Que me dobre este dedo

Um espanhol, padre e parapsicólogo se tornando o nome mais popular do ceticismo brasileiro no século XX? Isso ecziste.

√ďscar Gonz√°lez Quevedo¬†Bruz√≥n, o Padre Quevedo, de postura carism√°tica, sotaque carregado e conhecidos bord√Ķes, ganhou destaque em v√°rios programas de TV desmascarando charlatanismo, curandeirismo e explicando como truques de ilusionismo poderiam ser usados por enganadores em geral.

Entre seus desafiantes vamos do filho de meu póóe ao suposto filho do capeta, passando por entortadores de talheres, curandeiros,  videntes e tantos outros.

Padre Quevedo deixou este mundo no ultimo dia 9, com todos seus dedos intactos. E com esse pequeno post presto minhas homenagens.

pequevedo

Nossos parabéns ao ScienceBlogs Brasil

10anos_3-620x620

Esse post é parte da Blogagem Coletiva de comemoração aos 10 anos do ScienceBlogs Brasil.

Os blogs como conceito morreram, o que sobrou foram as plataformas. Ci√™ncia e pol√≠tica pouco tem a ver uma com a outra, e quem muito insiste √© por ter segundas ou terceiras inten√ß√Ķes. A minha vida de cientista guardo para as biografias. Aproveito, ent√£o, a semana de tema livre pra me unir na blogagem coletiva de merecida comemora√ß√£o dos 10 anos do ScienceBlogs Brasil.

Leitor desde o inicio, e colaborador h√° uns 6 anos, fico feliz de¬†ver a rede ativa at√© hoje. √Č dif√≠cil vencer o tempo, e como um olhar atento pode notar, as vezes √© ele quem est√° em vantagem. Contra a desmotiva√ß√£o, falta de renova√ß√£o ou foco (ou falta dele) em outras m√≠dias, quem por iniciativa pr√≥pria ou via buscador cai em scienceblogs ponto com ponto br ainda pode ter a certeza de encontrar uma divulga√ß√£o cient√≠fica feita com qualidade.

Não saber se esse espaço ainda existirá quando for a hora de escrever o parabéns de 20 anos é algo que me deixa inquieto.

A consequência óbvia é perder o arquivo. A consequência mais complexa é perder a referência.

Sempre imaginei que o ScienceBlogs Brasil como¬†a principal refer√™ncia em divulga√ß√£o cient√≠fica. Assim como algu√©m querendo saber quem √© sujeito que consegue equilibrar mais batatas na ponta do p√© iria recorrer ao Guinnes Book, algu√©m querendo tirar alguma d√ļvida sobre algo cient√≠fico iria recorrer ao ScienceBlogs Brasil. Ousado, mas em retrospecto, parecia ser esse o caminho que trilhava a rede logo que cheguei. E sempre vi justamente o fato de ser uma rede como o principal potencial para o sucesso. Hoje em dia me parece claro que ficamos pra tr√°s.

Fruto de sua época, o ScienceBlogs Brasil não deve deixar de se orgulhar do seu passado. Mas estaríamos como um artista de apenas um sucesso, vivendo apenas de passado? Sobreviverá o ScienceBlogs Brasil aos anos 20 deste século?

Pensando racionalmente, em um cenário pessimista talvez não chegaremos nem aos 15. Mas meu desejo é o de comemorar 20, 30 e talvez até 40 anos.

Por hora, sente-se comigo no Restaurante no Fim do Universo (onde provavelmente todo blog j√° acabou) e levante sua Dinamite Pangal√°ctica em um brinde ao ScienceBlogs Brasil.

via GIPHY

Tudo que você precisa saber sobre meteoros HOJE

russiameteor

Aparentemente, na madrugada de hoje (hor√°rio do Brasil) um meteorito caiu na regi√£o de Chelyabinsk, R√ļssia, cerca de 1500 km distante de Moscou. H√° relatos de ferimentos causados principalmente por cacos de vidros das janelas quebradas por causa da onda de choque.

Os registros s√£o impressionantes.

Esse é um tipo de evento em que uma onda de desinformação é uma merda um problema. Então, aqui está uma lista de respostas para perguntas que possivelmente alguém deve estar se fazendo agora.

Ainda h√° risco?

Para ter rela√ß√£o com o evento russo seria necess√°rio algumas condi√ß√Ķes, como esse meteorito estar acompanhado de outros fragmentos. A principio n√£o √© o que aconteceu. Entretanto, o risco sempre existe.

Vi que um asteroide passar√° perto da Terra nessa sexta. Tem algo a ver com o meteorito russo?

√Č poss√≠vel estimar uma possibilidade de √≥rbita do meteorito russo baseado nas posi√ß√Ķes que as filmagens mostram. Essa seria um orbita diferente do asteroide pr√≥ximo da Terra (chamado 2012 DA14). Tamb√©m h√° uma diferen√ßa de tempo entre o hor√°rio do choque do meteorito, com a m√°xima aproxima√ß√£o do asteroide. Isso s√£o ind√≠cios de que um n√£o tem nada a ver com o outro.

Qual a diferença entre asteroide, meteorito e meteoro?

Sem√Ęntica. Asteroide √© uma pedra vagando pelo espa√ßo. Meteoro √© o efeito visual causado pelo contato dessa pedra com a atmosfera terrestre, e meteorito √© o nome dado para a pedra depois que h√° o choque com o solo. Tomando o caso russo como exemplo, ele foi as tr√™s coisas. Um asteroide que entrou na atmosfera da Terra, foi filmado como meteoro, e agora √© um meteorito.

N√£o s√£o pedras, s√£o aerolitos.

E cometas?

Cometas s√£o parecidos com asteroides, mas compostos basicamente de gelo, o que faz com que ganhem a famosa cauda ao se aproximar do sol.

Qual era o tamanho dessa pedra? Desculpe, aerolito…

Isso ainda precisa ser calculado. Baseado em alguma possível cratera ou mesmo restos do meteorito.

Atualiza√ß√£o:¬†As estimativas da NASA s√£o de 17 metros de di√Ęmetro e massa de 10 mil toneladas.

Do que ela é feita?

Não dá pra saber sem ver ele primeiro. Mas asteroides em geral são divididos em grupos de composição, sendo a maior parte do tipo condrito. Rochas de silicatos.

Ataualização: Confirmando as estatísticas, o meteorito russo é do tipo condrito ordinário.

Por que ninguém avisou que ele iria cair?

Asteroides s√£o pequenos. Existem dois problemas para achar esse tipo de objeto. Eles refletem pouca luz e ocupam uma √°rea pequena no c√©u. Os telesc√≥pios que procuram por esse tipo de objeto precisam varrer uma √°rea grande, e isso (por quest√Ķes de √≥tica) dificulta ver coisas pequenas que estejam longe.

Mas avisaram do asteroide…¬†

O asteroide √© provavelmente maior que o meteorito russo. Talvez tenha ainda um “golpe de sorte” dele ter passado pela √°rea de varredura de um dos nossos telesc√≥pios. Mesmo assim, n√£o faz nem um ano da sua descoberta.

Quem busca esse tipo de coisa?

Existem alguns programas ao redor do mundo que fazem a varredura do c√©u e mapeiam objetos pr√≥ximos da Terra. Lincoln Near-Earth Asteroid Research, Catalina Sky Survey e Siding Spring Sky Survey ¬†s√£o os programas de maior sucesso. S√£o n√ļmeros que no total passam da casa dos 200 mil objetos. O Catalina, por exemplo, atinge uma taxa de aproximadamente 500 objetos pr√≥ximos da Terra por ano.

E o Brasil?

O Brasil tamb√©m possu√≠ um programa de varredura de asteroides. √Č o IMPACTON.

Você pode garantir que o asteroide não cairá?

Eu, particularmente, n√£o. Mas os c√°lculos mostram isso, e podemos confiar neles.

Qual a frequência desse tipo de evento?

Asteroides pequenos caem todos os dias. A atmosfera acaba consumindo eles completamente antes que atinjam o solo. S√£o as chamadas estrelas cadentes.

Asteroides de 4 metros caem em m√©dia uma vez por ano. Conforme o tamanho aumenta, mais raro de acontecer. Grandes asteroides muitas vezes associados com eventos de extin√ß√£o em massa costumam aparecer em intervalos de milh√Ķes de anos.

Você pode me falar de algum caso recente?

Um caso recente e interessante √© o meteorito 2008 TC3 que caiu no Sud√£o em 2008. Foi o primeiro que foi rastreado desde a determina√ß√£o de sua orbita, at√© o local de queda. Os astr√īnomos puderam acompanhar seu trajeto¬†passo a passo. Estimado em 80 toneladas e cerca de 5 metros de di√Ęmetro o meteoro se desfragmentou durante a queda, resultando em cerca de 600 peda√ßos somando algo em torno de 10 kg.

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Governos escondem informa√ß√Ķes a respeito de eventos astron√īmicos que podem por em risco a popula√ß√£o?

N√£o que eu tenha como saber. Mas a maior parte desses dados s√£o p√ļblicos, al√©m de astr√īnomos amadores ao redor do mundo. Eventos como esses costumam se dividir entre aqueles que n√£o temos como prever e aqueles que n√£o temos como esconder. Governos talvez estejam interessados em saber de um potencial asteroide que destruir√° a Terra, mas n√£o penso que essa informa√ß√£o n√£o fosse divulgada por algu√©m.

Esse evento tem algo a ver com a ren√ļncia do Papa?

N√£o.

Esse evento tem algo a ver com alguma mensagem divina?

N√£o.

Esse evento tem algo a ver com Aliens?

Err…

NO

—————–

Para outras d√ļvidas, usem os coment√°rios. ūüėČ
ATUALIZAÇÃO

Alguns leitores querem saber de onde o asteroide que passará perto da Terra poderá ser visível.

De que lugar do mundo é possível ver o asteroide?

O mapa abaixo mostra (em tons de verde) de onde o asteroide ser√° “vis√≠vel”. Vis√≠vel aqui quer dizer que ele estar√° ‘acima do horizonte’, j√° que o asteroide n√£o pode ser visto sem auxilio de bin√≥culos ou telesc√≥pios.

2012da14vis

Gráfico de autoria de Geert Barentsen.

Fim do Mundo: Aquilo que “Eles” n√£o querem que voc√™ saiba

Blogagem coletiva Fim do Mundo

O mundo será destruído para a construção de uma nova via expressa espacial. Isso, todo mundo sabe. Quando vai acontecer (se já não aconteceu) ainda é um pouco duvidoso. Os golfinhos ainda estão por aqui, mas as baleias já estão se preparando.

A destruição total do mundo só é divertida se você tem um amigo de Betelgeuse para lhe ajudar com uma carona. Divertido mesmo, é a destruição parcial do mundo e todas as aventuras da pesada com uma turminha do barulho que só a vida em um ambiente pós apocalíptico pode proporcionar. Documentários como Mad Max e Waterworld estão aí e não me deixam mentir.

Um cenário pós apocalíptico aceitável requer alguns requisitos:

Escala global: Pode parecer √≥bvio, mas qualquer apocalipse s√≥ faz sentido se afetar o mundo inteiro. Se existir alguma regi√£o sem o efeito do evento apocal√≠ptico, ou as pessoas afetadas pelo evento fogem, ou recebem ajuda. √Č importante perceber que eventos biol√≥gicos podem come√ßar localmente e ent√£o se espalhar at√© atingir o status de evento apocal√≠ptico, mas o mesmo n√£o acontece com outros tipos de ¬†cen√°rios, como os casos de desastres naturais.

Isolamento: A comunicação precisa ser precária. Os sobreviventes irão se reunir em pequenos grupos. Se for um apocalipse nuclear ou cósmico, provavelmente as pessoas estarão em alguma espécie de bunker. A propósito, se você tem um bunker, muito cuidado com as pessoas que vai escolher para sobreviverem com você. Principalmente, se vocês forem os responsáveis por repovoar a Terra depois do fim do mundo. Fica a Dica.

Risco constante: Um cen√°rio p√≥s apocal√≠ptico √© chamado assim por um √ļnico motivo. O Apocalipse j√° aconteceu e mais cedo o mais tarde ser√° o fim para o seu grupo de sobreviventes tamb√©m. O grupo precisa estar constantemente em risco, seja pelo perigo direto gerado pelo apocalipse, seja pelos seus efeitos colaterais, ou ainda, por motivos externos, como o combate com outros grupos de sobreviventes em busca de recursos, e o mais importante de todos, um tirano querendo dominar todos os sobreviventes.

Dois Homens entram, um Homem sai...

No meio de toda a escatologia em torno de 2012, há um grupo de pessoas que trabalham todos os dias para garantir que o nosso mundo pós apocalíptico terá todas as fases aqui descritas. Eles fazem parte das Sociedades Secretas. Aquelas que de tão secretas, todo mundo conhece. Eles.

Apocalipse Conspiracionista para 2012 [risada maléfica]

Como toda boa conspira√ß√£o, as informa√ß√Ķes devem ser ocultadas das pessoas comuns. √Č por isso que ningu√©m jamais viu Nibiru. Um planeta gigantesco (quatro vezes maior que J√ļpiter, dizem alguns), habitado, que vai passar pr√≥ximo da Terra em 2012 (se chocar, dizem alguns), j√° deveria estar sendo visto h√° muito tempo. Pior, teria efeitos seus efeitos gravitacionais percebidos por qualquer Astr√īnomo. O fato de n√£o existir qualquer evid√™ncia da presen√ßa de Nibiru, a ponto de se considera-lo inexistente, s√≥ prova uma coisa: As Sociedades Secretas s√£o muito boas em esconder as coisas.

Um Fil√≥sofo um dia disse: “Se fosse para mandar um idiota fazer, eu mesmo teria feito”. Por que esperar o Fim do Mundo vir de fora, se voc√™ mesmo pode causa-lo? √Č exatamente por isso que foi criado a Incr√≠vel M√°quina do Fim do Mundo. A mais terr√≠vel Doomsday Machine desde que os projetos originais foram roubados do Nikola Tesla. Disfar√ßada de experimento cient√≠fico, (p√©ssimo disfarce, todo mundo sabe que cientista √© evil por natureza) e n√£o estou falando do LHC, mas do perigoso HAARP.

Uma s√©rie de antenas, supostamente usadas para o estudo da ionosfera terrestre, mas que na verdade servem para controlar o clima e causar terremotos. √Č t√£o bem constru√≠da, que causa enchentes em lugares onde sempre houve enchentes e terremotos em lugares onde sempre houve terremotos. Estatisticamente n√£o faz diferen√ßa nenhuma a exist√™ncia da m√°quina. Tampouco existe algum fundamento na alega√ß√£o de que a pot√™ncia ou frequ√™ncia em que as antenas operam poderiam causar os terremotos. Perfeito, dessa forma, nunca ser√° poss√≠vel ligar os eventos catastr√≥ficos aos verdadeiros criadores e o segredo est√° mantido seguro mais uma vez.

Eles¬†sempre pensam em tudo. √Č tranquilizador saber que o Fim do Mundo est√° em boas m√£os.

Terrível máquina do Fim do Mundo

E se por acaso o mundo n√£o acabar em 2012, n√£o entre em p√Ęnico. Outras datas de fim de mundo j√° est√£o previstas para voc√™ aproveitar.

Em 2060, o Fim do Mundo previsto por Isaac Newton. Alguns anos antes, em 2036 o asteroide 99942 Apophis passará próximo da Terra, o quanto próximo, ou o quanto perigoso, ainda é discutível, mas o nome não engana, 999 é 666 ao contrário e 42, bom, é 42 e não preciso dizer mais nada.

Especial – Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – WTC

 

No ultimo artigo da S√©rie Especial sobre as Conspira√ß√Ķes envolvendo os Atentados de 11 de Setembro, vamos tratar do mais impressionante acontecimento daquela Ter√ßa.

Milhares de pessoas ao redor do mundo assistiram ao vivo o choque do segundo avi√£o, e a queda das torres.

Deixamos o no plane de lado, e vamos analisar as principais alega√ß√Ķes conspiracionistas.

Todo o racioc√≠nio de conspira√ß√£o est√° baseado na ideia de que as Torres foram implodidas, e que o choque n√£o dos avi√Ķes, e suas consequ√™ncias, n√£o seriam suficientes para derrub√°-las.

O NIST (The National Institute of Standards and Technology) realizou um aprofundado estudo sobre as causas do desabamento dos tr√™s pr√©dios do complexo do WTC. Nesse estudo √© explicado que o impacto dos avi√Ķes retirou a camada de prote√ß√£o das vigas de a√ßo, deixando-as exposta aos calor do inc√™ndio. O a√ßo perdeu sua capacidade de resist√™ncia, e os andares inferiores n√£o conseguiram suportar a carga dos andares superiores. [1]

Por mais que os conspiracionistas tentem afirmar o contrário, a queda das torres não possuí características de demolição controlada.

Em demoli√ß√Ķes controladas costuma-se demolir as colunas de sustenta√ß√£o principais para que a gravidade fa√ßa o resto do trabalho. Vemos a constru√ß√£o caindo como um todo, a partir da parte de baixo. No WTC, a queda acontece no ponto de impacto dos avi√Ķes. [2][3]

H√° ainda o fato de n√£o se escutar qualquer barulho de explosivos, algo totalmente contr√°rio ao cen√°rio de uma implos√£o.

Outra alega√ß√£o de evid√™ncia de explosivos usada pelos conspiracionistas s√£o os “jatos” vistos saindo pelas janelas do WTC no momento da queda. Mas que nada mais s√£o do que ar sendo jogado para fora quando o andar de cima cai sobre o andar de baixo. [4]

Sabendo que ainda h√° muito assunto para ser discutido, encerro aqui essa s√©rie de postagens especiais sobre as Conspira√ß√Ķes envolvendo os Atentados de 11 de Setembro. Os canais de contato est√£o abertos para aqueles que desejarem realizar seus coment√°rios, e em breve pretendo escrever outros artigos sobre essa e outras conspira√ß√Ķes.

—————————–
Referências:

1- http://www.nist.gov/el/disasterstudies/wtc/
2- http://projetoockham.org/figuras/911/torresul.jpg
3- http://projetoockham.org/historia_911_3.html
4- http://www.popularmechanics.com/technology/military/news/debunking-911-myths-world-trade-center

Especial – Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – Voo 93

 

√önico dos quatro avi√Ķes sequestrados em 11 de Setembro que n√£o atingiu seu alvo (provavelmente o Capit√≥lio, em Washington). √Ās Dez horas e tr√™s minutos,¬† em Somerset County, pr√≥ximo de Shanksville, Pennsylvania, o Boeing 757 da United Airlines mergulhou violentamente contra o solo.

A vasta documenta√ß√£o a respeito desse voo (como as liga√ß√Ķes telef√īnicas dos passageiros e as conversas dos terroristas na cabine), mostrando a iniciativa dos passageiros em enfrentar os terroristas que haviam sequestrado a aeronave, rendeu duas obras cinematogr√°ficas. [1][2]

Mas para os conspiracionistas, esse voo n√£o existiu.

Assim como no caso do Pent√°gono, a principal corrente conspiracionista defende a ideia¬†“no plane” para o voo 93, ou seja, nenhum avi√£o foi sequestrado ou mesmo jogado contra o solo naquele 11 de Setembro.

As alega√ß√Ķes de que n√£o h√° ¬†destro√ßos do avi√£o √© logo refutada no momento em que os destro√ßos do avi√£o √© apresentado. [3][4][5][6]

Outra alega√ß√£o conspiracionista est√° nas liga√ß√Ķes telef√īnicas dos passageiros. A conspira√ß√£o dita que n√£o √© poss√≠vel realizar liga√ß√Ķes atrav√©s de telefones celulares a partir de aeronaves, entretanto ignora o fato de que essas liga√ß√Ķes foram realizadas a partir dos aparelhos do pr√≥prio avi√£o, tamb√©m conhecidos como Air Phones. [7]

Há ainda uma outra versão conspiratória que afirma que o avião foi derrubado pelo Governo dos Estados Unidos da América com a intenção de impedir que o avião atingisse seu alvo. Mas isso não será abordado por essa série.

No próximo post: O WTC foi implodido?
——————-
Referências:
1- http://en.wikipedia.org/wiki/United_93_(film)
2- http://en.wikipedia.org/wiki/Flight_93_(TV_film)
3- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200060.html
4- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200061.html
5- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200063.html
6- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200066.html
7- http://www.911myths.com/images/f/f8/Moussaoui_Trial_Transcript_April_11_2006.pdf p.77

Especial – Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – Pent√°gono

 

Cerca de meia hora após a decolagem do voo 77 da American Airlines, na manhã do dia 11 de Setembro de 2001,  Hani Hanjour toma o controle da aeronave e a conduz para o choque fatal contra uma das laterais do complexo militar americano conhecido como Pentágono.

Para algumas pessoas, isso nunca aconteceu.
“No plane” √© o nome usado para designar as teorias conspirat√≥rias do 11 de Setembro que envolvem a ideia de que o Boeing 757 n√£o se chocou contra o Pent√°gono. As alternativas utilizadas pelos conspiracionistas incluem um avi√£o menor, um m√≠ssil, ou at√© mesmo apenas explosivos plantados no local.
A teoria conspirat√≥ria “no plane” foi amplamente difundida pelo famoso v√≠deo Pentagon Strike[1] feito por Darren Williams e produzido pela Sings o the Times[2]. As alega√ß√Ķes contidas nesse v√≠deo s√£o reproduzidas at√© hoje pelos conspiracionistas, embora o v√≠deo contenha uma s√©rie de mentiras ou informa√ß√Ķes incoerentes.
Vamos ver algumas delas.
A principal alega√ß√£o: “n√£o h√° qualquer vest√≠gio de um Boeing na cena do suposto ataque”.
Essa é uma alegação simplesmente mentirosa.
Vários destroços compatíveis com um Boeing 757 são vistos nas imagens de momentos após o ataque, incluindo partes do trem de pouso[3] e do motor[4].
Allyn E. Kilsheimer foi o primeiro Engenheiro a chegar ao local, e declarou com total convicção estar diante de um acidente com uma aeronave, descrevendo não somente ter visto os destroços do avião, como também os restos mortais dos tripulantes[5].
Imagens oficiais dos destroços do avião também foram exibidas durante o julgamento de Zacarias Moussaoui  (condenado pelo 11 de Setembro), e estão disponíveis publicamente para consulta.[6]
Outra alega√ß√£o muito comum, √© a de que “o FBI confiscou imagens de estabelecimentos pr√≥ximos que confirmariam a inexist√™ncia do avi√£o.
Essa alegação já foi quase verdade.
Na √©poca do surgimento do Pentagon Strike, de fato os v√≠deos referentes √†s c√Ęmeras de dois estabelecimentos pr√≥ximos ao Pent√°gono (um posto de gasolina e um hotel), estavam sob posse do FBI. Por√©m em 2006, atrav√©s do FOIA (do Ingl√™s, Ato de Liberdade de Informa√ß√£o) a organiza√ß√£o Judicial Watch conseguiu que os v√≠deos fossem publicamente divulgados[7]. Entretanto, as imagens dos v√≠deos s√£o compat√≠veis com a vers√£o do voo 77 da American Airlines se chocando contra o Pent√°gono.
No próximo post:  UA 93, da conspiração ao cinema.
————————————-
Referências:

Especial – Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro

 

Em 11 de Setembro de 2001, uma organiza√ß√£o terrorista sequestrou quatro avi√Ķes em solo americano. Dois deles foram jogados contra as Torres G√™meas do Wolrd Trade Center em Nova York. Outro foi jogado contra o Pent√°gono, em Washington. O √ļltimo, caiu nos arredores de Shanksville, sem atingir seu alvo original.

Dez anos mais tarde, essa ainda é a história que todos conhecemos. Mas ela não é unanime.

Conspirar √© preciso[1]. N√£o √© imposs√≠vel pensar que mesmo algu√©m pr√≥ximo do “Ground Zero” no dia 11 de Setembro de 2001 chegou a pensar que tudo aquilo n√£o passava de um “trabalho interno”. Talvez, at√© voc√™ tenha pensado…

Os grupos de conspiracionistas a cerca do 11 de Setembro come√ßaram a se organizar. “Pentagon Strike”[2] (Um v√≠deo de alguns minutos que continha algumas alega√ß√Ķes de que o choque de um avi√£o contra o Pent√°gono era uma mentira, e que na verdade, um m√≠ssil havia atingido o complexo militar dos Estados Unidos) foi, em 2002, o primeiro contato que eu tive com a Teoria de Conspira√ß√£o. Ele teve uma boa repercuss√£o na Internet, e por esses fatores, √© considerado por mim como o marco do surgimento oficial da “Teoria de Conspira√ß√£o do 11 de Setembro”.

Desde ent√£o, os grupos conspirarionistas ganharam corpo. Associa√ß√Ķes de pilotos, engenheiros e arquitetos foram criadas. Diversos document√°rios lan√ßados explorando o tema. Livros e revistas. O “Truth Movement”[3] re√ļne hoje algumas dessas associa√ß√Ķes tornando a atividade conspiracionista n√£o apenas uma “busca pela verdade”, mas tamb√©m um grande neg√≥cio.

Na semana em que os Atentados de 11 de Setembro completam uma d√©cada, vamos explorar os principais argumentos conspiracionistas em uma s√©rie de postagens, conforme os acontecimentos daquela manh√£ de Ter√ßa-Feira. Teria um m√≠ssil atingido o Pent√°gono? As torres foram implodidas por explosivos plantados dias antes? O avi√£o que caiu na Pensilv√Ęnia nunca existiu?

Essas e outras perguntas começa a ser respondidas a partir do próximo post da série, que irá tratar do ataque ao Pentágono.

Até lá.

1- http://www.ceticismoaberto.com/fortianismo/6282/teorias-de-conspirao-so-naturais
2- http://www.pentagonstrike.co.uk/
3- http://www.911truth.org/

————————————–
Links para as postagens da série:

Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – Pent√°gono
Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – Voo 93
Conspira√ß√Ķes do 11 de Setembro – WTC