Conheça Teyujagua, uma nova (e estranha!) espécie fóssil da região Sul do Brasil

Um grupo de pesquisa multinacional, incluindo cientistas de três universidades brasileiras e um pesquisador do Reino Unido, identificou uma nova espécie de réptil fóssil que viveu há 250 milhões de anos no Rio Grande do Sul. A descoberta ajuda a explicar como foi a evolução inicial do grupo de animais que originou os dinossauros, pterossauros, jacarés e aves.

Ilustração de Voltaire Paes
Ilustração de Voltaire Paes

A nova espécie, identificada a partir de um crânio bastante completo e bem preservado, foi batizada de Teyujagua paradoxa. O trabalho foi publicado no periódico científico Scientific Reports, do grupo Nature, em 11 de março de 2016,

O Teyujagua é bem diferente de outros fósseis de mesma idade. Sua anatomia mostra que este animal era um intermediário entre répteis primitivos e os arcossauriformes, grupo bastante diversificado que inclui todos os dinossauros extintos, além das aves e jacarés atuais”, explica Felipe Pinheiro, professor da Unipampa (Universidade Federal do Pampa) e coautor do trabalho.

Figura 2 - Fotografias
Fóssil de Teyujagua

A descoberta de Teyujagua comprova que os arcossauriformes se tornaram diversos após um grande evento de extinção em massa que ocorreu há 252 milhões de anos. Esta extinção eliminou cerca de 90% de todas as espécies de seres vivos, sendo desencadeada pelo efeito estufa causado por imensas erupções vulcânicas que ocorreram no leste da Rússia. Depois da extinção, o planeta estava despovoado, o que deu oportunidade para que alguns grupos de animais crescessem em número e diversidade. Após essa diversificação inicial, os arcossauriformes se tornaram animais dominantes nas faunas terrestres do planeta, originando incontáveis formas carnívoras e herbívoras. Teyujagua foi encontrado em rochas do início do período Triássico, testemunhando a recuperação da diversidade biológica após a extinção do período Permiano.

O nome do animal, Teyujagua, significa “réptil feroz” na língua Guarani. Faz referência a Teyú Yaguá, um personagem mitológico indígena, representado por um lagarto com cabeça de cachorro.

O Teyujagua era um animal pequeno, quadrúpede, com cerca de 1,5 m de comprimento. Seus dentes curvados, agudos e serrilhados indicam uma alimentação carnívora. As narinas de Teyujagua eram localizadas na parte de cima do focinho, o que é característico de animais aquáticos ou semiaquáticos, como os jacarés atuais. O Teyujagua provavelmente vivia às margens de rios e lagos, caçando anfíbios primitivos e pequenos répteis parecidos com lagartos, os procolofonídeos.

Figura 4 - Desenho
Reconstituição do crânio de Teyujagua

O fóssil foi encontrado no começo do ano 2015 pela equipe do Laboratório de Paleobiologia da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) no município de São Francisco de Assis, Rio Grande do Sul

Os pesquisadores continuam realizando escavações na localidade onde Teyujagua foi encontrado, com a constante recuperação de novos fósseis. Estas novas descobertas nos darão informações sobre como eram os ecossistemas terrestres em uma época anterior ao surgimento dos primeiros dinossauros e como as faunas se recuperam após grandes extinções em massa.

Figura 5 - Trabalho de campo
Pesquisadores da Unipampa em campo, no afloramento onde o fóssil foi encontrado

O trabalho completo pode ser encontrado em:  www.nature.com/articles/srep22817 

PARABÉNS, colegas!!!!

O que nos dizem as rochas?

Por Rafael Gomes de Souza

Como já dizia Raul Seixas “aprendi aprendi aprendi o segredo da vida… vendo as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar”. Embora a terminologia mais acurada nesse contexto fosse rocha, esta frase nunca foi tão verdadeira.

Mas afinal, o que é uma rocha? E uma pedra?
Bom, rochas seriam todos os produtos consolidados, resultante da união natural de minerais. Como, por exemplo, rochas sedimentares que são formadas pelo acúmulo de sedimentos (material sólido desagregado originário do intemperismo e com potencial a ser transportado e depositado) que por meio do processo diagenético são compactadas e modificadas se tornando produtos consolidados. Já as pedras são, também, materiais minerais consolidados formados em conjunto com as rochas e que, em geral, apresenta valor comercial, como diamante e ouro.

Untitled-1 copy

Imagem ilustrando, em ordem, uma rocha ígnea, sedimentos de uma praia e uma pedra preciosa (diamante)

Bom tendo esses conceitos mais ou menos fichados na mente, agora finalmente podemos nos perguntar: “Qual a sua relação com a Paleontologia e o estudo da vida?

A ciência responsável por estudar as rochas desde sua origem até sua destruição e todos os processos relacionados a isso é conhecida como Geologia, enquanto que a ciência responsável por estudar todos os vestígios orgânicos nelas preservadas é conhecida como Paleontologia. Nesse contexto, fica evidente a interelação entre essas duas ciências.

Nessa postagem irei me restringir apenas à importância que a geologia tem para todos os estudos paleontológicos. No entanto, que fique claro, como falei acima, a paleontologia também presta grandes serviços para o entendimento da geologia como, por exemplo: o auxílio na datação de fácies pela bioestratigráfia; entendimento da formação de paleosolos; estudo de rochas biologicamente depositadas ou alteradas; entre outros…

Talvez a área mais importante da paleontologia e que tenha uma maior dependência do entendimento geológico seja a Tafonomia. A tafonomia foi inicialmente definida por Efremov (1940) como estudo das leis que governam a transição dos restos orgânicos da biosfera para a litosfera. Ou seja, trocando em miúdos, essa definição nos mostra que sua principal preocupação e entender os restos orgânicos que “sobreviveram” a decomposição e por meio de inúmeros processos. Ao fim destes processos tais materiais são transformados e preservados na forma de um material não mais orgânico e sim mineral, que pertence à litosfera. Esses materiais são por nós referidos como Fósseis. Na paleontologia definimos como fóssil todo e qualquer restos e vestígios (por exemplo, ossos de animais, troncos, folhas, ovos…) ou evidências de vida (por exemplo, pegadas, modificações em substratos rochosos pretéritos) do passado geológico com mais de 11.000 anos!

A maioria esmagadora dos fósseis encontra-se preservados em depósitos de rochas sedimentares, ou seja, bacias pretéritas que apresentavam um potencial de acúmulo de sedimentos por algum agente transportador como, por exemplo, rios, ventos, gravidade, ou vários fatores atuando em conjunto. Esses mesmos agentes transportadores também são responsáveis por acumular junto aos sedimentos restos orgânicos que após a diageneses serão reconhecidos como fósseis. Uma característica bem interessante das rochas é que elas guardam em si marcas de sua evolução deposicional, ou seja, rochas sedimentares cujos sedimentos foram provenientes de rios apresentaram inúmeras características em sua rocha que nos permitirá reconhece-la como tal. A geologia nos equipa com a habilidade de reconhecer tais características, como granulometria, composição química, sucessão de fácies, elementos arquiteturais e entre outros. Com tais ferramentas conseguiremos oferecer uma explicação bem suportada quanto ao paleoambiente responsável pela deposição de tal material sedimentar. Interpretações paleoambientais são extremamente relevantes no entendimento da preservação dos fósseis e do ambiente onde tais animais viveram antes de sua morte.

Untitled-2
Imagem mostrando o ambiente de rios meandrantes de alta sinuosidade e suas “marcas” deixadas pelos e em seus sedimentos depositados (Fonte: Ghazi & Mountney, 2009)

No entanto, tais bacias não são formadas pelo acaso muito menos os sedimentos que a preencheram. A geologia também nos mostra o quão dinâmico é nosso planeta! Hoje sabemos que as placas tectônicas estão em constante movimentação, devido às forças geotérmicas de nosso planeta. Toda essa movimentação é a principal responsável por elevar na forma de montanhas ou rebaixar na forma de bacias rochas depositadas na crosta terrestre. Além disso, a constante destruição e produção das placas tectônicas em suas regiões de falhas é uma das principais razões de perda do nosso registro geológico. Pois todas as rochas depositadas sobre uma placa são com elas destruídas caso volte ao manto do planeta. Outro fator extremamente importante para a dinâmica terrestre é a energia solar responsável por regular a pluviometria e a orientação/força dos ventos. Estes são agentes fundamentais para os processos de intemperismo e transporte de sedimentos. Sendo assim, o entendimento de tais dinâmicas e o ciclo das rochas a ela atreladas nos possibilitam entender e explicar as modificações que aconteceram na Terra ao longo dos anos. Dados muito importantes para entender a evolução da vida no planeta.

Untitled-3
Imagem esquematizando o ciclo das rochas (fonte: http://cienciasdavidaedaterra25.blogspot.com.br/2011/09/ciclo-das-rochas.html)

Portanto, respondendo a pergunta do título desta postagem e dando mais significado ao trecho da música de Raul Seixas, o estudo das rochas (geologia) nos possibilita acessar de diversas formas os eventos que aconteceram no passado e ficaram preservados. Graças a esse entendimento somos capazes de: reconhecer e entender a formação de um fóssil; interpretar e compreender os paleoambientes responsáveis pela deposição dos sedimentos hoje preservados na forma das rochas que estudamos; compreender a dinâmica do planeta Terra expressa pelo tectonismo e o ciclo das rochas; e, tantos outros tipos de dados e informações que abordaremos ao longo de outras postagens. De tal forma, o conjunto dessas informações nos possibilita compreender onde, como e quando certos organismos viveram na Terra, quais os ambientes que eles ocuparam e como tais ambientes juntamente com a Terra se modificaram ao longo do tempo!

Aproveito para desejar um Feliz dia do Paleontólogo a todo que os são de fato e aqueles que o são de coração!

Algumas bibliográficas para os interessados em prosseguir seus estudos:
CARVALHO, I.S. (2009). Paleontologia. 3a Edição, volumes 1, 2 e 3, Editora Interciência.

HOLZ, M. & Simões, M.G. (2002). Elementos fundamentais de Tafonomia. Editora da
UFRGS, 231p.

PRESS, F., SIEVER, R., GROTZINGER, J. & JORDAN, T.H. (2006). Para entender a Terra. Bookman, Porto Alegre.

TEIXEIRA, W. TOLEDO, M.C.M. DE, FAIRCHILD, T.R. & TAIOLI, F. (2000): Decifrando a Terra. Oficina de Textos, São Paulo.

Referências:

EFREMOV, J. A. (1940). Taphonomy: new branch of paleontology. PanAm, Geol., V. 74, p. 81-93.

GHAZI, S. & MOUNTNEY, N. P. (2009) Facies and architectural element analysis of a meandering fluvial succession: The Permian Warchha Sandstone, Salt Range, Pakistan. Sedimentary Geology, 221: 99-126.

 
 

Ajude a popularizar a ciência no Brasil! Precisamos de você!

O amplo acesso à informação científica é fundamental para o desenvolvimento de cidadãos críticos e participativos em nossa sociedade. O conhecimento empodera o indivíduo, que passa a ter autonomia de opinião e adquire a capacidade de reconhecer informações enganosas, tornando-se hábil no processo de distinguir o que é verdade ou não em meio a um universo de desinformação.

scientist2Que a divulgação de ciência seja feita com qualidade e de forma gratuita é um grande desafio… Mas fico feliz em dizer que é possível!! Na verdade, é o mínimo que nós, cientistas, poderíamos fazer em retribuição à sociedade que financia nossas pesquisas…

A equipe dos “Colecionadores de Ossos” já vem a mais de seis anos trabalhando com divulgação de ciência (conheça-nos aqui!). Especificamente: Paleontologia, mas também algumas ciências afins, como Geologia, Biologia e Arqueologia.

Mantemos em funcionamento um blog, um portal, uma página no Facebook, outra no Twitter e, por fim, um canal no YouTube (não monetizado). Tudo tem sido um maravilhoso processo de aprendizagem! Confesso, que é difícil para um cientista acostumado com a frieza dos laboratórios e da linguagem acadêmica, aprender a dialogar com o público de uma forma que seja confortável para ambos os lados. Sabemos que o que o nosso grupo tem feito ainda não chegou ao ideal (sim, nós ouvimos as suas críticas!) e que ainda temos um longo caminho pela frente… Mas procuramos melhorar aos poucos e aí entra a história dessa campanha.

Precisamos de você!

O que gostaríamos muito de fazer é melhorar a qualidade de nossas publicações audiovisuais: nossos vídeos.

Atualmente nosso equipamente está muuuuito distante de ser o ideal. Nós gravamos os nossos vídeos com uma webcam e um ipad e o som com o celular. Sim, isso é tudo.

A resolução dos vídeos não é boa e o som deixa bastante a desejar.

Resumindo: A experiência de quem assiste os vídeos poderia ser muito melhor!

1) O que nós precisamos: Queremos melhorar a qualidade do material disponibilizado para o público e para isso precisamos de equipamentos mais adequados.

Uma boa câmera e um microfone, por exemplo, já seria um bom começo…

2) Aqui entra a sua parte: 

Você pode nos ajudar a financiar a compra de novos equipamentos de áudio e vídeo para o nosso canal! Com esse incentivo, nosso carinho e dedicação na produção de novos materiais de divulgação científica será ainda maior e você poderá ter uma experiência fantástica ao sentar, relaxar e alimentar seu cérebro :).

3) O que você ganha com isso: 

Bem, além de investir na qualidade da divulgação científica nacional, ajudando milhares de estudantes e outras pessoas ávidas por informação, você pode clamar recompensas, que vão desde agradecimentos em nossos vídeos, até VOCÊ MESMO poder escolher a temática de uma de nossas produções. Não é legal?!

4) Com quanto apoiar? 

Você decide o tamanho de seu apoio. Se você só pode ajudar um pouquinho, não tem problema. Isso já vai ajudar a gente de montão! Se todo mundo que passar por aqui deixar a sua pequena contribuição, rapidinho a gente chega lá!

Veja no gráfico abaixo quanto nós precisamos para alcançar nossos obetivos e qual o nosso prazo. Entre neste link para doar: http://www.kickante.com.br/campanhas/ajude-popularizar-ciencia-no-brasil

Contamos com seu apoio <3

Todos juntos pela divulgação de ciência!! RAWR!!

objetivos_3