Apenas 49 dos 5.570 municípios brasileiros possuem mais de 500 mil habitantes. Na outra ponta, teríamos que juntar os 257 municípios com menos habitantes para representar a quantidade de vidas perdidas pela COVID-19 no Brasil até o dia 19 de junho de 2021 (dados extraídos da projeção populacional IBGE 2020). O que a segunda dose tem a ver com isso?

Estamos com essa quantidade enorme de vidas perdidas. Este “dado” – pessoas que partiram – nos coloca em segundo lugar no ranking de mortes por COVID-19 no mundo e após 15 meses de pandemia declarada. Todavia, ainda não temos políticas públicas efetivas para o controle da pandemia no Brasil. 

“Mas agora temos vacinas”, eles dizem. Sim, entretanto apenas 24 milhões de pessoas, dos mais de 211 milhões de brasileiros, tomaram a segunda dose da vacina. Isto é, 11% de cobertura vacinal. Lembrando que só as duas doses garantem a imunização completa.

Não estamos seguros.

Em meio a arraiás de vacinação, memes de corrida e organização de eventos testes, a terceira onda já começa a aparecer. Isto é, aquela onda que mais parece um tsunami que não acaba nunca. Cidades do interior de São Paulo como Campinas e São José do Rio Preto já voltaram às medidas mais restritivas. Por exemplo, medidas como fechamento de comércio e toque de recolher noturno.

A corrida das vacinas serviu para alimentar a esperança da população de que finalmente enxergamos uma luz no fim do túnel da pandemia no Brasil. Apesar disso, em reunião da OMS já fomos alertados de que apenas a vacinação não será suficiente para conter o avanço das diversas variantes do SARS-CoV-2 no país. 

Ainda que prefeitos e governadores estejam adiantando a aplicação da primeira dose em adultos, e a cidade do Rio de Janeiro tenha incluído adolescentes em seu calendário de vacinação, o Brasil encontra alguns problemas. 

Gráfico 01. Porcentagem estimada da população idosa com mais de 70 anos vacinada no Brasil com qualquer uma das vacinas contra COVID-19 aprovadas no país. Em laranja estão representadas a primeira dose. Em azul estão representados aqueles que tomaram duas doses da vacina. 

Dados disponíveis no dataSUS (que você pode consultar aqui)  mostram que a população de idosos, que começou a ser vacinada em fevereiro, ainda carece de segunda  dose. Assim, aproximadamente 92% dos idosos com mais de 70 anos tomaram uma dose da vacina, e somente 74% tomaram a segunda dose. Além disso, é interessante notar que a partir dos 80 anos, a taxa de retorno para a segunda dose cai em relação a faixa entre 70 e 79 anos. 

Mas tem mais questões aí…

Quando observamos os dados por estado também vemos algumas discrepâncias. Enquanto alguns já estão próximos a 90% da imunização dos idosos, outros ainda estão na faixa de 50%. Em 18 estados há uma imunização maior em suas capitais, o que mostra que ainda precisamos investir muito em campanhas no interior dos estados. 

Gráfico 02. Porcentagem de idosos com mais de 70 anos vacinados contra COVID-19 separados por Unidade Federativa e respectiva capital. Em roxo está representado por estado a porcentagem de pessoas que tomaram as duas doses da vacina. Em verde, a porcentagem dos idosos residentes da capital de cada estado que tomaram duas doses da vacina. 

Assim como já discutimos no texto sobre a importância da segunda dose das vacinas, que você pode ler aqui, reforçamos que é necessário melhorar a divulgação do calendário de vacinação para a população.

Sobre comunicação científica e campanhas de vacinação

Quando falamos em reforçar a divulgação, não estamos falando da divulgação científica não. É campanha PESADA EM MÍDIAS ACESSÍVEIS A TODOS: televisão, jornais, rádio, panfletos em postos de vacina. É fundamental que pessoas sem acesso à internet, por exemplo, tenham uma informação precisa acerca de datas de vacinação, processos de agendamento e retorno. Este procedimento é obrigação dos governos, pois faz parte de uma política pública de massa que PRECISA SER EFETIVADA O QUANTO ANTES.

Possuímos vacinas com intervalos de imunização diferentes, que podem gerar confusão na hora do retorno, principalmente em pessoas mais velhas. Estas pessoas precisam, sim, de informações precisas acerca dos calendários. Além disso, de nada adianta correr com o calendário e divulgar novas datas mais cedo no cronograma anterior se as vacinas previstas não estão chegando – ou a população não está indo se vacinar. Vacinação é política pública, precisa de previsão, organização e estrutura da maquinaria do estado. Já fizemos isto antes com maestria, já fomos referência mundial de vacinação. Sabemos fazer isto, mas saber não é o suficiente: precisamos deliberadamente atingir a todos e conseguir que as pessoas compareçam nos postos de vacinação!

E quanto a nós?

Nós, formiguinhas em meio à turbulência seguimos trabalhando e buscando tornar a informação acessível. Todos nós, cidadãos, podemos contribuir ajudando àquelas pessoas que têm dificuldade de acesso (seja por falta de acesso confiável e segura pela internet, seja por falta de condições de acessar à internet, dificuldade de leitura, dentre outras questões).

Não esqueça de informar seus familiares e conhecidos sobre quando chegar a hora deles se vacinarem, pergunte se já se inscreveram e se estão acompanhando os calendários.

E, lembre-se, mesmo depois de vacinados, continuem usando máscara e praticando o distanciamento!

Agradecimentos

Neste texto, agradecemos imensamente à Sabine Righetti (Labjor/UNICAMP e Agência Bori) que nos forneceu os dados brutos do levantamento sobre a segunda dose no país para elaborarmos a postagem. Abaixo indicamos as matérias da Sabine.

Quer saber mais ? Separamos aqui mais notícias que utilizamos de referência:

Um quinto dos brasileiros de mais de 70 anos não completou vacinação contra Covid-19

Quase 2 milhões tomaram segunda dose de vacina contra Covid-19 fora do prazo no país

Mais de 16 mil pessoas tomaram doses trocadas de vacina contra Covid, mostra registro

Este texto é original e foi produzido com exclusividade para o Especial COVID-19

logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores. Dessa forma, os textos foram produzidos a partir de campos de pesquisa científica e atuação profissional dos pesquisadores e foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Assim, não, necessariamente, representam a visão da Unicamp e essas opiniões não substituem conselhos médicos.


editorial


Alexandre Borin

Alexandre Borin, biólogo, mestrando em Imunologia pelo programa de Genética e Biologia Molecular da UNICAMP em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

1 comentário

desentupidora brooklin · 01/06/2022 às 13:26

quantas pessoas morreram por negligência das vacinas??? estamos abandonados em todos os sentidos, vacinas salvam, se vacine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content