Duas vias para o Computador Quântico

Escrevi para a Folha de S. Paulo no começo do mês uma reportagem especial sobre em que pé estamos de construir um computador quântico. Me detive mais em uma das vias principais, baseada no spin de elétrons em pontos quânticos (ponto quântico é uma espécie de “curral” para elétrons em um material com propriedades elétricas semelhantes ao do silício, onde dá para deixar preso um único elétron; também é chamado de “átomo artificial”, porque um elétron preso no ponto quântico emite luz como um elétron isolado em um átomo).

Isso porque entrevistei Daniel Loss, um dos teóricos que desenvolveu a idéia de computador quântico com pontos quânticos, e Seigo Tarucha, o físico experimental que construiu os primeiros pontos quânticos em laboratório, durante um congresso internacional de spintrônica.

Quando perguntei ao Loss se havia alternativas aos pontos quânticos, ele respondeu que sim, havia uma outra abordagem baseada em íons presos por raios laser. Mas ele ironizou, afirmando que a outra abordagem não tinha chance de ser miniaturizada. “Como você põe um canhão laser dentro de um chip de computador?”, ele disse e nós rimos.

Bem, no dia seguinte, perguntei a Stuart Wolf, que havia dirigido um programa do governo norte-americano para promover a pesquisa em computação quântica nos EUA, o que ele achava disso. Meu queixo caiu quando Wolf disse que David Wineland e seus colaboradores já tinham colocado os tais canhões laser dentro de um chip…

Foi dai que corri atrás de entrevistar alguém que trabalhasse com armadilhas laser de íons. E para minha surpresa, descobri que um colega de graduação, Alessandro Villar, trabalhou ano passado na Universidade de Innsbruck (Áustria) no laboratório de Rainer Blatt, o principal “concorrente” de Wineland.

Para quem quiser saber mais sobre as armadilhas de íons, poder ler na Scientific American Brasil de setembro um artigo de Wineland, disponível online em inglês.

E para quem está com vontade de ir realmente a fundo na coisa, pode ler as perspectivas publicadas pela revista IEEE Spectrum sobre a computação com armadilhas de íons e com pontos quânticos.

Uma outra coisa que não ficou clara na reportagem para a Folha é que um computador de 10 mil qubits é algo muito além dos sonhos de muitos pesquisadores. “Quem te falou 10 mil qubits devia estar pensando em algo avançadíssimo…”, comentou Villar. Na verdade, tanto o Villar, como o Loss e o Tarucha disseram que com uns 100 qubits já daria para fazer coisas muito interessantes como as tais “simulações de sistemas quânticos”, que seriam simulações detalhadas do comportamento quântico de moléculas. As simulações atuais usam várias aproximações, algumas que são inerentes a própria natureza clássica do computador normal.

Discussão - 4 comentários

  1. Igor Santos disse:

    Eu ouvi, há muito tempo, no SGU, que um computador quântico conseguia resolver equações simples, como somas e subtrações, antes mesmo de ser ligado.
    Ouvi, só não entendi…

  2. universofisico disse:

    Ah, xará, você deve estar se referindo a isso daqui:
    http://www.news.uiuc.edu/NEWS/06/0222quantum.html

  3. Igor Santos disse:

    Isso, isso, isso, isso, isso…

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM