Tudo que você precisa saber sobre meteoros HOJE

russiameteor

Aparentemente, na madrugada de hoje (hor√°rio do Brasil) um meteorito caiu na regi√£o de Chelyabinsk, R√ļssia, cerca de 1500 km distante de Moscou. H√° relatos de ferimentos causados principalmente por cacos de vidros das janelas quebradas por causa da onda de choque.

Os registros s√£o impressionantes.

Esse é um tipo de evento em que uma onda de desinformação é uma merda um problema. Então, aqui está uma lista de respostas para perguntas que possivelmente alguém deve estar se fazendo agora.

Ainda h√° risco?

Para ter rela√ß√£o com o evento russo seria necess√°rio algumas condi√ß√Ķes, como esse meteorito estar acompanhado de outros fragmentos. A principio n√£o √© o que aconteceu. Entretanto, o risco sempre existe.

Vi que um asteroide passar√° perto da Terra nessa sexta. Tem algo a ver com o meteorito russo?

√Č poss√≠vel estimar uma possibilidade de √≥rbita do meteorito russo baseado nas posi√ß√Ķes que as filmagens mostram. Essa seria um orbita diferente do asteroide pr√≥ximo da Terra (chamado 2012 DA14). Tamb√©m h√° uma diferen√ßa de tempo entre o hor√°rio do choque do meteorito, com a m√°xima aproxima√ß√£o do asteroide. Isso s√£o ind√≠cios de que um n√£o tem nada a ver com o outro.

Qual a diferença entre asteroide, meteorito e meteoro?

Sem√Ęntica. Asteroide √© uma pedra vagando pelo espa√ßo. Meteoro √© o efeito visual causado pelo contato dessa pedra com a atmosfera terrestre, e meteorito √© o nome dado para a pedra depois que h√° o choque com o solo. Tomando o caso russo como exemplo, ele foi as tr√™s coisas. Um asteroide que entrou na atmosfera da Terra, foi filmado como meteoro, e agora √© um meteorito.

N√£o s√£o pedras, s√£o aerolitos.

E cometas?

Cometas s√£o parecidos com asteroides, mas compostos basicamente de gelo, o que faz com que ganhem a famosa cauda ao se aproximar do sol.

Qual era o tamanho dessa pedra? Desculpe, aerolito…

Isso ainda precisa ser calculado. Baseado em alguma possível cratera ou mesmo restos do meteorito.

Atualiza√ß√£o:¬†As estimativas da NASA s√£o de 17 metros de di√Ęmetro e massa de 10 mil toneladas.

Do que ela é feita?

Não dá pra saber sem ver ele primeiro. Mas asteroides em geral são divididos em grupos de composição, sendo a maior parte do tipo condrito. Rochas de silicatos.

Ataualização: Confirmando as estatísticas, o meteorito russo é do tipo condrito ordinário.

Por que ninguém avisou que ele iria cair?

Asteroides s√£o pequenos. Existem dois problemas para achar esse tipo de objeto. Eles refletem pouca luz e ocupam uma √°rea pequena no c√©u. Os telesc√≥pios que procuram por esse tipo de objeto precisam varrer uma √°rea grande, e isso (por quest√Ķes de √≥tica) dificulta ver coisas pequenas que estejam longe.

Mas avisaram do asteroide…¬†

O asteroide √© provavelmente maior que o meteorito russo. Talvez tenha ainda um “golpe de sorte” dele ter passado pela √°rea de varredura de um dos nossos telesc√≥pios. Mesmo assim, n√£o faz nem um ano da sua descoberta.

Quem busca esse tipo de coisa?

Existem alguns programas ao redor do mundo que fazem a varredura do c√©u e mapeiam objetos pr√≥ximos da Terra. Lincoln Near-Earth Asteroid Research, Catalina Sky Survey e Siding Spring Sky Survey ¬†s√£o os programas de maior sucesso. S√£o n√ļmeros que no total passam da casa dos 200 mil objetos. O Catalina, por exemplo, atinge uma taxa de aproximadamente 500 objetos pr√≥ximos da Terra por ano.

E o Brasil?

O Brasil tamb√©m possu√≠ um programa de varredura de asteroides. √Č o IMPACTON.

Você pode garantir que o asteroide não cairá?

Eu, particularmente, n√£o. Mas os c√°lculos mostram isso, e podemos confiar neles.

Qual a frequência desse tipo de evento?

Asteroides pequenos caem todos os dias. A atmosfera acaba consumindo eles completamente antes que atinjam o solo. S√£o as chamadas estrelas cadentes.

Asteroides de 4 metros caem em m√©dia uma vez por ano. Conforme o tamanho aumenta, mais raro de acontecer. Grandes asteroides muitas vezes associados com eventos de extin√ß√£o em massa costumam aparecer em intervalos de milh√Ķes de anos.

Você pode me falar de algum caso recente?

Um caso recente e interessante √© o meteorito 2008 TC3 que caiu no Sud√£o em 2008. Foi o primeiro que foi rastreado desde a determina√ß√£o de sua orbita, at√© o local de queda. Os astr√īnomos puderam acompanhar seu trajeto¬†passo a passo. Estimado em 80 toneladas e cerca de 5 metros de di√Ęmetro o meteoro se desfragmentou durante a queda, resultando em cerca de 600 peda√ßos somando algo em torno de 10 kg.

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Governos escondem informa√ß√Ķes a respeito de eventos astron√īmicos que podem por em risco a popula√ß√£o?

N√£o que eu tenha como saber. Mas a maior parte desses dados s√£o p√ļblicos, al√©m de astr√īnomos amadores ao redor do mundo. Eventos como esses costumam se dividir entre aqueles que n√£o temos como prever e aqueles que n√£o temos como esconder. Governos talvez estejam interessados em saber de um potencial asteroide que destruir√° a Terra, mas n√£o penso que essa informa√ß√£o n√£o fosse divulgada por algu√©m.

Esse evento tem algo a ver com a ren√ļncia do Papa?

N√£o.

Esse evento tem algo a ver com alguma mensagem divina?

N√£o.

Esse evento tem algo a ver com Aliens?

Err…

NO

—————–

Para outras d√ļvidas, usem os coment√°rios. ūüėČ
ATUALIZAÇÃO

Alguns leitores querem saber de onde o asteroide que passará perto da Terra poderá ser visível.

De que lugar do mundo é possível ver o asteroide?

O mapa abaixo mostra (em tons de verde) de onde o asteroide ser√° “vis√≠vel”. Vis√≠vel aqui quer dizer que ele estar√° ‘acima do horizonte’, j√° que o asteroide n√£o pode ser visto sem auxilio de bin√≥culos ou telesc√≥pios.

2012da14vis

Gráfico de autoria de Geert Barentsen.

Nobel da Folia

Jo√£o Paulo do Rio Branco era o Secret√°rio de Turismo do Estado da Guanabara em 1966. Uma das fun√ß√Ķes da Secretaria de Turismo do Estado da Guanabara era organizar o Carnaval da cidade do Rio de Janeiro. Uma das tarefas ao organizar o carnaval do Rio de Janeiro √© selecionar as personalidades que receber√£o o convite oficial do Governo do Estado para fazer parte das festividades.

JB26011966

Jornal do Brasil – 26/01/1966

Em 1966 a lista de convites internacionais tinha nomes como Salvador Dal√≠, o 007 Sean Connery, as Princesas Ira von F√ľrstenberg e¬†Soraya Esfandiary-Bakhtiari, as atrizes Ingrid Bergman e Gina Lollobrigida, e por √ļltimo mas n√£o menos importante, um cientista vencedor do pr√™mio Nobel de F√≠sica do ano anterior, Richard Feynman.

Pipocou na imprensa internacional rumores de uma epidemia de tifo no Rio e até o Itamaraty foi acionado para tranquilizar os turistas que viriam para o Carnaval. Não sei se funcionou, mas pelo menos nenhum dos convidados oficiais utilizou a epidemia como motivo para não vir ao Carnaval.

Jornal do Brasil - 02/02/1966

Jornal do Brasil – 02/02/1966

Salvador Dal√≠ alegou compromissos profissionais. Soraya, problemas com a sa√ļde da sua m√£e. Ira, compromissos pessoais. Sean Connery e Ingrid Bergman n√£o foram vistos no Rio. E a Gina Lollobrigida, filmando em Paris, ficou em cima do muro e deixou o pessoal do Tursimo da Guanabara esperando at√© o √ļltimo dia, mas n√£o apareceu.

Jornal do Brasil - 03/02/1966

Jornal do Brasil – 03/02/1966

√Č isso mesmo que voc√™ est√° lendo. Como quando voc√™ √© uma crian√ßa, √© seu anivers√°rio, e voc√™ tem medo que ningu√©m venha na sua festinha. Ningu√©m veio.

Feynman veio. Não foi sua primeira vez no Brasil, nem no Carnaval do Rio. Ele já havia tocado frigideira em um bloco, e passou a se interessar bastante pelos instrumentos utilizados no samba. Notícias que corriam pela época falavam que um dos motivos que fizeram a sua primeira esposa pedir o divórcio foi o barulho da cuíca.

Jornal do Brasil - 04/02/1966

Jornal do Brasil – 04/02/1966

Richard e sua segunda esposa, Gweneth, seriam recebidos pelo Secretário Rio Branco e 200 passistas do Salgueiro, Mangueira, Portela e Império Serrano, ao som da Bateria da Mocidade, mas parece que as autoridades do aeroporto não permitiram. Participaram de ensaios, dos principais bailes e assistiram aos desfiles das escolas de samba.

Jornal do Brasil - 18/02/1966

Jornal do Brasil – 18/02/1966

Al√©m da “imensa saudade dessa festa grandiosa” Feynman levou na bagagem um agog√ī com a inscri√ß√£o O maior foli√£o de 1966, presente da Associa√ß√£o das Escolas de Samba.

A seguir, IBAGENS IN√ČDITAS fotos que voc√™ talvez ainda n√£o tenha visto do Carnaval em que por falta de celebridades, um f√≠sico virou a principal atra√ß√£o.

Ultima Hora - 19/02/1966

Ultima Hora – 19/02/1966

Ultima Hora - 19/02/1966

Ultima Hora – 19/02/1966

 

Jornal do Brasil - 24/02/1966

Jornal do Brasil – 24/02/1966

Ultima Hora - 23/02/1966

Ultima Hora – 23/02/1966

A prop√≥sito, Jo√£o Paulo do Rio Branco deixou a Secretaria de Turismo antes do fim daquele ano. Feynman n√£o achou que foi coincid√™ncia…