Hipótese delta: 23.08.2016 – 2º Encontro

     


Car@ leitor@, para acessar o capítulo anterior,clique aqui.


 

Foi um encontro com ares de final de semestre, isto é, três pessoas faltaram e a própria M.

Parecia também que energia estava mais baixa, pelo menos assim eu estava. O ritual quando

chegamos: montar tatame e warm up. Tive dificuldades de me concentrar, estava barulhenta.

Reunimos em nossos grupos. Eu e I, a terceira continua viajando. M deixou proposta/

direção/restrições e desafios para cada grupo. O nosso:

– tirar adereços ( colar, brinco, etc..)

– não trabalhar com o foco da atenção na emoção. Retirar a emoção do trabalho, da

skinsphere.

-prender o cabelo de uma forma que eles não soltem durante a prática.

-atenção é uma palavra chave no CI. Colocar sua atenção na fisicalidade do seu corpo em

alongamento, transferência de peso, apoios, tônus musculares, etc.

      Não podemos mais explorar os cabelos. Isso deve ter tomado muita conta de nossa dança

semana passada e provavelmente este não é o foco. Interessante. Pergunto-me se eu

trabalhava com atenção nas emoções semana passada, acho que não, mas será que me

apresentava desta maneira? Onde estava a minha atenção semana passada na dança com I?

Teremos três rounds de dezessete minutos e uma performance.

           1º round: Começamos separadas. Ela andando no tatame e eu parada de joelhos no centro.

Aos poucos vamos nos aproximando, sinto uma dificuldade e demora em estabelecer contato

com ela. Entramos em contato e tento estabelecer um diálogo, construir uma dança. Sinto que

ela dança a sua dança e eu tento acompanhá-la. Trabalhamos na proposta e alguns

momentos, os que me chamaram atenção foi: Um movimento em que ela se apoia no meu

sacro de lado e utilizando ele e minha coxa como apoio faz uma ponte. Sinto que fui mais apoio

e base nesta dança, modo não usual para mim. Tenho mais facilidade de jogar o meu peso no

outro do que sustentar o peso do outro. I é maior que eu, então a maneira mais fácil que

encontro é ela jogando o peso em minhas costas, é preciso encontrar um ponto de equilíbrio

entre nós se não o seu corpo desliza e cai do meu.

            2º round: Está difícil me concentrar. Movimento interessante: equilibro-me no me centro

gravitacional, bunda, apoiado no chão com o dorso- cabeça e pernas levantas, de maneira que

formo a figura de um V, ela me gira pelo pé e na hora de sair, ainda em movimento de giro e

viro o meu corpo, apoiando pela barriga. Trabalhamos o movimento de jogar o peso do corpo

em direções opostas tracionando os nossos braços dados até encontrar um ponto de equilíbrio.

Tento trabalhar outros pontos de apoio- equilíbrio. Vou colocando o meu pé em partes do corpo

de I, jogando peso e tentando me equilibrar e me mover a partir desse ponto de apoio diferente.

            3º round: Iara sentiu o tornozelo estranho, então, ficamos vendo os outros grupos dançarem

enquanto ela passava polpa de maracujá congelada no lesão. Confesso que senti um pequeno

alívio, não estava com muita vontade de dançar. A proposta do grupo CDR era bem clara:

enquanto um se movia os outros ficavam parados, e o último movimento teria que encaixar no

do outro, sempre em contato, sem deixar espaços vazios e formando figuras várias figuras

interessantes. Um se enfiando no meio do outro. O grupo LC explorou muitos levantamentos e

rolamentos e pelo que L falou no meio da dança, V não podia usar as mãos. Um movimento

muito legal foi em um rolamento com V embaixo, L em cima, como estavam quase saindo d

área do tatame, L estava de barriga baixo, torce o corpo de uma maneira que sai do rolamento

e indo para outro movimento de maneira fluída. L está bem centrado e parece bem ciente dos

caminhos que escolhe na dança, isso dá uma fluidez incrível.

Hipótese delta – Criação de Constanza Paz Espinoza Varas

           AF, a assistente de direção e ensaiadora, nos propõe estar em estado performático

mesmo quando assiste e pede para que alguém grave e tire foto das apresentações. O que é

estado performático?

            Performance como improvisadora: I muda muito quando tem gente assistindo. O seu

lado “artista” aflora. Sinto dificuldade de manter o contato físico mesmo. Em vários momentos

estou apoiada ou em toque com ela e ela sai. Usamos os apoios e a tração nas mãos

trabalhados nos rounds anteriores.

           Como público: filmei as duas apresentações e isso me tirou o foco. Mas acredito que é

necessário nível de atenção grande para sustentarmos a dança que ocorre e não ficarmos

esparramados enquanto assistimos.

             Por fim, terminamos compartilhando nossas percepções. Muitos comentaram sobre

cenas/ jogos chamam a atenção e agradam. Por exemplo, no encontro passado, um

improvisador ficou batendo o pé incessantemente e nisso outra improvisadora teve algumas

reações para ele parar com expressões faciais bem marcantes. Outro exemplo, quando um

improvisador no meio da dança começa apontar para cima. Isso seria uma improvisação

cênica? Um jogo? Ou até o clown? Esses tipos de manifestações tem espaço e fazem parte do

CI? O que é uma cena? Outro tema levantado foi à presença do olhar para o público. De fato,

olhar para o outro que assiste estabelece uma relação e chama a atenção daquele que assiste.

Mas penso que em várias danças contemporâneas, os dançarinos só olharam para o público

no cumprimento final, mas mesmo assim, a apresentação consegue afetar o público. No CI, é

comum ficarmos com o olhar “vidrado”, mas porque o olhar em si está para dentro. Mas

também é possível deixar ele acordado para o ambiente externo, causando outro efeito. Sinto,

de modo bem incerto e inseguro, que estes dois elementos citados acima são trazidos de outra

áreas para a performance de CI.Será que não tem outra maneira de chamar atenção do público

sem isso, mas pela própria dança de CI? Ou será que a dança de CI envolve estes elementos?

Acredito que envolva, CI envolve tudo, mas, talvez, isso não seja o que procuro.

 

Palavras para deixar anotadas: conexão, fluidez, centramento, atenção, tédio, fisicalidade.

 


Encontre os capítulos anteriores que compõe esta novela em https://www.blogs.unicamp.br/mucina/category/series/hipoteses-para-o-leitor-uma-novela-performatica-gestual. Para receber as notificações no seu email, cadastre-se no RECEBA A MUCíNá na barra lateral. Ou siga pela página no Facebook. E não se esqueça de deixar o seu comentário abaixo!;)