Um bicho tinhoso!! Conheça o mais novo predador do Cretáceo do Brasil

Durante do Cretáceo Superior, há cerca de 80 milhões de anos atrás, a região hoje correspondente ao noroeste do estado de São Paulo e Triângulo Mineiro em Minas Gerais, abrigava uma rica e diversificada fauna de crocodiliformes terrestres  (parentes distantes dos crocodilos e jacarés atuais), que prosperava em meio aos gigantes dinossauros.

Recentemente uma nova espécie de crocodiliforme desse período foi descoberta em uma cidade do interior de São Paulo. Descrita por pesquisadores brasileiros, o novo animal, com o crânio extraordinariamente bem preservado, ganhou um nome de dar medo: Gondwanasuchus scabrosus. Quer entender o por quê desse estranho nome de batismo? Vamos primeiro conhecer um pouco mais sobre esse animal:

Gondwanasuchus scabrosus_Rodolfo Nogueira
Arte de Rodolfo Nogueira.

– Texto por Thiago Marinho –

O mais novo representante dos crocodiliformes terrestres do Cretáceo do Brasil, Gondwanasuchus scabrosus, é um pequeno predador da Família Baurusuchidae, composta por importantes predadores e carniceiros que poderiam até mesmo competir por presas com pequenos dinossauros. Essa nova espécie foi descrita com base em um crânio parcialmente completo e muito bem preservado, proveniente de rochas da Formação Adamantina do município de General Salgado, noroeste do estado de São Paulo. Gondwanasuchus não passaria de 1,30 m de comprimento, mas o que esses animais não tinham em tamanho, tinham em adaptações que os tornavam eficientes predadores.

O nome do gênero, Gondwanasuchus, faz alusão a distribuição da família dos baurussuquídeos, restrita a regiões do antigo supercontinente Gondwana (que durante o Cretáceo agrupava a América do Sul, África, Madagascar, Índia, Oceania e Antártica) e, suchus, que significa crocodilo. O nome que define a espécie, scabrosus, é uma palavra em Latim que significa “tinhoso”, um apelido dado pelos pesquisadores que descreveram a espécie, devido à aparência “mal-encarada” do animal.

Figure 5 colourO fóssil de Gondwanasuchus scabrosus é representado por um crânio parcialmente completo, que foi encontrado em 2008 em associação a um grande indivíduo de Baurusuchus salgadoensis, um crocodiliforme também da família dos baurussuquídeos. Gondwanasuchus scabrosus convivia não só com outros baurussuquídeos, mas também com crocodiliformes herbívoros da família dos esfagessaurídeos. A presença de esfagessaurídeos e o fato de os depósitos da Formação Adamantina no município de General Salgado serem basicamente compostos por paleossolos (solos que foram preservados no registro geológico), sugerem que pelo menos algumas partes do habitat de Gondwanasuchus eram compostas por áreas com vegetação  arbustiva e arbórea.

Crânio peculiar:

O crânio de Gondwanasuchus  é altamente comprimido lateralmente, como o de muitos dinossauros carnívoros – bastante diferente dos crocodilos atuais! Suas narinas eram posicionadas lateralmente na região anterior do focinho e o animal possuía grandes órbitas oculares voltadas para frente.

Dentes modificados:

Crânio em vista lateral anterior dorsal e ventralOs dentes posteriores de G. scabrosus são altamente comprimidos e com bordas serrilhadas, como os dentes de alguns dinossauros carnívoros. Outra peculiaridade da dentição desses animais é a presença de profundas estrias que percorrem os dentes da base para o topo, possivelmente garantindo uma maior resistência a quebra durante o processo de caça e alimentação.

Visão especializada:

Os olhos de Gondwanasuchus scabrosus eram  destacadamente voltados para frente, diferentemente do observado na maioria dos outros crocodiliformes, que possuem os olhos orientados lateralmente. Essa característica permitia que esses animais tivessem visão binocular, ou seja, eles poderiam enxergar tridimensionalmente, o que seria muito útil para uma melhor avaliação da distância dos objetos observados e melhor precisão de seus ataques.

Quer mais detalhes? Clique no infográfico para ampliar!

esse
Clique para ampliar

Interessado em mais informações sobre esse animal?? Escreva pra gente (colecionadoresdeossos@gmail.com)!! Thiago da Silva Marinho, o primeiro autor do artigo, é membro aqui do Colecionadores de Ossos!! 

Thiago da Silva Marinho

Biólogo pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Mestre e Doutor em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), hoje é professor efetivo da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).
Desenvolve estudos com ênfase em arcossauros mesozóicos, especialmente crocodyliformes e dinossauros.
Clique aqui para ver o Currículo Lattes.
 
 

MARINHO, T. S. et alGondwanasuchus scabrosus gen. et sp. nov., a new terrestrial predatory crocodyliform (Mesoeucrocodylia: Baurusuchidae) from the Late Cretaceous Bauru Basin of Brazil. Cretaceous Research. 2013 (on-line).

Em Busca do Permiano (Parte 3) – A raiz dos ecossistemas modernos

Acompanhe a expedição Piauí-Maranhão 2013 em busca de fósseis de vertebrados permianos no nordeste brasileiro. A expedição faz parte de um extenso projeto realizado por um convênio de instituições do mundo todo, mas com base na Universidade Federal do Piauí.

Nessa terceira parte, Dr. Juan Cisneros fala sobre a importância dos estudos sobre o Permiano para compreensão da evolução dos sistemas ecológicos terrestres. Os ecossistemas modernos teriam sua raiz há mais de 290 milhões de anos!

Acompanhe as outras partes desse documentário AQUI.

Ninguém aguenta mais, nem R$0,20

Até a pré-história brasileira apoia as manifestações:

“-Queremos o Renan Calheiros fora do Senado.
– Queremos Marco Feliciano fora da Comissão de Direitos Humanos.
– Queremos que a Comissão de Meio Ambiente NÃO SEJA presidida pelo ruralista Grosso Blairo Maggi.
– Somos contra a PEC 37.
– Somos contra a PEC 33.
– Manifestantes não são terroristas.
– Somos contra os votos secretos no Congresso.
– Queremos saber porque Carlinhos Cachoeira está fora da cadeia.
– Não concordamos com a utilização de recursos públicos para a Copa do Mundo.
– Não queremos pagar um dos impostos mais caros do mundo e vivermos numa cidade violenta e mal cuidada.
– Não concordamos com os salários absurdos dos nossos políticos e com os gastos desnecessários com premiações, viagens, hotéis caros e empregos de cabide.
– Queremos transporte público de qualidade a preço justo.
– Queremos hospitais com recursos para que os médicos possam trabalhar.
– Queremos escolas de qualidade.
– Queremos ruas e calçadas acessíveis para deficientes.
– Queremos cidades livres de violência.
– Queremos honestidade e, desta vez, não vamos parar até conseguirmos viver num país melhor.”

Diversão: Batalhe pela sobrevivência em meio à criaturas pré-históricas!!

Você que é fã de jogos de tabuleiros vai adorar esse game!!

Os Colecionadores de Ossos tem o prazer de apresentar o seu primeiro jogo de tabuleiro: Mesozoic Tales.

titulo_oficial

Trata-se de um jogo de estratégia para adultos, adolescentes e crianças (a partir de 10 anos), inspirado em  livros, jogos e filmes dos anos 1980 e 1990. Você que é fã de Jurassic Park, Dino Crisis, Mundo Perdido, Carnossauro e muitos outros, simplesmente vai adorar!

A história se passa em uma ilha perdida aonde foi construído um tipo de zoológico hi-tech para abrigar bestas pré-históricas: dinossauros! O jogo começa logo após a um acontecimento imprevisível: algum desastre desativou todos os complexos da ilha e as criaturas estão à solta!!! Um grupo de pessoas tenta colocar as coisas em ordem (outras não!) e escapar em segurança.

O jogo oferece a possibilidade de jogar como pessoa ou dinossauro. Você tem a opção de atrapalhar os outros jogadores, tentando devorá-los, até que você consiga completar sua missão!

O mais interessante é que cada partida oferece possibilidades completamente diferentes, o que torna o jogo absolutamente estimulante!!

Aproveite o desconto de lançamento e garanta diversão com os amigos e a família!! (http://game.mesozoictales.com/)

propPrevendaBRApeq

(O preço do jogo: US$49.99, aproximadamente R$100).