E eu teria conseguido se não fossem por aqueles garotos intrometidos e esse cachorro idiota!  

Nobel 2011, Mel√Ķes e Bal√Ķes

O Prêmio Nobel de Física em 2011 foi dividido entre Saul Perlmutter, Brian Schmidt e Adam Riess, pela descoberta da aceleração da expansão do Universo.

A expansão do Universo já era algo consolidado no meio científico, mas a descoberta de que essa expansão ocorre de forma acelerada, gerou surpresa entre os cosmólogos, no final da década de 90.

Marcou também o começo das pesquisas sobre Energia Escura, já que é necessária a sua existência para poder explicar essa aceleração da expansão, em contrapartida o que seria naturalmente esperado, a redução da velocidade de expansão, devido a atração gravitacional.

Alguns anos mais tarde, e em um Universo um pouco maior, estamos aqui vendo o reconhecimento ao trabalho desses três cientistas e seus colaboradores.

Segundo o Guia do Mochileiro das Galáxias a Wikipédia:

Mel√£o (Cucumis melo L.) √© uma fruta provavelmente nativa do Oriente M√©dio. Existem in√ļmeras variedades cultivadas em regi√Ķes semi-√°ridas de todo o mundo, todas apresentando frutos mais ou menos esf√©ricos, com casca espessa e polpa carnosa e suculenta, com muitas sementes achatadas no centro. A cor e a textura da casca, bem como a cor e o sabor de sua polpa, variam de acordo com o cultivar.

A abund√Ęncia de √°gua em seu interior e o sabor suave tornam o mel√£o uma fruta muito apreciada na forma de refrescos. Suas sementes, tostadas e salgadas, tamb√©m podem ser consumidas.

Segundo algumas fontes, alternativas, um melão é constituído de cerca de 90% de água.

Para mim, n√£o restam d√ļvidas, um mel√£o √© algo redondo, e cheio de √°gua.

Mas, vejam s√≥, no estranho Universo em que vivemos, algo que se chama mel√£o pode n√£o ser necessariamente um mel√£o, e coisas redondas cheias de √°gua tamb√©m podem n√£o ser necessariamente mel√Ķes.

A ocorr√™ncia simult√Ęnea desses dois eventos √© rara e potencialmente perigosa, mas ao mesmo tempo interessante, e voc√™ pode conferir no v√≠deo abaixo:

Como diz a Wikipedia o Guia do Mochileiro das Galáxias, o Universo é muito grande, e muito estranho, e se algum dia alguém descobrir porque ele está aqui e pra que serve, ele se destruirá e alguma coisa ainda mais estranha tomará o seu lugar.

Por mais que o Guia esteja certo (e ele sempre está), eu ainda não estou convencido de que o Universo é de fato um melão.

Existe um modelo muito divertido para explicar como a expans√£o do universo acontece. Basicamente, voc√™ pega um bal√£o, desenha bolinas nele, representando galaxias (pode ser mais pr√°tico comprar aqueles bal√Ķes com desenhos de estrelas. =P) e ent√£o, encha o bal√£o. Conforme o bal√£o vai inflando, sua superf√≠cie vai se expandir, e como consequ√™ncia, as suas “galaxias” v√£o se afastar uma das outras. Praticamente um Universo.

Alguns podem n√£o acreditar, mas eu j√° fui crian√ßa. Entre uma e outra brincadeira, aprendi que poderia me divertir atacando meus amigos com proj√©teis feitos de flu√≠dos envoltos com borracha. Tamb√©m conhecido como bal√Ķes de √°gua.

Qualquer pessoa pode construir um balão de água, simplesmente substituindo o tradicional ar, por água. Trivial, trivial. No fim das contas, você terá algo redondo e cheio de água. Mas não será um melão.

Se voc√™ quiser usar o bal√£o para demonstrar para algu√©m a expans√£o do Universo, sugiro seguir os ensinamentos da nossa amiga Mulher Mel√£o (que aparentemente n√£o √© redonda, embora tenha cerca 70% de √°gua). Encha seus bal√Ķes com √°gua, veja a expans√£o acontecer, e no fim, voc√™ ter√° um Universo, redondo, cheio de √°gua, e uma arma fatal contra seus amigos.

Onde est√° sua rapidez da luz agora?!

Eis que há pouco mais de uma semana: bomba, bomba, neutrinos viajando mais rápido que a velocidade da luz! Eu não sou tão rápido, então a postagem sobre esse interessante assunto só está saindo hoje. Mas se ainda assim você não estava sabendo, é interessante dar uma lida em alguns desses links antes de continuar:

http://astropt.org/blog/2011/09/22/mais-rapido-que-a-luz-3 (em português)
http://theastronomist.fieldofscience.com/2011/09/superluminal-claims-require-super.html (em inglês)

A regra √© clara. Se algo que sai de um lugar e chega a outro, demora menos tempo para percorrer essa dist√Ęncia do que a luz teria demorado, ent√£o √© poss√≠vel assumir que esse algo foi mais r√°pido que a luz.

Viu a rapidez daquele neutrino?

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagine então que não existem mais radares para fiscalizar a rapidez dos veículos nas estradas. Você, ao sair, define um lugar onde quer chegar. E então, alguém mede o tempo que você levou para percorrer a viagem e calcular sua rapidez. Você poderia andar acima do limite em alguns trechos, porém, abaixo em outros, e chegar ao fim de sua viagem sem ser multado.

Os neutrinos chegaram antes do que havia sido estipulado pela Polícia Rodoviária do Universo.

E pode isso, Arnaldo?

“A F√≠sica n√£o permite.”

 

 

 

 

 

 

Bem, ainda n√£o se sabe, na verdade.

Podem haver erros de medi√ß√£o, ¬†pode ser que eles realmente tenham viajado com rapidez acima da rapidez da luz, ou ainda, pode ser que eles n√£o tenham percorrido certo trecho do espa√ßo… ou outra coisa… ou n√£o…

Ent√£o quer dizer que n√£o preciso jogar meu GPS fora?

Eu n√£o sei usar mesmo…

 

 

 

 

 

 

 

Afirma√ß√Ķes de que a relatividade est√° errada, de que Einstein estava errado, e outra nesse sentido foram ditas e escritas por a√≠. Na verdade, toda a Teoria Cient√≠fica √© v√°lida dentro de um determinado modelo, seguindo determinados par√Ęmetros.

Mesmo que as evid√™ncias sugiram que os neutrinos de fato viajaram a uma rapidez superior √† luz, isso n√£o significa que a Relatividade proposta por Einstein esteja errada, da mesma forma que a Mec√Ęnica de Newton n√£o estava errada quando a Relatividade de Einstein foi proposta.

S√£o apenas modelos diferente que, a sua maneira, podem ser usados para descrever a natureza que est√° a nossa volta.

O GPS √© apenas um exemplo de aplica√ß√£o pr√°tica do que prop√Ķe a Teoria da Relatividade. E a menos que voc√™ seja um padre querendo voar com bal√Ķes, sabe que os GPS’s est√£o funcionando, e muito bem. Mas supondo que a Teoria n√£o seja mais v√°lida, a ponto de n√£o poder mais incluir os efeitos relativ√≠sticos usados no funcionamento dos GPS’s, ent√£o ter√≠amos que procurar uma outra Teoria para explicar como √© que eles est√£o funcionando. N√£o √© como viajar com bal√Ķes, mas √© ainda √© muito emocionante.

Cientistas não são contra a mudança ou adaptação de modelos teóricos. Pelo contrário, ser cientista é estar disposto a mudar de opinião diante de novas evidências. Mesmo que alguns estejam trabalhando em teorias opostas para explicar o comportamento medido pela equipe do CERN, estão todos entusiasmados.

O tempo dirá qual das hipóteses permanecerá como mais aceitável, enquanto isso, pegue sua pipoca, acomode-se na cadeira, e assista a História acontecendo diante de seus olhos.

Welcome… welcome…

Na ultima Quinta-Feira (29 de Setembro de 2011), a Improbable Research realizou a 21¬™ Cerim√īnia de Premia√ß√£o do IgNobel. S√°tira do famoso e prestigiado Nobel, o IgNobel homenageia pesquisas curiosas, que fazem rir e depois pensar.

Al√©m da entrega dos pr√™mios, a cerim√īnia tamb√©m conta com momentos engra√ßados, como o sorteio para um encontro com um laureado do Nobel, ou o desafio 24/7, onde os cientistas e pesquisadores tem 24 segundos para descrever de forma completa e t√©cnica suas pesquisas, e ainda explica-la de uma forma que qualquer um possa entender, em apenas sete palavras.

Destaque especial para a Miss Sweetie Poo, uma ador√°vel garotinha requisitada quando algu√©m estoura o tempo dispon√≠vel para discurso. Miss Sweetie Poo invade o palco gritando¬†“Por favor, pare, estou entediada”.

Tudo intercalado com uma divertida Opera sobre Químicos em um Café.

A lista completa dos vencedores e as respectivas referências podem ser encontradas no site oficial: http://www.improbable.com/ig/winners/#ig2011.

A Cerim√īnia est√° dispon√≠vel na Integra, no YouTube. (a partir do minuto 25, se voc√™ n√£o quiser ver as pessoas chegando…)