Category Archives: Geral

A casa

Fui conhecer uma casa com vários conceitos sustentáveis em sua construção. Na verdade acho que todos esses conceitos poderiam ser pensados para todas as casas hoje em dia. Coisas como aquecimento solar, reaproveitamento de água de chuva, telhado verde, aproveitamento de energia solar, ventilação cruzada e iluminação natural não são coisas impossíveis de ser parte de uma rotina na hora de pensar uma nova construção, assim como banheiro, cozinha e a churrasqueira. Por que coisas como closets, ofurôs e cozinha gourmet que até bem pouco tempo não existia nas casas, hoje em dia é super comum? Por que conceitos estéticos viram “moda” e ecoeficiência não? Quando eu percebo esse tipo de coisa eu vejo que eu devo mesmo ser a minoria da minoria das pessoas preocupadas em ter um apoveitamento mais inteligente dos recursos naturais do planeta.

O próprio engenheiro e dono da casa diz que não tem nada de difícil e muito novo no que ele fez, são tecnologias perfeitamente acessíveis, basta querer implementar. Ah, mas é caro por isso que as pessoas não fazem. Bom, fazer um ofurô, uma piscina, um closet também não é barato, então, como sempre, tudo é uma questão de escolha e prioridade.

DSC06549.jpg
Fachada da casa
DSC06550.jpg
Fundos da casa

Saiba mais sobre essa casa que fica aqui em São José dos Campos: http://goo.gl/iBAxxd e http://goo.gl/GjqHbJ.

Sim, essa é uma casa num condomínio de luxo e precisamos fazer esses conceitos de eficiência nas moradias e nas construções chegarem também em casas mais simples e populares, mas enquanto o povão acreditar que copiar os ricos que é legal e os ricos não resolverem mudar o conceito, vai ficar dificil…

Sustentabilidade é impossível até que as empresas admitam o custo ambiental

Fazia tempo que eu não colocava um texto traduzido aqui no blog (confesso que sou uma péssima tradutora), mas quando li esse vi que precisava compartilhar! E com a ajuda do Google Translate resolvi postar aqui. A versão original em Inglês: Sustainability is impossible until companies admit environmental cost.

 Enquanto o impacto das empresas no meio ambiente permanecer ignorado a questão de como a sociedade lida com as consequências dos danos permanecerá sem resposta

Por Joseph Zammit-Lucia

Salmon-009
Relatório sobre salmão de viveiro afirmou que “os peixes de viveiro é o produto mais tóxico da Noruega.” Foto: Tatyana Makeyeva/AFP/Getty Images

De férias, recentemente, visitei a área sagrada japonesa de Kumano Kodo. Milhas de caminhadas marcam rotas de peregrinação da antiga capital de Kyoto para uma série de santuários localizados em torno da península Wakayama.

Nós estávamos andando em um alto cume e paramos para olhar e ouvir os sons da floresta – o canto dos pássaros , uma variedade de ruídos de insetos e grandes borboletas .

Mas havia algo de estranho. O som estava vindo para nós em mono, não em estéreo. Um dos lados do cume caiu vertiginosamente. A floresta era exuberante, variada e cheia de vida animal e de insetos. Foi a partir deste lado que a cacofonia de som estava vindo. O outro lado do cume era menos íngreme e tinha sido explorada comercialmente como uma plantação de madeira: a monocultura de pinheiros. Nenhum ou muito pouco de vida além dos pinheiros -se poderia sobreviver aqui.

De acordo com algumas normas, as plantações de pinheiros pode ser considerado “sustentável”. Elas são bem geridas, o re- plantio ocorre e o solo é mantido em boas condições. Mas o que acontece a grande quantidade de outras formas de vida que foram expulsas e destruídas no processo de transformar cadeias de montanhas inteiras em florestas manejadas? Quem banca os custos disso? A gestão de “externalidades” – como tal dano é um- emocionalmente marcado por economistas – tem provado ser uma das questões mais difíceis no caminho para a sustentabilidade.

Não só a capacidade das empresas a fazer danos ou despejar seus resíduos sem impedimentos prejudicar o meio ambiente. Ela pode levar à criação de produtos que podem ser prejudiciais à saúde humana. Pegue a indústria de criação de salmão norueguês – e a maioria das agriculturas de salmão em outro lugar, muitas delas controladas por empresas norueguesas. Um relatório sobre salmão de viveiro pelos Guerreiros Verdes da Noruega, afirmou que “os peixes de viveiro é o produto mais tóxico da Noruega.” Por quê?

Algumas fazendas de salmão despejam resíduos tóxicos em rios e oceanos . Além dos danos óbvios e significativos, tanto para os oceanos e para a vida do oceano, a capacidade de despejar resíduos sem impedimentos permite que os produtores de salmão usem antibióticos e substâncias químicas cancerígenas nas fazendas, a fim de “otimizar ” o valor comercial de seu produto.

A proporção desses produtos químicos permanecem no peixe e, como resultado, o salmão que comemos pode ser muito longe da limpo, saudável , natural (produto que se posiciona como). Até mesmo a coloração típica salmão é frequentemente adicionada quimicamente, o salmão de viveiro tem a carne cinza. A questão da imposição de custos sobre os outros tem sido um dos mais intratáveis ​​no debate sobre a sustentabilidade. As tentativas para avançar foram criticadas por todos os lados. As empresas têm resistido a assumir a totalidade dos custos de suas atividades. Mesmo quando as tecnologias alternativas que poderiam eliminar e reduzir significativamente o impacto já existem e são acessíveis – como na criação de salmão – produtores se recusam a adotá-las.

Reguladores preferem manter o status quo em vez de descarregar as responsabilidades com o ambiente e a saúde humana. Por outro lado , alguns grupos ambientalistas se opuseram às tentativas de compensar alguns dos custos externalizados da indústria como representando uma mercantilização da natureza.

A indústria não pode absorver custos anteriormente externalizados da noite para o dia. É também claro que continua a ignorar as consequências, o que também não é aceitável.

Um primeiro passo seria uma exigência para todas as empresas a serem transparentes sobre as externalidades que geram em termos de finanças, meio ambiente e saúde. Podemos, então, iniciar uma discussão aberta perguntando: se as empresas não querem arcar com estes custos que elas geram, como deve a nossa sociedade lidar com eles? Enquanto esses custos permanecerem ocultos e largamente ignorado, tal discussão é impossível.

Há sinais de progresso. A nova exigência do Reino Unido para as empresas informarem sobre as emissões de gases de efeito estufa a (GEE ) é um passo bem-vindo. Mas a exigência deve ser estendida para incluir todo o tipo de impacto ambiental externalizada em toda a cadeia de abastecimento.

Algumas empresas já começaram este processo. Puma é provavelmente o mais conhecido por sua demonstração de resultados do meio ambiente. Patagônia é outra empresa que leva a sério as suas responsabilidades ambientais . Eles têm feito grandes progressos, mas ainda não totalmente transparente e responsáveis por todos os custos impostos ao meio ambiente e à saúde humana.

Estamos todos chocados quando vemos imagens de aberto de lixo nas ruas ou pilhas de resíduos nas cidades de muitos países em desenvolvimento. No entanto, a discussão sobre a grande quantidade de custos externalizados pelas indústrias em todo o mundo recebe pouca atenção.

Até as corporações começarem a ser totalmente transparente sobre os custos totais que eles impõem sobre o meio ambiente e os reguladores começarem a tomar tal despejo a sério, grande parte da conversa sobre a criação de negócios sustentáveis ​​permanecerá apenas da boca para fora. Transparência e um debate aberto sobre como, como sociedade, deve cobrir os custos externalizados estão ambos muito atrasadas.

Eventos

Se antes os eventos do tema sustentabilidade tinham sustentável no nome hoje em dia eles ficaram um pouco  mais elaborados e na minha caixa postal tem sempre algum evento com investimentos, negócios e impacto nos nomes. É o caso do 4o Foro Latino Americano de Inversión de Impacto, promovido pela New Ventures México, dias 18, 19 e 20 de fevereiro em Mérida, no México e 8o Congresso Gife – Por um investimento social transformador, promovido pelo Gife, dias 19, 20 e 21 de março em São Paulo.

foro_logo

No caso do evento no México eu não irei participar, mas a ideia de reunir toda a América Latina para falar investimentos de impacto me pareceu bem empolgante, a New Ventures é uma instituição sem fins lucrativos com o intuito de acelerar negócios sustentáveis. Parece que eles terão um livestreaming, vou tentar acompanhar.

Gife_congresso

Já o Congresso Gife vou fazer parte da rede de comunicação e mobilização, vou participar do evento e fazer uma cobertura in loco. O Gife é uma rede de instituições que investem em projetos de finalidade pública e tem como missão aperfeiçoar e difundir conceitos e práticas do uso de recursos privados para o desenvolvimento do bem comum. Ou seja, é o grupo das fundações e institutos das empresas querendo entender e saber como e quanto cada uma delas investe no social. São mais de 100 instituições nessa rede.

Dois eventos sobre investimentos para um mundo melhor. Será que esses investimentos ainda não chegam nem perto do que precisamos e só vamos conseguir o tão sonhado mundo melhor quando instituições como essa pararem de bater seus próprios recordes de lucro?

O problema é só a escala…

Eu realmente gostaria de terminar o ano com um post otimista dizendo o quanto eu vejo no futuro um mundo melhor, mas não, o mundo adora me contrariar e só me diz que tudo só tende a piorar… Eu queria muito ter terminado o ano sem ter lido esse artigo do Valor Econômico: Choque de escala. Nunca li tanta barbaridade atrás da outra numa reportagem que se dize sobre  sustentabilidade, num suplemento do jornal chamado “Negócios sustentáveis”. PARA A PORRA DO MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!!!!!!

A começar para a chamada da reportagem: “Marina Grossi, presidente do Cebds: “As soluções para os principais dilemas já existem, mas precisam ser difundidas e ganhar escala, com base em metas mensuráveis, para que tenham viabilidade””. Cara Marina Grossi de quais dilemas você se refere? Eu não vejo solução para a obssessão do mundo por crescimento, não vejo solução para a sociedade consumista que estamos inseridos e nem vejo solução para a destruição em massa da biodiversidade mundial. Para mim esses são dilemas essenciais que temos no mundo hoje e que não vejo nenhuma solução que precisa ser apenas difundida e ganhar escala. Se você tem essa resposta, por favor me escreva e me conte para que eu não ache que tudo continua perdido.

all-you-need-is-less1

Outra pérola da reportagem  veio da gerente de sustentabilidade da Unilever, Ligia Camargo: “”Queremos dobrar de tamanho e reduzir pela metade o impacto ambiental até 2020″, conta . A empresa pretende contribuir para um planeta saudável vendendo mais produtos, principalmente aqueles ligados a aspectos socioambientais, aumentando o faturamento anual de € 40 bilhões para € 80 bilhões.” Planeta saudável vendendo mais produtos!!!! Que planeta essas pessoas vivem? E ainda imenda “Com o sabonete bactericida, por exemplo, o plano é estimular o hábito de lavar as mãos, com reflexos na redução da mortalidade infantil e no bem-estar de 1 bilhão de pessoas no mundo.” Pra que sabonete bactericida se as pessoas nem água encanada tem??? Se apenas 57% dos domicílios brasileiros estão ligados a redes de esgoto? Já tô vendo o povo tomando banho com sabonete bactericida naqueles açudes lamacentos do nordeste brasileiro e da África no relatório de sustentabilidade da empresa. E por fim, mas não menos importante, querida Unilever, se você quer de fato diminuir seu impacto, para dobrar de tamanho você tem que anular seu impacto ambiental, não apenas reduzí-lo pela metade, de que adianta gastar 5 ao invés de 10 para produzir se vcoê tá produzindo o dobro? Pra mim a conta continua não fechando.

E o último achado da reportagem: “”O resultado financeiro é uma das metas de sustentabilidade“, argumenta Soto.  Ele cita o economista indiano Pavan Sukhdev, autor do livro “Corporação 2020”, no qual traça as condições para o desenvolvimento de empresas mais responsáveis e destaca a importância da viabilidade econômica.  “Não podemos esperar até 2050 ou 2100 para fazer mudanças no desempenho ambiental; as transformações devem ocorrer na próxima década se quisermos manter a esperança de construir uma economia sustentável”.” Eu não li o livro Corporação 2020, apenas vi a promoção do livro no site Planeta Sustentável, mas pelo que eu pude entender o que tá em jogo nesse trecho da reportagem é a sustentabilidade financeira das empresas, a economia sempre em primeiro lugar, se tiver ganho ambiental, social e o que for, legal, mas não é o primeiro objetivo, nunca.

Ontem li essa entrevista ‘O capitalismo sustentável é uma contradição em seus termos’ diz Eduardo Viveiros de Castro e com a reportagem de hoje só comprovei, mais uma vez, que a sustentabilidade é mesmo coisa de hippie, por que quem manda no dinheiro, quem compra, quem consome e vende tá pouco preocupado com o futuro do seres humanos, ninguém tá muito interessado em mudar seu estilo de vida para ter um planeta mais habitável. Então por favor, vamos parar de nos enganar, empresas digam logo: Nós queremos lucros estratosféricos nem que isso comprometa a existência dos seres humanos no longo prazo e seres humanos assumam: Num tô nem ai para o resto do mundo e para as futuras gerações, quero consumir muito e sempre mais.

Que venha 2014.

Turismo sustentável

Qual a diferença desse post para o que eu escrevi alguns meses atrás intitulado Turismo Verde? Apesar de nomes bastante parecidos eles não tem muito a ver pois esse é para mostrar uma iniciativa muito legal para ajudar a melhorar o turismo sustentável no país. Primeiramente quero apresentar a Garupa. A Garupa nada mais é do que uma plataforma de crownfunding, nada mais que isso, mas tem um tema específico, o turismo sustentável, como funciona? Lá você encontra vários projetos de turismo sustentável, como por exemplo curso de inglês para a comunidade que cuida de uma pousada na Amazônia para dar mais autonomia aos locais na gestão da pousada, apoiar um restaurante de comida caseira e caiçara no caminho para a Estação Ecológica da Jureia ou ainda a reforma do Centro de Visitantes da Associação Mico-Leão-Dourado (http://www.micoleao.org.br), para criar uma exposição com mapas, imagens, vídeos e textos informativos que acrescentem à experiência e à educação ambiental do visitante.

Além de conhecer projetos bem legais tomei contato com alguns destinos turísticos no Brasil bem no estilo sustentável de ser, com produção e empoderamento das pessoas locais. É muito empolgante.

E toda vez que eu descubro uma iniciativa legal dessas escolho um projeto para adotar e dessa vez escolhi o projeto da Pousada Uacari de contratar um professor de inglês durante um ano para a comunidade que cuida da pousada, veja mais detalhes no video a seguir:

Fiquei morrendo de vontade de conhecer essa pousada, o site deles é http://pousadauacari.com.br/ . Já tô aqui pensando em vários possíveis roteiros… Smile Que tal colaborar com desenvolvimento de turismo sustentável no Brasil? Agora não tem mais desculpa de não saber como!

Relato da Lucia Malla e do Gabriel Britto que já estiveram lá na Pousada!

A beleza da estatística

Um dos meus passatempos favoritos é escolher aleatoriamente alguma apresentação do TED para assistir, sempre tenho gratas surpresas e dessa vez não foi diferente. Sou péssima para nomes e só lá pela metade da apresentação me dei conta que já tinha visto um video desse Sr. sueco sobre estatísica, Hans Rosling, não é a toa que na descrição do perfil dele do TED fala “nas mãos de Hans os dados cantam”. Não duvide.

Eu sei que um video de 15 minutos é muito tempo, mas vale muito a pena ver esse pois fala de várias coisas que tenho pensado em escrever aqui e achei tudo resumido nesse video.

  • África não é um país, é um continente, parem de generalizá-la como se fosse tudo uma coisa só.
  • Educação de meninas é de extrema importância para um mundo melhor, empoderar as mulheres só vai trazer vantagens para o mundo, a maior delas: controle de natalidade!
  • Controle populacional tem que deixar de ser tabu, alguma coisa tem que ser feita a respeito e urgente, o planeta Terra não comporta tanta gente consumindo e querendo ter vidas de alto padrão.

Apesar do principal tema desse video ser estatísitica não tem como não se empolgar, o Sr. Hans é ótimo! E ver que os dados de mortalidade infantil estão melhorando no mundo é bom para ter um pouco mais de esperança no mundo. Winking smile

Cerratinga

*Este post não é um publieditorial.

cerratinga

Primeiro um amigo compartilhou no Facebook, depois recebi uma mensagem na Fan Page do blog pedindo pra divulgar e como eu já tinha adorado, coisa boa a gente divulga com prazer!

Esse site faz uma coisa online que eu sempre sonhei em fazer de verdade. O meu sonho off line seria ter uma fazenda onde as pessoas pudessem plantar suas árvores frutíferas nativas e sempre que tivessem vontade pudessem ir até lá colher umas frutinhas, fazer um picnic, passear pelo pomar e claro aproveitar a “casa” da fazenda com os produtos feitos lá colhidos diretamente do pomar, horta, e ainda um museuzinho explicando cada espécie e os biomas de origem de cada uma. Seria como um clube, só que ao invés de um parque aquático ou um campo de golf a atração seria nossa biodiversidade.

Ainda bem que tem gente mais rápida e esperta que eu e fez esse projeto online pra abranger muito mais gente! O Cerratinga é um site que fala da Caatinga e do Cerrado focando no grande potencial do uso dos recursos da biodiversidade desses biomas. Sabe o Buriti? O Jatobá? Já ouviu falar do Umbu? No Cerratinga você encontra informações sobre todos eles, suas árvores, fotos e até receitas de como prepará-los. Ainda tem uma seção dedicada aos produtores e as populações nativas desses locais. Vale a pena visitar e se perder com tanta informação legal desse nosso Brasilzão!

Dá gosto de ver um trabalho tão bem feito e bem cuidado! A nossa biodiversidade merece! Agora espero que um sobre a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica também estejam a caminho!

Não existe resposta fácil

Se alguém disser que tem a solução fácil para algum problema difícil da humanidade duvide, a cada dia que passa só me convenço que viver em sociedade num planeta com alguns bilhões de seres humanos não tem solução rápida e fácil para nenhuma questão.

Sempre penso sobre isso depois que leio os posts do Sakamoto, concordo com quase tudo que ele escreve e a grande maioria das coisas que ele escreve me deixa deprimida pois só me faz chegar a conclusão de que falhamos como sociedade, falhamos como humanidade, deixamos que pessoas sejam escravizadas seja por outros seres humanos, seja para comprar, ter bens de consumo que na grande maioria das vezes poderiam viver bem sem, deixamos que animais de estimação ocupem muitas vezes lugares mais importantes que o de muitos seres humanos, deixamos de dar educação, oportunidade e informação para uma parcela enorme das pessoas e deixamos que o machismo, o fanatismo e a ignorância tomem conta de tudo. Parece exagerado? Mas não é, pense num grande problema da humanidade hoje, qualquer um, a razão pela qual estamos passando por esse problema se explica pela nossa falha como sociedade.

Vamos pensar num problema do mundo hoje: aquecimento global. Solução? Diminuir consumo? Pensa que é fácil convencer as pessoas que não podem mais trabalhar de carro, que é melhor não usar o ar condicionado ou devem comer menos carne? Ah, sim, tem uma enorme parcela da população que ainda não tem carro próprio, não imaginam o que seja um ar condicionado e comem carne uma vez por semana, se é que comem. E há quem diga que usar menos sacolas plásticas pode ajudar…

9-all-you-need-is-less

Com tantos problemas saltando aos olhos todos os dias nas manchetes brasileiras e ver as pessoas sugerindo respostas fáceis para cada um desses problemas me causa mais depressão ainda e só mostra o quanto seres humanos são imediatistas e que querem acreditar que é fácil resolver problemas como violência, aborto, trabalho escravo, drogas, aquecimento global, etc. Bom, do melhor jeito não é fácil, mas se você quer apenas que o problema desapareça da sua vista, pode ser que sua solução fácil seja suficiente.

Será que estou entrando em outra fase como a que passei em 2008? É a fase dos 6 anos de blog? Espero que passe e eu possa voltar a ser mais otimista.

Turismo “verde”

Por conta do dia da Terra (22/04) alguns sites resolveram falar de turismo “verde”. O Lonely Planet por motivos óbvios, já que é uma empresa de turismo e o Mashable, bem eles eu não sei por que resolveram associar turismo, dia da terra e tecnologia. De qualquer forma, como ultimamente ando viajando bastante (vide meu outro blog, Algum lugar do Planeta) achei interessante falar sobre o assunto aqui.

Adoro fazer ecoturismo, visitar locais onde entramos em contato com a natureza, provavelmente pela minha formação de geóloga esse gosto seja um pouco mais acentuado, mas fato é que nunca consegui fazer nenhuma viagem que eu considerasse “verde”. Simplesmente por que eu acho isso impossível, viajar é impactante, a indústria do turismo é toda baseada no disperdício, no luxo, na comodidade sem consequências e ai você caro amigo que como eu ama viajar, como faz? Não viaja mais? Seria esse o ideal, mas se o turismo do mundo parasse seria um verdadeiro problema para os locais onde ele é essencial.

O artigo que eu li no Lonely Planet “Como saber se sua viagem é verde ou apenas greenwash” eles tornam quase impossível fazer a sua viagem ecologicamente correta, pedir pro seu hotel/destino responder questões como: Quais são os principais problemas ambientais enfrentados e como eles estão lidando com isso ou Qual a proporção da receita permanece ou é revertida para a comunidade local? Pra mim pareceu piada, imagina uma pousadinha em Lençóis na BA, porta de entrada da Chapada Diamantina, você consegue imaginar eles respondendo isso? Ou até mesmo a secretaria de turismo da cidade? Eu até consigo imaginar a resposta padrão que vai vir com aqueles bordões de relatórios de sustentabilidade de empresas. Espero que eu esteja errada, mas quantas pessoas antes de viajar se preocupam em perguntar isso? E outra, será que dá pra acreditar na resposta que vier? A minha opção é: vai lá ver como eles encaram as coisas, antes vão falar um monte de milagres, mas só indo lá mesmo pra saber, faça sua pesquisa sobre o local antes e chegando lá converse com as pessoas locais para saber como o turismo é levado por lá.

Ok, o artigo sugere essas perguntas para os destinos que se proclamam verdes, mas e os outros então, merecem quais perguntas? Eles não precisam ser “verdes” também? É por isso que o verde aqui está sempre entre aspas, só tem que se preocupar em ser “verde” quem assim se proclama?

Por exemplo os 30 maravilhosos hoteis “ecofriendly” do artigo da Mashable merecem receber as perguntas sugeridas pelo Lonely Planet para sabermos se são realmente “verdes” ou apenas greenwashing, mas geralmente as pessoas acreditam no que é proclamado e não querem saber muito de ter o trabalho de verificar as informações.

Na verdade os hoteis adoram parecer preocupados com meio ambiente, quem nunca viu dentro do quarto de um hotel aquele aviso dizendo que se você não quiser que troquem as toalhas é só deixá-las penduradas? Acho que em 90% dos hoteis que eu já fiquei na vida tinham esse aviso, pergunta quantos deles respeitaram meu desejo de não trocar a toalha? Acho que apenas 1. Colocar o aviso é fácil…

caco

No final do artigo da Lonely Planet a autora cita a frase do Sapo Kermit (antigo Caco) ‘it’s not [always] easy being green’ (não é fácil ser (sempre) verde), como eu já disse antes: Ser sustentável é difícil, acredite!

Piscinão de Cingapura

Estou em Cingapura, meu pai está trabalhando aqui e eu vim visitá-lo. Lembrei que uns tempos atrás escrevi o texto a seguir por um motivo qualquer e achei q seria interessante ressucitá-lo, afinal, estou na cidade e vou poder conferir o local de perto. Ainda não fui lá, mas quando for volto para contar se é tudo isso mesmo.

400px-Marina_Barrage_Solar_Panels
Os paineis solares do telhado. Foto: Tim Lee

Não é só no Brasil que temos problemas com as chuvas durante o verão e usamos “piscinões” para amenizar os problemas. Em Cingapura além de amenizar o problema de enchentes a Marina Barrage serve também como reservatório de água para abastecimento da cidade.

Localizada no centro da cidade, a Marina Barrage tem um espelho d’água com área de 10 mil hectares. A barragem de 350 metros que a delimita foi inaugurada em 2008, o reservatório é capaz de suprir 10% da necessidade de água local.

A Marina Barrage é um mostruário de sustentabilidade ambiental e ganhou o Green Mark Platinum Infrastructure Award, o prêmio principal nas concessões BCA organizadas pela Autoridade em Construção, em maio 2009.

Além de armazenar a água doce da chuva e evitar enchentes o local tem também função de lazer para os moradores da cidade-estado, que somam 5 milhões de habitantes. As pessoas passeam pela ponte que cobre a barragem, praticam vela e outros esportes náuticos no grande lago formado. O prédio central onde ficam as bombas que mandam água para fora do reservatório em caso se chuva em excesso, possui um telhado verde coberto por grama onde se encontram restaurantes e mais áreas de lazer. O telhado verde utiliza 100% de plásticos reciclados e células eco-friendly de drenagem. Este jardim no último andar, também oferece isolamento térmico natural para o edifício, a grama e o solo protegem o edifício do sol. O local também possui um parque com paineis solares que geram em torno de 50% da eletricidade necessária para a iluminação interna do prédio.

Esse é um exemplo de como uma obra de engenharia para amenizar enchentes também pode servir de atração e local de lazer para as pessoas.