentos, testes diagnósticos, cuidados básicos (máscara, espaços ventilados e distanciamento) são exatamente os pontos fundamentais para mudarmos nossa postura e conseguirmos “jogar à favor da humanidade”. Além desses pontos, claro que o pesquisador indicou a necessidade de investimentos para vacinas que consigam combater as variantes também.

Basicamente, tudo isto seria dizer “escutem o que cientistas têm dito sobre combate à Covid, coloquem em prática em forma de políticas públicas em seus países e no mundo, invistam em ciência”.

Enquanto estivermos brincando de mergulhar mãos em álcool gel e medição de temperatura no pulso, lotando espaços públicos com máscaras inadequadas e com elásticos frouxos, não apenas estamos ignorando o que cientistas têm dito sistematicamente, como temos jogado a favor do vírus, em um momento crucial de retomada. Claro, tudo isso sendo feito mais uma vez, já que não é recente estes comunicados – nem o quanto seguem sendo ignorados em campanhas de massa…

Tornar a Covid-19 em endemia por cansaço e vontade de retomar a vida é tão certeiro quanto cuspir para cima e se espantar com onde cairá o projétil.

Por fim, da mesma maneira que temos falado que a ciência não opera por milagres e têm seu tempo para desenvolver conhecimentos técnicos para compreender os fenômenos, as políticas públicas que negligenciam dados também não vai ter condições em acabar com uma mazela social gravíssima como um sopro de vento de esperança, em uma plantação de alecrins dourados.

É preciso ações urgentes, análises precisas e, acima de tudo, responsabilidade frente ao atual cenário – para evitar cenários ainda piores.

Para saber mais:

Este texto foi inspirado em ideias debatidas por Mellanie Fontes-Dutra e Isaac Schrarstzaupt, elencados aqui:

Qual é o preço de uma endemia no futuro?

Estamos entrando/entraremos em uma endemia de COVID-19?

A desigualdade na distribuição de vacinas

Sabiam que a dengue, a malária e outras doenças se chamam “Doenças NEGLIGENCIADAS”

Por que demorou tanto para ter uma vacina contra a malária? 

Artigos em inglês

KATZOURAKIS, Aris. COVID-19: endemic doesn’t mean harmless. Nature, v. 601, n. 7894, p. 485–485, 2022. 

NDTV. COVID-19 Has Not Yet Become Endemic, WHO Warns. NDTV.com.

Textos do Blogs:

Variantes

Diversidade viral e surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2

Sobre a vacinação e abertura prematura: um celeiro para novos casos e variantes

Sobre aberturas, cautelas e políticas públicas

Como o SARS-CoV-2 infecta nossas células?

As autoras

Ana Arnt é licenciada em biologia, doutora em educação, professora do Instituto de Biologia da Unicamp, coordena os projetos Blogs de Ciência da Unicamp e o Especial COVID-19.

Livia Okuda é estudante de Farmácia na Unicamp e divulgadora científica do Especial Covid-19 do Blogs Unicamp.

Este texto foi escrito originalmente para o Especial COVID-19.

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores. Dessa forma, produziu-se textos produzidos a partir de campos de pesquisa científica e atuação profissional dos pesquisadores. Além disso, a revisão por pares aconteceu por pesquisadores da mesma área técnica-científica da Unicamp. Assim, não, necessariamente, representam a visão da Unicamp e essas opiniões não substituem conselhos médicos.


0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content