Estamos passando por um período bem delicado, em que a pandemia do coronavírus mudou a rotina de muitos de nós, e com isso procuramos aprender e nos adaptar aos novos modelos de trabalho e relações.

Vocês estão acompanhando nosso Especial Epidemias, e quero apresentá-los à Dra. June Almeida, a mulher que descobriu o primeiro coronavírus. Há cerca de um mês, June vem sendo destaque em alguns meios de comunicação e páginas de divulgação científica –  quando seu trabalho foi retirado do esquecimento. 

Hoje, vamos explicar por que sua técnica de microscopia eletrônica foi revolucionária para a época e merece destaque nos dias atuais. Também convidamos vocês a refletirem sobre a razão pela qual uma pandemia foi necessária para que a Dra. June Almeida fosse, enfim, celebrada.   

O começo

A Dra. June Almeida nasceu em Glasgow em 1930 e foi uma virologista escocesa, doutora em ciências e pioneira no método de imagens para vírus. 
Filha de Jane Dalziel e Harry Leonard Hart, sempre foi considerada uma aluna brilhante, mas aos 16 anos ela precisou deixar a escola pois não conseguiu uma bolsa de estudos . Por não ter recursos para ir à universidade, pois seu pai trabalhava como motorista de ônibus, June começou a trabalhar como técnica de laboratório em histopatologia na Royal Glasgow Infirmary. Posteriormente, mudou-se para o Hospital St. Bartholomew, em Londres, para continuar sua carreira em função similar.

O reconhecimento

Ao mudar-se para Londres, June conheceu  o artista venezuelano Enrique Almeida,com quem casou-se em 1954 e teve uma filha.  Um tempo depois, o casal mudou-se para o Canadá, onde June passou a trabalhar como técnica em microscopia eletrônica no Ontario Cancer Institute. Mesmo sem qualificações universitárias ela teve um grande destaque e escreveu diversos artigos científicos, sendo a maioria relacionada a estruturas de vírus.

A metodologia desenvolvida por June, que possibilitava  uma melhor visualização de vírus por meio do uso de anticorpos, permitiu utilizar microscópios eletrônicos no diagnóstico de infecções virais, sendo uma delas a rubéola. 

Seu trabalho começou a ser aceito e, alguns anos depois, em 1964, ela foi convencida pelo professor de microbiologia na St. Thomas Hospital Medical School a voltar à Inglaterra para trabalhar no hospital.

June Almeida. Foto: Getty Images

A técnica revolucionária

Os vírus são partículas microscópicas e a visualização de suas estruturas só é possível através de um microscópio eletrônico, que evidencia partículas menores que 1mm. Quando um microscópio eletrônico emite um feixe de elétron sob uma amostra, essa emite elétrons secundários que são capturados por detectores. As interações das partículas com a superfície da amostra são então registradas, criando uma imagem 3D na tela do computador. Como os elétrons têm comprimentos de onda muito mais curtos que a luz, a imagem revelada apresenta detalhes pequenos e finos.

Na época em que June trabalhou, as imagens de microscopia eletrônica eram muito duvidáveis devido à falta de nitidez do contraste, sugerindo resultados falsos-positivos. Contudo, June era conhecida por ter desenvolvido uma metodologia de sucesso, através da mistura de reagentes em determinado pH, que melhorava o contraste do material gerando imagens mais definidas. Essa metodologia é conhecida como marcação negativa

June ainda realizou importantes avanços na técnica conhecida como microscopia eletrônica imune que utiliza anticorpos para marcar a molécula de interesse. Com essa técnica, June conseguiu demonstrar a morfologia do Rinovírus, o que era muito difícil na época. No geral, seus trabalhos em microscopia eletrônica promoveram importantes avanços em virologia nas décadas de 1960 e 1970.

A validação

Quando a Dra. June Almeida voltou para o Reino Unido suas publicações já eram reconhecidas, e com o seu retorno sua carreira efetivamente decolou e ela obteve o grau de doutora honorária. 

A cientista começou, então, a colaborar com Dr. David Tyrrell, que analisava pacientes da unidade de gripe comum do hospital. Algumas amostras de lavagens nasais de voluntários foram enviadas a June, que pôde identificar em seu microscópio os vírus do resfriado comum e um outro vírus, que era uma nova causa de infecção respiratória: o coronavírus. A princípio, esse novo patógeno foi chamado de vírus “tipo influenza”, mas esse nome não soava tão especial. June batizou então o novo vírus com o seu nome, agora tão famoso, por observar nas imagens uma espécie de halo em volta do vírus,  que remete a uma coroa

Embora a identificação de um novo vírus que causa uma patologia respiratória em humanos pareça algo muito relevante, seus achados foram imediatamente rechaçados pela primeira revista científica em que June tentou a publicação dos dados. Eles duvidaram se tratar de um novo vírus, argumentando que seria apenas imagens mal feitas do vírus influenza. 

Somente em 1967, June publicou as imagens captadas pela brilhante técnica de microscopia eletrônica no Journal of General Virology. Esse artigo pode ser lido na íntegra aqui.

June também produziu a primeira imagem do vírus da rubéola e descobriu a existência de dois componentes distintos do vírus da hepatite B.

Primeiro tipo de coronavírus identificado por June Almeida em 1964. Foto: Reprodução/BBC.

Ela encerrou sua carreira no Wellcome Research Laboratory, onde trabalhou desenvolvendo vacinas. Em 1985, ela se aposentou e tornou-se professora de ioga, mas manteve-se como consultora no Hospital St. Thomas desde 1980, onde ajudou a registrar a imagem do vírus HIV

Ela morreu em 1 de dezembro de 2007, aos 77 anos, em sua casa em Bexhill, após um ataque cardíaco, deixando a filha Joyce e as netas.

.

.

Se pararmos para refletir, a história de June Almeida infelizmente não se difere muito da história de outras tantas mulheres cientistas que já abordamos aqui. Assim como ela, Rosalind Franklin e sua fotografia que ajudou a desvendar a estrutura do DNA ou Nettie Stevens e seu trabalho com cromossomos sexuais não tiveram a merecida valorização na época em que foram realizados. 

O que sua história também tem em comum com a de outras cientistas é que anos mais tarde, de uma forma ou de outra, esses achados são resgatados e trazidos à luz e seus feitos são enfim merecidamente destacados. Nos orgulhamos em cumprir esse papel de resgatar e celebrar essas mulheres cientistas e seus feitos fundamentais para a construção do conhecimento. 

Convidamos a todos vocês a celebrar a Dra. June Almeida e a descobrir aqui outras tantas mulheres incríveis. 


Esse texto teve a colaboração de Marina Barreto Felisbino e Carolina Francelin.

Referências

https://oglobo.globo.com/celina/june-almeida-mulher-que-descobriu-primeiro-coronavirus-humano-24376400

https://www.publico.pt/2020/04/17/ciencia/noticia/historia-primeira-pessoa-coronavirus-humanos-1912722

https://pt.wikipedia.org/wiki/June_Almeida

https://brasil.elpais.com/smoda/2020-05-08/a-verdadeira-historia-da-cientista-sem-estudos-que-descobriu-os-coronavirus.html

https://www.microbiologyresearch.org/content/journal/jgv/10.1099/0022-1317-1-2-175;jsessionid=bDf_z0c7jWH2XFbtjM92rvp-.mbslive-10-240-10-103

http://coronavirus.butantan.gov.br/ultimas-noticias/june-almeida-a-doutora-que-nao-terminou-o-ensino-medio-e-identificou-o-primeiro-coronavirus

https://www.bbc.com/news/uk-scotland-52278716

https://jvi.asm.org/content/jvi/10/1/142.full.pdf

https://www.oxforddnb.com/view/10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-99332;jsessionid=C76D00BE1623ACAFA790C8992369D53D

https://www.microbiologyresearch.org/content/journal/jgv/10.1099/0022-1317-1-2-175;jsessionid=BzeMOhElGboAUSiTKaCfW0HP.mbslive-10-240-10-183


logo_

Os argumentos expressos nos posts deste especial são dos pesquisadores, produzidos a partir de seus campos de pesquisa científica e atuação profissional e foi revisado por pares da mesma área técnica-científica da Unicamp. Não, necessariamente, representam a visão da Unicamp. Essas opiniões não substituem conselhos médicos.


editorial


Natália De Nadai

Formada em Física, Matemática, Pedagogia e cursa especialização em Educação e Tecnologia. Atualmente trabalha com revisão e produção de conteúdos, videoaulas e material didático de Física e Matemática. Apaixonada por ciências, educação, tecnologia e bolo de cenoura.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *