Hipótese delta: Público, ó público


Car@ leitor@, para acessar o capítulo anterior, clique aqui.


Hipótese delta – Criação de Constanza Paz Espinoza Varas

Público, ó público

Arte gráfica – criação de Marília Carneiro

 

[impressões do público – hipóteses IV e V]

 

“Interessante o tipo de proposta, improviso apresentado. Foi algo diferente no qual ficou claro que não era um espetáculo de dança contemporânea e nem um Contato Improvisação, mas algo entre. Talvez os grupos/peças poderiam dançar ao mesmo tempo e não apenas um esperar o término do outro.

O público andar em volta foi diferente também, porque não era uma ocupação do espaço urbano ou físico, mas sim uma apresentação em uma estrutura diferente. Porque assistir algo onde podemos andar no meio como em ruas/praças é mais comum, mas assim desse modo não, até parecia instalações artísticas ou até zoológico onde respectivamente são espaços que a obra ocupa aquele pedaço e, seres vivos que não saem do espaço determinado. 
Quanto à expressão, foi interessante porque houve drama, humor, alguma ironia, um pouquinho de jogo de poder num trabalho que não era de contemporâneo, onde tem uma proposta de intérprete criador, mas uma proposta de arte movimento ou movimento arte onde o improviso dialogava levemente com alguma expressão de modo leve e descompromissado. Aqui também arrisco a dizer que foi uma interpretação também “entre”. Você especificamente foi bem na linha mais cômica, bem humorada e talvez irônica”.

 

– Comentário de um dos espectadores, respondendo por escrito à pergunta de Camila Torato: “quais suas impressões sobre a apresentação?, o que você achou?”

 


Encontre os capítulos anteriores que compõe esta novela em https://www.blogs.unicamp.br/mucina/category/series/hipoteses-para-o-leitor-uma-novela-performatica-gestual/. Para receber as notificações no seu email, cadastre-se no RECEBA A MUCíNá na barra lateral. Ou siga pela página no Facebook. E não se esqueça de deixar o seu comentário abaixo!;)