Não só colecionadores de OSSOS! Parte II

Seguindo a postagem anterior e concretizando o prometido, venho falar dos primeiros organismos multicelulares, de corpo mole, que surgiram nos oceanos, e sua importância na construção da história e evolução.

Esses organismos fazem parte do que podemos chamar de biota de Ediacara. Ediacara foi uma região do sul da  Austrália e seu nome foi atribuído ao período em que esses fósseis ocorreram,  envolvendo cerca de 630 a 540 milhões de anos, no Éon Proterozóico.  Apesar de o período ser chamado de Ediacarano e eu estar falando de Ediacara, em outras regiões do mundo, tais quais Russia e China,  esses mesmos organismos foram encontrados na mesma  faixa de tempo.

O registro Ediacarano mostra evidência dos primeiros fósseis de organismos multicelulares com órgãos complexos já achados. Para a maioria dos pesquisadores da área, eles são considerados um grupo a parte, não tendo qualquer ligação com os organismos que viriam depois.

Reconstrução da biota de Ediacara

As formas registradas em rochas são vastas, incluindo anatomia discoidal, em forma de pena, outras semelhantes a medusas atuais, estruturas tubulares, e outras totalmente desconhecidas.

Registro de Dicknsonia, fóssil do Ediacariano

 
Cyclomedusa, Ediacara

Apesar de serem os primeiros metazoários (organismos com células diferenciadas), e terem dominado por um longo período de tempo, seu reinado teve fim no Proterozóico final e inicio do Camrbiano (primeiro período do Éon fanerozóico, datando cerca de 530 milhões de anos), com o surgimento de animais ainda mais complexos  – Como diria Darwin, numa competição, sobrevive aquele que é mais apto.

A vida então floresce

A explosão do Cambriano, é assim chamada, pelo surgimento abrupto de todos os filos animais que hoje existem. Nesse período, os animais já eram capazes de produzir conchas e eram mais parecidos com os animais de hoje.

Reconstrução do Cambriano

Os animais dessa época mostram formas, muitas vezes, bizarras. Entre os identificados, temos o anomalocaris, opabinia, allucigenia e wiwaxia. Esse grupo estranho não demonstra qualquer ligação com os outros filos que surgiram, levando-nos a crer que também foram extintos, como os organismos de Ediacara

O mais famoso registro fóssil desse perído foi encontrado numa região do Canadá conhecida como Burgess Shale, pelo paleontólogo Charles Walcott, em 1909. Além dos fósseis citados acima, outros invertebrados, trilobitas, esponjas, e a pikaia, o primeiro cordado que deu origem ao vertebrados, também foram encontrados na região.

Hallucigenia fóssil, Cambriano

 
Reconstrução artística do fóssil Hallucigenia

 
Opabinia, Cambriano

A explosão subta de organismos no Cambriano, sem evidências de ancestrais, foi a controvérsia que poderia ter sido a maior dor de cabeça de Darwin na teoria da Evolução. Apesar disso, há pesquisadores que defendem a idéia de um período anterior não preservado, no qual estaria a chave para este mistério.

O que sabemos sobre o começo da vida multicelular ainda pode ser meio obscuro. O que temos são evidencias químicas e traços biológicos preservados em rochas, ao contrários dos animais com esqueleto, que deixam vastos registros ósseos, e são melhor compreendidos. Sua origem e sua história ainda é motivo de discussões e controvérsias. Levantamos hipóteses, mas hipóteses não são sentenças. Cabe a nós, eternos estudantes, continuar descobrindo e constantemente acrescentar novos conhecimento à ciência.

Aguardem pelos próximos posts, e viajem pela paleontologia que não estuda somente ossos! 😀

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.