Arquivo da categoria: Petrologia

>A MEGA Import√Ęncia dos MICRO e NANO organismos

>

H√° quem diga que estudar os microf√≥sseis n√£o tem nada de interessante ou n√£o seja t√£o emocionante como encontrar um grande cr√Ęnio ou f√™mur de dinossauro. Oras, eu tamb√©m poderia pensar o mesmo. Entretanto n√£o √© bem assim. O estudo de microf√≥sseis √© extremamente importante para a Paleontologia, e n√£o deve ser subestimado, muito pelo contr√°rio. Veremos logo abaixo, de maneira bastante sucinta, alguns dos por qu√™s!


São considerados microfósseis todos aqueles vestígios microscópicos de organismos vAdicionar imagemivos, que representam ou o organismo todo ou partes deles Рcomo ossos, unhas, dentes, conchas, fragmentos do exoesqueleto ou pólen. Os mesmos podem não só ajudar, mas são essenciais à paleoecologia e à paleoclimatologia, sendo muitos, peças fundamentais para determinar como se estruturava o ambiente primitivo. São peças-chave também na bioestratigrafia, ajudando a correlacionar estratos entre os depósitos sedimentares por todo o Planeta.


Alguns Microf√≥sseis: diatom√°ceas, ostracodes, radiol√°rios, esp√≠cula de esponja,foram√≠niferos planct√īnicos e coc√≥litos

Microfósseis e o Petróleo


A utilização de microfósseis na petrologia se dá pela correlação, a partir de estudos, de espécies de determinados microorganismos em diferentes camadas sedimentares. Esses microorganismos, na maioria dos casos, são representados por microfósseis carbonatados ou calcários. Tratam-se de foraminíferos, ostracodes e cocolitóforos. Abaixo tratarei mais especificamente dos cocolitóforos.

Os nanof√≥sseis calc√°rios s√£o um conjunto de part√≠culas de calc√°rios, com dimens√Ķes menores que 50 micra, com grandes variedades de formas, mas geralmente constituem-se de placas arredondadas conhecidas como coc√≥litos. Parece redund√Ęncia, mas esses coc√≥litos formam a cocosfera e s√£o encontrados nos cocolifor√≠deos, seres unicelulares, biflagelados, fotossintetizantes, geralmente planct√īnicos e predominantemente marinhos.

O primeiro registro de cocolifor√≠deos se d√° no Tri√°ssico Superior. Sua import√Ęncia na ind√ļstria do petr√≥leo est√° no fato de apresentarem grande diversidade biol√≥gica, alta taxa evolutiva, especificidades ecol√≥gicas e muito de seus representantes serem cosmopolitas, o que os torna fant√°sticos indicadores cronoestratigr√°ficos e elementos identificadores de zona√ß√Ķes ecol√≥gicas.

Nanofóssil Calcário: Cocolitoforídeo

Cocólitos apresentam características ideais para o estudo de camadas sedimentares. Um pesquisador estudando um bolsão de combustível fóssil em qualquer parte do mundo pode saber com uma boa margem de segurança qual a época de sua formação. Por exemplo, se uma espécie tal qual a Braarudosphaera chalk, for encontrada em uma determinada camada estratigráfica, o pesquisador logo saberá que esta pertence ao Oligoceno Рépoca marcada por esta espécie. Então, se o mesmo ou outro pesquisador encontrar essa espécie em outra camada estratigráfica em outra parte do mundo, ele pode caracterizar aquele estrato como também pertencente ao Oligoceno, descartando muitas vezes a necessidade de uma datação radiométrica.

Outros objetos de estudo da Micropaleontologia: Palinologia e os Microfósseis de vertebrados

Dentro da micropaleontologia encontramos vertentes important√≠ssimas, tal qual a Paleopalinologia, ci√™ncia que dedica-se a estudar os gr√£os de p√≥len e esporos f√≥sseis. √Č um ramo paleontol√≥gico extremamente importante para o estudo de paleoclimas e paleoecossistemas. Uma vez que cada esp√©cie vegetal possui tipo particular de p√≥len ou esporo, torna-se poss√≠vel determinar a composi√ß√£o vegetal e as caracter√≠sticas clim√°ticas de Eras passadas e como foi sua evolu√ß√£o ao longo do tempo geol√≥gico.

Não menos importante, é o estudo dos microfósseis de vertebrados, Além de ajudar a entender melhor a diversidade de vida do passado e estabelecer marcos estratigráficos (como acontece com os dentes de conodontes), eles podem em alguns casos auxiliar a reconstruir características de ambientes extintos. Microfósseis de roedores cenozóicos oferecem essa possibilidade, por exemplo. Esses animais têm exigências ecológicas específicas e estudando a sua assembléia fóssil em uma localidade, podemos reconhecer como eram fisionomias vegetacionais do passado, mais abertas ou florestais por exemplo.

Concluindo, n√£o devemos subestimar o “poder” dos microf√≥sseis. eles s√£o, na verdade, as principais ferramentas da paleontologia. A import√Ęncia n√£o est√° no tamanho, mas nas informa√ß√Ķes que eles s√£o capazes de fornecer sobra a nossa fant√°stica e misteriosa hist√≥ria evolutiva.

Quando se fala em paleontologia, a primeira coisa que se vem a cabe√ßa, s√£o os fant√°sticos e imponentes dinossauros do mesoz√≥ico, mas o que as pessoas n√£o sabem, ou ignoram, √© que a paleontologia √© muito mais que isso. Ela √© abrangente assim como a gen√©tica, que n√£o se baseia s√≥ no estudo de rela√ß√Ķes de paternidade entre indiv√≠duos, ou a ecologia, que n√£o estuda somente as rela√ß√Ķes entre organismos, ou ainda a bioqu√≠mica, que esta al√©m do funcionamento do ciclo de Krebs. Essa abrang√™ncia se confirma em congressos de paleontologia, com temas diversificados em todas as escalas, nano, micro, macro ou mega. Considerando a diversidade dentro da micropaleontologia e o seu fant√°stico poder de predi√ß√£o, muito do que √© discutido nesses congressos tem sim por base esse ramo paleontol√≥gico.

Em outras oportunidades voltaremos ao assunto, abordando outros grupos de microfósseis bastante importantes na Paloentologia.

Refêrencias

Alves, C.F.; Wanderley, M.D. Utiliza√ß√£o dos Nanof√≥sseis Calc√°rios na Industria do Petr√≥leo. 2¬ļ Congresso Brasileiro de P&D em Petr√≥leo & G√°s.

Carvalho, I.S. 2004. Sumário. In: Carvalho, I.S.(ed). Paleontologia. Vol 1. Rio de Janeiro: Interciência.

Fauth, G. ; Fauth, S.B., 2009. Microfósseis. Livro digital de paleontologia na sala de aula, UFRGS. Disponivel em: http://www.ufrgs.br/paleodigital/Microfósseis.html.

SEED, 2009. Geology: Microfósseis. Disponível em: http://www.seed.slb.com/v2/FAQView.cfm?ID=970&Language=PT

Aqui vai uma dica de site para quem se interessa por micropaleontologia, o criador, Jere H. Lipps, aborda sobre os mais comumente e importantes microfósseis estudados dentro da Micropaleontologia. Boa leitura!
http:/www.ucmp.berkeley.edu/fosrec/Lipps1.html