Vou ali fazer um sanduíche e já volto…, por Danielle Lima

É comum encontrarmos estudantes de pós-graduação, dos estudos literários ou das demais áreas, que já viveram ou têm planos de viver algum tipo de experiência de pesquisa no exterior, ou seja, o famoso doutorado sanduíche. O texto de hoje é uma contribuição da mestra e doutoranda pela Unicamp Danielle Lima, falando sobre sua experiência como pesquisadora no exterior. A autora explica ainda as motivações e os ganhos de um doutorado sanduíche. Em uma época em que a pesquisa científica do nosso país anda  agonizante, vale a pena conhecer um pouco mais sobre a importância dessa experiência!

Vou ali fazer um sanduíche e já volto…
Danielle Lima

Você pode estar se perguntando o que um sanduíche tem a ver com a universidade, se nunca ouviu falar desse termo. É assim que a gente chama o período de estágio que os alunos de pós- graduação – que fazem mestrado e doutorado – fazem no exterior. Pois é, o período de pesquisa em outro país é o recheio desse lanche, digo, desse trabalho que fazemos durante alguns anos na academia. Pode até parecer que eu inventei esse nome, mas é assim que a própria Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que são agências de fomento da ciência no Brasil[1], denominam o estágio de pesquisa doutoral no exterior. Para os alunos de graduação, há também bolsas que permitem a realização de uma graduação-sanduíche, ou ainda o duplo-diploma.

Mas o que é que se faz nesse estágio, afinal? Ao longo de nossa pesquisa, nos deparamos, algumas vezes, com a dificuldade de encontrar fontes, textos ou trabalhos que nos ajudem a construir a nossa tese. E como não há (quase) nada de novo sobre a terra, pode ser que aquilo que precisamos esteja em algum outro canto do planeta. Por isso, os alunos de pós-graduação podem se candidatar a uma bolsa sanduíche no exterior para complementar suas pesquisas.

O processo todo envolve escrever um projeto que, além de explicar sua proposta, justifique a necessidade de ir a outro país buscar novos dados para a escrita de nosso trabalho. Precisamos também encontrar um professor que aceite nos receber nessa universidade no exterior e enviar os demais documentos solicitados, como carta de motivação, currículo etc. Depois disso, é só fazer as malas e se preparar para conhecer outro ambiente de pesquisa e pôr a mão na massa!

Faço parte dos meus estudos, ou seja, meu sanduíche, na França, numa cidade chamada Bordeaux. Aqui há várias universidades e fui aceita para trabalhar como pesquisadora na Université Bordeaux Montaigne. Veja só: aqui na França, o trabalho de pesquisa é considerado um emprego mesmo; então, não necessariamente sou considerada aqui uma estudante. Em outros países, ou a depender da universidade (mesmo na França), os alunos que vêm fazer seu sanduíche podem frequentar a universidade como estudantes e, assim, a depender de suas pesquisas e de seus orientadores no exterior, além de pesquisarem, também podem frequentar aulas.

No meu caso, meu trabalho é ir a bibliotecas (sim, há várias!), recolher material de pesquisa e apresentar relatórios para o professor que acompanha minha pesquisa aqui. Então, uma das bibliotecas que mais frequento é especial para pesquisadores e doutorandos, havendo muita bibliografia interessante para meu trabalho. Ou seja, pesquiso, separo obras, me dedico à leitura e também a me organizar para levar o que for possível para o Brasil.

Ah, mas precisa ir tão longe para isso? Hoje há tantas coisas na internet, não dá para pesquisar assim? Sim, é preciso ir longe!

 

O período sanduíche de uma pesquisa é importante não só para o pesquisador em si, que encontrará materiais variados, em diversas línguas, mas também para a própria universidade de onde vem. Afinal, para além do trabalho braçal de pesquisa, esse estágio permite a troca de ideias, o conhecimento de outra cultura e a divulgação daquilo que fazemos no Brasil. Vejam, eu sou aluna de Letras Clássicas e estudo latim. Trata-se de uma área de pesquisa que ainda pode ser considerada recente e que ganha cada vez mais força em nosso país. Porém, já são estudos tradicionais em diversos países como França, Itália, Alemanha entre outros, que muito produziram e ainda produzem sobre a literatura e cultura clássica – sem contar que alguns deles guardam não só influências da cultura greco-romana em sua arquitetura, mas também ruínas da Antiguidade.

Assim, tendo a oportunidade de vir pesquisar na França, posso conhecer um pouco das inúmeras pesquisas feitas aqui e contar o que faço no Brasil, expandindo as possibilidades de diálogo na pesquisa científica.

Isso vale, é claro, para qualquer área do conhecimento! Por isso as bolsas sanduíche são importantes para a formação acadêmica e para tornar a pesquisa brasileira internacional. Não à toa, além das bolsas oferecidas por instituições nacionais (tanto governamentais, quanto privadas), muitas universidades estrangeiras oferecem financiamento para que brasileiros realizem pesquisas no exterior.

Se você ganhou ânimo para pensar num tema de pesquisa e, quem sabe, fazer parte dela no exterior, você pode procurar informações práticas pelos links abaixo:

Bolsa Sanduíche Capes: http://www.capes.gov.br/bolsas/bolsas-no-exterior

Bolsa Sanduíche CNPq: http://cnpq.br/bolsas-no-exterior1

Outras bolsas: http://noticias.universia.com.br/estudiar-extranjero

[1] Ou seja, agências que são responsáveis por manter e por divulgar a produção científica em nosso país.

Uma resposta para “Vou ali fazer um sanduíche e já volto…, por Danielle Lima”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content